Arquivo da categoria: eleição

Justiça manda Peres pagar dívida por festa da vitória. Cartola nega calote

Leia o post original por Perrone

José Carlos Peres foi condenado em primeira instância a pagar R$ 7.750, com correção monetária, referentes à conta em um bar na festa de sua vitória na eleição para presidente do Santos em 9 de dezembro de 2017. Ele também terá que arcar com juros de 1% ao mês a partir do momento de sua citação.

A ação foi movida por Básico Comércio de Alimentos. De acordo com a acusação, metade da despesa teria sido paga por Orlando Rollo, eleito como vice, mas que está rompido com  o presidente e licenciado do cargo.

Procurado pelo blog, Peres disse que vai recorrer da decisão, tomada na última quinta (7) pelo juiz Cláudio Teixeira Villar da 2ª Vara Cível de Santos. “Não fui eu que contratei a festa. Fui convidado quando já estava indo embora. Fiquei por volta de 40 minutos e fui embora. Os reais contratantes pagaram a metade e deixaram para eu pagar a outra metade. Não sou desonesto”, afirmou o presidente santista.

Por sua vez, Rollo contestou a versão do desafeto. “Paguei a minha parte à época. Ele que cumpra a decisão judicial e pague a dele. Coitado do comerciante que tomou calote”, disse Rollo. Ele também afirmou que “todos” contrataram a festa em comum acordo.

Na ação inicial do processo, um dos sócios do bar, Sidney Garcia, conselheiro santista e integrante da chapa vitoriosa. ofereceu a casa para a confraternização. Segundo sua versão, Peres e Rollo aceitaram a oferta e ficou acordado que ambos dividiriam as despesas. “Cabe informar que o valor gasto foi de R$ 15.500. O candidato a vice-presidente, Orlando Rollo, acertou sua parte logo ao final do evento, cumprindo com o combinado”, diz trecho da peça de acusação. O sócio do bar alega que tentou receber a outra metade de maneira amigável antes de acionar a Justiça, mas não obteve sucesso.

Com Eder Traskini, colaboração para o UOL, em Santos

Justiça nega pedido de Leila para receber indenização de vices do Palmeiras

Leia o post original por Perrone

Decisão da 43ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo considerou improcedente ação na qual Leila Pereira pedia indenização por danos morais no valor de R$ 300 mil dos três vice-presidentes do Palmeiras que assinaram nota de repúdio contra entrevista dada por ela ao Blog do Ohata. O pedido era para que cada um pagasse R$ 100 mil.

A dona da Crefisa e do Centro Universitário das Américas, ao lado de seu marido, José Roberto Lamacchia, e conselheira do clube, ainda pode recorrer já que a sentença, assinada no último dia 23, foi dada em primeira instância.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Leila afirmou ao blog que irá recorrer.

Os vices Genaro Marino Neto, Victor Fruges e José Carlos Tomaselli emitiram nota de repúdio após Leila indicar na entrevista que não renovaria contrato de patrocínio com o alviverde caso uma “pessoa inimiga” vencesse a eleição presidencial no clube.

A empresária entendeu que sua honra foi atacada nas críticas feitas pelo trio no documento. No entanto, o juiz Miguel Ferrari Júnior avaliou que os vices não cometeram crime. Segundo ele, o trio usou expressões fortes para demonstrar contrariedade com as declarações de Leila, mas sem atacar sua honra.

Os advogados da empresária citaram na ação afirmações feitas pelos cartolas, como sobre ela supostamente coagir e fazer chantagem com os sócios (eleitores) e usar “o revólver do poder econômico” com o objetivo de conquistar votos para a reeleição de Maurício Galiotte. O atual presidente acabou derrotando Genaro na eleição.

“Com efeito, muito embora os réus (vices) tenham utilizado verbos que são empregados em vários tipos penais, no contexto da nota de repúdio divisa-se que eles não tiveram a intenção de imputar à autora (Leila) a prática de qualquer ilícito penal”, escreveu o juiz em sua sentença.

Em outro trecho, ele diz que se mostrou legítima a “insurgência dos réus, que expuseram o seu posicionamento político de franca oposição aos interesses – ainda que legítimos – defendidos pela autora”.

