Arquivo da categoria: José Carlos Peres

Cartolas exaltam chance de redução de encargos trabalhistas com ‘empresa’

Leia o post original por Perrone

Com Danilo Lavieri, do UOL, em São Paulo

Ao menos parte dos dirigentes brasileiros vê como um dos pontos principais do projeto para incentivar clubes a se transformarem em empresas mudanças nas relações trabalhistas com os jogadores e outros profissionais. Isso, apesar de assegurarem que essa não é a questão central, mas, sim, a reorganização do futebol nacional

A proposta mais avançada na Câmara prevê que os contratos de jogadores e membros de comissões técnicas com salários superiores a aproximadamente R$ 11 mil sejam regidos pelo direito civil, desde que as duas partes tenham sido assistidas por advogados de sua escolha e com uma série de garantias constitucionais. Isso significa que no lugar de parte do salário registrado na carteira de trabalho, atletas, treinadores e seus assistentes passariam a ser prestadores de serviço. A alteração reduziria os custos das agremiações com encargos trabalhistas.

Os cartolas também projetam seria reduzido drasticamente o número de ações movidas por ex-atletas e ex-treinadores na Justiça do Trabalho. Cobranças para equiparar direito de imagem a salário, assegurando benefícios, são comuns atualmente. “Hoje, você contrata um jogador por três anos, atendendo a legislação, com CLT (Consolidação das Leis de Trabalho) mais direito de imagem. E se ele não render? Pra você dispensar, jogador ou comissão técnica, é obrigado a pagar o restante do contrato, além das obrigações de FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), pagando multa de 40%”, disse ao blog José Carlos Peres, presidente do Santos.

O blog procurou a Fenapaf (Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol) para ouvir sua opinião. Segundo seu presidente, Felipe Augusto Leite, a entidade precisa de mais informações sobre o tema. “Existem 111 projetos de lei no Congresso Nacional que tratam de mudanças no esporte. Esse texto ainda não chegou para nós. O que posso dizer é que precisamos de uma redação especial para tratar dessa relação (trabalhista entre jogadores e clubes). Nunca fizeram”, declarou Leite.

Ele ainda afirmou que o grande problema a ser atacado deve ser o desemprego no futebol, referindo-se aos clubes menores que não têm competições para disputar a temporada inteira e dispensam seus jogadores.

Nesta quarta (11), cartolas de alguns dos principais clubes brasileiros foram recebidos na Câmara e voltaram animados falando da disposição do presidente da casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em aprovar o projeto rapidamente.

 

Peres diz ter acordo para pagar imagem atrasada a Sampaoli em até 15 dias

Leia o post original por Perrone

José Carlos Peres, presidente do Santos,  disse ao blog que fez um acordo com Jorge Sampaoli para quitar em até duas semanas pagamento de direito de imagem atrasado.

Imagem um mês (atrasada) e já foi acordado colocar em dia em no máximo 15 dias”, escreveu o dirigente santista em mensagem de aplicativo de celular.

O cartola afirmou que os pagamentos de salários do treinador registrados em carteira de trabalho estão em dia.

Como mostrou o blog, o técnico chegou a cobrar o clube por e-mail de atraso em parte de seus vencimentos que deveria ter sido paga em junho.

Sampaoli cobra Santos por atraso em pagamento por escrito

Leia o post original por Perrone

Jorge Sampaoli cobrou o Santos de atraso em seu pagamento por escrito.

José Carlos Peres, presidente santista, não respondeu  à mensagem enviada por este blogueiro sobre o tema.

Porém, fonte próxima ao dirigente afirmou que a notificação sobre o atraso foi feita por e-mail. Pela mesma versão, só houve atraso referente à quantia relativa a direito de imagem que já  deveria ter sido paga neste mês.

O relato também é de que Sampaoli sempre age assim diante de atrasos.

 

Desafetos tentam excluir filha de Peres do Santos. Ela fala em ir à Justiça

Leia o post original por Perrone

Mensagens atribuídas a mulher e filha de Peres criticam oposição e o vice Orlando Rollo (à esq. na imagem). As duas negam a autenticidade do áudio. Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC

Na última terça (14), um grupo de conselheiros do Santos protocolou no Conselho Deliberativo pedido de expulsão de Daniela Rocco Peres do quadro associativo do clube. Filha do presidente José Carlos Peres, ela é acusada de ter ofendido adversários políticos de seu pai em sua conta no Facebook.

