Arquivo da categoria: Justiça

Corinthians tem contas bloqueadas em ação que envolve arena e prefeitura

Leia o post original por Perrone

O Corinthians sofreu bloqueio de R$ 760.741,11 em suas contas correntes devido a cumprimento de sentença a pedido da Prefeitura de São Paulo. A Justiça havia determinado que o clube pagasse multa de R$ 800 mil em favor do município sob a acusação de litigância de má-fé em processo sobre contrapartidas relativas à cessão do terreno em que foi construída a arena da agremiação. As buscas não localizaram o valor total cobrado. Nesta quinta (28) foi publicada no Diário de Justiça do Estado determinação para que o município se manifeste sobre a quantia bloqueada.

Conforme apurou o blog, os advogados corintianos tentam um acordo com a prefeitura. Eles discordam que tenha havido litigância de má-fé, mas não conseguiram evitar o bloqueio.

Em maio de 2011, Ministério Público e Corinthians fizeram um acordo reconhecendo a validade da concessão de direito real de uso da área em Itaquera por parte da prefeitura para o clube erguer seu estádio. O trato previa por parte do alvinegro contrapartidas sociais nas áreas de educação, assistência social e saúde com investimento de 12 milhões. As obrigações foram divididas em uma etapa de R$ 4 milhões e outra de R$ 8 milhões.

O juiz Randolfo Ferraz de Campos, da 14ª Vara da Fazenda Pública, aplicou a multa de R$ 800 mil em maio deste ano depois de o clube não ter se pronunciado por três vezes sobre o andamento das contrapartidas estabelecidas na segunda parte do acordo. Em julho, a prefeitura deu início ao pedido de cumprimento de sentença.

A defesa corintiana alega que houve atraso na segunda parte da execução das contrapartidas principalmente por conta da complexidade da operação que envolve diferentes órgãos da prefeitura paulistana.

 

 

Sem acordo entre Corinthians e Caixa sobre juros, perito deve ser acionado

Leia o post original por Perrone

A diretoria do Corinthians mantém discurso de otimismo sobre às negociações com a Caixa Econômica Federal (CEF) para um acordo em relação à execução judicial movida pelo banco contra a Arena Itaquera S/A. Porém, ainda estão em aberto pontos cruciais, como cobrança de juros e multa por inadimplência.

As partes discutem a possibilidade de acionar um perito para analisar os juros cobrados até aqui e elaborar um parecer indicando qual valor deve ser estabelecido em seu entender. Essa é uma discussão que precede a ação judicial. Os corintianos já tentavam reduzir as taxas, o que a CEF rejeita.

Em outra divergência, o banco não recua de sua posição de cobrar cerca de R$ 536 milhões, quantia exigida na Justiça. Alegando inadimplência por pare da Arena Itaquera, a Caixa executou o valor total da dívida contando penalidades referentes a atrasos. O débito se refere ao empréstimo de R$ 400 milhões feitos junto ao BNDES por intermédio da CEF para bancar parte da construção da casa corintiana.

O  Arena Fundo de Investimento Imobiliário, dono da Arena Itaquera S/A, criada para colocar o projeto do estádio de pé, insiste para que no novo acordo seja levado em conta o que já foi pago até aqui. O fundo tem Corinthians e Odebrecht como acionistas.

No Parque São Jorge o entendimento é que, mesmo com discussões importantes ainda em andamento, há praticamente um consenso sobre o valor anual que será pago a partir do momento em que o trato for fechado. A quantia é mantida em sigilo. O prazo para a dívida ser quitada será maior ou menor dependendo do montante final ajustado.

Para ganharem tempo na costura de um  acordo, as partes envolvidas na disputa pediram no final de outubro a suspensão do processo por 30 dias e foram atendidas pela Justiça.

