Arquivo da categoria: Corinthianismo

‘Caso Clayson’ é o terceiro ‘gol contra’ do Corinthians em 2019

Leia o post original por Perrone

O “caso Clayson” entra para a lista de problemas que o Corinthians arrumou para ele mesmo neste ano. São “gols contra” que o clube fez, como se fosse seu próprio adversário. Abaixo, veja três oportunidades em que isso aconteceu.

Clayson

Imagens divulgadas pela Corinthians TV sobre os bastidores da classificação do time para a final do Campeonato Paulista mostram o atacante provocando o árbitro do jogo com o Santos. “Chupa, (Rafael) Claus”, disse o atacante, entre outros disparos. A provocação não tinha se tornado pública até a iniciativa do próprio clube. Depois disso, o jogador entrou na mira do TJD (Tribunal de Justiça Desportiva).

Minutos depois da divulgação, o clube retirou o vídeo de seu canal no YouTube e publicou uma nova versão sem a ofensa de Clyason ao juiz.

Gramado

Depois das finais do Campeonato Paulista, a Arena Corinthians deve ficar um tempo sem jogos para a recuperação de seu gramado. O problema é decorrente da decisão do clube de alugar o estádio para a realização do Monster Jam (competições com caminhões).

Em 2017, o alvinegro aproveitou que a grama precisaria ser replantada e negociou a realização do evento na terra. Porém, em 2018, foi tomada a decisão de receber a atração sobre o gramado. E em duas sessões, uma a mais do que na temporada anterior.

A grama foi protegida por uma cobertura durante a competição em dezembro. Mas já em janeiro jogadores começaram a reclamar do gramado. Não só adversários. Cássio se queixou mais de uma vez e chegou a relacionar sua dificuldade na reposição de algumas bolas a buracos no campo. Atletas de outras equipes também se queixaram de uso de terra em algumas partes do campo afetadas.

Os responsáveis pelo gramado identificaram que o fato de ele ficar abafado durante o Monster Jam provocou a proliferação de um fungo que o prejudicou. Como a decisão foi interromper as atividades em Itaquera para solucionar o problema, o Corinthians começará a jogar o Brasileiro sem poder atuar em sua casa. Isso como resultado de uma iniciativa tomada pelo próprio clube.

“Corinthianismo”

A campanha desenvolvida pelo departamento de marketing do alvinegro e que compara torcer pelo clube a uma religião incluiu um escudo estilizado. A peça, passou a ser usada em comunicados oficiais da agremiação. A ação fez conselheiros acusarem a diretoria de desrespeitar o estatuto. Isso porque o distintivo não pode ser alterado sem autorização do Conselho Deliberativo.

A decisão foi de não usar mais o símbolo estilizado em comunicações oficiais, evitando problemas internos. A campanha também foi alvo de protestos de religiosos.

 

Críticos do “Corinthianismo” têm planos para tentar engavetar campanha

Leia o post original por Perrone

Conselheiros do Corinthians incomodados com a campanha que compara torcer para o clube a uma religião ainda falam em tentar  “cancelar” o projeto publicitário.

Líderes dessa ala afirmam que o clube precisa engavetar o “Corinthianismo” para evitar confronto com instituições religiosas.

A ideia é convencer o presidente Andrés Sanchez a deixar de veicular a campanha, aos poucos, até que ela mergulhe no esquecimento. A eventual venda de produtos ligados ao projeto seria prejudicada.

Como mostrou o blog, a iniciativa já começou a perder espaço nas mídias alvinegras. A principal mudança foi a retirada  do escudo estilizado do clube dos comunicados oficiais da agremiação. Nas fotos de divulgação de vídeos do canal cotintiano no YouTube, no entanto, o símbolo ainda aparece.

De acordo com a assessoria de imprensa do Corinthians a mudança já estava prevista para abrir espaço para a campanha “Respeita as minas” e não tem relação com críticas.

Membro da diretoria, porém, disse ao blog que a direção decidiu deixar de usar o distintivo do “Corinthianismo” para respeitar o estatuto. As regras alvinegras estabelecem que o escudo só pode ser alterado com aprovação do Conselho Deliberativo, que não foi consultado.

O grupo de críticos da campanha se sente fortalecido após Luís Paulo Rosenberg pedir demissão do cargo de diretor de marketing pouco depois de seu afastamento ser cobrado por eles via carta a Andrés. O suposto  desrespeito do “Corinthianismo” a religiões era um dos argumentos contra o diretor.

