Arquivo da categoria: Itaquerão

Devolve logo o estádio e se livra dos problemas, ué!!!

Leia o post original por Craque Neto 10

Sei que o torcedor do Corinthians tem um baita orgulho de sua nova Arena em Itaquera. Afinal não há dúvidas de que é uma das mais bonitas e modernas do País. Agora que me desculpem todos eles – e sei que a maioria não vai concordar comigo – mas ficar nessa lenga-lenga de pagamento do estádio é inadmissível. Aliás, perder a renda de todos os jogos, que dá quase R$ 2 milhões por partida em média, é um grande absurdo. Se eu fosse presidente do clube eu já teria devolvido essa obra para o banco. Aliás, obra que não foi […]

O post Devolve logo o estádio e se livra dos problemas, ué!!! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

A esperança é a FIEL!!!

Leia o post original por Craque Neto

É verdade que o Corinthians perdeu mais uma vez. Se não me engano já são três jogos sem vencer e sem sequer marcar um golzinho. É verdade também que a campanha do técnico Jair Ventura com o Timão consegue ser ainda pior que seu antecessor Osmar Loss, que foi uma verdadeira lástima. Mas é ainda mais verdade que a equipe dele está na final da Copa do Brasil e está indo para a última partida com chances reais de título. Isso mesmo! Por mais que tenha perdido o primeiro confronto em Minas por 1 a 0, acho perfeitamente possível a […]

O post A esperança é a FIEL!!! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Mais um pepino envolvendo o Itaquerão! Assim fica difícil vender os naming rights!

Leia o post original por Milton Neves

Saiu aqui no Portal UOL:

Justiça condena Corinthians, Odebrecht e outros a devolverem R$ 400 milhões

A Justiça Federal do Rio Grande do Sul condenou o Corinthians, a Odebrecht, a Arena Itaquera e o ex-presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Fontes Hereda, presidente do banco público na época da assinatura do contrato, a devolverem R$ 400 milhões. Na decisão em primeira instância, a juíza federal Maria Isabel Pezzi Klein determinou o ressarcimento do valor à Caixa. Cabe recurso.

A ação popular foi ajuizada em 2013 pelo advogado Antonio Pani Beiriz, que questionou na ocasião a legalidade do financiamento e pediu a nulidade dele.

Segundo o autor, uma linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi criada em 2009, no valor total de R$ 4,8 bilhões para a construção e reforma de estádios da Copa de 2014.Os repasses seriam realizados por meio do Banco do Brasil. Onze projetos teriam sido aprovados, com exceção do que envolvia a Arena Itaquera. A negativa teria ocorrido em razão da ausência das garantias exigidas.

A Caixa, entretanto, teria aceitado financiar o projeto do estádio corintiano, assumindo os riscos da contratação como agente financeiro repassador. Para o advogado que ingressou com a ação, o negócio fechado em 2013 – quase três anos após o fim do prazo inicialmente previsto para as contratações – seria lesivo ao patrimônio público.

Argumentos

Segundo Beiriz, a decisão do banco público teria sido tomada sob influência política, já que teria ocorrido fora do prazo previsto, por agente financeiro que não era o inicialmente autorizado e sem a exigência de sólidas garantias de que o empréstimo seria pago.

O autor alega também que, além das irregularidades do empréstimo, o Corinthians não teria a propriedade do terreno onde foi erguida a Arena Corinthians. O clube, no caso, seria um detentor de uma Cessão Real de Direito de Uso (CRDU).

No despacho, a juíza destacou o fato de o empréstimo de R$ 400 milhões ter sido concedido a uma empresa cujo capital era de apenas R$ 1 mil (Arena Itaquera S.A).

“Um repasse milionário de dinheiro público, captado por uma empresa privada especialmente criada para este fim e com capital social no valor de R$ 1 mil, embasado em garantias incertas e que beneficiou, além de um time de futebol, uma construtora contratada sem licitação. Assim pode ser resumido, conforme sentença proferida pela 3ª Vara Federal de Porto Alegre, o negócio realizado entre a Caixa e a SPE Arena Itaquera S/A que possibilitou o empréstimo de R$ 400 milhões do BNDES para a construção da Arena Itaquera, estádio do Corinthians”, frisou a juíza na nota.