SPFC vence em 1ª instância zagueiro que culpa clube por problema físico

Leia o post original por Perrone

O São Paulo obteve em primeira instância na Justiça do Trabalho vitória em ação na qual seu ex-zagueiro Luiz Eduardo, que atuou no clube entre 2015 e 2016, cobrava R$ 200 mil. Todos os pedidos feitos por ele foram negados, incluindo uma indenização por problema no joelho pelo qual responsabiliza a agremiação.

Luiz Eduardo Rodrigues também pedia o recebimento de valores que ele alegava terem sido ajustados num suposto contrato de gaveta não reconhecido pela Justiça do Trabalho em decisão do último dia 25. Outra solicitação negada foi a de que quantias pagas como direitos de imagem fossem consideradas parte do salário. Cabe recurso em todas as solicitações.

No ponto mais inusitado da ação, Luiz Eduardo sustenta que teve a carreira atrapalhada por um grave problema físico do qual o São Paulo seria responsável. Relatório de perito indicado pela Justiça, no entanto, apontou que a origem da moléstia “decorre de alterações anatômicas (estruturais/congênitas) no joelho esquerdo” e que a atividade de atleta atuou como desencadeante do problema para o qual havia predisposição congênita.

Em resposta a questionamento feito pela Justiça, o perito também afirmou que o São Paulo não poderia ter realizado nenhum tipo de prevenção que evitaria o desencadeamento da doença. Ou seja, foi afastada a possibilidade de culpa do clube.

O juiz substituto Thomaz Moreira Werneck também entendeu que a agremiação cumpriu sua obrigação legal de contratar seguro para cobrir eventuais prejuízos do jogador com problemas físicos como o relatado pelo zagueiro, mas que cabia ao atleta acionar a seguradora, o que não foi feito.

Além de ter todos os seus pedidos negados, Luiz Eduardo foi condenado a pagar R$ 3.000 referentes ao trabalho do perito no caso, custas processuais de R$ 4.000 e honorários advocatícios relativos à defesa do São Paulo estipulados em 5% do valor da causa.

Prefeitura aciona Corinthians na Justiça para cobrar R$ 28,4 mi em IPTU

Leia o post original por Perrone

No último dia 27 a Prefeitura de São Paulo entrou com uma ação de execução fiscal contra o Corinthians para cobrar R$ 28.469.607,32 referentes ao IPTU (Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana), com correções, que entende serem devidos pelo clube. Na quarta (4) decisão da Justiça determinou a citação do Corinthians para pagar o débito em cinco dias ou oferecer bens para penhora. O alvinegro tem trinta dias para apresentar embargos, contestando a cobrança.

Na conta, os advogados da prefeitura colocaram valores relativos ao IPTU entre 2014 e 2018. De acordo com o processo, a cobrança está ligada a imóvel na Avenida Condessa E. de Robiano, onde fica o Parque São Jorge.

Procurado, o departamento de comunicação do alvinegro enviou a seguinte nota ao blog: “O Sport Club Corinthians Paulista informa que não foi citado. No entanto, a tempo e modo apresentará sua defesa”.

A prefeitura tem cobrado impostos que julga devidos de uma série de clubes paulistanos. As agremiações estão isentas de pagamento do IPTU. Porém, precisam pedir a isenção anualmente. Só que o município não a concede aos que têm seu nome no Cadin (Cadastro Informativo Municipal), que registra dívidas não pagas com a prefeitura, como as relacionadas a impostos e multas.

Ou seja, nos anos em que cobra o IPTU do Corinthians, a prefeitura considera não ter concedido a isenção por conta da inscrição no Cadin. O blog apurou que o clube contesta pelo menos parte do valor executado. Entre as queixas há a reclamação de que o Corinthians ainda estaria contestando administrativamente a cobrança de imposto relativo a pelo menos dois desses exercícios. Por isso, no entendimento do clube, não poderia haver a execução.

A Lei 14.094, de 2005, determina que, entre outras sanções, que quem tiver seu nome registrado no Cadin não pode receber da prefeitura concessões de auxílios, subvenções, incentivos fiscais e financeiros. Há uma corrente entre advogados de clubes paulistanos, incluindo corintianos, que sustenta que a isenção de IPTU não se encaixa nessas condições. Essa não é a primeira cobrança desse tipo do município em relação ao Corinthians.

