Arquivo da categoria: iffhs

O melhor do século XX nas Américas já está em terceiro no XXI

Leia o post original por Odir Cunha

santos-ilustracao cheeco

Meus muitos e queridos amigos e meus raros e incompreensíveis inimigos, todos vocês sabem que na escolha dos melhores times do século XX a Fifa consagrou o Santos como o primeiro das Américas. Achei pouco, pois foi mesmo o melhor do planeta. Mas, tudo bem. O que importa é que o amigo e pesquisador Wesley Miranda me envia a notícia de que, segundo a IFFHS, a Federação Internacional de História e Estatística do Futebol, o Santos já está em terceiro lugar na classificação dos times sul-americanos de melhor rendimento no século XXI, ou, se quiserem, neste terceiro milênio.

“O ranking leva em conta as competições nacionais e continentais de 2001 a 2012”, avisa o Wesley. Na mesma hora computei o título e o vice da Libertadores, além de duas semifinais; os dois Brasileiros e mais dois vices; os cinco paulistas, mais dois vices, além de uma Copa do Brasil e um vice-campeonato mundial. É, realmente o Alvinegro Praiano já tem história para contar neste novo século.

Os cinco times sul-americanos mais bem classificados neste milênio são:
1. Boca Juniors (Argentina) 2.477,0 pontos
2. São Paulo 2.243,0
3. Santos 2.006,0
4. Cruzeiro 1.845,0
5. Vélez Sarsfield (Argentina) 1.833,0

Depois, completando os top ten, aparecem:
6. River Plate (Argentina) 1.806,0
7. Internacional 1.789,0
8. Libertad (Paraguai) 1.760,0
9. Corinthians 1.703,0
10. Nacional (Uruguai) 1.697,5

Os outros clubes brasileiros no ranking são:
11. Grêmio 1.667,0
13. Fluminense 1.645,0
17. Flamengo 1.585,0
21. Palmeiras 1.372,0
22. Vasco da Gama 1.336,0
34. Atlético Paranaense 1.128,0
44. Atlético Mineiro 1.054,0
47. Goiás 1.027,0
49. Botafogo 1.012,0

Quem quiser conferir na fonte, segue o endereço do site da IFFHS:

http://www.foxsports.com.br/fotos/7866/7-boca-lidera-lista-dos-melhores-clubes-sulamericanos-do-seculo-xxi

Por falar em amigo e pesquisador, aproveito para republicar um artigo que o professor Guilherme Nascimento, autor do precioso “Almanaque do Santos”, lançou no seu site. Sob o título “Uma aventura na África – 45 anos da excursão mais incrível do SFC”, o professor Guilherme conta a viagem em que os heroicos desbravadores santistas enfrentaram a selva e pararam nada menos do que duas guerras. Leia com atenção:

A excursão mais incrível de um time de futebol

Por Guilherme Nascimento

Biafra
Guerra de Biafra, na região oriental da Nigéria. Janeiro de 1969.

Aqui, o AI-5 ceifava cabeças, Vandré embalava multidões e Roberto Carlos vivia em ritmo de aventura. Lá fora, os jovens estudantes continuavam tentando a mudar o mundo, onde quer que estivessem, fosse em Washington ou Saigon, Paris ou Praga, Caracas ou Roma, Londres ou São Francisco. Algumas vezes na vanguarda dos movimentos sociais, outras vezes apenas resistindo à repressão ou a violência do Estado.

No futebol, um time sul-americano continuava reinando em seu País e preparava-se para ser o melhor do Mundo novamente. Depois de um ano perfeito, quando conquistou todas as competições que participou, o Santos FC preparava-se para um giro pelos campos africanos.

Não seria a primeira vez, visto que o alvinegro já visitara o continente negro em 1960, 1966 e 1967.

Com um roteiro prevendo jogos no Congo, Nigéria, Argélia e Moçambique a viagem se estenderia por 25 dias, iniciando em 17 de janeiro e terminando em 9 de fevereiro.

Contando com uma delegação de 18 atletas (Gylmar, Laércio, Turcão, Ramos Delgado, Oberdã, Marçal, Rildo, Joel Camargo, Negreiros, Lima, Edu, Amauri, Toninho Guerreiro, Douglas, Pelé, Abel e Manoel Maria) o SFC parte para fazer história na África.