Como de praxe nesses casos, a empresária foi condenada a pagar as despesas processuais e honorários aos advogados dos vencedores fixados em 10% do valor atualizado da causa.

 

Com Bolsonaro, times devem ser pouco ouvidos e ter saia justa com torcidas

Leia o post original por Perrone

Pouca representatividade no Governo Federal e uma saia justa com torcidas organizadas. Em primeira análise, esse é o cenário desenhado para os clubes brasileiros especializados no futebol com a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na eleição presidencial brasileira.

Em seu programa do governo, o agora presidente eleito não listou propostas para o futebol. Ele deve incluir o Ministério do Esporte no programa de fusões ministeriais. A tendência é de que a pasta se junte a outras como Educação e Cultura.

A fusão por si só já demonstra que o futebol não terá a relevância dos tempos de Lula e Dilma Rousseff. Por conta da realização da Copa do Mundo, a modalidade ganhou destaque no Governo Federal.

Aldo Rebelo e Orlando Silva, ex-ministros do Esporte no governo petista, mantinham linha direta com dirigentes de clubes brasileiros. Costumavam frequentar os eventos promovidos pelas agremiações. Também sustentavam diálogo com a CBF. Não há expectativa de relação tão estreita agora.

Em termos comparativos, o candidato petista Fernando Haddad planejava liderar a discussão por um calendário unificado para o futebol brasileiro que contemplasse as necessidades dos clubes que não fazem parte das Séries A, B e C.

Em resposta à pergunta feita pelo blog, ainda durante a disputa eleitoral, a assessoria de imprensa da campanha de Haddad afirmou que o futebol seria a grande prioridade do governo em termos de esporte. E que lançaria o Programa de Gestão do Futebol. Por meio dele, o BNDES liberaria recursos para as agremiações que cumprissem metas de eficiência e sustentabilidade financeira, transparência, mecanismos de participação de sócios e torcedores e compromisso social. Os clubes deveriam exigir que entidades de administração, como a CBF, seguissem as regras do programa.

O blog tentou contato pelo canal de comunicação da campanha de Bolsonaro disponível em seu site para falar sobre o mesmo tema, mas não obteve resposta.

Torcidas organizadas

Uma situação delicada que o novo governo deve criar para os dirigentes é a relação com as uniformizadas. Major Olímpio, senador eleito pelo partido de Bolsonaro em São Paulo, pretende extinguir as organizadas.

E elas têm histórico de pressão sobre as diretorias da maioria dos clubes brasileiros. Ou seja, devem pressionar os dirigentes de seus clubes para ajudar a combater a proposta do senador eleito.

Como deputado federal, Olímpio já apresentou projeto para a extinção dessas instituições. No momento, ele aguarda análise na  Comissão de Esporte da Câmara.

Mas o simples fechamento das organizadas foi considerado como ato que fere a constituição no que diz respeito à liberdade de associação. Esse foi o entendimento de deputado federal Carlos Henrique Gaguim (PTN-TO), relator do projeto na Comissão de Segurança Pública e Combate ao crime de organizado.

Ele sugeriu e a comissão aprovou a substituição da redação que previa o fim das torcidas apenas pela volta de um artigo no estatuto do torcedor que havia sido revogado e que facilita punições individuais aos torcedores violentos independentemente de eventuais penalidades às suas torcidas.

Como Major Olímpio é um dos principais apoiadores de Bolsonaro, esse tema deve ser o primeiro ligado ao futebol levantado pelo novo governo.

Assim, a previsão é de uma situação nada confortável para os dirigentes de clubes a partir da posse de Bolsonaro.

Resultado de pleito corintiano ainda pode ser contestado. Depende de sócios

Leia o post original por Perrone

O Ministério Público de São Paulo não tem dúvida de que o sistema de urnas eletrônicas usado na última eleição vencida por Andrés Sanchez no Corinthians não era seguro.  Para o MP, o método usado apresentava possibilidade de violação.

A promotoria propôs uma transição penal para três representantes da Telemeeting Brasil, responsável pelo sistema utilizado. O caso foi encerrado na esfera criminal mediante o pagamento de “prestação pecunária” e sem cogitar a anulação da votação.

