Arquivo da categoria: Engenhão

Em mais uma vitória rubro-negra, Botafogo dá lição aos rivais

Leia o post original por Rica Perrone

Foi por pouco. O Botafogo de fato quase conseguiu a proeza de vencer o Flamengo galático e imbatível de 2019. Chances aconteceram, o jogo foi equilibrado até a expulsão, mas o que me chamou atenção ficou menos no resultado e mais no estádio. Explico. Primeiro a mobilização para não dar ao rival, mesmo que por…

Roda gigante

Leia o post original por Rica Perrone

Algumas coisas no futebol acontecem para manter a ordem. Algumas partidas parecem ser jogadas como que num roteiro para que não se quebre a escrita, a tradição e as mentiras bem contadas que movem o futebol.

É claro que o Flamengo empolgado pela Libertadores seria o ideal pro Fluminense. Que auto-afirmação haveria em bater no rival cambaleando? Eles gostam assim.

Do centenário, favorito, em maioria. Se há uma receita para o Fluminense vencer o Flamengo é a inferiorização de véspera. E não, ela não pariu do rubro-negro. Partiu dos fatos. E contra eles, azar deles.

Só há um clube no mundo que faz a megalomania rubro-negra desaparecer. Está no hino, no ar, na cidade inteira. O Flamengo ostenta uma marra deliciosa de assistir. Ela está presente contra o Barcelona no Camp Nou. Mas nunca está presente no Fla-Flu.

É o dia do ano que rubro-negro olha de frente e não pra baixo. Seja quem for do outro lado, se com aquele uniforme, eles respeitam. É uma das relações mais bonitas do futebol mundial. E toda vez que o Fluminense ameaça se apequenar, é diante do Flamengo que ele se reafirma.

Pois se és tão grande, poderoso e independependente, porque tanto lhe incomodo? E incomoda. É fato. Nem mesmo Zico recusa.

Há no Fla-Flu um ingrediente sobrenatural. E ele com certeza veste 3 cores.

Se ser o Fluminense do Flamengo não é um sinal de grandeza infinito, não sei o que pode ser.  E sim, pro Flamengo só há um Fluminense. O resto ele esnoba, com ou sem razão.

abs,
RicaPerrone

Não se perde o que não é seu

Leia o post original por Rica Perrone

Eu não sei quanto tempo o Flamengo vai demorar pra ganhar uma Libertadores de novo. Sei que não acontecerá enquanto o clube entender que vai a campo para evitar vexame e não para conquista-la.

Toda vez que o Flamengo joga uma partida de Libertadores ele tem mais medo de fazer merda do que de acertar. É uma síndrome que o Corinthians levou décadas pra superar, e só com um time cascudo conseguiu.

O Flamengo não briga para conquistar a Libertadores. Ele tenta evitar sair dela. Não há qualquer possibilidade de um campeão surgir dessa forma.  O medo e a vontade podem andar juntos mas a segunda tem que ser maior sempre. E não é o caso.

Com 2×1 o Flamengo jogava como quem pedisse a Deus para que não tomasse o empate. Tomou. Óbvio.  Vai tomar sempre que pedir a Deus pra não acontecer, porque se Deus existir e gostar de futebol é fato que na Libertadores ele não interfere.

Esse campeonato se ganha desafiando, não sendo desafiado. Não é “por uma boa campanha”, é pela glória suprema de levantar a América. É pra ganhar sorrindo, dividir de cara feia e entender que a derrota é rotina. Não vai mudar nada se perder mais uma vez.

95% das vezes que um time joga a Libertadores ele “perde”. Seja ele qual for. Então porque diabos justo o Flamengo, que nem tem um histórico favorável no torneio, entre todo ano morrendo de medo de fazer outro vexame?

Não te falta jogador, torcida, camisa, nada. Te falta raiva. Te falta levar pro continente o prazer que tens de ser arrogante na sua cidade.

O Flamengo não é Flamengo quando joga Libertadores. É um moleque assustado. E enquanto for assim, não vai ganhar.

Libertadores se conquista. Não se evita perder o que não é seu ainda.

abs,
RicaPerrone

O chororô é o menor dos problemas

Leia o post original por Rica Perrone

O Botafogo tem dois problemas graves: um é dinheiro, o outro a mentalidade de time pequeno, coisa que não é.  A primeira se resolve buscando mais formas de receita, a segunda não se resolve tão fácil.

