Arquivo da categoria: Leco

Espera por Cuca incomoda aliados de Leco no São Paulo

Leia o post original por Perrone

Imagem: Marcello Zambrana/ AGIF

A forma encontrada pela cúpula do São Paulo para substituir André Jardine trouxe desgaste político ao presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, dentro da coalizão que apoia sua gestão. O cartola é criticado pela maneira como foram administradas as últimas horas de Jardine e até pelo fato de não ter consultado membros de grupos aliados sobre a decisão de esperar por Cuca. Raí, executivo de futebol, também é alvo dos disparos já que o tema está entre suas atribuições.

O blog ouviu três líderes de alas aliadas que se disseram descontentes. Mais dois conselheiros situacionistas afirmaram o mesmo. Um terceiro nome importante de apoio à situação preferiu não se manifestar sobre por participar diretamente da gestão. Todos falaram sob a condição de não terem seus nomes revelados.

As insatisfações começaram quando conselheiros viram Jardine dar entrevista coletiva sozinho após a eliminação na Sul-Americana diante do Talleres, sem as presenças de Raí e Leco. O sentimento é de que o técnico foi abandonado naquele momento.

Um dos principais motivos de incômodo é o fato de Leco e Raí terem aceitado esperar até abril para que Cuca assuma o comando do time efetivamente. Enquanto isso, o coordenador de futebol Vagner Mancini, que no início do ano havia descartado a possibilidade de treinar a equipe, segura a prancheta.

Esses críticos interpretam a opção pela espera como sinal de desespero por parte da direção e, para parte deles, até de amadorismo. Alguns pretendem questionar Leco sobre qual é o plano para o caso de o treinador interino sofrer uma série de derrotas e para a hipótese de Cuca ter problemas médicos e ficar sem condições de assumir integralmente o cargo em abril. Existem também questionamentos sobre o que fazer com Mancini se ele fizer o time deslanchar, apesar de o interino dizer não ter interesse em continuar no cargo.

Entre os apoiadores de Leco há também os que ficaram magoados por não terem sido ouvidos pelo presidente antes de a opção por contratar Cuca e esperá-lo ser tomada. Uma das ideias era sugerir que o clube tentasse a volta do colombiano Juan Carlos Osorio. Outra sugestão seria deixar Mancini assumir e costurar com o futuro treinador uma preferência ao São Paulo para quando ele estivesse apto a trabalhar. Cuca é muito bem avaliado pelos aliados do presidente, que só não concordam com a condição de aguardar sua liberação médica.

Vale lembrar que o presidente são-paulino não tem estatutariamente a obrigação de consultar conselheiros ou outros poderes do clube para fechar as contratações de técnicos ou jogadores. Quem defende o dirigente diz que ele e Raí mergulharam em reuniões para definir o futuro da equipe praticamente desde o final do jogo com o Talleres, na última quarta (13), até a amanhã seguinte. Ou seja, não tiveram tempo de ouvir a base aliada sobre o assunto. A intenção era fechar a negociação rapidamente para não deixar o time sem rumo. O anúncio foi feito no final da manhã de quinta (14).

Apesar do descontentamento, os queixosos não falam em retirar o apoio a Leco. Porém, ao menos uma ala pretende dizer ao dirigente que episódios como esse tornam difícil manter a unidade dessa base de sustentação. Como mostrou o blog, recentemente o presidente tricolor aumentou sua força política se aproximando de antigos opositores.

O blog tentou falar com Leco por meio da assessoria de imprensa do clube, mas não obteve sucesso.

 

Cuca é a melhor solução para tempos de instabilidade

Leia o post original por Craque Neto

Após o vexame da eliminação na Libertadores o São Paulo agiu rápido e já anunciou seu novo treinador. Trata-se do Cuca, que volta ao clube após 15 anos. Isso mesmo! Em 2004 foi ele que montou a base da equipe que no ano seguinte conquistaria a Libertadores e o Mundial de Clubes. Ele é um profissional sério, que trabalha muito forte os conceitos táticos e que não gosta de jogador migué e encrenqueiro. Tenho a convicção que para esse período de instabilidade ele será a melhor solução para acertar o vestiário do Tricolor. Agora não pense o Leco – e […]

O post Cuca é a melhor solução para tempos de instabilidade apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Além do ‘Aeroleco’: ‘ex-crítico’ da gestão assume departamento no São Paulo

Leia o post original por Perrone

Após se caracterizar por fazer duras críticas à administração de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, Antônio Donizeti Gonçalves, o Dedé, aceitou convite para assumir cargo na atual diretoria. A escolha dele para ser o primeiro a dirigir o novo Departamento de Esportes Sociais (DES) coroa a aproximação do presidente com uma das alas que mais faziam oposição a ele.