A primeira parada foi na cidade portuária de Point Noire, na República do Congo. O adversário seria uma seleção local. O estádio lotado viu todos os 18 craques santistas em campo desfilarem a categoria que possuíam e marcarem 3 gols. Apesar da derrota por 3×0, os torcedores locais saíram satisfeitos, pois diziam ao final da partida: “Perder para o Santos não é perder!”

Dois dias depois uma esticada até a capital, Brazaville, para enfrentar a seleção nacional do Congo, no Estádio da Revolução. Oitenta mil pessoas lotavam o estádio. Nas tribunas a presença do Presidente da República do Congo, Ngouabi. O árbitro congolês (Nkoukou) permitia a violência dos jogadores locais contra os santistas e ao final do 1º tempo, revoltado, Pelé aproxima-se de Nkoukou e exclama: “Le macth est fini!”. O Presidente do Congo, vendo os fatos, manda um bilhete para o árbitro: “O Santos está aqui para dar um espetáculo e eu quero assistir esse espetáculo. Você tem que apitar direito o segundo tempo. Se isso não acontecer, você será preso”.

Recado dado, recado recebido. Logo no início da etapa final, o árbitro marca um pênalti, que Toninho converte. Em seguida, Pelé marca de falta e acaba a violência em campo. No final, vitória por 3×2.

Após atuar em Brazaville, uma incrível travessia de barco pra Kinshasa na República Democrática do Congo. Brazaville e Kinshasa são separadas pelo Rio Congo. Uma capital de frente para outra…

Em 1969, os dois países estavam rompidos diplomaticamente. A República do Congo (RC) tinha um Governo de orientações marxistas, enquanto que a República Democrática do Congo (RDC) era alinhado com os governos pró-EUA, algo no estilo Coréia do Norte e Coréia do Sul. Desta forma não havia ligação fluvial entre as capitais, sendo proibido que qualquer pessoa atravessasse o Rio Congo em qualquer direção.

Mas, como Pelé e seus súditos atravessariam a fronteira?

Aqui surgia a primeira grande aventura… Num trabalho intenso de bastidores políticos, surge uma trégua na tensão diplomática. O exército da RDC manda uma barca para buscar os craques santistas, e num gesto de boa vontade o Governo da RC permite que a mesma atracasse em seu território. Em outro momento tal situação significaria uma declaração de guerra, porém era o Santos, era Pelé, eram os deuses negros do futebol que estavam no cais de Brazaville. Desta forma, o futebol provoca seu primeiro milagre na África: Tiros ou bombas não foram ouvidos e nem foram lançadas… A paz estava sendo construída. Era a missão de paz e alegria que estava passando em solo congolês.

E o Santos superou uma guerra…

Em Kinshasa, enfrentando uma típica tempestade tropical que desabou sobre a RDC, apenas treze mil pessoas viram mais uma vitória do alvinegro.

Mais dois dias e mais uma partida, agora com o tempo mais firme, quarenta mil pessoas lotaram o estádio Tata Raphael e viram a vitória dos locais por 3×2!

Euforia na África!

Uma seleção africana derrotava os deuses do futebol!

Do Congo, o Alvinegro Praiano seguiu para a Nigéria, pois seriam os “Águias Verdes”, a seleção nigeriana, o próximo adversário. Mesmo sofrendo com a violência adversária, Pelé realizou uma grande exibição e marcou dois gols no empate por 2×2.

Da Nigéria, parte para Moçambique, na época colônia portuguesa. O adversário seria o time europeu FK Áustria Viena, que foi derrotado por 2×0.

Mas o Governo da Nigéria queria mais uma apresentação em seu território, na cidade de Benin. A Nigéria atravessava uma séria crise política, com a intensificação da guerra civil na região de Biafra. Era uma tragédia tal guerra… As potencias ocidentais alimentavam os dois lados com armamentos.

Benin era uma das cidades mais importantes da Nigéria. De grande importância espiritual para os locais, foi sede do antigo reino de Benin, destruído pelos britânicos em 1897. Na época dos britânicos o Rei acabou exilado em Calabar, no extremo leste da Nigéria.

