Arquivo da categoria: federação paulista de futebol

Veja como polêmica sobre VAR extrapola guerra entre Palmeiras e FPF

Leia o post original por Perrone

A nova disputa entre Palmeiras e Federação Paulista, agora por causa do uso do VAR no empate do alviverde com o Novorizontino na abertura das quartas de final do Paulista respinga em outros temas e personagens. Confira abaixo.

Sobrevivência do Paulista

Cada vez que o Palmeiras chama o Estadual de Paulistinha, como fez após o lance polêmico em Novo Horizonte, dá uma estocada numa competição que luta para não perder espaço, assim como os torneios dos outros Estados. Em novembro do ano passado, ao UOL Esporte, Fernando Manuel Pinto, diretor de  direitos esportivos do Grupo Globo, defendeu a discussão sobre o tamanho desses campeonatos. “De fato, tenho defendido que o futebol brasileiro repense o calendário. Joga-se demais, e com pouca orientação comercial na alocação de datas. Em qualquer cenário, vejo pontos relevantes nos Estaduais como a grande rivalidade, finais eletrizantes. Mas olhando estrategicamente, tenho provocado reflexão sobre redimensionamento e reposicionamento dos Estaduais. O fato de 1/3 do ano estar dedicado a eventos apenas regionais (se considerar torneios regulares, não o mata-mata, que é incerto por natureza) traz efeitos colaterais”, afirmou o executivo na ocasião, por meio de nota oficial. Ou seja, ao diminuir a importância do Paulista, o Palmeiras ajuda esse discurso de que os Estaduais devem ser menores. Campeonatos mais curtos significam menores receitas. Vale lembrar que Globo tem contrato com a FPF para transmitir o Campeonato Paulista até 2021.

Patrocínio

Imagine você tentando vender um produto e uma grande instituição fazendo bombar em suas redes sociais críticas ao que você negocia. Em tese, é isso que acontece quando o Palmeiras detona o Campeonato Paulista, que tem como uma de suas fontes de receita a venda de cotas de patrocínio. As críticas palmeirenses têm potencial para atrapalhar os negócios da federação.

Duelo de marcas

Coincidentemente, hoje, o principal patrocinador do Campeonato é a Sicredi, concorrente da Crefisa, poderosa parceira palmeirense. Nesse cenário, se o alviverde conquistar o título e comparecer à festa de encerramento da competição para ser homenageado, provavelmente terá seus jogadores num cenário decorado com a logomarca da concorrência. Mas, como o clube está rompido com a entidade e não comparece a seus eventos, isso não deve acontecer, independentemente da colocação palmeirense.

Pressão na arbitragem

Desde que o Palmeiras rompeu com a FPF, após entender que houve interferência externa na anulação de um pênalti a seu favor na final do Paulista do ano passado, vencida pelo Corinthians, apitar jogos do time é complicado. Após o episódio em Novo Horizonte, a pressão é dobrada na equipe de arbitragem que vai atuar na partida de volta da quartas de final nesta terça (2). E continuará assim se o time de Felipão avançar.

TJD x Palmeiras

A direção palmeirense já não mantinha boa relação com o Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo por entender que não foi tratada justamente em seus pedidos referentes à decisão do Paulista do ano passado. Nesta segunda (25), o presidente do órgão, Antonio Assunção de Olim, jogou mais lenha na fogueira. Ele afirmou que o clube não para de chorar e disse que mandará um lenço para a alviverde. Como ficam os próximos julgamentos envolvendo o Palmeiras no órgão? A diretoria vai citar o episódio para contestar a isenção do tribunal?

De novo no olho do furacão

A polêmica em Novo Horizonte coloca outra vez sob os holofotes Thiago Duarte Peixoto. Árbitro assistente de vídeo no jogo dos palmeirenses contra o Novorizontino, ele apitou Corinthians x Palmeiras em Itaquera, em 2017, e expulsou incorretamente o corintiano Gabriel no lugar de Maycon.

Por VAR, FPF pede mudança de comportamento de jogadores

Leia o post original por Perrone

Antes de colocar o VAR em operação, a Federação Paulista levou sua equipe de arbitragem para dar palestras aos jogadores envolvidos nas quartas de final do Estadual (só o Palmeiras recusou a atividade). Uma das principais preocupações foi pedir para que os atletas mudem de comportamento.