Daniela nega ter feito as ofensas, afirmando que as mensagens atribuídas a ela são falsas. Ao blog, a filha do cartola também falou em eventualmente se defender na Justiça.

“Não fui notificada sobre esse requerimento, só ouvi dizer. Então, não tenho nada a declarar. Vou esperar chegar algo pra mim e vou me defender. Se precisar, vou até à Justiça fazer a minha defesa. É um pedido totalmente político”, declarou ela.

O imbróglio começou no mês passado, depois de as contas de Peres serem reprovadas pela primeira vez (nesta terça o conselho ratificou a reprovação). Naquela ocasião circularam em grupos de WhatsApp mensagens que teriam sido postadas pela mulher de Peres, Maria de Lourdes Rocco.

“Esses conselheiros são amigos do Marcelo Teixeira e do (Modesto) Roma (ex-presidentes), que quase fechou as portas do Santos. São abutres querendo trazer o tal (Orlando) Rollo (vice-presidente licenciado) de volta. Nós, torcedores do Santos, temos que abrir o olho, senão os ladrões vão voltar”, dizia uma das mensagens. À Daniela, foi atribuído o seguinte comentário, supostamente em resposta à mãe: “li. Essa corja não vale nada”.

Em meio à polêmica, Maria de Lourdes escreveu texto afirmando que as afirmações eram falsas. A mulher do presidente não é sócia do Santos, por isso o requerimento não pede medidas contra ela.

O documento, encabeçado pelo conselheiro Antônio Alfredo Glashan diz ser inadmissível parentes do presidente do clube irem às redes sociais criticar conselheiros eleitos para fiscalizar a gestão.

A solicitação de expulsão se baseia em artigo que prevê a possibilidade dessa punição para quem “atingir por ato público ou manifestação escrita ou verbal a reputação, a integridade, o prestígio ou o conceito moral e o bom nome do Santos, de seus órgãos ou dos membros desses órgãos.”

O estatuto santista diz que cabe ao Comitê de Gestão (CG) decidir sobre eventuais punições aos associados. Porém, o requerimento afirma que, como Peres preside também o CG, ele participaria do julgamento da própria filha. Assim, o documento pede para o caso seja decidido pelo Conselho Deliberativo (CD).

O blog procurou Marcelo Teixeira, presidente do CD para saber sua decisão sobre o caso. “Não vimos ainda o requerimento. Pode ter sido protocolado depois da reunião. A mesa (do CD) se reunirá e avaliará o pedido. Se necessário, vai encaminhar à comissão do estatuto para um parecer”, afirmou o dirigente.

Durante a reunião, Teixeira negou solicitação de conselheiros para que o órgão aprovasse uma manifestação de repúdio contra supostas manifestações de mulher e filha do presidente. “Houve o esclarecimento, não pertencia à página (da mulher de Peres) e não foi autora do texto. Foi retirado e postado texto dirimindo quaisquer dúvidas”, afirmou o presidente do conselho justificando a negativa.

Com Eder Traskini, do UOL, em Santos

Opositor santista propõe mudança para ‘cumprir’ promessa de Peres

Leia o post original por Perrone

Raphael Vita Costa, conselheiro santista e membro da oposição, apresentou proposta de alteração do estatuto do clube para obrigar presidente e vice a quitarem novas dívidas que gerarem durante suas gestões.

A emenda sugerida visa colocar em prática uma promessa de campanha apresentada pelo atual presidente, José Carlos Peres, ao blog em outubro de 2017. Na ocasião, como candidato, ele afirmou que proporia ao Conselho Deliberativo a criação de um dispositivo estatutário para colocar uma trava na dívida santista. A sugestão era de que o dirigente que aumentasse o débito pagasse pelo aumento do próprio bolso.

O estatuto santista está em processo de alteração, mas Peres não apresentou essa proposta. Procurado, o dirigente não respondeu mensagem enviada pelo blog sobre o tema. Também não foi possível falar com o cartola por meio de sua assessoria de imprensa.