Preso, Marin já se desfez de mais de R$ 40 milhões em imóveis

Leia o post original por Perrone

Condomínio em que fica apartamento vendido por Marin em dezembro do ano passado Imagem: Ricardo Perrone/UOL

Obrigado a pagar despesas processuais, multa e indenizações, José Maria Marin já se desfez de pelo menos quatro imóveis vendidos por R$ 40.350.000, no total, desde que foi preso em maio de 2015. Na contramão das vendas, foi feita pela mulher dele a compra de um apartamento, mais modesto do que os vendidos, e que deve ser provavelmente a nova residência dela. Os dados estão em registros em cartórios obtidos pelo blog.

Advogados de Marin no Brasil confirmaram ao blog que ele vendeu propriedades, incluindo sua residência, para pagar fiança, despesas enquanto estava em regime de prisão domiciliar nos Estados Unidos, honorários advocatícios e outras despesas relacionadas ao caso. Lembram que o dirigente deixou de receber salário ao sair da CBF. Porém, afirmam que o valor de aproximadamente R$ 40 milhões não é o montante líquido recebido por ele. Isso porque parte dos pagamentos teria sido feita em imóveis que, por questões burocráticas, ainda não aparecem no nome dele.

A venda mais recente e pela maior quantia aconteceu no dia 3 de dezembro do ano passado. O ex-presidente da CBF e sua esposa, Neuza Augusta Barroso Marin, negociaram por R$ 18.100.000 uma casa na Rua Colômbia, no nobre bairro paulistano do Jardim América. A Empage Construções e Empreendimentos pagou pela propriedade menos do que o valor venal de referência usado pela prefeitura para cobrança de impostos e que foi estipulado em R$ 24.344.024.

O negócio foi fechado menos de duas semanas depois de o ex-cartola ser condenado nos Estados Unidos a devolver sozinho cerca de R$ 500 mil para Fifa e Conmebol. A quantia é referente a salários e benefícios que o brasileiro, acusado de crimes relacionados à corrupção, recebeu das duas entidades. A Justiça norte-americana também determinou na mesma data que ele dividisse com outros dirigentes uma restituição equivalente a R$ 7,8 milhões para Fifa e Conmebol.

A propriedade negociada em dezembro já estava alugada para fins comerciais e havia sido comprada pelo também ex-presidente do Comitê Organizador da Copa de 2014 em 3 de março de 1983.

Em agosto do ano passado, Marin e sua mulher já tinham vendido apartamento em suntuoso condomínio da Rua Padre João Manoel, no bairro paulistano de Cerqueira César. O imóvel foi repassado para a J.L Participações por R$ 7.600.000. Nesse caso, o martelo foi batido por um preço superior ao valor venal de referência atribuído pela prefeitura que é de R$ 6.260.004. O apartamento com 609,10 metros quadrados e cinco vagas na garagem foi registrado em recente transação imobiliária como residência de Neusa Marin. A propriedade fora comprada em 3 de janeiro de 1990.

No mesmo  mês da venda, o ex-dirigente foi condenado pela justiça dos Estados Unidos a pagar uma multa de US$ 1,2 milhão (aproximadamente R$ 4,5 milhões pelo câmbio atual).

A JMN Participações, criada pelo ex-cartola e que agora tem como sócios apenas Neusa e Marcus Vinícius, filho do casal, vendeu outra propriedade numa região luxuosa de São Paulo em 16 de fevereiro de 2017. Na ocasião, foi comercializada uma mansão no número 105 da Avenida Europa por R$ 11.550.000. A quantia arrecadada com a venda não chega à metade dos R$ 24.945.754 estabelecidos como valor venal de referência pela prefeitura. O montante também é inferior aos R$ 13.500.000 pagos pela empresa dos Marin pela casa instalada em um terreno de aproximadamente 2.600 metros quadrados. O documento de promessa de compra e venda foi assinado em 16 de abril de 2014, pouco antes da Copa do Mundo do Brasil. Já a transferência do imóvel para a empresa da família do ex-presidente da CBF foi feita em março do ano seguinte.