Para Roberto Perassi, vice-presidente da Comissão de Arbitragem da FPF, e que ministrou “aulas” para os jogadores, a tecnologia força os atletas a mudar antigas práticas.

“Explicamos que eles não devem parar pra reclamar. Antigamente, eles corriam pra mostrar pro juiz que um gol foi em impedimento, por exemplo. Não deixavam o jogo ser reiniciado. Não tem mais isso. A equipe do VAR vai paralisar a partida se houve irregularidade. Eles não precisam se preocupar com isso. Não ouviu o apito, deixa o jogo correr”, disse Perassi.

Eles foram lembrados de que não devem pedir para o juiz acionar o árbitro assistente de vídeo, sob pena de levarem cartão amarelo.

Os jogadores e as comissões técnicas foram relembrados de quando o VAR pode entrar em ação: em casos de dúvidas em lances de gol, pênalti, expulsão e cartão dado para atleta errado

Outra recomendação é para que não façam bolo em volta do árbitro enquanto ele consulta o VAR. O entendimento é de que vários jogadores discutindo em volta dele podem tornar mais difícil para o juiz entender o que o responsável pelo VAR fala. Ele já tem que lidar com o barulho da torcida.

E a comunicação é algo que a federação entendia precisar melhorar antes do início das quartas de final. Há uma insistência com os envolvidos para que usem linguagem padrão, objetiva. A ideia é diminuir a chance de ruídos.

 

Antes de polêmica sobre VAR, Palmeiras rejeitou palestra da FPF

Leia o post original por Perrone

Antes da polêmica entre Federação Paulista e Palmeiras por conta do VAR, o alviverde recusou oferta da FPF para fazer uma palestra sobre o árbitro auxiliar de vídeo no clube. Consultada pela entidade, a direção palmeirense agradeceu, mas disse que já tinha participado de evento semelhante via Conmebol e CBF. A assessoria de imprensa da agremiação confirmou a informação ao blog.

Além de apresentações aos jogadores e comissões técnicas das equipes envolvidas nas quartas de final do Campeonato Paulista, a federação convidou treinadores para irem até a entidade para operar o equipamento de VAR. O corintiano Fábio Carille e o são-paulino Vagner Mancini foram até a entidade para fazer os testes. O palmeirense Felipão e o santista Sampaoli não apareceram.

A assessoria de imprensa de Felipão não fala com o blog, mas disse ao UOL Esporte que o “Palmeiras  não foi (à sede da federação em reunião sobre as quartas de final). Scolari é funcionário do Palmeiras.”. Por sua vez, o departamento de comunicação palmeirense disse que não chegou ao clube convite específico para o técnico testar o VAR. Também ao UOL Esporte, a assessoria de imprensa do Santos disse que Sampaoli não compareceu porque estava viajando com o time quando recebeu o convite.

Na fase de preparação para o uso do árbitro de vídeo, a FPF teve a intenção de deixar treinadores, jogadores, dirigentes e jornalistas operarem o sistema para sentir suas dificuldades. Este blogueiro operou o simulador do VAR. Além de Mancini, os são-paulinos Hudson, Hernanes e Lugano, superintendente institucional do clube, participaram dos testes, assim como o corintiano Andrés Sanchez.

Nas palestras realizadas nos clubes, a equipe da federação explica quando o árbitro de vídeo pode entrar em ação, os procedimentos a serem adotados pelos juízes em campo e o que espera do comportamento dos atletas. Dos oito participantes das quartas de final apenas o Palmeiras avisou que não gostaria de receber o estafe da FPF para a palestra.

Justamente no primeiro jogo do time nos mata-matas do Estadual, o empate em um gol com o Novorizontino, houve polêmica com o VAR. Os palmeirenses reclamam de um toque de Murilo Henrique com o braço antes do lance do gol do adversário. A federação respondeu em rede social com a imagem que a equipe de arbitragem utilizou para validar o lance, alegando que não houve infração. O clube respondeu afirmando que a federação tenta defender o indefensável.

Palmeiras e FPF se desentendem desde a final do Campeonato Paulista do ano passado, vencida pelo Corinthians no Allianz Parque. O time da casa alega que teve um pênalti a seu favor anulado após interferência externa na arbitragem, o que a federação nega ter acontecido.