Em 2018, sob o comando de Peres, o Santos registrou deficit de R$ 73.386.000. As contas do exercício foram reprovadas pelo conselho do clube.

Abaixo, leia na íntegra a proposta de Vita, que é advogado e foi membro do Comitê de Gestão do Santos na administração anterior. Ele apresentou outras oito propostas de mudanças estatutárias.

“O presidente e o vice eleitos devem assinar, junto ao termo de posse, um compromisso de obrigatoriedade, que obriga a quitação, ao fim do mandato, de quaisquer novas dívidas que a gestão produzir no Santos FC após sua posse, durante o triênio do mandato, descontadas juros de dívidas já existentes, autorizações do Conselho de Administração e Conselho Deliberativo para contração de dívida específica.”

Novo atrito político no Santos envolve mulher e filha de Peres

Leia o post original por Perrone

O enredo do novo atrito político no Santos tem como protagonistas a mulher e a filha do presidente José Carlos Peres. Como cenários da trama aparecem as redes sociais. As parentes do cartola são acusadas de ofender adversários dele e dois ex-presidentes, mas rebatem se dizendo vítimas de montagens. Conselheiros oposicionistas, no entanto, planejam levar o caso ao Conselho Deliberativo (CD).

A confusão começou no início desta semana quando membros do CD passaram a trocar mensagens por WhatsApp com imagens de textos que teriam sido postados pelas duas familiares de Peres no Facebook.

“Esses conselheiros são amigos do Marcelo Teixeira e do (Modesto) Roma (ex-presidentes), que quase fechou as portas do Santos. São abutres querendo trazer o tal (Orlando) Rollo (vice-presidente licenciado) de volta. Nós, torcedores do Santos, temos que abrir o olho senão os ladrões vão voltar”, diz parte de mensagem atribuída ao perfil no Facebook de Maria de Lourdes Rocco, mulher de Peres.

O texto teria feito referência a conselheiros que reprovaram as contas de 2018 apresentadas pela diretoria.

Em resposta a uma das postagens da mãe, Daniela Rocco Peres teria escrito: “Li. Essa corja não vale nada”.

Depois de o tema bombar nos celulares de conselheiros santistas, Maria de Lourdes escreveu no Facebook que não havia escrito nada em seu perfil sobre o assunto e que as mensagens eram “fakes”. Disse que não faz comentários públicos, por tanto, se existirem mensagem públicas são falsas. Ela também avisou que excluiria os amigos santistas de sua conta e disse não se envolver na política do clube.

O blog não conseguiu falar com a mulher de Peres, mas sua filha confirmou a versão da mãe. “Tudo que eu e ela escrevemos (nas redes sociais) é fechado. Então, o que apareceu é fake”, afirmou Daniela ao blog. Ela é sócia do Santos.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Peres também afirmou que as mensagens são falsas.

Citado num dos textos, Modesto disse que não se envolve com assuntos como esse. “Quem monitora essas coisas é meu advogado, não sei de nada”, declarou. Teixeira, hoje presidente do Conselho Deliberativo, disse: “ela retirou a postagem, esclareceu com essa mensagem, damos o assunto por encerrado”.

As justificativas, porém, não convenceram pelo menos parte dos conselheiros críticos da atual gestão. Eles estudam medidas como apresentar ao conselho uma moção para declarar mulher e filha de Peres pessoas não gratas ao clube e pedir a expulsão de Daniela do quadro associativo.

 

 

Presidente do Santos diz que reembolsou clube por uso de cartão corporativo

Leia o post original por Perrone

Indagado no Conselho Deliberativo do Santos sobre supostos gastos pessoais que teria pago com o cartão de crédito corporativo do clube, José Carlos Peres afirmou que devolveu os valores em março deste ano. A afirmação foi feita durante reunião do órgão para a votação das contas de 2018, que acabaram reprovadas na última segunda (15). O cartola foi questionado sobre o assunto pelo conselheiro Celso Jatene.

Parecer do Conselho Fiscal, que pediu a reprovação das contas e o encaminhamento de seu relatório para a comissão de ética e sindicância do Conselho Deliberativo, apontava suspeitas de uso do cartão corporativo por Peres e seu antecessor, Modesto Roma Júnior, para despesas pessoais.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o atual presidente santista repetiu ao blog que fez a devolução. Ele afirmou que em dezembro efetuou gastos para a compra de presentes dados em nome do clube, mas que mesmo assim providenciou o ressarcimento.