Quando o Peixe chegou em Benin, a delegação santista foi apresentado ao descendente do antigo Rei de Benin, Akenzua II, que tinha 26 esposas, 84 filhos e 216 filhas. O ex-jogador Lima, em depoimento, afirmava que os atletas deram-lhe apelido de “Rei do Pissirico”.

Benin também era uma cidade importante do ponto de vista estratégico e econômico, e mesmo não fazendo parte da região de Biafra, contava com forte ação guerrilheira. A Lei marcial vigorava na região, e a violência fazia parte do cotidiano da população.

Porém ali estavam os maiores futebolistas do planeta, visitando aquela região esquecida do Mundo. A tensão era tão grande que poderia ser sentida nas pontas dos dedos…

Haveria partida de futebol?

Pelé poderia ser visto em campo?

Haveria paz?

Mas, aquela excursão era para quebrar todas as expectativas…

Naquele instante, todos queriam ver Pelé… As diferenças étnicas, política, ideológicas seriam superadas.

Não haveria violência, não haveriam mortes.

Crianças não ficariam órfãs naqueles dias. Esposas e mães não enlutariam seus corações, pois algo mágico estava acontecendo: era o Santos FC em Benin.

O transporte foi reestabelecido e decretado feriado. O estádio lotou, e vinte e cinco mil pessoas testemunharam o momento onde a paz foi alcançada. Uma paz efêmera, mas paz!

O resultado no gramado ao final dos 90 minutos era o menos importante… O grande fato aconteceu antes da partida e fora do campo.

Uma guerra suspensa!

Mais uma… Em apenas quinze dias.

Em seguida, uma exibição em Gana. Novamente a presença de altas autoridades, desta vez era o Tenente-General Ankrah, chefe do Exército de Libertação Nacional, que governava Gana. Pelé foi aplaudido do início ao fim da partida. E o árbitro ganês, George Lamptey, anulou um gol do Santos FC.

Finalmente a despedida: Foi no Norte da África, em Oran, Argélia.

Cinquenta mil pessoas abarrotavam o estádio. O Público ocupava até mesmo as laterais do gramado. Algo impensável nos dias de hoje, porém normal para os padrões de 1969. Pelé tem que sair correndo do gramado ao final da partida, pois os torcedores enlouquecidos invadiram o campo querendo um abraço, um aceno, ou mesmo uma peça do uniforme do Rei do Futebol.

E a excursão se encerrava. Foram 9 partidas, com 5 vitórias, 3 empates e 1 derrota. Marcou 19 gols e sofreu 11. Pelé foi o principal artilheiro com 8 gols, seguido por Toninho 5; Manuel Maria e Douglas com 2 e Lima e Edu marcaram um gol cada.

Além das inúmeras homenagens, desfiles, jantares, recepções ao longo dos 25 dias, ainda foi conquistada a Taça “Banco Standard TOTTA”, na partida contra o Áustria Viena.

Fichas técnicas

17/01/1969 Santos FC 3×0 Seleção de Point Noire (CON)

L: Point Noire (RC)

D: 6ª feira

C: Amistoso

P: 30.000

A: Joseph Makesse

G: Pelé 29?, Manoel Maria 57? e Douglas 89?

SFC: Gylmar (Laércio); Turcão (Oberdan), Ramos Delgado (Paulo), Marçal e Rildo; Joel Camargo (Negreiros) e Lima; Edu (Amauri), Toninho (Douglas), Pelé e Abel (Manoel Maria)
Técnico: Antoninho

PN: Mambema; Vicas, Jonquet, Ossenguet e Macosso; Feotou e Bikakondi; Yamba, Paty, Ondselet e Delide.

19/01/1969 Santos FC 3×2 R CONGO

L: Stade de la Revolución – Brazaville (RC)

D: Domingo

C: Amistoso

P: 80.000

A: Nkoukou (CON)

G: Pelé (f) 50? e 65? e Toninho (p) 55? – Bikouri 42? e Ndolou 10?