Outro lado

A Caixa Econômica, o Corinthians Paulista, a Odebrecht e a Arena Itaquera, além de Jorge Fontes Hereda, defenderam a regularidade da transação e afirmaram que existiam garantias suficientes – citaram, por exemplo, a base em receitas futuras. Eles alegaram também que o Tribunal de Contas da União (TCU) já teria analisado e aprovado a contratação.

A juíza disse ainda que as garantias oferecidas e aceitas pela Caixa dependiam do êxito da exploração comercial da Arena Itaquera para sua concretização. Além disso, afirmou que a transferência de recursos causou prejuízos decorrentes do mau uso de recursos públicos federais.

“Ao fim de quatro anos, apenas, pequena parcela do principal foi paga, restando uma imensa dívida impontual, em evidentes prejuízos a CEF. E, é claro, porque estamos falando de recursos públicos federais, a maior prejudicada é, sem dúvida, a União Federal”, afirmou a juíza.

_______________________________________________________________________________

É, meus amigos, mais um grande pepino envolvendo o Itaquerão, o grande Cavalo de Troia que a Fiel ganhou em 2014.

E, com tantas manchetes negativas pipocando quase que diariamente, fica difícil mesmo vender os tais naming rights.

Inclusive, se não saiu até agora, acho que não sairá mais!

Não é verdade?

E você, amigo internauta, o que achou desse novo pepino envolvendo o estádio do Timão?

Opine!

Corinthians afobado. E Santo André aproveita

Leia o post original por Antero Greco

Os últimos dias não foram bons para o Corinthians. Primeiro, o furo n’água na tentativa de trazer Drogba como atração de 2017. Depois, teve a Ponte que pouco se lixou para negociações com Pottker, botou o moço em campo na Copa do Brasil e, com isso, tornou impossível a transferência.

Para fechar a semana ruim, veio a derrota por 2 a 0 para o Santo André, na noite deste sábado, em Itaquera. Resultado pouco comum no confronto entre os dois times. Mas o que aumenta a preocupação da torcida foi o futebol da equipe: confuso, ainda descoordenado, com a agravante de ter sido frágil no sistema defensivo. A turma do ABC desceu três vezes com perigo, em duas aproveitou e fez a festa.

Claro que há méritos para o rival. O Santo André foi aplicado, correto, atento na marcação. Nada excepcional, porém eficiente. Dentro das limitações, cumpriu à perfeição o papel dele e teve no goleiro Zé Carlos um dos pontos altos. Ele fez defesas importantes, a maior delas ao parar pênalti chutado por Jô no primeiro tempo.

É preciso sempre levar em consideração que se trata de início de temporada, o segundo jogo oficial, fora três amistosos de preparação. Ainda tem gente para ser aproveitada, como o jovem Maicon (na desastrada seleção Sub-20) e o veterano Jadson, que deve assumir o papel de astro da companhia. A ressalva vale para que o público não se desespere logo de cara.

Mas o desempenho não foi grande coisa, independentemente do resultado. Comum uma equipe jogar bem e perder. Não foi o caso. O Corinthians mostrou-se afobado, pouco prático e com criatividade baixa. Abusou dos cruzamentos, a maioria na tentativa de encontrar Jô para as finalizações. Uma ou outra, apenas, foi bem sucedida; de resto, só serviu para fazer o nome da zaga do Santo André.

A defesa corintiana não foi incomodada além da conta. Porém, em dois lances decisivos vacilou, e justamente nos gols de Edmilson (no primeiro tempo) e Claudinho (no segundo). Fagner e Moisés desceram muito ao ataque, sem perigo. Pablo e Balbuena necessitam de ajuste no entendimento. No meio, Gabriel tratou de fechar espaço, e só. Felipe Bastos procurou o jogo, mas sem regularidade. Tanto que saiu no intervalo para a entrada de Guilherme, que passou em branco. Marquinhos Gabriel esteve muito aquém do que pode, Marlone e Rodriguinho andaram perdidos à frente e não encostaram em Jô. Ainda entraram Kazin e Romero, sem acrescentar grande coisa.

A tarefa de Fabio Carille é enorme. Será necessária paciência, e ele precisará de mão forte para apoiá-lo. Terá?

Confusão no Itaquerão, Timão sem Cristóvão

Leia o post original por Fernando Sampaio

Confusão no Itaquerão, Timão sem Cristóvão

O Itaquerão sofreu com os vândalos.

