Arquivo da categoria: equilíbrio

Equilíbrio entre Palmeiras e Cruzeiro

Leia o post original por Flavio Prado

(Foto:Sergio Barzaghi/Gazeta Press)
(Foto:Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Palmeiras e Cruzeiro fizeram bom jogo em Araraquara. O campeonato é longo, são 38 rodadas, quase 8 meses de competição e muitas mudanças nos times, ainda mais no Brasil que tem sempre janelas abertas e constantes trocas de técnico.

A posição do Cruzeiro na classificação não mostra a atual realidade da equipe. Mais uma vez o time cresceu com Mano Menezes, dá a impressão de que se o treinador estivesse no comando desde o início do campeonato o Cruzeiro poderia lutar por vaga na Libertadores. Além dos bons reforços que chegaram com bola rolando, como Rafael Sóbis e Ábila.

O Palmeiras é um time difícil de ser batido. Mesmo quando não joga bem, consegue resultados. O elenco é forte, é o time com mais peças de reposição.

Cuca é um bom técnico, sabe usar as opções que tem e seus times pressionam muito o adversário. O Palmeiras sofre contra times compactos, os jogos contra Flamengo e Cruzeiro são exemplos disso, são times que jogam com setores próximos e que aproveitam os encaixes individuais que são característicos dos times de Cuca.

Rodada de Palmeiras e Santos

Leia o post original por Flavio Prado

A primeira rodada do returno do Campeonato Brasileiro era aguardada. Eram três confrontos diretos entre equipes que lutam pelas primeiras posições. Nos duelos, Grêmio, Santos e Palmeiras venceram Corinthians, Atlético-MG e Atlético-PR. Destaque para o Palmeiras que conseguiu ganhar fora de casa. O Flamengo, outro que luta na parte de cima, foi derrotado pelo Sport em Pernambuco.

Considero Palmeiras e Atlético-MG os mais fortes candidatos ao título pelas opções que tem no elenco, mas não tem como descartar e desprezar os belos trabalhos de Dorival Júnior e Róger Machado em Santos e Grêmio.

Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/SantosFC
Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/SantosFC

São duas equipes com elencos reduzidos e desfalcados pela seleção olímpica. O Santos está sem Zeca, Thiago Maia e Gabriel e o Grêmio não pode contar com Walace e Luan. Entre os times que brigam pela ponta, Dorival e Róger são os técnicos com mais tempo no comando, isso sem dúvida faz diferença, além da manutenção das bases.

O Corinthians caiu de rendimento nas últimas rodadas. Cristóvão Borges tem sido muito criticado, mas não vejo como um bom negócio a troca de treinador. Cristóvão está na média da maioria dos técnicos brasileiros, não vejo opções interessantes no mercado, o melhor é dar tranquilidade para o treinador trabalhar. Além disso, é sempre bom lembrar que o Corinthians teve seu elenco radicalmente modificado em relação ao ano passado.

O São Paulo vive situação preocupante. Mais uma vez perdeu pontos no Morumbi. No atual campeonato, o time já foi derrotado em casa por Internacional, Atlético-PR e Botafogo e empatou com Sport e Chapecoense. Ricardo Gomes assume nesta semana e espero que tenha tranquilidade para trabalhar e projetar 2017, se a exigência for por resultados imediatos, o São Paulo corre risco de chegar com um treinador desgastado em janeiro.

Corinthians assume a liderança

Leia o post original por Flavio Prado

Foto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians
Foto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Depois de dois empates consecutivos, o Corinthians venceu o Internacional fora de casa e é o novo líder do Campeonato Brasileiro.

As duas derrotas do Palmeiras para Atlético-MG e Botafogo embolaram o competição.

No momento, temos 6 times que parecem se destacar em relação aos outros.

O Corinthians é o líder, tem bom elenco, mas foi formado com bola rolando. O time ainda oscila e falta mais qualidade no ataque. Mesmo com tantas mudanças, o Corinthians continua sendo um dos times mais difíceis de serem batidos na competição.