SFC: Gylmar; Turcão (Oberdan), Ramos Delgado, Marçal e Rildo; Joel Camargo (Negreiros) e Lima; Edu, Toninho (Douglas), Pelé e Abel (Manoel Maria)

Técnico: Antoninho

CON: Matsima; Ombellet, Nyangou, Nyangou e N’Doulou; Akouala e Pilamkembo; Bikouri, Fondou, Mbono, Euzécio e Itsa (Dzabana).

21/01/1969 Santos FC 2×0 RD CONGO “B”

L: Tata Raphael – Kinshasa (RDC)

D: 3ª feira

C: Amistoso

P: 13.000

A: Muamba Kambué

G: Toninho 33? e Manoel Maria 46?

SFC: Gylmar; Turcão, Ramos Delgado, Marçal e Rildo (Oberdan); Joel Camargo e Lima; Edu, Toninho (Douglas), Pelé e Abel (Manoel Maria)
Técnico: Antoninho

Uniforme: Camisas brancas

RDC: Matumona; Luyeye, Kasangu, Tshimanga e Mange; Makelele e Tshulumba; Mayanga, Kembo, Kashali (Docta) e Mokili.

23/01/1969 Santos FC 2×3 RD Congo “A”

L: Tata Raphael – Kinshasa (RDC)

D: 5ª feira

C: Amistoso

P: 40.000

A: Mayombe

G: Pelé 25? e 44? – Nyembo 28? e Kalala 50? e 60?

SFC: Gylmar; Turcão (Oberdan), Ramos Delgado, Marçal e Rildo; Joel Camargo (Negreiros) e Lima; Manoel Maria, Toninho (Douglas), Pelé e Edu.
Técnico: Antoninho

Uniforme: Camisas brancas

RDC: Matumona (Kalambay); Luyeye, Ngoie, Tshimanga e Mange; Makelele e Kibonge; Nyembo (Mokili), Kembo, Kalala e Mayanga (Adelar).

26/01/1969 Santos FC 2×2 NIGÉRIA

L: Estádio Principal de Lagos (Taslim Balogun Stadium) – Lagos (NIG)

D: Domingo

C: Amistoso

A: P.L. Gomah

G: Pelé 25? e 42? – Osede 12? e Alli 88?

SFC: Gylmar; Turcão, Ramos Delgado, Marçal e Rildo; Joel Camargo (Negreiros) e Lima; Manoel Maria, Toninho (Douglas), Pelé (Amauri) e Edu (Abel)

Técnico: Antoninho

NIG: Rigogo (Peter); Igne, Mazeli, Andrews e Opens; Olumodeji e Olayombo; Osede, Alli, Lawal e Inge (Mohamed).

Técnico: Peter ‘Eto’ Amaechina

01/02/1969 Santos FC 2×0 FK Áustria Viena

L: Estádio Oliveira Salazar – Lourenço Marques – Moçambique (MOÇ)

D: Sábado

C: Amistoso (Taça Banco Standard TOTTA)

P: 20.000

A: Américo Telles

G: Lima (f) 30? e Toninho 18?

SFC: Laércio; Turcão (Oberdan), Ramos Delgado (Paulo), Joel Camargo (Marçal) e Rildo; Lima e Negreiros (Amauri); Manoel Maria, Toninho (Douglas), Pelé e Edu
Técnico: Antoninho

Uniforme: Camisas brancas

FKA: Schneider; Heinz, Johann Frank, Karl e Geyer; Dienberger e Parits (Knell); Kuntz, Helmut, Ernst e Reidl (Poindl).

Técnico: Ernst Ocwirk

04/02/1969 Santos FC 2×1 Seleção do Meio Oeste (NIG)

L: Samuel Ogbemudia Stadium (na época Ogde Stadium) – Benin – Nigéria (NIG)

D: 3ª feira

C: Amistoso

P: 25.000

A: A. Anisha

G: Edu e Toninho (ambos no 1º tempo) – Okerê (1º tempo)

SFC: Gylmar (Laércio); Turcão, Ramos Delgado, Joel Camargo e Rildo (Oberdan); Lima e Negreiros (Marçal); Manoel Maria, Toninho (Douglas), Pelé (Amauri) e Edu (Abel) .
Técnico: Antoninho

Uniforme: Camisas brancas

MO: Omede; Egbeama, Okerê, Oaigie e Izilein; Okafor e Okore; Atuma, Efosa, Iyaserê e Tobor.