Incrível, o Brasil não consegue combater a violência. O brasileiro aceita um nível de criminalidade muito alto. Não entendo porque esta corja continua frequentando os estádios. Sempre os mesmos bandidos e as mesmas facções criminosas… Tudo fotografado e filmado. Ora, proíbe logo a entrada nos estádios para o resto da vida.

Falta vontade política.

Houve tentativa de invasão nos camarotes, correria de familiares de jogadores…

Lamentável.

Daqui a pouco aparece alguém do MP querendo holofote para virar candidato.

Além disso o Corinthians demitiu Cristóvão. Na minha opinião nem deveria ter vindo. Não era o nome certo. Eu não contrataria. Mas não acho que ele seja responsável pela má fase do time. O elenco é fraco. Não dá para fazer mágica. Não foi só a saída do Tite, vários jogadores de qualidade que saíram. Agora é preciso paciência.

O trabalho de reconstrução não será fácil.

Disse e repito: Não espero o Corinthians terminando no G-4.

Corinthians vira e volta a embolar o Brasileiro

Leia o post original por Antero Greco

A torcida do Corinthians andava meio cismada com o time. Nas últimas rodadas, acumulou escorregadelas e corria o risco de ver aumentada a diferença em favor dos líderes. Mas, por uma conjunção de resultados, eis que o atual campeão brasileiro voltou a encostar na ponta. Para tanto, contribuíram os 2 a 1 que lascou em cima do Vitória, na noite desta segunda-feira, em Itaquera, além de tropeços de Santos, Grêmio e Palmeiras. Com a combinação de placares, os alvinegros estão em terceiro lugar, com 37 pontos.

Em resumo, o campeonato continua embolado pra chuchu. O Palmeiras tem 40 pontos, o Atlético-MG está com 38. Junto com o Corinthians vem o Fla (a diferença está no saldo de gols). Logo na sequência, aparecem Santos (36) e Grêmio (35, mas com  um jogo a menos). O Furacão perdeu fôlego, está com 31 e caiu para oitavo lugar. Na frente dele, saltaram Flu e Ponte, ambos com 31. Ou seja, a briga pelo título permanece abertíssima e equilibrada. Difícil apontar um favorito nesta altura da temporada.

O Corinthians, no entanto, teve trabalho para superar o Vitória e ampliar para 33 o número de jogos em casa sem perder. No primeiro tempo, esbarrou numa marcação boa da equipe baiana e ainda amargou o gol contra de Yago, aos 43 minutos, em cruzamento de Marinho. A propósito, Marinho foi o jogador do Vitória que mais deu trabalho, mesmo no segundo tempo.

Cristóvão Borges mexeu no time no intervalo e colocou Marlone no lugar de Romero. E, com isso, obteve a reviravolta. Marlone entrou a todo vapor e logo aos 5 minutos empatou com um chute espetacular de fora da área. Além disso, ajudou na marcação e na armação. Tanto que participou do segundo gol, aos 26, marcado por Marquinhos Gabriel, de peito. O Vitória só criou uma chance, mesmo com boa distribuição em campo. Pouco para quem está perto da zona de rebaixamento.

Ficou claro que Cristóvão mantém a busca de formação equilibrada do meio para a frente. Desta vez, iniciou com Bruno Henrique, Romero, Elias, Rodriguinho. Só perto do final, colocou Giovanni Augusto em campo. O treinador não parece convencido a respeito de alguns jogadores. Mas, resultado à parte, o Corinthians do segundo tempo lembrou, em alguns instantes, aquele do ano passado: trocas de passes, paciência e rapidez no contragolpe.

 

Corinthians tropeça no Itaquerão

Leia o post original por Fernando Sampaio

corinthians-ag-corinthians-1Dancei no Bolão.

Coloquei 2×0 Corinthians.

Imaginava um jogo difícil mas com vitória do time da casa.

Pois é, foi tropeço no Itaquerão.

Depois do clássico, no último post http://blogjp.jovempan.uol.com.br/fernandosampaio/futebol/sao-paulo-foi-melhor-corinthians-deixou-duvidas/, disse que o Timão deixou preocupação. O jogo contra o Figueirense comprovou a tendência.

Os últimos jogos mostram que o Corinthians já não é tão favorito ao G-4.

Não vejo Cristóvão muito tempo no Timão.

