Arquivo da categoria: Gérson

Eu vi

Leia o post original por Rica Perrone

Não sei de devia contar, mas foda-se.  Eu não gosto da idéia de que jornalista não pode ter amigos, acho exatamente o contrário. Quanto maior seu convívio pessoal com pessoas do meio, mais respeitoso é sua forma de julgar as coisas. Era começo desse ano. Fui jantar com Mário Bittencourt e ele ligou pro Simone […]

Luís Fabiano virou um estranho no ninho

Leia o post original por Quartarollo

Outrora um centro-avante de recursos técnicos invejáveis, velocidade, arranque e presença na área.

Era assim Luís Fabiano que chegou a ser considerado em 2010 o melhor centro-avante do mundo quando jogava pelo Sevilha.

Agora está dando dó vê-lo em campo. Totalmente fora do jogo, um estranho no ninho.

Não tem mais nenhuma condição de figurar como titular do São Paulo a não ser pela sua história no clube.

Pelo futebol que tinha deveria ter ganhado mais títulos. Mas sempre foi intempestivo, provocador e acabou ganhando merecidos cartões vermelhos.

Seu último grande momento foi em 2010 sob o comando de Dunga na Copa do Mundo da África do Sul.

Fez também eliminatórias brilhantes pela Seleção Brasileira.

Voltou para o São Paulo contundido, parece nunca ter recuperado a melhor forma e hoje é apenas uma sombra do que foi.

É triste falar assim de um jogador, mas aos 34 anos suas perspectivas são bem baixas.

Ele lembra o fim de carreira do grande Reinaldo, ídolo do Atlético Mineiro e artilheiro genial, quando já no ocaso foi emprestado ao Palmeiras. Ficou seis meses e não fez nenhum gol.

Tinha dificuldade até para subir as escadas do antigo Parque Antártica. Uma judiação para quem foi um dos maiores da história.

Hoje contra o Fluminense, Luís Fabiano ficou perdido no ataque sem dar opção aos companheiros e sem nenhuma mobilidade. Foi totalmente nulo e tem sido assim já de um tempo para cá.

O empate de 0 x 0 também aconteceu por faltar um grande atacante dentro da área para o tricolor.

O jogo não foi dos melhores e acabou sendo um placar justo.

Osório terá muito trabalho para resolver os problemas do time, mas o São Paulo pelo menos não está muito longe do chamado G-4. Ainda dá para chegar lá.

Michel Bastos saiu xingando quando foi substituído lembrando Valdívia do sábado que não gostou de sair para dar lugar a Mathias Fernandez na final da Copa América.

Mas ambos deviam perceber que não estavam mais rendendo nada para o time.

O segundo tempo de Bastos chegou a ser grotesco. Tinha mesmo que sair.

Ganso foi o melhor jogador do São Paulo. Pelo menos procurou o jogo e se apresentou o tempo todo.

O Fluminense fez a sua parte. Veio procurando pelo menos o empate e levou o ponto precioso para o Rio de Janeiro mantendo-se na zona da Libertadores como quarto colocado. O São Paulo está quatro posições abaixo.

Osório colocou Thiago Mendes como lateral e Lucão como volante. Os zagueiros foram Tolói e o tosco Edson Silva.

Na lateral-esquerda o estabanado Reinaldo que na minha opinião fez um pênalti em Gerson não anotado por Leandro Pedro Vuaden ainda no primeiro tempo.

Tentou consertar as coisas com Rodrigo Caio que entrou aos 7 minutos do segundo tempo no lugar de Edson Silva.

O que não entendi é porque Osório esperou começar o segundo tempo para fazer a alteração. Já podia ter feito no intervalo.

O São Paulo completou 4 jogos sem vencer sob o comando do novo treinador e foi vaiado no fim do jogo.

Pouco mais de 10 mil pessoas estiveram no frio Morumbi. O suficiente para fazer barulho contra o time.

O que não entendi também foi a atitude de 4 ou 5 idiotas que ficaram esperando Lucão descer para os vestiários para xinga-lo de nomes infames.

O jogador não fez nada de errado. Jogou até bem de volante e é uma boa revelação do tricolor.

O que será isso? Paixão não correspondida ou coisa encomendada?

 

 

 

Share This:

Não concordo!

Leia o post original por Rica Perrone

Com 5 minutos de jogo o árbitro marca pênalti pro Fluminense.  Eu não concordo.  E ali o jogo tomou um outro rumo.  O Flamengo tinha que ir com a bola dominada pro ataque e quem contra-atacava era o Fluminense de Gérson, talentosíssimo e inteligente, e Fred, que adora decidir jogos difíceis. O Fluzão faz 2×0, […]

Garotos

Leia o post original por Rica Perrone

O tricolor esfrega as mãos, esconde o sorriso e pondera a vontade de “calar a sua boca”.  Mas nada move mais o Fluminense hoje do que a vontade incontrolável de mostrar para jovens inocentes que sua grandeza não é fruto de um patrocinador apenas. Envenenados por uma mídia maldosa, mal informada e as vezes mau […]

Didático

Leia o post original por RicaPerrone

Gérson foi um dos melhores jogadores do país em todos os tempos.  Tem 73 anos, trabalha com futebol dentro e fora do campo há pelo menos  50 anos.  Viveu, venceu e se frustrou 200 vezes mais do que qualquer um de nós, jornalistas ou torcedores.

Ontem, na cabine do Maracanã, perdeu a linha e explodiu com a torcida do Botafogo rodando a camisa como um garoto que estréia no estádio com o pai.

A imagem, que pra muitos é apenas “engraçada”, é exatamente o que penso sobre futebol.

“Futebol é negócio”, “Futebol é esporte”, “Futebol é coisa séria”.

Porra nenhuma.

Futebol é isso ai.  O resto é discurso.

Nada e nem ninguém seriam capazes de convencer um campeão do mundo de 73 anos a tirar a camisa e sair gritando.  Só o tal futebol.

abs,
RicaPerrone