06/02/1969 Santos FC 2×2 Heart of Oak SC (GAN)

L: Ohene Djan Stadium – Acra – Gana (GAN)

D: 5ª feira

C: Amistoso

P: 25.000

A: George Lamptey (GAN)

G: Pelé 33? e Douglas 65? – Abeko 27? e Amusa 53?

SFC: Laércio; Turcão, Ramos Delgado, Joel Camargo e Rildo; Lima (Marçal) e Negreiros (Amauri); Manoel Maria, Toninho (Douglas), Pelé e Edu.

Técnico: Antoninho

Uniforme: Camisas brancas

HOSC: Addoquaye; Joe Adjei, Joe Dakota, Esirey (Michel) e Amarteifio; Welbeck e Abeko; Robert Foly, Joe Garthey, Amusa e George Alhassan.

09/02/1969 Santos FC 1×1 Argélia

L: Stade Ahamed Zabana – Oran – Argélia (AGL)

D: Domingo

C: Amistoso

P: 50.000

A: Kaide Slimane

G: Toninho 42? – Freha 76?

SFC: Laércio; Turcão (Oberdan), Paulo, Joel Camargo e Rildo; Lima e Negreiros; Manoel Maria, Toninho (Douglas), Pelé e Edu.

Técnico: Antoninho

Uniforme: Camisas brancas

AGL: Abrouk; Kniart (Thamar), Douruba, Hadepy e Atuh; Sheb (Freha) e Seridi; Beroudji, Selni, Achour e Izelein.

Técnico: Saïd Amara

Para encerrar, veja o vídeo editado por Wesley Miranda:

E você, aprecia a história do Santos, ou acha que é coisa de museu?

Mesmo sem Messi, Xavi e Iniesta, Corinthians segue firme na caminhada para dominar o mundo e já ultrapassa o gigante Barcelona no ranking da IFFHS!!!

Leia o post original por miltonneves

O Corinthians caminha para dominar o mundo.

Após conquistar a Libertadores e o Mundial no ano passado, o Timão segue como principal potência sul-americana aos olhos do resto do mundo.

A notícia da vez vem da IFFHS, a popular Federação Internacional de História e Estatística do Futebol.

Segundo o ranking publicado em 1º de março, o Alvinegro de Parque São Jorge ultrapassou o time de Messi, Xavi e Iniesta.

O outro brasileiro bem colocado na lista é o São Paulo, atual campeão da Sul-Americana, em décimo lugar.

Ainda aparecem Fluminense, em 13º; Grêmio, em 23º; Santos, em 24º; Vasco, em 51º; Palmeiras, em 80º e Atlético-MG, em 84º.

E mesmo lutando contra a inveja alheia, o Timão demonstra profissionalismo e “gestão europeia”.

Está na moda criticar o Corinthians, mesmo que seja levianamente e sem qualquer justificativa?

Opine!!!

Graças ao Timão, o Campeonato Brasileiro agora é o segundo melhor do mundo! O Corinthians está levando o Brasil nas costas?

Leia o post original por Redação Terceiro Tempo

Que todo corintiano é megalomaníaco eu já sabia.

Eles têm necessidade em mostrar seu amor, são carentes e expansivos.

Nada novo.

Mas depois da conquista da Copa Libertadores e do Mundial de Clubes, parece que o Timão está mesmo tomando conta do futebol nacional.

Organizado e com (muito) dinheiro no bolso, o Alvinegro começa a ficar famoso mundo afora.

E foi graças ao Corinthians que o Brasileirão se tornou o segundo melhor torneio do globo, só atrás do Campeonato Espanhol.

Segundo o IFFHS, renomado instituto de história e estatística do futebol, a participação do Timão no Mundial rendeu ao campeonato nacional a vice-liderança.

Será que o Corinthians está levando o Brasil nas costas?

Opine!

Tema Livre

Leia o post original por JC

Rapidinho, já que o tema livre está um dia atrasado….