Os detalhes para Dedé assumir o posto sem remuneração foram fechados pouco depois de a presença de oposicionistas como José Eduardo Mesquita Pimenta e Douglas Schwartzmann no voo da delegação tricolor para a Argentina, chamado no clube de “Aeroleco”, na semana passada, agitar os bastidores do Conselho Deliberativo são-paulino. Eles são alinhados com Donizeti, que não viajou para acompanhar a partida com o Talleres pela Libertadores. No mesmo grupo de ex-opositores que se aproximaram do presidente está Dorival Decaussou, pai do ex-jogador e agora comentarista Caio Ribeiro.

Tanto a cúpula tricolor quanto os antigos críticos rechaçam o rótulo de costura política para definir a movimentação, mas não negam que, em tese, Leco abre vantagem confortável no conselho. A projeção menos otimista é de 36 novos conselheiros dispostos a compor com a situação em futuras votações no órgão. Ao mesmo tempo, a nova composição não é bem vista por parte da oposição mais radical e até por alguns integrantes da situação.

Entre os que trocaram os disparos contra a diretoria pelo diálogo, o mantra é de que não há interesse político no posicionamento adotado, mas defesa dos interesses do clube. O discurso é de apoio às ideias de Leco que considerarem boas para o São Paulo e de continuar criticando o que acreditarem ser ruim. Do lado do presidente, o argumento é de que ele apenas age de maneira civilizada com quem o trata com respeito. Interesse político na nomeação de Dedé também é rechaçado. A justificativa é que havia necessidade de mais um dirigente na área social e que foi escolhido alguém com experiência. Donizete já foi vice-presidente da área.

O blog não conseguiu falar com Leco sobre o assunto, nem por meio de sua assessoria de imprensa, que apenas confirmou a nomeação de Dedé. Seu departamento cuidará de  19 modalidades. Judô, atletismo, natação e futsal estão entre elas.

Dedé também não credita a nomeação à política. Afirma que por ter atuado na área durante anos sua volta era pedida por muitos associados. “Eu e nosso grupo nunca fomos oposição ou situação. Somos pelo que é bom para o São Paulo. Vamos continuar criticando o Leco quando entendermos que adotou medidas que não são boas e apoiando quando elas forem positivas”, declarou o dirigente. “Dialogando com o presidente, temos mais chances de sermos ouvidos por ele e ajudarmos o clube”, completou Dedé.

A costura

Sua aproximação em relação a Leco começou antes da reeleição do cartola. Os dois conversaram sobre desavenças do passado, Dedé disse que não o apoiaria mas se comprometeu a evitar  bombardear o cartola em suas colocações públicas voltadas para sócios e conselheiros. A costura também passou por conversas de Leco com Douglas Schwartzmann, vice de marketing e comunicação durante a gestão de Carlos Miguel Aidar e apoiador de Pimenta na última disputa presidencial.

Integrantes da nova composição entendem que Pimenta, ex-presidente do clube, deve ter a sua imagem usada institucionalmente pelo São Paulo, por isso defendiam a presença dele na comitiva que foi para a Argentina. Já no entorno de Leco a explicação é de que como atual membro do Conselho de Administração é natural que o dirigente tenha sido convidado para  integrar a delegação. O argumento é de que é importante os membros do órgão acompanharem de perto momentos importantes do clube para fazerem suas análises.

Um dos pontos importantes da costura política aconteceu quando o grupo de ex-opositores e Leco se alinharam para a eleição de conselheiros vitalícios em agosto do ano passado. Em novembro, a aliança também foi importante na votação na qual o conselho aprovou o veto a conselheiros, mesmo licenciados, em cargos remunerados. Essa era uma exigência da oposição. Mas, o diálogo de Leco com o grupo de ex-críticos contribuiu para a medida ser aprovada com validade a partir de abril de 2020. Assim, os conselheiros escolhidos pelo atual presidente para cargos remunerados não foram afetados imediatamente. No quarto mês do próximo ano, eles precisam se desligar definitivamente do conselho se permanecerem como executivos. De acordo com o estatuto, porém, alterações estatutárias precisam ser votadas pelos sócios.

Teste para o novo alinhamento entre o presidente e seus ex-críticos é o futuro de André Jardine. No grupo que se aproximou de Leco há severos críticos ao desempenho do treinador. Uma eventual queda na Libertadores contra o Talleres, na próxima quarta, antes da fase de grupos, pode fazer com que eles pressionem pela demissão do técnico.

Rejeição

Internamente, parte dos aliados de Leco demonstra não gostar de ter por perto conselheiros que atuaram como dirigentes na gestão de Carlos Miguel Aidar. O ex-presidente renunciou em meio a uma série de denúncias. Para esses críticos, a atual diretoria deveria manter distância desse grupo.

