Arquivo da categoria: Everton Ribeiro

Opinião: comparação entre Everton R. e Rodriguinho explica vitória do Fla

Leia o post original por Perrone

A comparação entre os desempenhos de Everton Ribeiro e Rodriguinho ajuda a explicar a vitória do Flamengo por 3 a 1 sobre o Cruzeiro, neste sábado (27), no Maracanã.

O flamenguista venceu o primeiro duelo do Brasileirão entre dois jogadores relacionados pelo blog entre 10 candidatos a melhor da competição. Bruno Henrique, que brilhou com dois gols, também está na lista.

As estatísticas da partida mostram que Everton fez o que se esperava dele, enquanto Rodriguinho decepcionou. O flamenguista também foi superior a Thiago Neves, que substituiu Rodriguinho aos 17 minutos do segundo tempo.

O meia do Flamengo deu a assistência para um dos gols de seu time e mais três passes para finalizações, de acordo com o site “Footstats”. O garçom do gol do Cruzeiro foi Fred. Rodriguinho deu apenas um passe para conclusão de seu time.

Everton foi o segundo jogador da partida que mais acertou passes (61). Ficou atrás apenas de Willian Arão (62). Rodriguinho passou a bola com perfeição apenas 16 vezes. Thiago Neves acertou 9 passes.

A importância do meia rubro-negro para seu time também pode ser medida pelo fato de ele ter sido quem mais ficou com a bola em sua equipe. Seu índice de posse de bola foi de 6%. As marcas de Rodriguinho e Thiago Neves foram, respectivamente 2,06% e 0,86%.

Outra diferença: Everton ajudou muito mais sua equipe na marcação do que os dois cruzeirenses. Ele acertou três desarmes contra um de Rodriguinho e nenhum de Thiago. O lateral Renê, do Flamengo, liderou esse ranking desarmando os rivais em quatro oportunidades.

Claro que toda essa eficiência do meia não teria sido tão produtiva se ele não tivesse um companheiro jogando em alto nível com quem pudesse dialogar em campo. Bruno Henrique fez esse papel. Além dos gols, ele foi quem mais acertou finalizações no jogo. Registrou quatro arremates certos.

Nesse ponto, temos outra marca da inanição ofensiva cruzeirense. Segundo o “Footstats”, os mineiros fizeram só uma conclusão certa. Com Pedro Rocha, autor do gol de seu time. Essa falta de ofensividade passa, entre outros fatores, pelas dificuldades de Rodriguinho e Thiago Neves na armação.

“Sem vexame”

Leia o post original por Rica Perrone

Rubro-negro sofre com o fantasma do “vexame” na Libertadores. Primeira fase ou qualquer adversário que se considere “obrigação” faz do Flamengo uma vítima de si mesmo. Assisti aos 5 jogos do Mengão na Libertadores. Esse foi o que mais me preocupou. – Porra, Rica! Mas jogamos partidas piores que essa! Depende. Eu entendo a ansiedade…

Brasileirão 2018 – Vitória 2×2 Flamengo

Leia o post original por Rica Perrone

Se no jogo de abertura o erro do arbitro não mexeu no placar do jogo, o segundo jogo foi completamente contaminado pela péssima arbitragem do senhor Wagner Reway.

O Flamengo faz 1×0 com 16 segundos. Com 10 minutos ele marca um pênalti inexistente e expulsa o Everton Ribeiro. Qualquer  bobagem que fizessem no segundo tempo não compensaria a perda do Flamengo.

Atuar 80 minutos com um a menos e tendo um gol sofrido ilegal é uma das maiores perdas possíveis num erro de arbitragem. E pior. Ele volta do intervalo provavelmente sabendo da merda que fez e tem a chance de corrigir uma parte num pênalti não marcado. Também não fez. Piorou seu erro.

Pra ser ainda pior a lambança, o gol do Flamengo (o segundo) estava impedido. Mas aí o erro é do bandeira. O Wagner Reway não teve a honra de fazer todas as cagadas do jogo sozinho.

Enfim. Dificil avaliar a proposta inicial de um time que com 10 minutos perde um jogador expulso e precisa mudar tudo que foi treinado. Entrou Arão, saiu Dourado. Desfigurou.

Mas ainda que com um a menos o Flamengo foi compacto, não deu ao Vitória qualquer momento de pressão no jogo e trancou bem a partida para não perder.

O resultado não é ruim. Lá é sempre difícil vencer, mas se torna ruim na medida que o Flamengo percebe que poderia ter vencido o jogo talvez até com facilidade não fosse o erro do árbitro. Erro, aliás, que é sequencial. O primeiro erro praticamente obriga o segundo. É uma coisa só.