De acordo com registro do imóvel, a Meta Administradora de Bens, que comprou a casa, pretende erguer no terreno um prédio de dois andares com 20 salas comerciais.

A primeira das propriedades vendidas por Marin após sua prisão, em maio de 2015, na Suíça, foi uma cobertura duplex no Condomínio Les Saint Tropez na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.  A JMN vendeu o suntuoso imóvel em 20 de abril de 2016 por R$ 3.100.000 para Benny Binhas Kubudi. O valor atribuído pela prefeitura do Rio ao imóvel para o cálculo de emolumentos é de R$ 4.302.704.

A empresa da família Marin havia assinado um documento de compra e venda em 28 de maio de 2014 para adquirir o imóvel por R$ 1.600,00 de Lilian Cristina Martins Maia. A propriedade no entanto, só foi transferida para empresa um dia antes da venda para Benny. Além de Marin, na mesma época, Marco Polo Del Nero, ex-presidente da CBF banido pela Fifa, também adquiriu imóvel no condomínio.

Atualmente, Marin cumpre pena de quatro anos de prisão nos Estados Unidos por ter sido condenado pelos crimes de conspiração para organização criminosa, lavagem de dinheiro e fraude financeira. Ele se diz inocente.

Compra

Ainda de acordo com registros de imóveis obtidos pelo blog, a mulher de Marin deve sofrer uma queda em seu padrão residencial no Brasil. Em 24 de julho do ano passado, Neusa Marin adquiriu por R$ 1.535.000, apartamento localizado no bairro de Cerqueira César. A propriedade tem valor venal de referência estipulado pela prefeitura de R$ 1.359.798. O apartamento tem 148,10 metros quadrados de área privativa e fica num condomínio mais simples do que o local da propriedade  declarada como residência de Neusa numa das operações de venda e que tem 509,10 metros quadrados de área útil.

No edifício em que fica o apartamento comprado em 2018, um funcionário informou a este blogueiro que o imóvel está sendo reformado e que a mulher de Marin só vai se mudar depois de a obra ser finalizada. Os registros mostram também a transferência para Neusa de três vagas na garagem vinculadas à propriedade pelo valor de R$ 105 mil cada uma. O blog não conseguiu localizar a mulher de Marin para falar sobre as negociações.

Corinthians e empresa fazem acordo para encerrar briga por loja no clube

Leia o post original por Perrone

Após mais de três anos de disputa na Justiça, o Corinthians entrou em acordo com a empresa que explora a loja oficial do clube no Parque São Jorge, sua sede.

De acordo com o departamento de comunicação corintiano, ficou acertada a renovação do contrato para exploração do espaço por cinco anos, além da retirada de todos os processos.

A assessoria de imprensa, da Mmbf Artigos Esportivos, operadora da loja, confirmou o trato, mas disse que não poderia revelar detalhes.

Em março de 2015, a empresa foi à Justiça para pleitear a renovação automática do contrato de aluguel da loja. O clube sustentava que o acordo era de comodato, não de locação. Pelo menos mais um processo havia sido movido contra o alvinegro. Na última terça (4), um deles teve a homologação do acordo publicada no site do Tribunal de Justiça de São Paulo.

A Mmbf chegou a obter vitória em segunda instância em fevereiro de 2016 no sentido de obter a renovação do aluguel.

Durante o período de conflito, funcionários e representantes da loja reclamavam que não recebiam produtos oficiais para serem vendidos. Vários protestos foram feitos.