Eles acreditam ter poder de negociação com Andrés para brecar o trabalho publicitário. Não colidir com a igreja católica será um dos principais argumentos. Como publicou o blog, o uso de símbolos religiosos gerou incômodo na Arquidiocese de São Paulo.

 

 

 

Escudo do ‘Corinthianismo’ perde espaço. Clube nega que seja por críticas

Leia o post original por Perrone

Alvo de críticas dentro e fora do Corinthians, a campanha denominada “Corinthianismo” começa a perder espaço nos perfis da agremiação em redes sociais e em seu site. Segundo um diretor que pediu para não ter seu nome revelado, a direção decidiu retirar o escudo estilizado criado para campanha dos comunicados oficiais. Segundo ele, a decisão foi tomada depois que conselheiros reclamaram que a mudança do distintivo só poderia teria sido feita com aprovação do Conselho Deliberativo. Eles afirmam que o estatuto foi ferido.

A mesma fonte sustenta que cenas do filme principal da ação, que compara torcer para o time a uma religião, foram excluídas de versões menores exibidas na TV por conta de reclamações de religiosos. Como mostrou o blog, a iniciativa incomodou a igreja católica em São Paulo. Evangélicos também reclamaram para diretores do alvinegro.

Por meio de sua assessoria de imprensa, porém, o Corinthians nega que tenha mudado os rumos da campanha por causa de críticas. A alegação é de que já estava previsto que o símbolo do “Corinthianismo” não continuaria estampando os comunicados oficiais. Isso porque havia um prazo inicial para a massificação da campanha. Nesse período, o escudo estilizado ocupou a capa dos perfis alvinegros e assim aparecia nas postagens. Também segundo a assessoria de imprensa, estava previsto que a partir desta sexta (1º de março) seria dado espaço para a campa “Respeita as minas”.

Em relação aos filmes veiculados em emissoras de TV sem algumas das imagens que usam símbolos religiosos e geraram críticas, o departamento de comunicação corintiano afirma que já estava planejado que versões menores seriam exibidas e que a edição não foi influenciada por eventuais queixas.

A assessoria de imprensa também declara que os espaços na televisão fazem parte da permuta envolvendo a venda dos direitos de transmissão dos jogos da equipe. E ainda que a agência F/Nazca S&S não cobrou para criar a campanha publicitária. O “Corinthianismo” gerou parte das críticas sofridas por Luís Paulo Rosenberg, que acabou pedindo demissão da diretoria de marketing.

‘Corinthianismo’ incomoda igreja católica. Conselheiro padre vê desrespeito

Leia o post original por Perrone

A campanha para divulgar o “Corinthianismo”, que compara torcer para o clube com uma religião, gerou incômodo na cúpula da igreja católica em São Paulo. Na última sexta, uma reunião envolvendo pelo menos um bispo discutiu o tema. O padre Jeferson Mengalli, da diocese de Bragança Paulista e conselheiro do Corinthians, confirmou ao blog que a peça publicitária gerou desconforto.

Mengalli tenta marcar uma reunião do presidente alvinegro, Andrés Sanchez, e de Luís Paulo Rosenberg, diretor de marketing, com o bispo dom Luiz Carlos Dias, ligado à região em que fica o Parque São Jorge, para tratar do assunto. Em depoimento ao blog, Mengalli afirmou considerar o vídeo usado no lançamento da campanha desrespeitoso.

Procurada por meio de sua assessoria de imprensa, a Arquidiocese de São Paulo afirmou que não se pronunciaria sobre o assunto porque não constituiu uma comissão para analisar o “Corinthianismo”. Disse também que a arquidiocese não recebeu consulta formal do clube antes de a campanha ser lançada. Por sua vez, o departamento de comunicação do Corinthians declarou que não se pronunciaria sobre o tema. Já a assessoria de imprensa da F/Nazca S&S, agência contratada para desenvolver a campanha, não respondeu ao blog até a publicação deste post.

Conforme apurou o blog, internamente, a primeira avaliação foi de que nas redes os torcedores se dividiram equilibradamente a favor e contra a peça publicitária. Num segundo momento, a análise passou a ser de que a maioria demonstrava aprovação.

Abaixo, leia o depoimento de Mengalli dado ao blog por meio de mensagem por WhatsApp.

“Para mim, como religioso, cristão e conselheiro do Corinthians, essa campanha de marketing está sendo uma grande falta de respeito com o sagrado. Muito está se falando de religião ligada ao time de futebol, ao clube. Mas o primeiro ponto a ser visto é o significado de religião.