Ainda não conhecemos o Flamengo do Barbieri. Mas eu desconfio que ele é melhor do que o anterior e também do que algum medalhão tipo Levir, Dorival ou outro “mais do mesmo” faria.

#DeixaEleTrabalhar

Percentual de posse de bola individual

Percentual de passes certos individual

abs,
RicaPerrone

Será que ainda dá para Mengão do ‘Zé’ Rueda???

Leia o post original por Craque Neto

Tenho visto atentamente a campanha do Flamengo nesta temporada e com exceção feita a campanha da Copa Sul-Americana, onde é finalista, o restante de 2017 o time só passou vergonha. E olha que investiu em contratações milionárias, como Conca, Diego e Everton Ribeiro. Agora acho que o grande defeito do clube está sentado no banco de reservas. Apesar de ter sido campeão da Libertadores com o Atlético Nacional no ano passado, não consigo ver muito carisma nesse treinador Reinaldo ‘Zé’ Rueda. Sinceramente. Pra falar a verdade acho que os comandantes gringos tem dificuldades para trabalhar por aqui. A história mostra […]

O post Será que ainda dá para Mengão do ‘Zé’ Rueda??? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Cuidado Mengão! Uma cobra sempre pica a outra…

Leia o post original por Craque Neto

O Flamengo anunciou o meia Everton Ribeiro como novo reforço para a temporada. O Rubro-Negro carioca vai gastar cerca de R$ 22 milhões na chegada do jogador que estava nos últimos anos defendendo o Al Ahli dos Emirados Árabes. Particularmente acho uma baita contratação. Esse menino, revelado nas categoria de base do Corinthians e eleito duas vezes melhor jogador do País quando defendia a camisa do Cruzeiro, deverá ser a grande atração do time neste Brasileirão. Ele tem ainda 28 anos e muito gás para queimar por aqui. Junto com ele também foi anunciado o zagueiro Rhodolfo, ex-São Paulo e […]

O post Cuidado Mengão! Uma cobra sempre pica a outra… apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Quarteto da seleção rende cerca de R$ 224,5 mi para quem pagou bagatela

Leia o post original por Perrone

A seleção brasileira que enfrenta o Equador nesta noite nos Estados Unidos tem pelo menos cinco exemplos de como o atoleiro financeiro ou uma avaliação errada sobre seus jovens jogadores fazem os clubes nacionais deixarem de ganhar dinheiro.

David Luiz, Marquinhos, Everton Ribeiro, Philippe Coutinho e Fabinho foram vendidos por equipes em que atuaram nas categorias de base por preços que podem ser considerados pechinchas. Só Fabinho ainda não engordou os cofres de quem apostou nele, o Rio Ave (Portugal), que emprestou o lateral para o Monaco.

Já o quarteto formado por Marquinhos, Everton Ribeiro, David Luiz e Philippe Coutinho rendeu para Corinthians, formador dos dois primeiros, Vitória e Vasco cerca de R$ 32,3 milhões. Suas revendas geraram aproximadamente R$ 224,5 milhões. Nesse valor, o blog não incluiu a compra de David pelo PSG por já ser a segunda grande negociação envolvendo o atleta.

Por sua vez, Fabinho teve os valores de sua transferência para o Rio Ave, de Portugal, em 2012, mantidos em sigilo pelo Fluminense. Porém, o balanço de 2012 divulgado pelo clube mostra que naquele ano entraram nos cofres tricolores R$ 14,1 milhões referentes à negociação de atletas. Parte das vendas foi parcelada, assim, essa quantia não representa o montante total arrecadado.

Veja abaixo cada caso.

David Luiz – De acordo com reportagem do site da ESPN, por precisar de dinheiro o Vitória vendeu o zagueiro em 2007 por 2 milhões de euros (R$ 5,8 milhões na cotação atual) para o Benfica. Os portugueses tiveram tempo para deixar o brasileiro se desenvolver. Hoje no PSG, Davis se transferiu em 2011 para o Chelsea pelo equivalente à aproximadamente R$ 86,5 milhões.

Marquinhos – Deixou o Corinthians em 2012 para jogar na Roma por cerca de R$ 15 milhões. Aproximadamente um ano depois, os italianos se refestelaram com por volta de R$ 104 milhões pagos pelo PSG para ter o brasileiro, de acordo com a imprensa europeia. A negociação até hoje provoca debates acalorados no Parque São Jorge. Dirigentes afirmam que só fizeram a venda porque Tite afirmou que não havia espaço para o zagueiro no clube. O treinador não nega que deu sinal verde para a saída do jogador, mas declara que os cartolas tinham a mesma opinião que ele.