O Santos assumiu o segundo lugar. O elenco não tem peças como Palmeiras e Atlético-MG, mas consegue manter um bom nível de atuação mesmo desfalcado. Dorival Júnior faz excelente trabalho, a melhora no desempenho como visitante foi fundamental para o crescimento da equipe.

Depois de alguma rodadas na liderança, o Palmeiras caiu para o terceiro lugar. Agora precisa de tranquilidade, tem bom elenco e bom treinador, não pode transformar os últimos tropeços em algo maior do que realmente é, a ausência de Gabriel Jesus pesa muito, mas é possível render bem, mesmo sem o principal jogador da equipe.

O Grêmio tem bom time e sequência de trabalho com Róger, faltam peças de reposição, as ausências de Walace e Luan pesam bastante. Deve estar sempre entre os primeiros, podem faltar opções para buscar o título.

Perto dos 4 primeiros está o Flamengo. O time investiu pesado e se reforçou durante o campeonato, ainda precisa de maior regularidade nas atuações, mas tem elenco para ficar entre os melhores.

O Atlético-MG tem um dos melhores e mais caros elencos do país. Começou mal, mas tem ótimos jogadores, mostra evolução no coletivo, se acertar como equipe, será um forte candidato ao título.

Chimarrão e churrasco: santo remédio para Luxa

Leia o post original por Mion

Luxemburgo reencontrou equilíbrio e colocou todo o seu conhecimento em prática no Olímpico.

A vida mais tranqüila no sul fez bem a Vanderlei Luxemburgo. Em 2010 o técnico falava em um período de reflexão e necessidade de reciclagem. O Grêmio proporcionou as duas coisas sem forçar nada, aconteceu naturalmente. E como detalhe importante, sem deixar de trabalhar em um grande clube brasileiro e ter responsabilidade de brigar por vitórias e títulos, porém sem a pressão alucinada do eixo Rio-São Paulo.

Chegou em ferevereiro no Olímpico falando em reestruturação do time, novo projeto, bem aquilo que gosta de fazer. A receptividade natural dos gaúchos, o ambiente descontraído, aquele chimarrão pela manhã, churrasco e afeto deixaram Luxa relaxado, com a cabeça centrada no futebol. Longe das badalações do Rio e excesso de exposição na mídia criaram terreno fértil para o treinador fazer a sua semeadura e começar a colher os frutos. E olha que o começo foi difícil, nem sequer participou da final do Gauchão 2012. O Inter faturou o título em cima do Caxias. Nada abalou a confiança em seu trabalho. A partir daí viu que estava realmente em casa e tinha a confiança da diretoria, estímulo da torcida e respeito da imprensa. Esses pontos foram fundamentais para Vanderlei, significou o recomeço de sua carreira, soube que poderia trabalhar em paz.

Brigar pelo vice do Brasileirão é a demonstração de que Luxemburgo retornou de verdade. Se o Grêmio e Luxemburgo tiverem juízo renovam a parceria por mais uma temporada. Com dois ou três reforços de qualidade, o Grêmio será favorito ao Gaúchão, fará bonito na Libertadores e entra para brigar por mais título do Brasileirão.

Nada mau para o clube que andava em crise e um técnico considerado ultrapassado em final de carreira. Os dois ressurgiram das cinzas, hoje botam banca, respeitados e temidos por todos, principalmente no eixo Rio-São Paulo.

Matemáticos falam em 43. Pode ser só 40 ou até 45

Leia o post original por Mion

A realidade com ou sem dor

Na reta final do Brasileirão os matemáticos entram em campo, ou melhor, acionam as suas máquinas e tabelas de projeção. Como todo ano a previsão é de 43 pontos para escapar do rebaixamento. Apesar dos números serem exatos, no futebol eles não preveem a imprevisão dos resultados. Também lembro que recentemente, mesmo com 45 pontos, o Coritiba caiu para a segundona em 2009.

No panorama atual acredito que com 45 o clube está matematicamente salvo. Com 44 arrisca e 43 pode até escapar, porém dependerá de outras combinações. Este meu argumento tem como base a embolada geral dos clubes, muita gente próxima dos 40 pontos. Do Internacional que está em 6º lugar para baixo, as diferenças são mínimas entre uma posição e outra. Tem sete clubes que estão entre 35 e 40 pontos, faltando 8 rodadas, 24 pontos em disputa.