Trecho do parecer produzido pelo Conselho Fiscal diz: “após análise, novamente nos deparamos com pagamentos que, salvo melhores esclarecimentos, aparentemente são uso pessoal como, por exemplo, lojas de artigos de vestuário feminino, supermercados, farmácias, etc., todos com valores expressivos”. As mercadorias compradas e as quantias gastas, no entanto, não foram reveladas. O caso deve ser analisado pela comissão de ética e sindicância.

Apesar de tratar das contas de 2018, o parecer também fala de supostas compras pessoais feitas pelo presidente anterior, com o cartão do Santos. Ao blog, Modesto disse que sempre separou suas despesas particulares das do clube e que nunca recebeu pedido de explicações sobre gastos no cartão de crédito da agremiação.

Déficit de R$ 77,3 mi põe contas santistas em xeque. Clube não vê problemas

Leia o post original por Perrone

Nesta segunda (15), o Conselho Deliberativo do Santos vota as contas de 2018 da gestão de José Carlos Peres. O Conselho Fiscal (CF) da agremiação recomenda que elas sejam reprovadas. O órgão fala em suposta má gestão e, suspeita. Assim, requer o encaminhamento do relatório para a Comissão de Inquérito e Sindicância para verificação e tomada de eventuais providências. Por sua vez, a direção sustenta não existirem irregularidades.

De acordo com o parecer do CF, obtido pelo blog, o Santos fechou 2018 com um déficit de R$ 77,3 milhões, desrespeitando as regras do Profut, programa que parcelou as dívidas fiscais dos clubes, sempre conforme análise dos conselheiros fiscais. A lei determina que o déficit das agremiações com as dívidas refinanciadas seja no máximo igual a 10% da receita obtida no ano anterior. Segundo o Conselho Fiscal, essa marca chegou a 26,96%, o que permitiria ao Governo Federal descredenciar o Santos do programa e cobrar o débito de uma vez. O documento também lembra que déficit superior a 20% da receita obtida um ano antes deixa a gestão classificada como temerária.

O CF ainda alega que o estatuto do clube foi desrespeitado porque a diretoria não teria feito correções para evitar grande diferença entre as despesas previstas no orçamento e as realizadas em 2018. O orçamento previa  aproximadamente R$ 222 milhões em despesas no ano passado. Porém, os gastos foram de cerca de R$ 266 milhões. A receita obtida ficou na casa de R$ 217,7 milhões. A previsão orçamentária falava em arrecadação de R$ 325,1 milhões. A dívida santista aumentou em R$ 12,1 milhões, segundo o documento.

Relatório preparado pela diretoria para rebater os pontos levantados pelo CF  alega que o resultado contábil só foi deficitário porque o dinheiro arrecadado com a negociação de Rodrygo com o Real Madrid poderá ser contabilizado apenas no balanço de 2019. São R$ 172 milhões. A direção relata que isso prejudicou o resultado de 2018, porém, “projeta um cenário positivo para 2019, conforme orçamento aprovado pelo Conselho Deliberativo”. Argumenta ainda que o déficit apresentado é um resultado contábil que um retrato de 31 de dezembro de 2018 que não reflete as questões financeiras do clube.

Sobre a diferença entre orçamento e valores realizados, o documento preparado pelos gestores aponta que a previsão orçamentária era “não realista” e foi efetuada em outubro de 2016 com a visão da gestão anterior. Sustenta também que a peça orçamentária para 2018 não chegou a ser aprovada pelo Conselho Deliberativo.

Outra observação do Conselho Fiscal é de que a diretoria não teria atendido à recomendação do órgão para evitar pagamento de comissões a empresários de jogadores que renovam contrato ou que chegam por empréstimo. Na renovação de Vítor Ferraz foram pagos R$ 202.824 a título de intermediação. Para renovar com Diogo Vítor foram R$ 120 mil, mesmo valor gasto com comissão no empréstimo de Dodô, de acordo com o parecer.