Philippe Coutinho – Tratado como jovem promissor em São Januário, foi vendido em para a Inter de Milão, em 2008, quando ainda estava nas categorias de base, por cerca de R$ 10 milhões divididos em três parcelas anuais. Só se transferiu em 2010, depois de completar 18 anos. Em 2013, a Inter vendeu o brasileiro para o Liverpool por aproximadamente R$ 30 milhões.

Everton Ribeiro – Hoje destaque no Cruzeiro, o meia ficou quase sempre em segundo plano no Corinthians. Foi emprestado para o São Caetano e vendido em 2011 ao Coritiba por R$ 1,5 milhão. Em 2013, o clube de Belo Horizonte pagou R$ 4 milhões por 60% de seus direitos econômicos. O atual líder do Brasileirão já teria recusado uma oferta de R$ 24 milhões do Qatar pelo ex-corintiano.

Vale lembrar que os clubes considerados formadores têm direito a pelo menos uma parte da quantia reservada pelo mecanismo de solidariedade da Fifa. A regra disponibiliza 5% do valor de cada transferência internacional para serem divididos entre os times em que o jogador atual entre 12 anos e 23 anos.

 

Éverton Ribeiro pega recado de Dunga: “Vou dar o meu melhor”

Leia o post original por blogdoboleiro

Éverton Ribeiro acompanhou pela televisão a divulgação da lista de convocados pelo técnico Dunga para a seleção brasileira. Não só escutou o seu nome, como ficou acompanhando a entrevista coletiva. “Vi tudo. Fiquei feliz. Bom demais”, disse ao Blog do Boleiro por telefone.

O jogador do Cruzeiro ouviu o treinador explicar porque o chamou para os amistosos contra Colômbia e Equador: “O Éverton Ribeiro foi convocado pela qualidade e pelo drible. No futebol de hoje, onde a marcação é muito forte, com duas linhas de quatro, quase não sobra espaço. É preciso jogador que tenha criatividade e drible como ponto forte”.

O armador do time líder do Campeonato Brasileiro entendeu o que Dunga quer de cada convocado. “Todo jogador que vai para a seleção precisa saber que, se for chamado para jogar 90 minutos ou apenas 1 minuto, ele tem que estar pronto para responder à altura. É foco total”, falou o treinador do Brasil.

Éverton pegou o recado e garantiu: “Vou dar o meu melhor lá”.

Dunga faz justiça ao Cruzeiro, chama Tardelli e prestigia alguns jogadores de Felipão!

Leia o post original por Milton Neves

convocados

Dunga anunciou na manhã de hoje a primeira convocação após seu retorno a seleção brasileira.

Na lista, o técnico fez algo que Felipão relutava em fazer: convocou Ricardo Goulart e Éverton Ribeiro, ambos do Cruzeiro.

Nada mais justo, pois são eles os melhores jogadores da equipe que tem apresentado o futebol mais eficiente no Brasil.

Acabou chamando também Diego Tardelli, do Galo.

Mas aí, honestamente, foi muito mais pela carência de centroavantes em nosso futebol do que pela fase do jogador do Atlético-MG.

Dunga prestigiou também alguns nomes que frequentemente eram chamados por Felipão, como David Luiz, Luiz Gustavo, Fernandinho e Hulk.

Veja a lista completa abaixo:

GOLEIROS

Jefferson (Botafogo)

Rafael Cabral (Napoli-ITA)

ZAGUEIROS

David Luiz (PSG-FRA)

Marquinhos (PSG-FRA)

Gil (Corinthians)

Miranda (Atlético de Madri-ESP)

LATERAIS

Maicon (Roma-ITA)

Filipe Luis (Chelsea-ING)

Alex Sandro (Porto-POR)

Danilo (Porto-POR)

MEIO-CAMPISTAS

Luis Gustavo (Wolfsburg-ALE)

Elias (Corinthians)

Fernandinho (Manchester City-ING)

Ramires (Chelsea-ING)

Everton Ribeiro (Cruzeiro)

Oscar (Chelsea-ING)

Willian (Chelsea-ING)

Coutinho (Liverpool-ING)

ATACANTES

Hulk (Zenit-RUS)

Ricardo Goulart (Cruzeiro)

Neymar (Barcelona-ESP)

Tardelli (Atlético-MG)

E aí, torcedor brasileiro: gostou da primeira lista de Dunga?

Opine!