Isso não significa que a eleição não possa ser anulada. Para isso acontecer algum sócio, conselheiro ou candidato que tenha se sentido prejudicado precisa entrar com uma ação na Justiça com esse objetivo e ganhar.

Mas por que o Ministério Público não pediu anulação se tem certeza de que o sistema era vulnerável? Quem respondeu ao blog foi o promotor Paulo Castilho, que recebeu a denúncia inicial e propôs a transição penal.

 “Recebi uma representação criminal relacionada a crime contra o consumidor (artigo 66 do Código do Consumidor). A empresa contratada não prestou o serviço exatamente como contratado. A ação não tratou do resultado da eleição, que é uma questão privada”, disse Castilho.
O artigo citado por ele fala sobre “fazer afirmação falsa ou enganosa ou omitir informação relevante sobre a natureza, característica, qualidade, quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de produtos ou serviços”. A previsão é de pena de detenção de três meses a um ano, além de multa.
“Cabe a algum candidato que tenha se sentido prejudicado ou algum sócio do clube levar o caso agora para a esfera cível. Não vejo segurança jurídica na eleição. Fico triste por ver um dos maiores clubes do Brasil envolvido nessa situação”, completou o promotor.

A Telemeeting mantém a posição de que não houve irregularidade no pleito e afirma que estuda acionar a Justiça para pedir indenizações por injustos ataques que teria sofrido (leia nota completa ao final do post).
Paulo Garcia, segundo colocado na eleição e responsável por levar ao caso ao MP, divulgou mensagem em rede social afirmando que tomou cautela para não prejudicar o Corinthians e pediu a investigação na qualidade de candidto prejudicado. Afirmou ainda que com o desfecho do caso na esfera criminal, irá analisar com seus advogados as medidas que adotará.
Indagado pelo blog se isso significa que ele estuda ir à Justiça para anular a votação, Garcia respondeu: “não sei, vou ver com o advogado o que pode ser feito sem prejuízo ao clube”.
Parte dos conselheiros quer que o presidente do conselho chame a Comissão Eleitoral responsável pela contratação da empresa para dar explicações, coloque em discussão a tentativa de anular o pleito e ainda debata a possibilidade de o clube pedir uma indenização por supostos serviços prestados inadequadamente.
“Não tenho como convocar uma reunião específica para discutir esse assunto. Só posso agir se houver provocação dos conselheiros. Mas não entendo que seja tema para o conselho. O processo está finalizado. Cabe ao pessoal que se sentiu prejudicado tomar as medidas que entender cabíveis. Se a Justiça fizer alguma determinação, nós cumprimos”, afirmou Antônio Goulart, presidente do Conselho Deliberativo do alvinegro.
Deputado federal, colega de Andrés e candidato à reeleição, ele também é aliado do atual presidente corintiano na política do clube.
Miguel Marques e Silva, que presidiu a comissão eleitoral, entende que não é o caso para se anular a eleição. “Não houve fraude. Pode ter havido erro, mas não dolo. Acho que a empresa não deveria ter concordado com a transição penal. Deveria deixar tocar o processo. Quem acusa que prove”, afirmou Silva.
Em nota, a Teleemting sustentou que aceitou a transição por não se tratar “de admissão de culpa” e alegou também “razões econômicas e estigmatização da marca” para tomar tal atitude.
Os pagamentos que os três representantes da empresa se comprometeram a fazer são de R$ 2.862,00, R$ 1.908,00 e R$ 954,00. O dinheiro vai o FUMCAD (Fundo Municipal da Criança e do Adolescente).
Abaixo, leia na íntegra nota emitida pela Telemeeting sobre o caso.
“A Telemeeting Brasil LTDA vem a público declarar que optou por aceitar um acordo de transação penal proposto pelo Promotor Paulo Castilho para encerrar a discussão na esfera criminal sobre a eleição realizada no Sport Club Corinthians Paulista em fevereiro deste ano. Tomou este caminho por não implicar em qualquer admissão de culpa, nos termos da lei, visto que tem a certeza que não houve fraude alguma nos procedimentos realizados, como bem apontou o Laudo Oficial do Instituto de Criminalística/SSP-SP, sendo certo que a acusação atual não tratava mais de fraude mas de crime contra o consumidor nos termos do Código de Defesa do Consumidor. De outro lado, por razões econômicas e estigmatização da marca da empresa no mercado, somado a morosidade que um processo penal levaria, onde poderia discutir sua culpa e produzir provas, com o dispêndio de longos anos para ser encerrado, consolidaram a decisão. Assim põe fim a questão penal estudando ainda as eventuais medidas que poderá desencadear na esfera civil de indenizações pelos ataques injustamente sofridos”.

