Arquivo da categoria: Fluzão

Fluminense, 114 anos

Leia o post original por Rica Perrone

Antes de escrever sobre o aniversário do Fluminense, me perguntei o que era o Fluminense? E ao tentar chegar numa definição, notei que me refiro a um clube que é história, pioneirismo, patriotismo, elite, povo, sofrimento, humilhação, glórias, superação e fidalguia. Que me referiria a um clube centenário que foi à série C, voltou, e …

Quem liga?

Leia o post original por Rica Perrone

Grande é quem primeiro se eterniza num campeonato para depois saber se o campeonato se eternizará. O Fluminense ajudou a criar o estadual e venceu o primeiro.  Repete a dose na Primeira Liga, que é novo, mas já é disparado o torneio que mais mudou de peso durante 3 meses. Veja você que de janeiro …

No banco de reservas reside o sucesso de um time

Leia o post original por Mion

 

Aranha substitui Rafael e mantém o nível de segurança na meta do Peixe.

Aranha substitui Rafael e mantém o nível de segurança na meta do Peixe.

A dinâmica do futebol está fora e dentro de campo. E esta rotatividade acontece porque prevalece força e velocidade. Estas causam muitas lesões e punições. O maior segredo de um clube que deseja lutar por título é ter pelo menos 16 titulares. Quem possui apenas 11, dificilmente chegará entre os primeiros.

E na temporada de 2012 três clubes trabalharam com esta planificação: Corinthians, Fluminense e Grêmio. Não foi acidente conquistarem tudo na temporada. Tite e Abel principalmente não podem reclamar do elenco que tiveram em mãos. Luxa enfrentou algumas dificuldades, mas veja o banco tricolor. É de respeito! Demorou um pouco para terminar de armar o elenco. Os outros dois já estavam prontos desde o começo do ano. O tricolor concluiu o plantel durante o Brasileirão.

Muitos clubes têm elencos numerosos, porém os técnicos não acham opções próximos da qualidade dos titulares. Há alguns anos os times tinham briga por posição, hoje o treinador repete as escalações e quando precisa mudar geralmente fica em dúvida entre dois ou até três jogadores. Chega a improvisar porque o reserva imediato não é confiável. O ambiente do elenco fica pesado porque muita gente sabe muito bem que apesar do titular não jogar não será escolhido.

Além de 11 titulares, o clube que pretende disputar títulos e colocações condizentes com suas tradições necessita de um goleiro de alto nível no banco. Veja o Santos com Rafael, mas quando esse não atua Aranha o substitui e mantém o nível. Além de alguém para o gol, no mínimo o técnico necessita de um zagueiro de ótimo nível, dois meias e um atacante, todos equiparados com os titulares. É uma questão básica e visível. Só os dirgentes não conseguem  captar esta verdade. Preferem lotar as prateleiras com 30 jogadores, quando na verdade 60% disso e mais um cinco ou seis garotos promissores com potencial fecham o elenco em condições de buscar vitórias e títulos.

Cariocas têm um início “macio” de temporada

Leia o post original por Mion

Abel trabalha em silêncio com o grupo tricolor. Talvez este seja o segredo tricolor: fala pouco e faz muito.

Abel trabalha em silêncio com o elenco, evita exposição. Talvez este seja o segredo tricolor: fala pouco e faz muito.

     Sem grandes contratações ou badalações, os quatro clubes do Rio não figuram em destaque no noticiário nacional. Com base nos últimos anos até que é algo positivo porque com exceção do Fluminense campeão brasileiro, Flamengo, Vasco e Botafogo terminaram 2012 cercados de incertezas e notícias ruins. Interessante a posição do Fluminense, é um clube que não busca muito espaço na mídia. Até mesmo o técnico Abel Braga de personalidade marcante e bastante tagarela aparece de vez em quando O time recheado de craques de seleção também não aparece muito. Talvez este seja a estratégia tricolor, trabalha caladinho vai papando todo mundo pelas beiradas, sem alarde. Fala pouco e faz muito.

Neste ano a maior expectativa fica por conta do Flamengo. A nova diretoria assume uma postura igual a do Flu de trabalhar em silêncio. O ambiente parece mais calmo e dá para perceber claramente maior disposição e descontração do time em campo. A missão não será das mais fáceis: sem falar em títulos, primeiro terá que recuperar a imagem desgastada na última gestão, reconstruir a imagem do clube mais popular do país.