Com Arthur Sandes, Diego Salgado e Eder Traskini, do UOL em São Paulo e colaboração para o UOL em Santos

‘Porta-voz’, Lugano diz que momento crítico o fez se reaproximar do futebol

Leia o post original por Perrone

Há um pelotão de jornalistas buscando respostas para a crise do São Paulo. No alto da escada na sede da Federação Paulista de Futebol aparece Raí. Profissionais se preparam para ouvir o executivo de futebol do clube do Morumbi. Mas ele abre uma porta lateral e se retira. Lugano, superintendente institucional tricolor, toma a direção oposta e se dirige para a muvuca. Com paciência, responde sobre tudo. Atrito entre Jean e Mancini, possível vinda de Pato, críticas da torcida, chegada de Cuca. Sempre sem nervosismo.

A cena ocorrida nesta quinta (21), após a reunião sobre detalhes das quartas-de-final do Campeonato Paulista, mostrou um “porta-voz” com sotaque carregado representando o clube em momento de crise. Não que Raí tenha saído de cena, ele havia dado entrevista na noite anterior depois do empate da equipe com o São Caetano.

Na FPF, foi a vez de o uruguaio, de estilo despojado, metido num blazer e vestindo calça jeans, dar sua cara à tapa. Ele tem sido cada vez mais presente no futebol do clube, apesar de seu cargo não estar diretamente relacionado ao departamento. Perguntado por este blogueiro sobre sua proximidade com o cotidiano da equipe, ele disse: “o momento exige”. Então, quando a crise passar, vai se afastar? “Provavelmente, como eu já fiz (antes)”, respondeu o uruguaio, rindo.

O discurso na diretoria, porém, é de que mesmo quando a tempestade se for o ex-zagueiro vai continuar ligado ao futebol. Raí e o presidente Leco pediram sua reaproximação, após certo distanciamento, e entenderam que ele deveria estar ainda mais presente do que antes. E sendo mais ouvido em casos importantes. Seu perfil é considerado diferente do ostentado pelo ex-meia. É visto como mais enérgico, enquanto o executivo de futebol é tido como ponderado. A direção acredita ser importante esse contraste para criar equilíbrio. Lugano também é definido como um personagem importante para administrar o vestiário.

No salão no térreo do prédio federação, ele mostrou habilidade na administração de temas espinhosos diante da imprensa. Foi assim ao negar que o fato de Vagner Mancini ser treinador interino deu força para o goleiro Jean se insurgir contra o técnico. E também para rechaçar a tese de que o arqueiro desrespeitou a instituição que Lugano tanto defende. “Não, ele estava de cabeça quente, já passei 20 mil vezes por situações assim”, afirmou.

O uruguaio baseia seu discurso na tese de que problemas sempre acontecem, mas que agora, graças ao universo digital, os vazamentos são mais frequentes e tudo ganha uma proporção maior. E como resolver o problema? “Jogando melhor, tentando ganhar o Campeonato Paulista, que talvez não tenhamos valorizado na minha época (como jogador)”, declara.

Sem fechar a cara ou alterar o tom de voz, Lugano foi apagando incêndios, transformando entrevistas em bate-papo. “Eu e Raí sabíamos onde a gente estava se metendo”, afirmou ao comentar as críticas da torcida.

Diferentemente de quando chegava forte nos adversários em campo, Lugano foi gentil até ao falar de jogador adversário. Isso aconteceu ao ser questionado pela reportagem do site “Meu Timão” sobre o zagueiro Bruno Méndez, contratado pelo Corinthians. “Menino com um perfil muito bom, acho que o Corinthians contratou um ótimo jogador. É difícil no futebol que um jogador novo tenha essa visão, essa perspectiva de mundo (que o compatriota tem). Desejo o melhor do mundo pra ele. E ele é zagueiro, uruguaio”, derreteu-se o dirigente são-paulino.

Depois de cerca de 30 minutos atendendo a imprensa e tentando compartilhar a imagem de um São Paulo que se preocupa com a crise, mas não entra em desespero por causa dela, Lugano deixou a federação com pinta de bombeiro.

Com Arthur Sandes e José Eduardo Martins, do UOL, em São Paulo

 

 

FPF descarta ir atrás do Palmeiras: clube é que precisa querer voltar

Leia o post original por Perrone

Não é a Federação Paulista que tem que pedir para o Palmeiras voltar a frequentar a entidade. É o clube que precisa querer se reaproximar. Esse é o pensamento da cúpula da FPF.

