Arquivo da categoria: demissão

T. Nunes demitido e Duílio candidato à presidência é injusto e incoerente

Leia o post original por Perrone

A demissão de Tiago Nunes no Corinthians repete uma injusta e incoerente situação vista com frequência no futebol brasileiro. O treinador fica praticamente com toda a culpa pelo fracasso. E o dirigente sai ileso.

No caso do ex-técnico corintiano, injustiça e incoerência estão ainda mais escancaradas.

Enquanto Tiago está desempregado, o ex-diretor de futebol, Duílio Monteiro Alves, é lançado candidato da situação à presidência do clube na eleição marcada para novembro.

É como se dois dos envolvidos diretamente no naufrágio de um navio fossem julgados e tivessem resultados bem diferentes. Um levou a pena máxima, no caso, a demissão. Já o outro foi premiado, ganhou a oportunidade de disputar a cadeira mais cobiçada de um dos maiores clubes do país.

É como se Duílio não tivesse participado da contratação de Tiago, que foi muito mal no cargo, e de uma série de jogadores criticados por torcida e imprensa.

Parece até que o técnico apareceu do nada no clube e saiu contratando sem ter que dar satisfação a ninguém.

Difícil entender como o trabalho de Tiago pode ser reprovado e o de seu chefe aprovado. Ou ser escolhido pelo presidente do clube, Andrés Sanchez, para tentar ser seu sucessor não significa aprovação?

Duílio foi um dos responsáveis por toda a estrutura que afundou com o técnico. “Ah, mas o trabalho dele não pode ser avaliado só pelo desempenho do time nesta temporada”, podem dizer alguns. Mas foi dado ao treinador o mesmo tempo de trabalho? Não.

É preciso ainda lembrar que o Corinthians atrasou quatro meses de salários de jogadores e comissão técnica. E Duílio fazia parte da diretoria responsável por isso. É complicado trabalhar bem sem receber.

O ex-diretor de futebol, que deixou o posto para cuidar da campanha, não deveria sair ileso do diagnóstico de que o treinador perdeu o apoio dos jogadores. Uma de suas tarefas era evitar que a situação chegasse a tal ponto.

O trabalho de Tiago Nunes foi péssimo. Seria difícil mantê-lo no cargo. Não defendia essa permanência. O que não dá para engolir é que alguém que também errou feio seja escolhido para tentar alcançar em poucos meses a presidência. Esse tipo de imunidade para cartolas não deveria existir. Todos precisam arcar com seus erros. Demitir um e promover outro não faz sentido.

Opinião: Rogério paga preço por aposta arriscada no Cruzeiro

Leia o post original por Perrone

Rogério Ceni foi ousado quando decidiu trocar o Fortaleza, clube no qual já era ídolo, pelo Cruzeiro, em crise dentro e fora de campo. Nada contra a ousadia do treinador. Cada um decide se deve ou não ser ousado ao planejar sua carreira. Não existe fórmula de sucesso. Só que nesse caso estava claro o alto risco. Não deu outra: demissão em menos de dois meses.

Os sinais de vida dura para o ex-goleiro eram evidentes. A começar pela missão de afastar um time grande da zona de rebaixamento. Pegar um time montado por outro treinador com características diferentes das suas não costuma ajudar quem precisa de resultados rápidos. A situação fica mais crítica enquanto a diretoria enfrenta uma grave crise política e não pode se concentrar apenas no salvamento da equipe.

Para piorar, Rogério nunca foi considerado um cara de relacionamento fácil. Desde os tempos de jogador, seu alto nível de exigência e suas posições firmes tornaram a convivência com colegas complicadas algumas vezes. Todo mundo sabia que ele treinaria medalhões no Cruzeiro. O risco de choque com pelo menos um de seus comandados era evidente. E aconteceu com Thiago Neves, inicialmente.

Fragilizada politicamente, era de se esperar que a diretoria não tivesse peito para bancar o treinador diante da aparente insatisfação de alguns atletas. O desfecho mais óbvio aconteceu com o anúncio da demissão do técnico.

Ceni poderia ter ficado tocando sua vida no Fortaleza, mas apostou alto no Cruzeiro. Fez um investimento de risco e perdeu. É do jogo. Ele não deve ser crucificado pela escolha. Críticas devem ser direcionadas à diretoria cruzeirense, que toma a decisão amadora de demitir um profissional com tão pouco tempo de casa. Mas não dá para negar que, ao tentar avançar algumas casas, Rogério deu passos para trás.