Diego Souza agora é o alvo da boataria sobre desmanche do elenco. A diretoria afirma que não chegou qualquer proposta oficial para levar o jogador da Colina. Por outro lado, um representante do Al-Ahli, da Arábia Saudita, disse ter enviado uma proposta para o Vasco e para Carlos Leite, empresário do jogador. Daniel Freitas afirmou que nem o clube tem interesse em se desfazer de Diego, nem o próprio quer sair.

A multa rescisória do camisa 10 é de R$ 15 milhões e ele tem contrato até 2015. Caso a negociação aconteça, o Vasco receberia 1/3 do valor. E o próprio presidente afirmou que se a proposta for boa para todas as partes, não há como evitar a transferência.

Esse “todas as partes” envolve o Vasco – que pelo visto aceitaria a venda se a grana for boa – a Traffic, dona de 66,7% dos direitos econômicos de Diego e o próprio jogador. Ou seja, aparentemente a decisão caberá fundamentalmente ao maior interessado.

Particularmente, acho que se não oferecerem um salário astronômico, ir para Arábia Saudita não seria uma decisão muito boa para Diego.

Update: a proposta vinda das arábias foi confirmada pela diretoria…

***

Enquanto os principais jogadores do elenco vão sendo assediados, mais um garoto da base chega ao time principal. Luan, zagueiro campeão do Torneio Oito Nações e do Torneio Quadrangular Internacional pela seleção brasileira, foi integrado aos profissionais. Que o moleque tenha boa sorte e consiga ajudar o Vasco.

***

Vasco e Botafogo devem construir um CT em parceria. A Prefeitura do Rio doará um terreno em Vargem Grande e os dois clubes dividirão a área e, provavelmente, os custos da construção. O projeto será anunciado nos próximos dias.

Iniciativa parecida acontece em São Paulo. O tricolor paulista e o Palmeiras têm CTs na mesma área, separados por um muro. Se a união dos dois clubes viabilizar efetivamente a construção do centro de treinamento, ótimo. Se o Vasco finalmente tiver uma área própria para treinar e formar jogadores, até dá pra relevar a vizinhança.

***

Hoje, as 11:30, será anunciada em coletiva para a imprensa a parceria entre o Vasco e a Tim, oficializando acerto do patrocínio já confirmado pela operadora de telefonia celular desde a segunda.

A Tim estampará sua marca nos números das camisas, nos painéis de coletiva e fará ações como venda de chips do Vasco. O patrocínio deve render R$ 2,5 milhões por ano aos cofres do clube.

***

Hoje não é terça, mas sendo dia de tema livre, é dia da participação dos leitores aqui no blog. A seção “Vascaínos pelo Mundo” é estrelado pelo Alessandro Santos, em foto tirada diante do Muro das Lamentações em Israel. O local até combina com boa parte dos comentários aqui no blog, que ultimamente tem recebido uma grande – e um tanto quanto injustificada – quantidade de lamúrias.

Para mandar suas fotos ou vídeos, utilizem o e-mail do blog:blogdovasco@globo.com.

Outras formas de interação com os leitores:

Fan page do blog no Facebook

Fotolog Vasco Imortal

Comunidade no Orkut

Página no Youtube

Twitter do blog.

***

Por falar em lamúrias, o Vasco segue como melhor clube brasileiro da temporada pela Federação Internacional de História e Estatística do Futebol….

Aposta arriscada

Leia o post original por JC

Findo o Carioca, agora temos coisas mais sérias com que lidar. Os jogos decisivos da Libertadores começam para o Vasco com as oitavas de final contra o Lanús, da Argentina. A competição, que já era nosso compromisso mais importante do ano para o clube, se tornou ainda mais relevante, já que é nossa última chance de título nesse semestre. E, não só isso, é a última chance de mostrar que o trabalho feito está no caminho certo.

O Lanús foi o primeiro colocado de um dos grupos mais fracos da competição. Prova disso é que o time se classificou com a segunda pior campanha entre os líderes e fez menos pontos na fase de grupos que o Vasco.  Nesse momento da competição, isso não chega a fazer diferença e é certo que teremos uma partida das mais complicadas. A Libertadores é uma guerra, e o próprio grupo do Lanús serve como exemplo: o Emelec, que não marcou pontos nos primeiros três jogos, reagiu nas rodadas finais e tirou a vaga da mulambada nas oitavas.