Mais uma vez, o alviverde não enviou representantes para a reunião na sede da federação que definiu os detalhes das quartas de final do Paulista nesta quinta, 21. “A vontade do Palmeiras é não comparecer, e nós respeitamos isso”, disse Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da federação durante entrevista coletiva.

Internamente, o discurso do dirigente é de que sua principal preocupação não é trazer o Palmeiras de volta, mas fazer o futebol paulista ter uma gestão melhor, o que inclui acabar com atrasos salarias. Atualmente, o Santos é afetado por pagamentos atrasados.

Com essa postura definida, a direção da FPF não tem feito gestões para tentar se reaproximar do alviverde. O presidente palmeirense, Maurício Galiotte, rompeu com a entidade desde a final do Estadual do ano passado. Ele entende que houve interferência externa da arbitragem na anulação de um pênalti a favor de seu time na decisão com o Corinthians, que saiu como campeão.

Apesar da ausência nas reuniões da entidade, as partes mantêm relações profissionais. Um tema em comum entre ambos é o uso do Pacaembu no Brasileirão. O estádio municipal hoje não atende requisitos de iluminação para receber jogos do Nacional. Bastos tem conversado com prefeitura, Palmeiras, Santos, São Paulo e o consórcio Patrimônio SP, vencedor da licitação para operar o estádio e hoje suspensa pela Justiça, para solucionar o problema. As conversas são para definir como cobrir os custos para o aumento da potência dos holofotes.

Com Arthur Sandes, do UOL, em São Paulo

Atrito com FPF: Palmeiras recusou duas trocas de campo na Copinha

Leia o post original por Perrone

Antes de afirmar que foi vítima de suposta má vontade na Copa São Paulo por, entre outros motivos, não conseguir jogar em Barueri, o Palmeiras recusou duas ofertas da Federação Paulista para atuar em outro campo que não fosse o de Capivari, castigado por chuvas.

Antes do duelo com o Vitória-BA pela segunda fase, a FPF procurou a diretoria alviverde para oferecer Santa Bárbara D’Oeste, sede em que estava o time baiano,  como alternativa ao estádio de Capivari. De acordo com a assessoria de imprensa palmeirense, a oferta foi rejeitada diante da avaliação de que as condições do campo sugerido eram tão ruins quanto às de onde o clube vinha jogando e, para piorar, o time ainda teria que enfrentar o deslocamento para outra cidade.

Depois do triunfo sobre o Galvez, a federação procurou de novo o Palmeiras para definir onde seria a partida seguinte. Também de acordo com a assessoria de imprensa do clube,  João Paulo Sampaio, coordenador das categorias de base do alviverde disse que queria um campo em boas condições e pediu para jogar em Barueri. A FPF respondeu que lá não seria possível e ofereceu Jaguariúna, que era a sede onde estava Figueirense, adversário da vez. De novo, o clube da capital avaliou que foi oferecido um gramado em más condições e com o adicional de um deslocamento, assim preferiu seguir em Capivari.

Depois da eliminação nas oitavas com derrota de 2 a 1 para o Figueira, Sampaio atacou a organização da Copinha. “Queríamos um campo melhor. Pedimos Barueri e nos disseram ‘não’, mas o Corinthians pôde?”, declarou o dirigente.

O alvinegro derrotou o Visão Celeste por 8 a 0 nesta quarta (16) e avançou para as quartas de final. O discurso na FPF é de que quando o pedido alviverde foi feito os corintianos já tinham sido deslocados para Barueri porque Itu, até então sua sede, havia sido desativada. O acordo com a cidade era de que seu estádio não estaria disponível a partir das oitavas de final.

Além disso, no entendimento dos organizadores da Copa São Paulo, Barueri não poderia receber dois jogos nas oitavas, o que não ocorreu em outras sedes.

A insatisfação palmeirense aumenta o atrito entre clube e FPF que começou depois da final do Estadual do ano passado. Os palmeirenses reclamaram que houve interferência externa da arbitragem na anulação de pênalti a seu favor no Allianz Parque. O Corinthians ganhou a decisão e a partir de então o Palmeiras declarou guerra à entidade.