A palavra vem do latim Religare, que é o desejo, a ação do homem para estar de volta diante de Deus. Assim, vejo de modo muito objetivo que essa campanha, que visa dinheiro,  pois trata-se de marketing, é uma campanha que leva os menos informados à prática da idolatria, linguagem religiosa.

Outro ponto é o desrespeito aos símbolos sagrados do catolicismo. Você deve ter visto o vídeo. E percebeu que do inicio ao fim é mostrado o sofrimento corintiano associado à Paixão de Cristo. Perrone, eu nasci no Corinthians, também faço parte do Bando de Loucos. Mas, tudo tem limite. Fiquei muito triste e decepcionado com que vi no vídeo. O Corinthians tem outros meios para atingir o torcedor, os sócios do clube. Não precisa disso.

A Arquidiocese de São Paulo não gostou nada da campanha. Tenho conversado todos esses dias com dom Luiz Carlos Dias, que é o Bispo da região Belém, que abrange o clube social (Parque São Jorge). E será proposta uma conversa com o presidente Andrés e com o diretor de marketing Rosenberg. Vamos buscar um diálogo.

De modo geral, atingiu a todos os cristãos, católicos ou não. E até mesmo os que não têm religião, muitos não gostaram. Cancelar não sei se é possível (respondendo ao blog se o objetivo é o cancelamento da campanha). Mas acredito numa questão de conscientização.

Cada coisa no seu lugar, Perrone. Não se brinca com o sagrado. Em outros lugares e outras religiões, se algo parecido com isso acontecesse, o clube seria invadido. Entende?

Mas haverá sim um contato da Igreja com a diretoria do clube. Pois, diferentemente do que alguns estão dizendo, a igreja não autorizou nada. Colocar alguém crucificado na trave do gol é lamentável. Um homem carregando a cruz. Toda a questão do tríduo pascal, como paralelo ao sofrimento do clube. Foi mau gosto. Batismo,  paixão, morte, ressurreição. Foi uma triste comparação.

E mais, nosso clube tem sua religiosidade por natureza. Temos São Jorge,  temos nossa capela dentro do clube, onde temos batizados e missas todos os domingos.

Contra a campanha. Essa é a posição da igreja. O sagrado foi profanado. E falo isso com tristeza, pois o Corinthians para mim é minha segunda casa e me deixou triste e preocupado.”

 

 

Muita honra fazer parte dessa religião

Leia o post original por Craque Neto

Aproveitando o aniversário de nascimento do eterno Dr. Sócrates, o departamento de marketing do Timão lançou oficialmente nesta terça-feira (19) a campanha sobre a nova religião no Brasil: o Corinthianismo. Tem até uma tábua com os 10 mandamentos para ser um Fiel. O projeto exalta a paixão do torcedor pelo clube – praticamente um culto! – e também a imagem de alguns personagens históricos do clube. E para minha honra eu fui um dos escolhidos para ser um dos 11 ‘apóstolos’, digamos assim. Fiquei muito contente! Me deixa admirado e envaidecido saber que após tanto tempo o torcedor ainda me […]

O post Muita honra fazer parte dessa religião apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Os dez mandamentos do “Corinthianismo”

Leia o post original por Perrone

O Corinthians ainda não marcou data para o lançamento de sua nova campanha de marketing que compara torcer para o time a uma religião. Porém, os “10 mandamentos do Corinthianismo” foram publicados recentemente num anuário sobre o futebol brasileiro. O blog confirmou com fonte no clube que é a versão que a diretoria pretende lançar. A campanha é elaborada pela F/Nazca, uma das agências de publicidade mais importantes do país. Abaixo, confira os dez mandamentos publicados:

1 – “Amar o Corinthians acima de qualquer resultado, partida e jogador.”

2 – “Nada é mais importante do que o jogo do Corinthians.”

3 – “Aqui é Corinthians. Aqui é na raça”.

4 – “A Fiel não vaia. A Fiel apoia os 90 minutos”

5 – “Nossas glórias mil são contra tudo e contra todos”.

6 – “O bando grita mais forte quando o Timão está perdendo”.

7 – “Sofredor hoje. Sofredor amanhã. Sofredor pra sempre. Graças a Deus”.

8 – “Este time só tem um dono. Este time é do povo”.

9 – “Eu nunca vou te abandonar. Porque eu te amo”.

10 – “Vai, Corinthians!”.