Talvez o fato do nosso adversário ter jogado contra o Framengo tenha tido alguma influência na escalação do Cristóvão para o jogo. O treinador manteve a equipe que venceu a urubulândia na semifinal da Taça Rio, mesmo tendo sido o time que foi eliminado pelo Canil na final do turno.

Confiança no elenco ou teimosia? Talvez a derrota para o Botafogo tenha servido para chacoalhar os jogadores o bastante para que mostrem uma postura diferente da que tiveram domingo passado. De qualquer forma, Cristóvão está fazendo uma aposta arriscada: uma repetição dos erros cometidos na final da Taça Rio e um resultado que possa comprometer nosso futuro na Libertadores pode trazer consequências à comissão técnica que ainda não aconteceram apenas porque não é a torcida quem decide o futuro do treinador. Mas nem a paciente – em demasia, diga-se – diretoria deve admitir uma eliminação da competição contra um adversário teoricamente menos qualificado.

Se Fagner e Romulo não repetirem seus erros de marcação, se Renato Silva e Rodolfo vão ser menos displicentes na cobertura, se Fellipe Bastos não voltar a errar uma penca de passes, se Diego Souza não entrar mais uma vez dormindo em campo e se Eder Luis colocou o pé na forma, temos tudo para fazer uma boa partida e podemos conseguir um resultado que nos dê tranquilidade para o jogo da volta. Mas se nada disso acontecer, manter os mesmo jogadores que perderam uma final por displicência e falta de capricho pode ser o início do fim do período do Cristóvão como treinador do Vasco.

VASCO X LANÚS (ARG)
Fernando Prass, Fagner, Renato Silva, Rodolfo e Thiago Feltri; Romulo, Fellipe Bastos, Felipe e Diego Souza; Eder Luis e Alecsandro.Marchesín; Araújo, Goltz, Braghieri, Balbi; Fritzler, Pizarro, Valeri, González, Regueiro e Pavone.
Técnico: Cristóvão BorgesTécnico: Jorge Burrochaga.
Estádio: São Januário. Data: 02/05/2012. Horário: 22 h. Árbitro: Roberto Silvera. Assistentes: Mauricio Espinosa e Carlos Pastorino.
A Rede Globo (RJ, Juiz de Fora (MG), ES, SC, DF, Petrolina (PE), PB, SE, MA, RN, AL, PI e Região Norte) transmite a partida ao vivo. O canal FX transmite para seus assinantes.
O GLOBOESPORTE.COM acompanha o confronto em Tempo Real, com vídeos

***

Alguns leitores consideraram que fiz muitas cobranças à torcida no Tema Livre de ontem (e essa é uma opinião recorrente quando opino sobre o comportamento dos vascaínos). Isso já era esperado. O torcedor em geral gosta muito de criticar, mas dificilmente faz uma autocrítica.

Mas vale esclarecer um ponto: muitos vascaínos falam dos jogadores, dos técnicos e da diretoria, alegando que eles não respeitam o clube por não serem vascaínos. Posso até concordar com isso, mas esse não seria mais um motivo para que justamente nós, os torcedores, fizéssemos com ainda mais afinco a nossa parte?

Se nós somos os únicos que realmente se preocupam com o Vasco, somos os únicos que realmente amam o clube, vamos deixar apenas nas mãos de não torcedores seu futuro? Se o time, o treinador e os dirigentes não fazem a sua parte, seremos logo nós que vamos deixar de fazer a nossa?

Se a torcida, que realmente ama o Vasco e tem a obrigação de apoiar o time sempre, não vai ser cobrada, quem será? Pensem nisso.

***

Enquanto isso os gambás, eliminados nas quartas de final do seu estadual pela poderosa Ponte preta, já venderam 25 mil ingressos para as oitavas de final no Pacaembu. E isso faltando uma semana para o jogo em São Paulo. E os preços também eram mais caros que o normal.