 

 

Pequeno para Palmeiras, Paulista pode render R$ 29 mi em dois meses e meio

Leia o post original por Perrone

Sem calcular a venda de ingressos, quanto pode render para o Palmeiras o Campeonato Paulista, chamado de pequeno por seu presidente, Maurício Galiotte? O blog fez as contas.

O alviverde levaria cerca de R$ 2 milhões por partida na pouco provável hipótese de ser eliminado na primeira fase.

Nessa conta está apenas a cota de TV paga pela Globo a cada um dos quatro grandes do Estado pela transmissão de seus jogos. São aproximadamente R$ 24 milhões por time (Palmeiras, Corinthians, Santos e São Paulo), de acordo com apuração do blog. A fase inicial da competição tem 12 jogos.

No ano passado, os grandes embolsaram cerca de R$ 19 milhões pelas transmissões no Estadual.

A receita em 2019 aumentaria de acordo com o desempenho palmeirense na competição por conta das premiações pagas pela FPF, entidade com a qual o clube está rompido.

Conforme apurou o blog, campeão paulista levará R$ 5 milhões. Ou seja, contando cota de TV e premiação por título, o Palmeiras poderia levantar por volta de R$ 29 milhões em dois meses e meio para disputar 18 partidas. Nesse caso, a competição renderia ao clube cerca de R$ 1,6 milhão por apresentação.

Galiotte rompeu com a federação por entender que pênalti a favor de seu time na final deste ano, contra o Corinthians, foi anulado com interferência externa.

Depois da partida, chamou o Paulista de campeonato pequeno. Repetiu a afirmação para a rádio Jovem Pan, na semana passada, ao dizer que não participará de reunião sobre a competição na próxima terça.

“Para o projeto do Palmeiras, o (Paulista) é pequeno”, disse o cartola. A tese é de que em comparação aos outros campeonatos que o clube participa o Estadual é menor. Por isso, com os planos para a temporada inteira em mãos, a comissão técnica vai decidir as escalações mais adequadas para o torneio.

Em termos comparativos, a Copa do Brasil de 2018 ofereceu R$ 50 milhões para seu campeão (Cruzeiro) e R$ 20 milhões ao vice (Corinthians), sem contar bônus nas fases anteriores. Os finalistas disputaram oito jogos, pois entraram já nas oitavas de final.

Crise com Palmeiras coloca presidente da FPF em xeque

Leia o post original por Perrone

Os recentes ataques de Maurício Galiotte deixam a autoridade da Federação Paulita de Futebol (FPF) e do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) em xeque. Consequentemente, Reinaldo Carneiro Bastos, mandatário da entidade estadual, também fica numa situação delicada.

O presidente do Palmeiras já chamou o Campeonato Paulista de Paulistinha duas vezes, além de criticar em várias oportunidades a maneira como a federação e o tribunal trataram a denúncia do clube em relação ao jogo decisivo da competição. Para o alviverde, houve interferência externa na decisão que anulou um pênalti (marcado incorretamente) a favor de sua equipe na segunda partida da final com o Corinthians.

Galiotte se revoltou com o fato de o tribunal decidir não julgar o caso alegando falta de provas e porque a FPF não tomou medidas disciplinares contra os envolvidos na suposta interferência. Também ficou irritado ao ver o tribunal alegar que seus advogados perderam o prazo para pedir a impugnação do jogo.

Chamar o torneio de Paulistinha fez Galiotte ser denunciado pelo TJD. Ele promete não comparecer ao julgamento marcado para esta segunda-feira, o que em tese aumentaria a crise.

O grau de rebeldia do dirigente palmeirense é raro em termos de FPF. O atual presidente da entidade vinha se mostrando afinado com os clubes paulistas e até virou representante de seus anseios na Conmebol.

Agora, porém, vê sua autoridade contestada. A falta de uma punição para Galiotte pode deixar a federação vulnerável a outros ataques de cartolas, o que enfraqueceria a entidade. Por outro lado, um castigo pesado certamente fará o presidente palmeirense gritar mais alto prolongando a briga.

A crise acontece justamente num momento em que Bastos precisa do apoio dos clubes para tentar não perder espaço na CBF e na Conmebol. O presidente da FPF pretendida se candidatar à presidência da confederação, mas não conseguiu o número mínimo de indicações de federações e times para registrar chapa. Agora, ele corre o risco de ser afastado dos cargos de diretor remunerado das séries B e C e de representante da CBF na Conmebol. Isso a partir do início da gestão de Rogério Caboclo, a partir de abril de 2019.