Leia também:

Corinthians prevê gastar até fim de 2018 R$ 107,1 mi a mais do que calculou

Após 5 mi extras, Arena Corinthians vende R$ 50 mi no ano em Cids 

Justiça nega pedido de Leila para receber indenização de vices do Palmeiras

Leia o post original por Perrone

Decisão da 43ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo considerou improcedente ação na qual Leila Pereira pedia indenização por danos morais no valor de R$ 300 mil dos três vice-presidentes do Palmeiras que assinaram nota de repúdio contra entrevista dada por ela ao Blog do Ohata. O pedido era para que cada um pagasse R$ 100 mil.

A dona da Crefisa e do Centro Universitário das Américas, ao lado de seu marido, José Roberto Lamacchia, e conselheira do clube, ainda pode recorrer já que a sentença, assinada no último dia 23, foi dada em primeira instância.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Leila afirmou ao blog que irá recorrer.

Os vices Genaro Marino Neto, Victor Fruges e José Carlos Tomaselli emitiram nota de repúdio após Leila indicar na entrevista que não renovaria contrato de patrocínio com o alviverde caso uma “pessoa inimiga” vencesse a eleição presidencial no clube.

A empresária entendeu que sua honra foi atacada nas críticas feitas pelo trio no documento. No entanto, o juiz Miguel Ferrari Júnior avaliou que os vices não cometeram crime. Segundo ele, o trio usou expressões fortes para demonstrar contrariedade com as declarações de Leila, mas sem atacar sua honra.

Os advogados da empresária citaram na ação afirmações feitas pelos cartolas, como sobre ela supostamente coagir e fazer chantagem com os sócios (eleitores) e usar “o revólver do poder econômico” com o objetivo de conquistar votos para a reeleição de Maurício Galiotte. O atual presidente acabou derrotando Genaro na eleição.

“Com efeito, muito embora os réus (vices) tenham utilizado verbos que são empregados em vários tipos penais, no contexto da nota de repúdio divisa-se que eles não tiveram a intenção de imputar à autora (Leila) a prática de qualquer ilícito penal”, escreveu o juiz em sua sentença.

Em outro trecho, ele diz que se mostrou legítima a “insurgência dos réus, que expuseram o seu posicionamento político de franca oposição aos interesses – ainda que legítimos – defendidos pela autora”.

Como de praxe nesses casos, a empresária foi condenada a pagar as despesas processuais e honorários aos advogados dos vencedores fixados em 10% do valor atualizado da causa.

 

Diretor da DIS ironiza estafe de Neymar: ‘feliz com chance de pena maior?’

Leia o post original por Perrone

A mais recente decisão da Justiça espanhola sobre Neymar deflagrou nos bastidores uma espécie de disputa entre os estafes do jogador e da DIS, empresa que detinha 40% dos direitos econômicos do jogador, para ver quem demonstra mais otimismo em relação ao desfecho da batalha judicial.

Ao UOL Esporte, a equipe do jogador afirmou ter sido bom para o atleta o juiz responsável pelo caso se julgar incompetente para julgá-lo e determinar que um tribunal formado por três juízes faça o julgamento.

Em contato com o blog, Roberto Moreno, diretor da DIS, ironizou a visão otimista de Altamiro Bezerra, diretor financeiro do Instituto Neymar Júnior.

“Não quero cutucar ninguém, mas é uma incoerência ele (Altamiro) dizer que ficou feliz com a decisão. A promotoria tinha pedido dois anos de prisão, agora o juiz calcula que a pena pode chegar a seis anos. Quem fica feliz ao saber que uma pena pode passar de dois para seis anos?”, afirmou o executivo da DIS.

Ele se refere ao fato de, inicialmente, a promotoria ter pedido a condenação de Neymar por dois anos, além de multa, por suposta irregularidade na transferência do Santos para o Barcelona em 2013.

Agora, o juiz José Maria Vázquez Honrubia entendeu que a pena pode chegar a seis anos de prisão e ele só pode julgar casos com previsão máxima de condenação por cinco anos. Por isso, o juiz se considerou incompetente para julgar o caso.

“Você já viu alguém comemorar porque pode pegar uma pena maior do que antes? Não faz sentido”, afirmou Moreno, ainda sobre a reação do estafe de Neymar.