Já Botafogo e Vasco aparecem no noticiário principalmente quando o assunto é salário e dívidas. Dos quatro técnicos, Osvaldo de Oliveira é o mais visado por sua torcida. Aliás, é tradição dos torcedores botafoguenses, são loucos por derrubar treinador. Agora chega a grande questão: esta calmaria é sinal de reestruturação, trabalho em busca de novos caminhos, ou apenas acomodação e tudo continuará como estava. É só esperar o Brasileirão para sabermos qual das duas opções é a real.

É hora de Abelão dar “porrada na mesa”. Flu folgou!

Leia o post original por Mion

Antes de qualquer tática, Abel necessita acordar o grupo tricolor. O time perdeu a pegada de campeão.

Quase que o Fluminense desperdiçou mais dois pontos. Sorte que o árbitro não considerou o pênalti no empurrão de Gum no Kim do Náutico nos minutos derradeiros (erro crasso). De seis pontos fundamentais em casa diante de equipes inferiores tecnicamente, ganhou apenas três. O Fluminense perdeu o equilíbrio, aquela força de time disposto a ser campeão. Chegou a hora de o técnico Abel Braga dar “porrada na mesa” e acordar o grupo. O Fluminense fica acomodado durante a partida com muita facilidade. Poderia estar bem próximo do título, caso estivesse com 59 pontos jogaria muita pressão em Atlético Mineiro e Grêmio.

Elogiei o Flu diversas vezes, quando o Galo estava bem à frente e brigava com o Vasco pela segunda colocação (escrevi um artigo neste blog no dia 19 de agosto afirmando que o Fluzão tinha cheiro de chegada). Perdeu repentinamente esta gana por título. Parece desconcentrado, achando que vence quando bem entende. Não é bem assim principalmente na reta final. Veja o caso do Atlético-GO, já caiu, jogou tranquilo e envolveu o tricolor dentro de casa e venceu com facilidade. A reação foi tão insignificante que perdeu três pontos fundamenttais.

Para colocar mais pimenta no caminho, as próximas duas rodadas serão clássicos cariocas. Flamengo e Botafogo. O Mengão luta contra o rebaixamento vai dar sangue e o Bota ainda sonha com a Libertadores. Acima de qualquer estratégia, Abel terá como maior desafio acordar o time e mostrar que o título está bem encaminhado, entretanto se jogar sonolento e sem concentração correrá risco de ficar no meio do caminho já nas próximas duas partidas.

Fluzão “cozinhou” Galo e tem tudo pra ficar na frente

Leia o post original por Mion

Abel e Fred (artilheiro do Brasileiro) têm a grande chance de nas próximas três rodadas aumentar a diferença sobre o Galo.

A cada rodada fica mais clara a briga isolada entre Fluminense e Atlético-MG pelo título brasileiro. O Fluminense foi tirando a diferença que era muito grande. Os mais animados achavam impossível o Galo perder o campeonato. A equipe carioca chegou pelas beiradas, foi “cozinhando” ponto a ponto e hoje está na liderança. Além de perder a tal gordura e cair para a segunda colocação, o Galo ainda tem que vencer o Flamengo na partida transferida da 14ª rodada. É reflexo da queda de rendimento do time de Cuca. Até o início do returno estava na frente com folga e ainda teria um jogo atrasado, poderia até empatar que estaria tudo bem. Hoje se empatar com o Fla não será suficiente, ficará um ponto atrás. É bom lembrar a partida será no Rio. Já há algum tempo venho comentando neste blog que o Flu me agrada demais. Apesar de enfrentar desfalques como os demais clubes, mantém a campanha equilibrada, dificilmente perde ponto de bobeira. E sempre é bom ressaltar, sem Deco o seu principal jogador. Se analisarmos as próximas três rodadas, as chances dos cariocas aumentarem a distância são consideráveis. Enfrenta a Portuguesa no Canindé e depois atua duas em casa diante de adversários de menor qualidade técnica: Atlético (GO) e Náutico.

