Arquivo da categoria: esquema

Seedorf precisa de mais campo para alimentar Fogão

Leia o post original por Mion

Seedorf precisa atuar como autêntico armador, mais centralizado e vindo de trás.

De tempo em tempo impera algum modismo tático. Hoje o 4-5-1 é o mais badalado. Até o 2010 os clubes mundiais buscavam o tal 3-5-2, principalmente explorando dois alas, dois volantes, um meia mais adiantado e dois atacantes. No jogo de domingo quando Seedorf estreou pelo Botafogo, o perfil do elenco botafoguense mostra ter potencial para atuar no atual 4-5-1.

O técnico Osvaldo Oliveira errou feio em sacar Andrezinhopara a entrada de Seedorf e também não precisava mexerem Felipe Gabriel, erro que repetiu contra o Vasco, tirou Felipe. Seedorf é um armador de jogadas, característica em extinção no futebol brasileiro, talvez até por isso, Osvaldo ainda não assimilou bem o posicionamento do holandês.

Aos 36 anos, Seedorf poderá ter um rendimento melhor, mais recuado vindo de trás como jogador surpresa. Possui qualidade na saída de bola e pode lançar bolas. Marcelo Mattos(Lucas Zen), Renato, Seedorf, Andrezinho e Felipe Gabriel; Elkeson. Vejo  esta a melhor formação, sem esquecer do recém contratado, o uruguaio Lodeiro, joga muito. Vitor Júnior também sempre terá oportunidades. Tudo será questão da necessidade. Se Seedorf atuar centralizado na meia-cancha, Andrezinho e Felipe Gabriel podem entrar pelos lados e aí o holandês deita e rola criando jogadas para os dois.

Seedorf não terá gás para atuar todos os jogos e 90 minutos, aí entram Lodeiro ou então Vitor Júnior. Em termos práticos, Osvaldo tem cinco vagas para oito jogadores. Se trabalhar no 4-5-1 logo este time ficará encaixado e tem potencial de brigar por título. Falta um atacante com cheiro de gol. Não sei os detalhes da saída de Loco Abreu, mas está fazendo falta. Elkeson pode se adaptar, desde que mantenha intensa movimentação, caindo para os lados.

Muito próximo da área adversária o espaço fica reduzido e dificulta a vida de Seedorf. Quando a equipe encaixar e o holandês tiver liberdade de jogar mais pelo centro do campo, armando, distribuindo o jogo, o Bota ficará extremamente perigoso.

 

 

 

Clubes brasileiros jogam no esquema “pebolim”

Leia o post original por Mion

Mano critica o esquema dos clubes, mas na seleção também não consegue dar um padrão diferente. É o esquema pebolim e pronto.

O técnico Mano Menezes criticou os clubes brasileiros por jogarem sem intensidade e os setores – defesa, meio-de-campo e ataque – muito distantes. A análise está correta e não precisa quebrar muito a cabeça para observar tal situação. E a deficiência não tem solução, pelo menos no momento. Na seleção o Mano também enfrenta a mesma dificuldade.

A explicação é simples: a transição da defesa ao ataque não existe porque não temos jogadores com qualidade suficiente para executar este papel. No Cruzeiro o argentino Montillo realiza esta função com grande qualidade. A base dos clubes forma jogadores com o seguinte perfil: alas velozes, volantes limitados à marcação, meias e atacantes velozes. O esquema básico dos times: roubar a bola perto de sua área defensiva e sair em velocidade através dos laterais e meias. É só isso. Não temos jogadores com capacidade de pensar e articular jogadas.

Por isso é o tal “bate e volta”. Quem for mais rápido no contra-ataque ganha o jogo. Isso sem contar com o grande trunfo: zagueiros altos e excelentes cabeceadores. Através deles muitas vitórias são conquistadas. Enquanto não houver um trabalho na formação de jogadores mais qualificados para a meia-cancha o Brasil continuará jogando um futebol estilo pebolim: bate, volta,com as linhas dos setores rígidas e distantes.

Ainda querem a cabeça do Caio?

Leia o post original por Mion

Loco Abreu

Loco Abreu é peça fundamental no time de Caio Júnior, mas o Fogão não depende só dele.

Uma virada sensacional em cima do Fluminense. E jogando bem, nada acidental. O Botafogo vem crescendo no decorrer dos jogos. Não tem um timaço de bola, mas a chegada de Renato deu estabilidade à meia-cancha e Caio Júnior encaixou um esquema bem versátil com variedade de jogadas.

Nas últimas cinco rodadas ganhou quatro jogos sendo dois clássicos cariocas, 4 a 0 no Vasco e 2 a 1 no Fluminense,  perdeu para o Inter em Porto Alegre por 1 a 0, bem apertadinho para os gaúchos. Além de resultados, a equipe apresenta um ótimo futebol.

Infelizmente no Botafogo qualquer  tropeço gera crise. A torcida precisa de mais critério e saber analisar quando um trabalho é bom ou não. Não canso de lembrar, Joel Santana foi obrigado a sair quando o clube  estava na liderança do Carioca. Caio realiza sim um belo trabalho e vai longe com este time no Brasileirão, desde é claro, que a torcida não atrapalhe.