Arquivo da categoria: Cordoba

Talleres venceu e o São Paulo jogou um futebol pequeno demais. Nada a contestar.

Leia o post original por Nilson Cesar

O São Paulo perdeu em Córdoba por 2 x 0 para o Talleres e terá muitas dificuldades para reverter a situação no Morumbi. O time tricolor não jogou absolutamente nada e precisa jogar tudo no Morumbi para seguir em frente na Libertadores. Time sem qualidade técnica e pouquíssima atitude dentro de campo. O Talleres me pareceu mais pronto e melhor taticamente . Se for desclassificado na semana que vem…

Source

Jogos que eu vi: Argentina 0 x 0 Brasil

Leia o post original por Lédio Carmona

Antes de qualquer coisa, informo que não persigo treinador, nem ninguém, e considero Mano Menezes um bom treinador. Fui favorável à escolha do seu nome pela CBF. E gostei do seu começo de trabalho. As derrotas para a Argentina (1 x 0), França (1 x 0), Alemanha (3 x 2), empate com a Holanda (0 x 0) e uma participação medíocre na Copa América mexeram com Mano. Encurralado, resolveu apostar no hoje em detrimento do amanhã. Reviu conceitos. Aposta em escalações de segurança. Primeiro, para não perder. Depois, para ganhar. Ontem, foi assim. Paciência que brasileiros e argentinos tinham apenas jogadores que atuam nos respectivos países. A mão-de-obra verde e amarela era melhor. A Seleção tinha Neymar, Ronaldinho Gaúcho, Leandro Damião…. A Argentina apostava na base do que restou do Velez, forte na Libertadores, hoje 10º colocado no Apertura. Sabia que o amistoso não seria bom (como quase todos são ruins). Mas não achei que fosse ser tão lastimável. O placar final de 0 a 0 soa tão inevitável quanto às cabeçadas que o blogueiro precisou afastar enquanto acompanha o jogo com o quarteto de amigos competentes, Milton Leite/Mauricio Noriega/Felipe Brizola/Vitorino Chermont.

Era jogo para o Brasil ganhar. Tanto que, no fim, a Argentina gostou do empate. Alejandro Sabella e os próprios jogadores sabiam que a mão-de-obra convocada por Mano Menezes era superior. Assim mesmo, a Argentina chutou mais.

E a Seleção, que podia ter um bom time em campo, naufragou com um meio de campo inacreditável (para padrões de Seleção Brasileira) formado por Ralf, Paulinho e Renato Abreu. Ou você prefere o triângulo de volantes/apoiadores usado contra a Alemanha? Que tal Ralf, Ramires e Fernandinho?

Diante dessa limitação de idéias no meio de campo, com Neymar segurando demais a bola, e com RG apagado, restou ao Brasil comemorar de vez a convicção de que a camisa 9 tem dono. Até quando não faz gol, Leandrio Damião brilha. Melhor do Brasil. Duas bolas na trave. Uma no primeiro tempo. Outra no segundo, após lambreta espetacular em Papa. Merecia o gol. Não deu. Tinha mesmo que ser 0 a 0. No fundo, no fundo, é o que todos queriam. E a vida segue, apática, melancólica e a cada dia mais inconvincente.

Que tal fazer igual no basquete e colocar um técnico estrangeiro na Seleção Brasileira?

Leia o post original por Milton Neves

Já que o Muricy recusou e o Mano não emplaca, então, a CBF deveria fazer com o futebol o mesmo que a CBB fez com o basquete.

Tirar o aventureiro piloto de teco-teco da cabine do avião e colocar um estrangeiro para comandar o Boeing do Brasil.

Ora, com Rubén Magnano não deu certo?E olha que o argentino não pôde contar com os brasileiros Leandrinho e Nenê, afetados pela contagiosa “Síndrome do Muricy”.

Nomes, evidentemente, não faltam. Aliás, quem não quer pilotar o maior avião do mundo? Para o bem da saúde pública do esporte brasileiro, seria bom que isso acontecesse…

E, se é para chutar o balde, eu colocaria o Maradona.Não foi bem com a Argentina na Copa da África, mas depois que vestiu a camisa do Brasil em uma propaganda de refrigerante reencontrou seu caminho no esporte.

Agora, não se iluda! O Boeing da Seleção está no ponto cego da CBF.

Em algum momento, como tudo que na vida sobe um dia tem que descer, vai aparecer no radar do torcedor e, então, o Mano perderá o brevê.

Hoje à noite, em Córdoba, diante da Argentina, o plano de voo prevê turbulência e erros de decolagem e aterrissagem.

Exatamente como ocorreu em Doha, na volta de Ronaldinho Gaúcho à Seleção, quando o Brasil perdeu para o time portenho por 1 a 0 com gol de Messi.

Anote, aperte o cinto e opine. Em caso de emergência, máscaras de oxigênio caíram sobre a cabeça…


Clique aqui e confira a história de Maradona na sessão “Que Fim Levou?”