O caso envolve também os pais de Neymar, o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rossell, atualmente preso por outras acusações, o atual principal mandatário do clube, Josep Maria Bartolomeu, e Odílio Rodrigues, que presidiu o Santos, além dos dois clubes.

A declaração rebatida por Moreno foi a seguinte demonstração de confiança dada por Bezerra ao UOL Esporte: “a notícia é boa para nós porque já é o segundo juiz que se considera incompetente para julgar o pedido da DIS. Isso enfraquece o pedido. Agora o juiz alegou incompetência  porque ele só cuida de casos com pedido de prisão até cinco anos. Eles pediram seis. Outro ponto favorável para nós é que a Justiça, na Espanha e no Brasil, já entendeu os valores recebidos pelo Neymar como sendo salário”.

As duas partes também esbanjam otimismo em relação ao pedido de condenação. Para a DIS, as provas contra Neymar são absolutas, e o fato de Honrubia calcular que a pena pode chegar a seis anos seria um indício de que a punição é viável.

Do outro lado do muro, o estafe do jogador do PSG diz ter certeza de que ele não será preso. Primeiro por considerar não existirem provas de que foi cometido crime na transferência dele para o Barça. Para a DIS, houve uma simulação entre os envolvidos para diminuir a quantia que a empresa tinha a receber pelos 40% dos direitos econômicos.

A defesa do astro da seleção brasileira também justifica sua posição otimista com o fato de o jogador ser primário. Pelas leis espanholas, ele só poderá ser preso ser for condenado a mais de cinco anos. O entendimento é de que um réu primário não pegaria pena perto da máxima e teria a condenação transformada em multa.

Mas a hipótese de condenação não é levada em conda pelo estafe do atleta, que sempre alegou inocência.

Em nota, a assessoria de imprensa de Neymar também afirmou que ao se declarar incompetente para julgar o caso, Honrubia, “reforça o pedido que foi negado à defesa”, que “contestava a competência desta corte em julgar o caso. Consequentemente todos pedidos e atos praticados por essa corte tornam-se nulos”.

Completando a demonstração de otimismo, o comunicado afirma que “fica claramente demonstrado que a Espanha não tem jurisdição para julgar a demanda da DIS”.
Oficialmente, Neymar foi vendido pelo Santos por 17,1 milhões de euros. O Barcelona pagou 40 milhões de euros para a N&N, pertencente aos pais do jogador. A empresa entende que essa quantia fazia parte da negociação pelos direitos econômicos. Assim, deveria entrar na conta dos 40% a que ela tinha direito.
Leia também:

 

Sindicato de Mustafá é condenado a pagar mais de R$ 430 mil a ‘sr. Crefisa’

Leia o post original por Perrone

Em primeira instância, a 23ª Vara Cível de São Paulo condenou o sindicato presidido pelo ex-presidente do Palmeiras Mustafá Contursi a pagar R$ 430 mil com correção monetária a José Roberto Lamacchia, dono da Crefisa e da FAM (Faculdade das Américas).

O Sindicato Nacional das Associações de Futebol Profissional e Suas Entidades Estaduais e Ligas terá também que arcar com juros de mora de 1% ao mês a partir de 9 de janeiro deste ano. Cabe recurso.

Patrocinador palmeirense, Lamacchia acionou a Justiça alegando que emprestou R$ 430 mil ao Sindicato do Futebol, como é conhecida a entidade, e que não recebeu o dinheiro de volta ao fazer a cobrança.

Mustafá se defendeu afirmando que havia sido combinada, verbalmente, uma doação. Assim, não haveria dinheiro a ser devolvido. Alegou inexistir contrato de empréstimo.

Em sua decisão, a juíza Cristiane Amor Espin escreveu que “ao contrário do sustentado pelo réu (Mustafá), o mútuo não exige forma solene, mas sim a doação de valor que não seja irrisório, exige instrumento público ou particular”.