***

Enquanto a torcida detona o time, a Federação Internacional de História e Estatística do Futebol tem uma opinião um pouquinho diferente: o Vasco é no momento o melhor clube brasileiro e o 10º melhor do mundo. Que coisa, não?

IFFHS divulga top 1000 dos clubes no século 21

Leia o post original por Fábio Soares

A IFFHS (Federação Internacional de História e Estatística do Futebol) divulgou hoje em seu site o ranking mundial dos clubes do século 21. Foram computadas estatísticas dos últimos 11 anos (fechamento em dezembro de 2011).Clubes europeus estão no top 9. O Barcelona lidera. O primeiro sul-americano aparece em décimo: Boca Juniors. Entre os brasileiros, o melhor é o São Paulo, 15º, e o Santos o segundo, em 19º. Veja aqui a lista completa.

Na sequência, os outros grandes brasileiros no ranking:

25 – Cruzeiro

35 – Internacional

55 – Grêmio

58 – Flamengo

60 – Fluminense

61 – Corinthians

80 – Palmeiras

96 – Vasco

158 – Atlético-MG

165 – Botafogo

Siga no Twitter: @flsoares73

Assim que tem que ser

Leia o post original por JC

Esgotamos nossos ingressos para o jogo de domingo e fizemos uma festa no aeroporto para receber o time (apesar da desclassificação na Sul-Americana). Isso mostra que o elenco conta com o apoio da torcida, não apenas para o clássico contra a mulambada, mas também pela ótima campanha feita nessa temporada.

É assim que tem que ser: reconhecer o mérito do time é um sinal de inteligência dos vascaínos. Não é porque saímos de uma competição que vamos de deixar de ver o bom trabalho realizado.  E essa moral vinda da torcida só ajuda a motivar ainda mais o Vasco. Esse mesmo apoio tem que vir das arquibancadas do Alugadão na última rodada.

E no domingo, a torcida vascaína contará com mais uma voz no estádio, essa muito especial: Ricardo Gomes foi liberado pelos médicos e poderá assistir à partida no Arrendadão.

***

Não é só no Placar Real que o Vasco está bem à frente do nosso concorrente ao título brasileiro. E pela Federação Internacional de História e Estatística do Futebol, vencemos por goleada os marsupiais.

Esperamos que domingo as coisas se acertem também na tabela oficial do Brasileiro.

AtleTiba do ranking da IFFHS: Coxa na frente

Leia o post original por luiz.carlos

Marcello Schiavon

Por François Gnoatto

Em se tratando de AtleTiba, quero ganhar até par ou ímpar. E enquanto o Coritiba subiu da 146ª para a 111ª posição, “eles despencaram (porque não existe outra definição) da 239ª para a 259ª posição.

Num comparativo com clubes realmente grandes, já estamos numa posição muito honrosa, afinal:

Liverpool – 96ª posição
Roma (o original) – 103ª posição

E à frente de outros tantos:

Juventus (a “vecchia signora” e não o “moleque travesso”) – 134ª posição
Botafog – 136ª posição
Corinthians – 141ª posição
Boca Juniors – 145ª posição
São Paulo – 147ª posição
Newcastle – 227ª posição

Além de tudo, somos o 8º clube brasileiro melhor colocado, atrás apenas de (pela ordem):

Santos – 10ª posição
Vasco – 24ª posição
Inter – 30ª posição
Cruzeiro – 52ª posição
Fluminense – 54ª posição
Grêmio – 58ª posição
Flamengo – 92ª posição

Imagino que obtendo a classificação para a Libertadores e repetindo uma boa campanha ano que vem, principalmente na competição internacional, seja ela qual for, temos todas as condições de aparecer, em 2012, dentro dos 100 melhores do mundo.

Em tempo: eu quero a vitória no AtleTiba!

Corinthians é o 171

Leia o post original por Quartarollo

barçaA Federação Internacional de História e Estatística de Futebol (IFFHS) divulgou a relação anual dos melhores times do Mundo. O Barcelona, incontestável, é o primeiro colocado com 212 pontos. O segundo é o Real Madrid com 172 pontos. Na sequência entre os 10 primeiros aparecem: Manchester United, Porto, Shalke 04, Velez Sarsfield, Bayern de Munique, […]