MP pregunta à Fifa se Del Nero violou suspensão em eleição na CBF

Leia o post original por Perrone

O Ministério Público do Rio de Janeiro instaurou no final de março inquérito para investigar a suposta influência de Marco Polo Del Nero no processo eleitoral na CBF com o objetivo de colocar no poder Rogério Caboclo, seu homem de confiança. As primeiras medidas foram enviar para a Fifa cópias de reportagens sobre suposta manobra do presidente suspenso temporariamente e indagar à Federação Internacional se ele violou a suspensão ao articular a escolha de seu sucessor.

Del Nero está suspenso provisoriamente enquanto a Fifa o julga por acusações de atos de corrupção negados por ele. Mesmo afastado, ele teria articulado com federações estaduais um apoio em massa a Caboclo, eleito presidente nesta semana. Com o suporte das entidades estaduais, não sobraram outras oito instituições para apoiar uma candidatura alternativa. Também era necessário o aval de cinco clubes para um opositor disputar o pleito. Essa suposta articulação é vista como possível manipulação pelo MP.

O blog não conseguiu falar com Del Nero sobre o assunto. A interlocutores, Caboclo assegurou que o presidente suspenso não participou das reuniões que ele fez com dirigentes das federações em busca de votos. O atual CEO da CBF só deve tomar posse em abril do ano que vem.

O promotor Pedro Rubim Borges Fortes também pede que a Fifa compartilhe em até 60 dias com o MP cópia integral dos processos instaurados no Comitê de Ética da entidade relacionados a Del Nero.

No documento que determina a abertura de inquérito, o Ministério Público cita que há “notícia de abuso de poder político e econômico caracterizado pelo pagamento de uma contribuição mensal às federações”. O texto também faz referência à “importância da observância do princípio democrático da imparcialidade e do exercício equilibrado do poder para o direito dos torcedores” em relação à qualidade das competições esportivas.

Outra medida do promotor foi requerer o auxílio do Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor criado pela Procuradoria-Geral de Justiça.

 

Juiz dá prazo para CBF exibir ata, e MP não deve conseguir evitar pleito

Leia o post original por Perrone

A Justiça do Rio de Janeiro se manifestou nesta quarta sobre processo no qual o Ministério Público pede o afastamento da atual diretoria da CBF. O juiz Bruno Monteiro Ruliere, do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos, deu cinco dias para a confederação apresentar ata de assembleia que é contestada pelo MP.

A decisão não foi bem recebida pelo Ministério Público, pois dificulta que o órgão consiga evitar a eleição para presidente da confederação marcada para o próximo dia 17. O prazo dado pelo juiz deve contar apenas dias úteis. Além disso, o magistrado ainda precisará de tempo para analisar a ata e tomar sua decisão.

O promotor Rodrigo Terra entrou com a ação no final de julho do ano passado por entender que a assembleia responsável por mudar regras eleitorais da entidade, em 23 de março de 2017,  foi irregular. Isso porque os clubes não foram convocados para ela. A reunião deu peso maior de voto para as federações, praticamente impedindo os times de lançarem um candidato com chances de vitória.

Alegando descumprimento do Estatuto do Torcedor, por haver no entendimento dele transgressão ao princípio da transparência, Terra pediu liminar para afastar a diretoria da CBF até a decisão definitiva da Justiça. Também solicitou a anulação da assembleia, porém nenhuma dessas decisões foi tomada. O juiz alegou que a ata da assembleia contestada não consta dos autos, assim, estipulou prazo para a confederação apresentar o documento.