Veja o caso do Atlético-GO, lanterna após vencer o Inter chega a 23 pontos, ou seja, a 20 de atingir o número mínimo fixado por matemáticos. Precisaria vencer 6 jogos e empatar 2 e ainda pode perder um para chegar aos 43. Estou falando do lanterna, este fato reforça que a margem é muito pouca. Particularmente não tenho dúvida, Atlético-Go e Figueirense já caíram. Sport e Palmeiras caem nas próximas três rodadas. Só que aí não tem nada haver com matemática e sim com fatos, são os quatro piores times do campeonato. Também pode acontecer o oposto, ou seja, se os quatro últimos continuarem medíocres, mais três rodadas a previsão não será de 43 e muito menos 45. Com 40 pontos o clube estará livre da Segundona.

Os clubes que estão mais acima podem perder muitas partridas para o grupo intermediário e assim aumenta a necessidade de ampliar o número de pontos que proporcione segurança. Por isso, técnicos e jogadores fiquem ligados, busquem os 45 pontos porque nas últimas três rodadas a loucura tomará conta. Os matemáticos vão arranjar algum argumento qualquer para justificar a falta de exatidão de seus cálculos e sairão de fininho.

Equilíbrio

Leia o post original por Pedro Ernesto


Fernandão começa sua trajetória de treinador cometendo um erro que, para mim, é o maior de todos que um técnico pode cometer. Um time se equilibra com quatro zagueiros, dois volantes, dois meias e dois atacantes. O novo treinador do Inter iniciou a partida contra a Portuguesa com três volantes e três atacantes. Claro que não funcionou, e o futebol do Inter foi insuficiente para dominar a partida.

No segundo tempo, com a retirada de Rafael Moura e o ingresso de Fred o time melhorou, mesmo que lá atrás ele tenha colocado três zagueiros. Errou novamente. Juan fez um gol que salvaria o Inter não fosse aquele pênalti estranho marcado contra o time colorado. Mas faltou o que é base numa equipe: o equilíbrio entre atacar e defender. Se tivesse, o Inter ganharia o jogo com facilidade pela qualidade superior de seus jogadores.

Gre-Nal

Se quiser ter sucesso no Gre-Nal, Fernandão vai ter que repensar seu time. A defesa tem jogadores de sobra para ser montada. O ataque tem Leandro Damião e Diego Forlán. No meio Guiñazú e Ygor são certos.

No resto é duvida. Pode ter Dátolo com Fred, pode ter Elton e mais um meia numa escalação mais cautelosa _ o que acredito que possa acontecer _ pela falta de condicionamento do argentino. Mas se for pirotécnico vai se quebrar.

Coritiba

A vantagem adquirida pelo Grêmio na sua vitória de 1 a 0 sobre o Coxa é importante. Foi naquela lagoa que se transformou o gramado do Olímpico e o gol salvador de André Lima. Vantagem importante, mas pequena, escassa.

O Coritiba é um time feroz no seu estádio. Costuma dar sufoco no adversário. Quem passa por lá sabe o que eu estou dizendo. O próprio Grêmio sentiu isto na carne, dias atrás. Mas é outro jogo, o Grêmio está ganhando e o contra ataque pode ser o uso definitivo do Grêmio.

Você sabia?

Que a Brigada Militar confirmou espaço para 750 torcedores do Grêmio?

Que o laudo da Andrade Gutierrez para saber quantos torcedores poderão assistir o Gre-Nal sai somente amanhã?

Que o Coritiba vai jogar tudo contra o Grêmio porque quer ganhar a Sul-Americana?

Que o lateral Ayrton é a principal arma ofensiva do Coritiba nas suas cobranças de falta?

Fluzão é constante e tem “cheiro de chegada”

Leia o post original por Mion

Abel tem o grupo na mão, deu frieza e personalidade ao Flu que sabe como vencer jogos complicados.