Já o Galo terá que ralar barbaridade para pelo menos permanecer grudado no retrovisor tricolor: amanhã recebe o São Paulo, além de  um time forte, depende de pontos para continuar na briga por vaga à Libertadores. É um clássico nacional. Depois joga diante do Náutico em Recife, o clube pernambucano tem um dos melhores aproveitamentos do Brasileiro quando atua em casa, de 11 jogos ganhou 7, empatou 2 e perdeu apenas 2. Para completar a caminhada pesada, recebe o Grêmio, terceiro colocado e também candidato ao título ou pelo menos querendo garantir de vez a vaga à Libertadores. Não duvido que após as próximas três rodadas, a diferença de dois pontos poderá ser ampliada para cinco ou até seis. Se os dois times continuarem rendendo o mesmo futebol e prevalecer a tabela benéfica ao Flu, as chances são muito grandes. Tanto Flu quanto Galo terão que provar estão prontos para o título: o Flu por pegar adversários inferiores, porém perigosos e o Galo enfrentará o oposto, três jogos dificílimos. Quem puder mais, tiver mais gana pelo título, lamentará menos.

 

Só o Fluzão tem bola para atrapalhar “passeio” do Galo

Leia o post original por Mion

Até aqui o Flu de Abel é o único que ameaça de verdade o título do Galo.

O primeiro turno terminou. Vale uma análise, o exercício de avaliação e previsão do futuro. É salutar dar pitacos testar o conhecimento, principalmente intuição. Continuo achando que o título ficará entre Atlético-MG e Fluminense. Os outros dois seguidores Grêmio e Vasco vacilam demais. Na última avaliação e citei que o Vasco vacila demais, não tem aquela imagem de time que tem gás sobrando para a reta final. Sempre apostei no equilíbrio e constância do Flu de Abelão. Mesmo quando não joga o Deco e às vezes Fred, sabe o que está fazendo em campo, conquista resultados positivos demonstrando estruturação e tenacidade em busca dos três pontos.

Em minha opinião, pelo que apresentaram até aqui e pressinto, os demais brigando por vagas à Libertadores: Grêmio, Vasco da Gama, São Paulo e Internacional lutam por duas, porque Galo e Flu já têm garantidas duas. Algo me diz que São Paulo e Grêmio serão os outros dois. Vasco está caindo de produção e o Inter não consegue um padrão de jogo e empata demais. Possui talvez o melhor elenco, entretanto não consegue jogar como um time, só individualidade.

Pulando os intermediários, que estão na disputa da Sul-Americana, vem a briga para não cair. O Santos está fora, reagiu bem e embalou uma sequência de vitórias está mais confiável, até poderia colocá-lo como candidato à Libertadores. É muito cedo, a diferença de pontos ainda é muito grande e terá de superar seis clubes que estão à sua frente. Avaliando o primeiro turno minha presumo que sete clubes estão balançando: Figueirense, Atlético-GO, Sport Palmeiras, Bahia, Coritiba e Portuguesa.

Desses, meu prognóstico aponta Figueirense e Sport na Série B. As outras duas vagas será uma briga de foice. A partir de quarta-feira cada rodada significará o estreitamento do funil. Deveremos ver jogos mais pegados e fortes tanto na parte física quanto técnica. Quem quiser respirar mais aliviado necessita de bons resultados nas próximas 10 rodadas, caso contrário poderá começar a fazer planos para 2013.

 

 

Fluzão é constante e tem “cheiro de chegada”

Leia o post original por Mion

Abel tem o grupo na mão, deu frieza e personalidade ao Flu que sabe como vencer jogos complicados.

Fluminense e Vasco brigam ponto a ponto para superar o Atlético-MG nas últimas 10 rodadas. O clássico repete a cada jogo. Já fiz esta análise semanas atrás, onde apontei o Fluminense como o maior rival do Galo. A equipe vascaína não tem o mesmo equilíbrio aquele cheiro de título. No jogo de ontem contra Sport tive mais certeza ainda. Ganhou apertado de 1 a 0 do Sport em casa. Normalmente não é um resultado que possa inspirar tal afirmação. Além de muitos desfalques, principalmente Deco e Fred, o tricolor encarou um adversário em desespero e jogando bola. Sport não tem um time ruim, está na zona de rebaixamento porque não sabe fazer gols. Até a entrada da área vai tudo bem, a partir daí dá uma pane geral, não sabem como chegar ameaçar a meta adversária, isso fica comprovado por ter o pior ataque do campeonato com apenas 13 gols. Falando em gols, o Flu abusou em perder poderia virar o primeiro tempo com no mínimo 2 a 0 no placar. A destacar a atuação de Magrão, mesmo o Sport perdendo foi o melhor jogador em campo.