Depois de a CBF marcar a próxima eleição para 17 de abril, o promotor fez novo pedido para a Justiça. Solicitou que  ao menos fossem suspensas as mudanças estatutárias para que a eleição não acontecesse com regras contestadas. Dessa forma, o prazo dado para a confederação mostrar a ata da assembleia desagradou ao promotor.

“Com essa decisão, a Justiça não vai ter sido capaz de evitar um dano ainda maior, que é a realização de uma eleição com base em um estatuto alterado de maneira irregular. Isso depois de o processo ficar mais de um mês para a conclusão”, declarou Terra ao blog.

A CBF nega ter havido irregularidade na assembleia e afirma que os clubes não foram chamados por se tratar de uma reunião administrativa.

Na semana passada, o blog tentou entrevistar o juiz Ruliere. No entanto, a assessoria de imprensa do órgão afirmou que ele não poderia falar porque o processo estava concluso para análise do pedido de liminar. “Segundo o juiz, a decisão será proferida o mais breve possível, observando, contudo, que a complexidade da matéria e a sensibilidade do tema exigem um tempo maior de análise da questão”, informou a assessoria na ocasião.

O novo presidente da CBF só deve tomar posse em abril do ano que vem, quando começará seu mandato. O estatuto da entidade permite que a eleição ocorra com um ano de antecedência.

Diante do risco de levar uma longa suspensão da Fifa por causa de acusações de envolvimento em atos de corrupção, Marco Polo Del Nero desistiu de se candidatar. Ele está suspenso temporariamente pela Fifa enquanto aguarda a decisão da federação internacional sobre seu futuro. O cartola nega ter praticado crimes.

Del Nero fez uma costura política que assegurou a seu homem de confiança, Rogério Caboclo, atual CEO da CBF, ser candidato único do pleito. Não sobraram oito federações, número mínimo de apoios exigido, para o lançamento de uma chapa concorrente. Também é preciso o aval de cinco clubes.

Pelo caminho, ficou Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista e que sonhava em ocupar o posto máximo da confederação.

 

 

Eleição para presidência da CBF será em 17 de abril

Leia o post original por Perrone

Com Pedro Ivo Almeida, do UOL, no Rio de Janeiro

A CBF decidiu fazer sua próxima eleição presidencial no dia 17 de abril. Após manobra de Marco Polo Del Nero, Rogério Caboclo, atual CEO da confederação, deve ser candidato único. Depois de 20 federações se comprometerem com o escolhido pelo presidente suspenso pela Fifa, não sobraram oito entidades estaduais para aprovar outra chapa.

É necessário também o aval de cinco clubes das Séries A e B. Caboclo tem o apoio da maioria.

A chapa terá ainda os quatro vice-presidentes atuais da confederação: coronel Nunes, hoje presidente em exercício, Fernando Sarney, Gustavo Feijó e o deputado federal Marcus Antônio Vicente (PP-ES). Como o novo estatuto ampliou para oito o número de vice-presidentes, também estão na chapa de Caboclo os mandatários das federações mineira, Castellar Guimarães Neto, acreana, Antônio Aquino Lopes, gaúcha, Francisco Noveletto, e baiana, Ednaldo Rodrigues, como mostrou o Blog do Marcel Rizzo.

A eleição acontecerá enquanto Del Nero aguarda se ele será punido definitivamente pela Fifa por conta das acusações de suposta prática de corrupção negada por ele, que inicialmente planejava se candidatar. Com Caboclo o cartola assegura que terá um aliado como sucessor. Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista, queria disputar o cargo, mas ficou sem ação após a estratégia adotada pelo presidente suspenso.

No pleito, o voto das federações terá peso três. Cata indicação de time da Série A terá peso dois, e os votos dos clubes da Série B valerão apenas um. Com candidato único, o valor diferente não importa. Porém, o sistema é contestado pelo Ministério Público na Justiça do Rio. O MP  pede a nulidade da reunião em que a alteração foi feita sob a alegação de que os clubes não participaram da decisão. Também é pedido o afastamento da atual diretoria primeiro em caráter liminar e depois em definitivo.

No mesmo dia da votação, deve acontecer a assembleia para analisar as contas da confederação.