Fluminense e Vasco brigam ponto a ponto para superar o Atlético-MG nas últimas 10 rodadas. O clássico repete a cada jogo. Já fiz esta análise semanas atrás, onde apontei o Fluminense como o maior rival do Galo. A equipe vascaína não tem o mesmo equilíbrio aquele cheiro de título. No jogo de ontem contra Sport tive mais certeza ainda. Ganhou apertado de 1 a 0 do Sport em casa. Normalmente não é um resultado que possa inspirar tal afirmação. Além de muitos desfalques, principalmente Deco e Fred, o tricolor encarou um adversário em desespero e jogando bola. Sport não tem um time ruim, está na zona de rebaixamento porque não sabe fazer gols. Até a entrada da área vai tudo bem, a partir daí dá uma pane geral, não sabem como chegar ameaçar a meta adversária, isso fica comprovado por ter o pior ataque do campeonato com apenas 13 gols. Falando em gols, o Flu abusou em perder poderia virar o primeiro tempo com no mínimo 2 a 0 no placar. A destacar a atuação de Magrão, mesmo o Sport perdendo foi o melhor jogador em campo.

Além da parte técnica, tática e física, outros fatores devem ser analisados. Apesar das ausências de Fred e Deco, a péssima fase de Thiago Neves e outros desfalques, os comandados de Abel não perderam equilíbrio e souberam vencer o jogo já no final. Em nenhum momento houve desespero ou falta de organização. Tem aquele espírito de vencedor, consciente do que está fazendo em campo. O gol da vitória saiu boa parte pela organização tática, tranquilidade e da expulsão de Tobi que desestabilizou a meia-cancha pernambucana.

Logo Fred e Deco estarão de volta e a má fase de Thiago Neves não vai durar para sempre, ao contrário talvez seja a hora de passar por essa instabilidade técnica, certamente o Flu vai precisar de seu futebol diferenciado exatamente nas últimas 10 rodadas. Se isso acontecer o time carioca ficará fortíssimo. Das 18 primeiras rodadas venceu 11 jogos, e perdeu apenas um. Marcou 29 gols e sofreu apenas 10. Falta metade do campeonato, entretanto arrisco dizer que até o final o Flu continuará no mínimo entre os três primeiros classificados, com capacidade de brigar ponto a ponto com o Galo ou outro clube pelo título.

Rogério Ceni, a cartada final para arrumar a casa

Leia o post original por Mion

Rogério é a esperança de dar equilíbrio e personalidade à frágil defensiva tricolor.

Há algum tempo o São Paulo perdeu personalidade. Não é mais aquele São Paulo que fazia o adversário ter receios acentuados. E uma das razões se relaciona à ausência de Rogério Ceni. Denis, um bom goleiro, mas ainda não está preparado para ser dono da posição. Não sei se algum dia terá tal potencial. Até agora me provou ser apenas um bom goleiro como tantos outros.

Substituir Rogério não será fácil para qualquer um. No futuro o tricolor terá que arranjar uma solução. O retorno de Ceni amanhã, contra o Flamengo, dará mais confiança e força psicológica ao time como um todo, mas principalmente à confusa defesa, uma das mais fracas dos grandes clubes: tomou 15 gols em 12 partidas, qualquer time de alta qualidade sofre no máximo uma média de 0,7 gol/jogo, o ideal é 0,5, mas é uma marca muito difícil. O tricolor engole revés de 1,25, enquanto o líder Atlético mineiro sofreu 8 tentos, praticamente metade, média de 0,66.

Rogério vai impor mais respeito e personalidade, será a volta do verdadeiro líder e capitão. O desespero fez com que  Emersson Leão colocasse Luis Fabiano como capitão, um absurdo, porém como ninguém tinha personalidade e qualidade para assumir a função, então o ex-técnico optou por Fabiano por ser o jogador mais famoso do grupo. Não adiantou em nada, piorou porque o Fabuloso colecionou cartões amarelos e vermelhos.

Rogério é a última chance do São Paulo ainda reagir no brasileiro e tentar uma vaga na Libertadores. Se não  for suficiente nas próximas quatro ou cinco rodadas, Ney Franco pode começar o trabalho de reestruturação do time pensando em 2013. E caso Rogério resolva encerrar a carreira em dezembro, aí sim tudo ficará mais complicado.