Além da parte técnica, tática e física, outros fatores devem ser analisados. Apesar das ausências de Fred e Deco, a péssima fase de Thiago Neves e outros desfalques, os comandados de Abel não perderam equilíbrio e souberam vencer o jogo já no final. Em nenhum momento houve desespero ou falta de organização. Tem aquele espírito de vencedor, consciente do que está fazendo em campo. O gol da vitória saiu boa parte pela organização tática, tranquilidade e da expulsão de Tobi que desestabilizou a meia-cancha pernambucana.

Logo Fred e Deco estarão de volta e a má fase de Thiago Neves não vai durar para sempre, ao contrário talvez seja a hora de passar por essa instabilidade técnica, certamente o Flu vai precisar de seu futebol diferenciado exatamente nas últimas 10 rodadas. Se isso acontecer o time carioca ficará fortíssimo. Das 18 primeiras rodadas venceu 11 jogos, e perdeu apenas um. Marcou 29 gols e sofreu apenas 10. Falta metade do campeonato, entretanto arrisco dizer que até o final o Flu continuará no mínimo entre os três primeiros classificados, com capacidade de brigar ponto a ponto com o Galo ou outro clube pelo título.

Quando joga mal, jeitão desligado de Thiago Neves irrita

Leia o post original por Mion

Sem Deco, a torcida cobra demais de Thiago Neves. Ele não anda tão mal assim.

Entendi bem a preocupação de Abel Braga em defender com veemência o Thiago Neves com relação à má fase técnica atual. Qualquer jogador tem altos e baixos, Thiago está acima da média, não o coloco no patamar de craque como alguns gostam de considerá-lo. Ele tem capacidade de desequilibrar em uma jogada individual ou na marcação de gol, mas não consegue manter ritmo durante toda a partida. O jeitão desleixado, muitas vezes desligado faz sumirem campo. Ocorreque quando a galera começa a pensar em vaiar, faz uma jogada diferenciada, marca um golaço sensacional ou deixa um companheiro na cara do goleiro, imediatamente os torcedor engole em seco a vaia e acaba aplaudindo. Não tem outro jeito. Ele é assim. Nas ultimas três rodadas não foi assim.

Quando passa por um curto período instável como agora, a paciência fica curta. Torcedor é um eterno impaciente. Espera o tal momento iluminado de Neves e este não acontece. Termina o jogo é vaia, um descarrego da decepção contra quem se espera tanto. No fundo a fase não é tão tétrica assim, o torcedor está descarregando em cima de Thiago por ver o Galo dar uma escapada na liderança e o Vascoem segundo. Nosúltimos cinco jogos, o Flu acumulou duas vitórias, dois empates e uma derrota, marcou 7 gols – dois deles de Thiago Neves, é bom salientar – e sofreu 3. Nada mau, perdeu o jogo no Olímpico diante do Grêmio que está entre os cinco melhores times do campeonato. Empatou em casa com o líder Galo que vem jogando muita bola. Então a situação não é tão complicada nem para o Flu, quanto para Thiago Neves.

Douglas do Corinthians tem um perfil parecido. Fica lá como quem não quer nada, de repente coloca a bola onde bem entende ou marca um golaço. No geral gosto mais do Douglas, porém Thiago é mais dedicado, corre mais, briga, disputa a bola com vontade. Douglas é tecnicamente mais completo. Voltando ao Thiago, as vaias aumentaram porque Deco sentiu uma lesão, ele que é o melhor jogador do Flu e um dos destaques do Brasileiro, sem ele sobrecarregou Thiago. Como alterna bons e maus momentos em termos técnicos tudo fica mais complicado. Deco está retornando e assim a galera tricolor vai esquecer um pouco de Thiago e dará o tempo (necessário) para que recupere todo o seu potencial. A seis pontos do Galo, o Flu está na briga pelo título, não pode deixar jogos isolados ou atuações ruins de alguns de seus principais jogadores abalar a essência do trabalho em busca do título do Brasileirão.