CBF decide fazer eleição em abril, e Justiça fica mais pressionada

Leia o post original por Perrone

Rogério Caboclo, atual diretor-executivo da CBF, deve ser eleito presidente da entidade já em abril. A confederação decidiu fazer a eleição no mesmo dia em que fará uma assembleia para aprovar as suas contas. Assim, já aproveitará a presença dos dirigentes, evitando novo deslocamento. A data do pleito, no entanto, ainda não foi definida oficialmente.

Pelo estatuto da CBF, a eleição poderia acontecer até abril do ano que vem, quando o novo mandatário tomará posse. Porém, foi escolhido o mesmo mês em que a Fifa definirá se pune definitivamente Marco Polo Del Nerto, suspenso preventivamente por atos de corrupção negados por ele.

A decisão de definir o próximo presidente em abril aumenta a pressão para a Justiça do Rio de Janeiro resolver em primeira instância se concede liminar para anular as últimas mudanças estatutárias na entidade e afastar toda a diretoria atual até o caso ser julgado definitivamente.

Como mostrou o blog, o promotor Rodrigo Terra, autor da ação, e o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ), responsável por acionar o Ministério do Público, cobram celeridade do juiz Bruno Monteiro Ruliere, que é quem cuida do processo agora. A ação foi distribuída em julho de 2017, mas ainda não houve resolução sobre a liminar.

Promotor e parlamentar alegam que se a decisão não for tomada antes da próxima eleição, o pleito acontecerá com regras contestadas na Justiça.

Terra entrou com a ação porque a CBF mudou seu estatuto numa reunião sem a presença dos clubes. As agremiações nem foram avisadas sobre a assembleia que aumentou o peso do voto das federações. O representante do MP alega que, como as agremiações não foram convocadas para discutir a mudança, houve falta de transparência e descumprimento do Estatuto do Torcedor.

Pelas normas antigas, votavam as 27 federações e os 20 clubes da Série A. Todos os votos tinham o mesmo valor. Agora, o de cada federação tem peso 3. Os dos clubes da Série A valem 2. Já a indicação de time da Segunda Divisão possuem valor unitário.

No novo formato, mesmo estando em menor número, as federações continuam ganhando se votarem em conjunto. É o que deve acontecer em abril. Após articulação de Del Nero, a maioria das entidades estaduais se comprometeu a votar em Caboclo, seu homem de confiança. Não sobraram oito federações para apoiar outro candidato, como exigem as regras. Também é necessário o aval de cinco clubes. Desta forma, Caboclo deverá ser candidato único.

 

 

‘Cara do Del Nero’ e ‘homem do não’. Conheça Rogério Caboclo

Leia o post original por Perrone

A sala de reuniões na Federação Paulista estava repleta de cartolas entediados e apressados para deixar o local. Em pé, empolgado, apresentando infinitas planilhas estava Rogério Caboclo, então jovem dirigente da entidade que hoje está prestes a se transformar no novo presidente da CBF.

Foi mostrando organização e obsessão pelo controle das finanças da entidade estadual, como na longínqua cena descrita acima, que ele começou a conquistar Marco Polo Del Nero. Nesta quinta, seu padrinho político articulou a manobra que assegura apoio da maioria das federações estaduais para a candidatura de Caboclo, 45 anos, à presidência da confederação. Não sobraram entidades para outro candidato conseguir o aval e atingir o mínimo de oito federações para se candidatar, além do apoio de mais cinco clubes. A eleição pode ocorrer até abril de 2019.

Conselheiro do São Paulo e filho do Carlos Caboclo, tradicional cartola tricolor, Rogério foi diretor executivo do clube aos 28 anos na gestão do presidente Paulo Amaral, que hoje atua na federação paulista. Dois anos depois, Caboclo chegou à FPF. Lá organizou e blindou a área financeira. Só passava informações para o presidente Del Nero. Reinaldo Carneiro Bastos, que era vice e atualmente preside a entidade, tinha acesso a todas as áreas, mas ficou sem trânsito em relação às finanças.

Reinaldo foi justamente o maior prejudicado com a decisão de Marco Polo de transformar Caboclo em seu sucessor. O presidente da federação preparava campanha para tentar sentar na cadeira mais cobiçada da CBF.