Minha Seleção do Brasileirão

Leia o post original por Neto

Ederson foi artilheiro do Brasileirão com 21 gols

Ederson foi artilheiro do Brasileirão com 21 gols

Toda essa polêmica envolvendo brigas nas arquibancadas verdadeiramente marcou esse Campeonato Brasileiro. Mas como meu negócio é falar de bola, vou eleger aqui os 11 jogadores e o treinador que na minha concepção foram os melhores nesse Nacional.

Rogério Ceni (São Paulo) – Sei que vai ter muito cruzeirense revoltado comigo dizendo que o Fábio foi o melhor. E de fato o camisa 1 celeste arrebentou nessa temporada. Mas é bom lembrar que ele teve defesa pra garantir lá atrás, né? Por isso continuo apostando no goleiro do São Paulo. Apesar dos 40 anos ele fechou o gol muitas vezes. Nesse campeonato bateu o recorde histórico de atuações por um mesmo clube. E mesmo tendo uma defesa morta na frente dele. O que esse cara faz com a idade que tem deixa muito menininho no chinelo.

Pará (Grêmio) – Lateral voluntarioso e extremamente regular. Fez uma temporada muito boa. Encaixou no esquema do Renato Gaúcho e soube apoiar o ataque quando necessário. Mesmo reconhecendo que seu forte é a marcação. Gosto muito do estilo dele batalhador.

Gil (Corinthians) – É verdade que o Corinthians fez papelão nesse Brasileirão. Mas ainda assim conseguiu se destacar defensivamente. Teve a melhor defesa disparada do torneio com apenas 22 gols sofridos em 38 jogos. Um número fantástico! E muito disso se deve a segurança desse zagueiro, que despontou como fora-de-série. Tem uma força física diferenciada, além senso de colocação e visão de jogo além do normal.

Dedé (Cruzeiro) – Continua atuando em alto nível. É sem dúvida um dos responsáveis por esse título do Cruzeiro. Encaixou como uma luva na zaga mineira. É rápido no posicionamento, na recuperação e ainda sabe fazer gols como artilheiro. Deve estar na Seleção do Felipão para a próxima Copa do Mundo.

Alex Telles (Grêmio) – Ala moderno que consegue unir com eficiência os sentidos de apoio e marcação. Fechou com qualidade o setor no time gaúcho. Obediente taticamente foi por muitas vezes a válvula de escape do Tricolor dos Pampas ofensivamente.

Ralf (Corinthians) – Pra mim o melhor primeiro volante do Brasil disparado. Aliás, o segredo do sucesso do Corinthians nos últimos anos passa pela força de marcação desse jogador. Compõe um terceiro zagueiro com qualidade e junto com o Gil foi responsável pela melhor defesa disparada do País.

Souza (Grêmio) – Se os vice-campeões tiveram equilíbrio nesse campeonato no setor de meio-campo muito disso passou pelos pés do Souza. Volante moderno que une boa marcação com qualidade na distribuição das bolas.

Everton Ribeiro (Cruzeiro) – Sem dúvidas o principal craque do campeonato. O ‘Bola de Ouro’! Armou o campeão com eficiência e ainda marcou uns golaços de placa. Fez a diretoria do Corinthians se arrepender amargamente de tê-lo negociado.

Diego Tardelli (Atlético/MG) – Poderia escalar minha Seleção no tal 4-4-2, que os letrados adoram ficar falando. Mas prefiro colocar no meu time três homens mais ofensivos. O Tardelli pode tter sido coadjuvante do Ronaldinho na conquista da Libertadores, mas nas partidas que ele fez no Brasileiro foi protagonista. Fez cada golaço de encher os olhos! Será fundamental para o Galo na busca do título mundial. Joga muito.

Ederson (Atlético/PR) – O artilheiro da competição não poderia ficar de fora, né? Com 21 gols ele levou o Furacão a surpreendente terceira colocação no Nacional. E o melhor de tudo é que se mostrou um goleador completo. Fez gol de tudo quanto é jeito. O sucesso foi tão grande que o Furacão deverá negociá-lo na próxima temporada.

Marcelo (Atlético/PR) – Pra mim a grande revelação desse campeonato. Jogador rápido e oportunista, ele não pipocou para nenhuma das melhores defesas da competição. Formou com o Éderson pra mim a principal dupla de ataque do torneio. Outro que não deve permanecer no Furacão em 2014.

Técnico: Vágner Mancini (Atético/PR) – Enquanto um monte de comandante medalhão naufragou em 2013, o Mancini provou sua competência e conduziu o Furacão nas maravilhosas campanhas no Brasileirão, onde foi terceiro colocado, e também no vice-campeonato da Copa do Brasil. Tem conceitos estratégicos diferenciados. Merece tudo o que vem alcançando na carreira. Trabalhou uma equipe sem grande medalhões e teve sucesso.