Se não contornar o problema com o Palmeiras, ele perderá um importante apoio para manter seus planos em termos nacionais e internacionais. Além disso, pode passar a conviver com uma oposição indesejada em seu próprio território, a FPF.

Opinião: briga com FPF e TJD aproxima Galiotte do estilo de Andrés

Leia o post original por Perrone

Ao ser eleito presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte tinha uma imagem consolidada de cartola discreto e conciliador. Porém, desde que iniciou sua briga contra Federação Paulista e Tribunal de Justiça Desportiva, o dirigente viu mudar o conceito que torcedores e até conselheiros do clube têm dele.

De uma figura politicamente correta, o sucessor de Paulo Nobre passou a ser visto como quem não mede consequências para defender a agremiação comandada por ele. Sua atuação desde o episódio da suposta interferência externa no lance que anulou pênalti a favor do Palmeiras na final estadual contra o Corinthians o aproximou do estilo bélico  de Andrés Sanchez. O polêmico corintiano tem em seu currículo, por exemplo, participação ativa na implosão do Clube dos 13 sob o argumento de assegurar melhores cotas de TV para seu clube. Isso apesar de outros interesses políticos dele estarem em jogo na ocasião.

Agora, Galiotte começa a conviver com uma situação enfrentada corriqueiramente por Andrés: receber demonstrações de apoio incondicional dos fãs de seu time e ser alvo do ódio de torcedores e cartolas rivais.

Em sua maioria, neste momento, o palmeirense ama Galiotte por não se curvar à FPF e ao tribunal, principalmente num tema que envolve diretamente o Corinthians.

Mas, ao mesmo temo, ele leva começa a virar alvo de seguidores corintianos. Eles passaram, por exemplo, a usar apelidos jocosos para citar o cartola alviverde nas redes sociais. Internamente na federação, Galiotte é atacado por supostamente usar a polêmica na final para encobrir problemas do time e ganhar votos na eleição presidencial do clube em novembro. O ataque mais forte, no entanto, veio do presidente do TJD, Antônio Olim, que declarou ao blog acreditar no intuito eleitoreiro do cartola.

Seja qual for o resultado da briga nos tribunais esportivos é certo que Galiotte foi de sem sal a picante em poucos dias. Agora conviverá com os benefícios e ônus dessa transformação no paladar alheio.

Palmeiras defende afastamento preventivo de chefe dos árbitros na FPF

Leia o post original por Perrone

A diretoria do Palmeiras estranha o fato de Dionísio Roberto Domingos, diretor de arbitragem da Federação Paulista de Futebol, não ter sido afastado preventivamente de seu cargo enquanto o TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) analisa acusação contra ele. O alviverde alega que o ex-juiz teve influência direta na anulação do pênalti a favor da equipe no segundo jogo da final do Paulista contra o Corinthians.

A tese palmeirense é de que o dirigente deveria ser afastado para se concentrar em sua defesa. Ao mesmo tempo, a federação daria uma demonstração de isenção, segundo essa linha de raciocínio.

O Palmeiras pede no TJD a impugnação da final alegando que houve interferência externa na decisão da arbitragem, configurando irregularidade. A acusação é sustentada por um vídeo em que o diretor de arbitragem aparece em volta do campo e aparentemente se comunica com um dos membros da equipe de arbitragem. Para a direção alviverde, neste momento, ele sugeriu a anulação da marcação.

A simples presença de Domingos no local já é apontada pelos palmeirenses como irregularidade.

Por sua vez, a FPF emitiu nota afirmando que como responsável pela avaliação da arbitragem o diretor estava legitimado para permanecer no entorno do gramado. A entidade também afirma que o vídeo exibido pelo clube não prova que houve interferência externa.

Domingos nega que tenha dado orientação para o pênalti ser anulado. Ele sustenta que se aproximou por estar preocupado com a confusão gerada pela pressão de jogadores sobre juiz e assistentes.

Além de defender que o diretor de arbitragem já estivesse afastado temporariamente, o Palmeiras cobra a federação uma “reavaliação criteriosa” de quem dirige o departamento de árbitros da entidade.