Lealdade

Demonstrando fidelidade canina à Del Nero, Rogério virou seu homem forte. Naquela época, ele começou a mostrar uma característica que mais tarde viria a incomodar presidentes de federações na confederação: a facilidade em dizer não a pedidos de dirigentes e a dificuldade em liberar verbas. Ninguém conseguia nada sem convencer Marco Polo a falar com seu diretor.

Depois de ser vice da FPF, ele virou CEO da CBF, com José Maria Marin como presidente, mas por obra de Del Nero. A patente de oficial do exército de Marco Polo ficou rapidamente evidente para quem trabalhava na confederação. Um ex-funcionário conta que Marin foi logo avisando: “cuidando com o que você fala para o Rogério porque ele é homem de confiança do Marco Polo”.

O novo executivo impressionou seus colegas de trabalho pela formalidade e gentileza no trato diário. Mesmo gentil, ele colecionou desafetos por conta de uma série de demissões atribuída a ele. O paulista organizado e polido passou a ser visto como uma pessoa obcecada em abrir espaço para os homens da confiança de Del Nero na confederação.

Entre dirigentes, consolidou a fama de ser “o homem do não” por causa dos pedidos negados. Enquanto isso, Caboclo se orgulha de ter cortado gastos e aumentado receitas, entre outros feitos na CBF. Um deles é negociação do novo contrato referente à transmissão da Copa do Brasil. Segundo a entidade, a competição se tornou a mais rentável do hemisfério sul pagando R$ 50 milhões para o campeão.

Recentemente, Rogério também foi escolhido para ser CEO da Copa América de 2019, marcada para o Brasil.

Cartolas que frequentam a Confederação, classificam Caboclo como técnico, objetivo, eficiente na área financeira, porém sem conhecimento político. Essa é a principal crítica dos que são contrários à sua candidatura. Ele não teria desenvoltura para agir nos bastidores da Fifa, por exemplo, por nunca ter dirigido uma entidade antes. Isso, na análise de alguns conhecedores da CBF, é sinal de que Caboclo será guiado por Marco Polo.

Suspenso provisoriamente pela Fifa, ele terá seu caso decidido até o próximo dia 15. No cenário atual, se for banido ou levar um longo gancho por conta de acusações de corrupção, Del Nero teria o conforto de ser sucedido por alguém que, acredita, nunca o trairá.

Hoje, apesar de o vice Coronel Nunes ter assumido a presidência, Caboclo já é tido como quem preside a confederação defendendo os desejos do presidente afastado. Marco Polo nega as acusações.

Rogério Ceni

Ao mesmo tempo em que elogiam a capacidade administrativa do provável novo comandante da confederação, cartolas e ex-funcionários da CBF apontam a falta do assunto futebol em suas conversas. Jogos e atuações de jogadores são temas que não parecem empolgar o candidato à presidência.

Um de seus interlocutores ouvidos pelo blog afirma ter como rara lembrança de Caboclo falando sobre futebol uma mágoa com Ceni. Pelo relato, o dirigente não engoliu o episódio em que representante do ex-goleiro apresentou uma proposta que seria do Arsenal. O presidente são-paulino na ocasião, Paulo Amaral, de quem Caboclo era diretor, consultou o clube inglês que negou ter feito a oferta. O episódio terminou com uma suspensão ao goleiro.

O pupilo de Del Nero pode ser ainda descrito como um homem que gosta dos negócios em família. Casado e com um filho, seu nome aparece na Junta Comercial como sócio em quatro negócios, todos ao lado de parentes. Advogado e administrador de empresas, ele está, segundo os registros, entre os donos de Caboclo Participações e Empreendimentos Imobiliários, Caboclo Distribuidor e Romma Distribuidora, que são dois atacados de mercadorias, em especial alimentos, e Cromma Logística Empresarial, voltada para transporte de cargas.

Doença

Já como cartola da CBF, Caboclo passou por um momento dramático. Esteve internado por causa de uma grave doença. Ele se recuperou e reassumiu suas funções bem mais magro. O blog pediu à assessoria de imprensa da CBF explicações sobre a enfermidade, mas não obteve resposta.