Também está anotado pagamento de intermediação na contratação de Sacha no valor de R$ 1.462.000. Na vinda de Cuca, hoje no São Paulo, foi registrado pagamento de comissão de R$ 595 mil. As negociações listadas no relatório totalizam R$ 4.829.392 em intermediações.

A apresentação que a diretoria preparou para exibir ao conselho diz que “não há nenhum óbice legal para o pagamento de comissões pela renovação ou empréstimo de atletas. “Ademais, a recomendação destoa da realidade do mercado do futebol brasileiro. Exemplo de tal situação é o imbróglio para a renovação do atleta Diego Cristiano Evaristo, o Pituca, que não renovou justamente pelo (fato de o) empresário exigir pagamento pela intermediação da renovação”, sustenta a explicação da administração comandada por Peres. Outro dado apresentado é o de que em 2016 e 2017 o Santos gastou R$ 20 milhões com comissões contra cerca de R$ 4,8 milhões e m2018″.

O blog também teve acesso ao parecer da auditoria independente que considerou as demonstrações financeiras do clube adequadas, mas com ressalvas. A empresa especializada M/Legate listou entre os pontos que geraram as ressalvas falta de confirmação de clubes e empresas que teriam dinheiro a pagar ou receber do Santos. Na lista estão R$ 740 mil que seriam devidos pela Lazio e R$ 110.975  pelo Real Madrid. Também aparecem R$ 2,6 milhões a serem pagos para CBF, R$ 2,4 milhões devidos para In Setti Marketing Esportivo por conta de direitos de imagem e R$ 520 mil para a Image Rights BRG.

No documento que produziu, a direção reafirma que as ressalvas foram feitas por conta de informações que dependiam de terceiros e que nenhum dos assuntos abordados teve influência no resultado financeiro.

Os auditores independentes dizem ainda existir “incerteza relevante relacionada à continuidade operacional do clube”. Para essa continuidade acontecer são necessários aporte e captação de recursos, além do sucesso de medidas planejadas pela diretoria.

 

 

Exagero ou frescura???

Leia o post original por Craque Neto

Nesta sexta-feira (29) pela manhã acordei com um monte de gente me enviando por mensagem o vídeo do presidente do Santos, José Carlos Peres, falando em um vídeo onde apoia o clube dele e brinca com o Corinthians dizendo que vai ‘matar os gambás’ nas semifinais do Paulistão. Foi o suficiente pra mídia cair em cima dizendo que o cartola é irresponsável e que acirra a rivalidade entre as das torcidas e provoca brigas. A turma queria que eu chegasse no programa ‘Os Donos da Bola’ e descesse a lenha no Peres. Mas posso falar? Acho isso uma baita FRESCURA! […]

O post Exagero ou frescura??? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Bar executa dívida de presidente do Santos por festa da vitória

Leia o post original por Perrone

José Carlos Peres começou a enfrentar processo de execução por conta de dívida cobrada pelo bar em que foi comemorada sua vitória na eleição presidencial do Santos em dezembro de 2017. Certidão publicada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo no último dia 13 declara que a sentença transitou em julgado (não cabe mais recurso). Dois dias depois, a Básico Comércio de Alimentos, nome do estabelecimento, entrou com o processo de execução da dívida. Porém, a Justiça entendeu que o pedido precisa ser regularizado para atender aos trâmites processuais antes de dar continuidade à execução.

O cartola foi condenado a pagar R$ 7.750, mais correção monetária. O dono do bar alega que depois da vitória no pleito, Peres e Orlando Rollo, eleito como vice e que pediu afastamento do cargo por divergências com o  mandatário, combinaram de dividir as despesas da festa da vitória no estabelecimento. Porém, só Rollo pagou a sua parte.

A movimentação do processo no Tribunal de Justiça não registra recurso de Peres contra a decisão. Ele havia afirmado ao blog que recorreria. “Não fui eu que contratei a festa. Fui convidado quando já estava indo embora. Fiquei por volta de 40 minutos e fui embora. Os reais contratantes pagaram a metade e deixaram para eu pagar a outra metade. Não sou desonesto”, afirmou o presidente santista quando foi condenado ao pagamento.

O blog enviou mensagem para Peres sobre a sentença ter transitado em julgado, mas não obteve resposta. Também não conseguiu entrar em contato com o dirigente por meio de sua assessoria de imprensa.