A principal prova apresentada por Lamacchia, conselheiro alviverde assim como sua esposa, Leila Pereira, presidente da Crefisa, foi o comprovante de depósito na conta do sindicato.

Outro ex-presidente do Palmeiras já havia sido processado por Lamacchia. Ele foi à Justiça cobrar um empréstimo de R$ 300 mil de Arnaldo Tirone. O ex-dirigente não se defendeu, pagou a quantia com correção e o processo foi extinto.

Juiz dá prazo para CBF exibir ata, e MP não deve conseguir evitar pleito

Leia o post original por Perrone

A Justiça do Rio de Janeiro se manifestou nesta quarta sobre processo no qual o Ministério Público pede o afastamento da atual diretoria da CBF. O juiz Bruno Monteiro Ruliere, do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos, deu cinco dias para a confederação apresentar ata de assembleia que é contestada pelo MP.

A decisão não foi bem recebida pelo Ministério Público, pois dificulta que o órgão consiga evitar a eleição para presidente da confederação marcada para o próximo dia 17. O prazo dado pelo juiz deve contar apenas dias úteis. Além disso, o magistrado ainda precisará de tempo para analisar a ata e tomar sua decisão.

O promotor Rodrigo Terra entrou com a ação no final de julho do ano passado por entender que a assembleia responsável por mudar regras eleitorais da entidade, em 23 de março de 2017,  foi irregular. Isso porque os clubes não foram convocados para ela. A reunião deu peso maior de voto para as federações, praticamente impedindo os times de lançarem um candidato com chances de vitória.

Alegando descumprimento do Estatuto do Torcedor, por haver no entendimento dele transgressão ao princípio da transparência, Terra pediu liminar para afastar a diretoria da CBF até a decisão definitiva da Justiça. Também solicitou a anulação da assembleia, porém nenhuma dessas decisões foi tomada. O juiz alegou que a ata da assembleia contestada não consta dos autos, assim, estipulou prazo para a confederação apresentar o documento.

Depois de a CBF marcar a próxima eleição para 17 de abril, o promotor fez novo pedido para a Justiça. Solicitou que  ao menos fossem suspensas as mudanças estatutárias para que a eleição não acontecesse com regras contestadas. Dessa forma, o prazo dado para a confederação mostrar a ata da assembleia desagradou ao promotor.

“Com essa decisão, a Justiça não vai ter sido capaz de evitar um dano ainda maior, que é a realização de uma eleição com base em um estatuto alterado de maneira irregular. Isso depois de o processo ficar mais de um mês para a conclusão”, declarou Terra ao blog.

A CBF nega ter havido irregularidade na assembleia e afirma que os clubes não foram chamados por se tratar de uma reunião administrativa.

Na semana passada, o blog tentou entrevistar o juiz Ruliere. No entanto, a assessoria de imprensa do órgão afirmou que ele não poderia falar porque o processo estava concluso para análise do pedido de liminar. “Segundo o juiz, a decisão será proferida o mais breve possível, observando, contudo, que a complexidade da matéria e a sensibilidade do tema exigem um tempo maior de análise da questão”, informou a assessoria na ocasião.

O novo presidente da CBF só deve tomar posse em abril do ano que vem, quando começará seu mandato. O estatuto da entidade permite que a eleição ocorra com um ano de antecedência.

Diante do risco de levar uma longa suspensão da Fifa por causa de acusações de envolvimento em atos de corrupção, Marco Polo Del Nero desistiu de se candidatar. Ele está suspenso temporariamente pela Fifa enquanto aguarda a decisão da federação internacional sobre seu futuro. O cartola nega ter praticado crimes.

Del Nero fez uma costura política que assegurou a seu homem de confiança, Rogério Caboclo, atual CEO da CBF, ser candidato único do pleito. Não sobraram oito federações, número mínimo de apoios exigido, para o lançamento de uma chapa concorrente. Também é preciso o aval de cinco clubes.

Pelo caminho, ficou Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista e que sonhava em ocupar o posto máximo da confederação.