Já um pedido de entrevista foi negado pela assessoria. Caboclo não quer se pronunciar neste momento. Procurado pelo blog, o cartola não foi gentil como descrevem seus colegas. Não atendeu ao telefone e nem respondeu à mensagem de texto.

Num momento em que a notícia da manobra de Del Nero por ele ainda chacoalha os bastidores do futebol brasileiro, o provável futuro presidente da CBF demonstra não querer se expor.

Colaborou Rodrigo Mattos, do UOL, no Rio de Janeiro

Manobra de Del Nero deixa em xeque estilo discreto de presidente da FPF

Leia o post original por Perrone

Parte dos opositores de Marco Polo Del Nero e dos cartolas que não querem Rogério Caboclo, diretor-executivo de gestão da CBF, como novo comandante da entidade, tem em Reinaldo Carneiro Bastos a única esperança de ver o plano do presidente suspenso da confederação fracassar. Para viabilizar seu nome, porém o número 1 da Federação Paulista de Futebol terá que abandonar o estilo discreto característico de sua carreira e ir para a guerra aberta com Del Nero e Caboclo.

Como mostrou o blog do Rodrigo Mattos, Del Nero marcou reuniões reuniões com presidentes de federações estaduais nesta quinta e também no dia seguinte para tentar consolidar seu candidato como único na próxima eleição.

Para isso, o cartola investigado por autoridades norte-americanas e pela Fifa por suspeita de corrupção tenta obter o apoio de 21 das 27 federações para assegurar que Caboclo não tenha concorrente. Ele nega ter cometido irregularidades.

Para registrar uma chapa é preciso ter a assinatura de oito federações e de cinco clubes. Se a estratégia der certo, não sobrarão entidades estaduais suficientes para o lançamento de outra candidatura. A eleição, na qual votam federações e clubes das Séries A e B com peso maior para as entidades estaduais, pode ser marcada entre o próximo mês e abril de 2019.

Como até 15 de março a Fifa pode anunciar uma longa punição a Del Nero, o que inviabilizaria sua candidatura à reeleição, o cartola suspenso deflagrou a operação por Caboclo.

Automaticamente, o plano pressiona Bastos a definir se será candidato e a iniciar a sua campanha, entrando em conflito com Del Nero. Até cartolas que querem apoiar o presidente da FPF têm dúvidas se ele irá abandonar seu estilo de agir mais nos bastidores e ir para a trincheira.

Bastos, Del Nero e Caboclo atuaram juntos por muito tempo na Federação Paulista. A convivência faz com que conheçam os pontos fortes e, principalmente, os fracos uns dos outros. Esse cenário pode causar uma guerra fratricida, com riscos de graves danos para todas as partes.

O atual mandatário da federação paulista e Del Nero possuem uma relação de altos e baixos, mas até aqui sempre acabaram na mesma canoa. Na maioria dos momentos críticos do relacionamento, Bastos tentou evitar a briga escancarada. Esse quadro deixa cartolas interessados na sucessão em dúvida sobre qual será reação de dele, que até aqui não assumiu ser candidato.

Elementos para conquistar apoio não faltam ao presidente da FPF. Seu maior trunfo é o fato de ser o cartola brasileiro mais influente na Conmebol desde que Del Nero deixou de viajar para driblar o risco de prisão. Essa influência interessa especialmente aos clubes. É importante para eles ter bom relacionamento com um dirigente que pode, por exemplo, abrir portas para suas reivindicações em momentos decisivos da Libertadores.

Do outro lado da balança, Caboclo tem a máquina a seu favor, o que pesa principalmente para as federações. Ele já tinha sido anunciado como idealizador do projeto de convidar todos os dirigentes de entidades estaduais para viajarem até a Rússia a fim de acompanharem a Copa do Mundo.

Uma das primeiras declarações públicas após Del Nero colocar seu plano em marcha foi de Andrés Sanchez, que chamou a manobra de golpe e conclamou os clubes para definirem um nome de consenso. O presidente do Corinthians é aliado político de Bastos. Naturalmente, sua fala soa como um incentivo ao lançamento da candidatura do amigo, que agora se vê em xeque. O chefe do futebol paulista tem pouco tempo para decidir se segue silencioso nos bastidores ou veste o uniforme e vai para o campo de batalha contra íntimos oponentes.