 

Corinthians continua todo poderoso em casa

Leia o post original por Antero Greco

O Corinthians continua todo-poderoso em casa. Raramente vacila como mandante – cinco vitórias e um empate no Brasileiro. Não foi diferente na noite deste sábado, com os 2 a 1 pra cima do Santa Cruz. Primeira vitória sob o comando de Cristóvão Borges e a volta para o bloco de cima. Pelo menos até este domingo.

O resultado poderia ter sido mais tranquilo. No primeiro tempo, o Corinthians mandou na partida, tocou fácil, fez o que quis, marcou os dois gols e ensaiou diferença maior. Luciano e Romero se encarregaram de abrir a vantagem. No segundo, o Santa tentou a reação, na raça, e conseguiu, mas com colaboração imensa de Cássio. O goleiro trocou passes com Balbuena, na entrada da área, controlou mal a bola e ela sobrou para Grafite empurrar para o gol, livre, sem marcação. O veterano atacante tem 8 e lidera a artilharia.

Falhas acontecem, ora bolas. Já vi lambanças iguais ou piores do que essa do Cássio. O problema é que a fase não anda serena pra ele. Já tinha perdido a posição, ainda com Tite, e só voltou porque Walter se machucou. Precisa de um banho de sal grosso, para tirar a zica. No meio da semana, já tinha vacilado no lance decisivo do jogo com o Atlético-MG. Mas, como a falha maior foi do zagueiro Pedro Henrique, até que passou batido. A propósito, bacana a decisão de Cristóvão confirmar o garoto como titular. E ele foi bem no jogo.

O gol deixou o Corinthians um pouco desnorteado, animou o Santa, que teve chance do empate. Não passou de susto.

Cristóvão tem a base herdada de Tite – e não poderia ser diferente, pois acabou de chegar e o elenco não lhe dá muita variedade. Mesmo assim, começou a fazer experiências. A mais notável foi a de optar por Romero em vez de Guilherme (que entrou no segundo tempo). O paraguaio tentou movimentar-se pelos lados, fez o gol, participou bastante, embora oscile. Rodriguinho foi mantido como substituto de Elias.

O Corinthians teve mais velocidade, porém em alguns momentos ficou atrapalhado, sobretudo na construção de jogadas e na cobertura da defesa. Falhas que podem sumir com o tempo, e com treinos.

Já o Santinha… bem, a empolgação inicial murchou, as derrotas se acumulam e a zona de rebaixamento é ameaça real.

 

Lembra da Transpetro no Itaquerão?

Leia o post original por Fernando Sampaio

corinthians_fecha_compra_de_dutos_para_o_itaquerao_19122011-181010-1O leitor mais antigo do Blog lembra das nossas matérias sobre a construção do Itaquerão.

Sabíamos na época que a Odebrecht pagaria tudo, que o Naming Rights não seria vendido antes da Copa, que o Corinthians não desembolsaria um tostão até o entrega e que a Transpetro pagaria pelo desvio dos oleodutos, obra com custo milhões de reais.

A matéria abaixo falava em R$ 30 milhões.

As fontes que acertaram todas as informações acima falavam em R$ 70 milhões.

http://aesabesp.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=467%3Aaesabesp-de-olho-na-copa-anp-autoriza-desvio-dos-dutos-sob-o-terreno-do-itaquerao&catid=75%3Aboletim-aesabesp&Itemid=50

Andres Sanchez negava tudo.

O cartola que votou pela manutenção do projeto criminoso de poder do PT dizia que não seria necessário a desativação dos dutos. Fala sério. Ele achou que teríamos uma nova Vila Socó? É óbvio que o Itaquerão não poderia ser construído em cima dos dutos em atividade. Conforme informamos, o desvio foi feito.

A Petrobras não precisava desviar nada, a Odebrecht sim.

Quem pagou?

Como dissemos na época a Transpetro pagaria tudo.

Não deu outra.

Claro, a Transpetro é mais uma empresa pública a serviço dos corruptos.

Incrível a merda que o PT deixou. Vamos levar anos para recuperar o Brasil.

Não é só o rombo de 170 bilhões, tem o aparelhamento da Cultura, Educação….

Tem Sarney, Collor, Renan, Jucá… e toda corja que serviu de base de sustentação aos PeTralhas.

Vamos em frente, acreditando na força da ruas.