Quando a segunda impede a primeira, o Botafogo tem mais um problema: a burrice.

Não alugar o estádio pra final é rejeitar receita. Motivo? Dizer pra torcida que embora eu tenha hoje um time ruim, um planejamento que deu errado em 1 mes e uma perspectiva terrível, vou rejeitar dinheiro pra investir em melhorias pra ser torcedor e fazer birra.

Ou pior: pra me fazer de vítima por uma piada.

Ninguém do Flamengo meteu a mão no orgao genial e mostrou pra torcida rival. Apenas fez um simbolo de “choro”. Uma gozação, parte fundamental do futebol.

Então o Botafogo usa tal situação para, ao invés de revidar na primeira vitória sobre o rival, perder mais dinheiro e se firmar como o clube chorão que está publicamente assumindo o choro por uma brincadeira de aceitação popular enorme por parte das demais torcidas.

O que você quer, Fogão? Que não te sacaneiem porque você é “café com leite”, ou ser o grandão que sacaneia, ganha o jogo seguinte e revida?

Cadê o time que tomou a rebolada e meteu a bunda na cara da torcida do Vasco 1 semana depois com Gonçalves?

Achei que o problema fosse apenas ambição. Noto que também é noção. E pior: do próprio tamanho.

abs,
RicaPerrone

Fora da Libertadores

Leia o post original por Rica Perrone

Há alguns meses sei que há uma dívida entre Botafogo e elenco.  Essa dívida não faz diferença se é salário, bicho, luva. O que é combinado entre as partes é devido. E se deve e não paga, vira dívida.

Toda dívida dá ao credor uma condição diferenciada.  Não há clube no mundo onde o elenco que tem algo a receber do time seja cobrado e tratado da mesma forma que quando em dia.  Clube, padaria, loja, tanto faz.  Quem deve, manda menos do que poderia.

Some o cansaço do ano, da temporada que começou antes do que todos os demais, a limitação absurda de elenco, a perda de peças e o descontrole sobre o elenco por dívidas, o Botafogo cairia de rendimento sem a menor dúvida.

Aconteceu. Foi por pouco, mas de fato dava pra ter se classificado. Como historicamente acontece, ficou fora da Libertadores e tratar isso como um absurdo é tipo o flamenguista revoltado com a má campanha na Libertadores. Acontece todo ano, e cobram como se fosse comum o contrário.

Não é comum o Botafogo ir a Libertadores. Então não façam cara de espanto quando ele não for.

A tristeza é aceitável. A raiva de ter visto nas mãos e perdido, idem. Mas a queda do time é absolutamente compreensível e dá pra listar fatores. O time do Botafogo que entrou em campo hoje é rebaixável no papel.  Não um time de alto desempenho.

Acostumar-se com o limite gera decepção. E o Botafogo que você se apaixonou jogou 8 meses no limite. Uma hora não resistiu.

Ano que vem tem tudo de novo. E nenhum desses 11 é culpado por 22 anos sem o título que vocês esperam.  Cobre da sorte, das diretorias passadas, mas não bata no filho de um assassino achando que isso é justiça contra o crime do pai.

Foi um ano que terminou mal, mas que você nunca mais vai esquecer tudo que viveu nele.

abs,
RicaPerrone

Quase iguais

Leia o post original por Rica Perrone

Corinthians e Botafogo tem bem mais do que as cores em comum. Pelo menos em 2017 os dois foram movidos por combustível semelhante, atingiram o auge em momentos semelhantes e não conseguem que as pessoas entendam os preços a se pagar. Os dois eram desafiantes. Ninguém esperava nada deles. Os dois fizeram um grande começo …

Só garotos

Leia o post original por Rica Perrone

Hoje eu não ia no estádio. Estava num dia ruim, numa semana horrível. Nem queria ir, pra se ter idéia. Mas, meu amigo disse que não iria também se eu não fosse. Então, como que por instinto masculino de companheirismo eu logo disse que “então eu vou”. Fomos. Lá chegando pegamos nossos ingressos e fomos …