Ao mesmo tempo, há setores da oposição que não enxergam como necessária uma aproximação com Leco. “Eu entendo (o movimento de ex-críticos), mas não acho que seja necessário. Nem sempre essas alianças são refletidas nas votações do conselho. Muita coisa acaba mudando e falta muito tempo para a próxima eleição para presidente (prevista para dezembro de 2020)”, disse Marcelinho Portugal Gouvêa. Filho do ex-presidente são paulino apelidado de MPG, ele integra o grupo opositor Nova Força. “Nós vamos continuar apoiando o que for a favor da profissionalização do São Paulo e combatendo o que for contra”, afirmou ele.

 

 

 

Isso que dá manter um JUVENIL pra consertar a várzea!

Leia o post original por Craque Neto

O improvável aconteceu! O São Paulo foi para a Argentina e voltou na bagagem com uma derrota VERGONHOSA por 2 a 0 para o fraco time do Talleres. Posso falar? Piada! Os hermanos tinham o Guiñazu com 40 anos como volante e mesmo assim o Tricolor levou um baile. Fraco demais! Agora a equipe do Morumbi precisa vencer por 3 a 0 no Brasil para passar de fase. Dá pra acreditar? A única solução, pra começar – talvez seja a troca de técnico. Sinceramente não dá pra entender o Raí, que é um cara conhecedor de futebol, manter o André […]

O post Isso que dá manter um JUVENIL pra consertar a várzea! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

‘AeroLECO’ chama a atenção do Tricolor na Argentina

Leia o post original por Craque Neto

Quando analisamos a longa fila sem títulos expressivos que o São Paulo se encontra, nunca foi coincidência. Bastou o Sr. Carlos Augusto de Barros e Silva, o popular Leco, assumir a presidência do clube para a maionese desandar de vez. Antes reconhecido como exemplo de planejamento e organização, o clube do Morumbi virou uma verdadeira bagunça. O que mais se vê são negociações milionárias fracassadas e conflitos internos no elenco. A surpreendente novidade da vez foi o fato de que o Sr. Leco levou para a Argentina, para a estreia do São Paulo na pré-Libertadores, nada mais, nada menos do […]

O post 'AeroLECO' chama a atenção do Tricolor na Argentina apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Leco: o DESTRUIDOR de ídolos

Leia o post original por Craque Neto

Apesar da quinta colocação e a praticamente assegurada vaga na Pré-Libertadores, o ídolo Raí, atual diretor de futebol do São Paulo, chamou a responsabilidade pra si e anunciou a demissão do técnico Diego Aguirre. A atitude foi bem contestada pelo outro ‘dirigente-ídolo’, o uruguaio Lugano. Mas a verdade – pelo menos na minha opinião – é que o ex-camisa 10 acertou na decisão. Estava ficando cada vez evidente que o comandante tinha perdido o controle do vestiário. Tinha perdido inclusive a queda de braço com o atacante Nenê. E o que mais me incomoda nessa história toda é a apatia […]

O post Leco: o DESTRUIDOR de ídolos apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Tricolor mantém sonho de técnico para 2019

Leia o post original por Craque Neto

Nada de Rogério Ceni, como muito são-paulino vem sonhando após o ídolo conquistar a Série B no comando do Fortaleza. O possível novo técnico do Tricolor para 2019 é mesmo Abel Braga. Pelo menos esse é o nome preferido do diretor de futebol Raí, notícia inclusive adiantada na última semana pelo comentarista Velloso durante o ‘Os Donos da Bola’ da Band. O dirigente já teria inclusive entrado em contato com o treinador, que está fora em um período sabático, como os caras gostam de dizer. A verdade é que o Raí pessoalmente quis desligar o uruguaio Aguirre na semana passada. […]

O post Tricolor mantém sonho de técnico para 2019 apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Dura em Cueva com laptop e Nenê cobrado: os bastidores da guinada do SPFC

Leia o post original por Perrone

Começo da era Raí como executivo de futebol do São Paulo. Dia de treino no CT da Barra Funda. Cueva, novamente, chega atrasado. O peruano é chamado para conversar com o dirigente, ao lado de Ricardo Rocha, coordenador de futebol. No lugar de uma bronca tradicional, ele vê o chefe abrir seu notebook e mostrar o novo estatuto do clube. “Eu disse: ‘você não pode chegar atrasado porque eu vou te multar. É porque é nisso (estatuto voltado para a profissionalização da agremiação) que eu acredito”, disse Raí em entrevista ao blog.

“Cueva falou que acreditava no mesmo quando chegou ao São Paulo, mas que as coisas não estavam acontecendo. Respondi que agora iriam acontecer. Depois disso, ele teve mais um tropeço. Em seguida, ficou um bom tempo sem problemas”, completou o campeão mundial de 92.

O jogador da seleção peruana virou figura fácil no banco de reservas tricolor e acabou vendido para o Krasnodar, da Rússia. Nesse momento, no São Paulo já não se falava em dependência em relação a Cueva.

Essa história, impulsionada pelo laptop de Raí, é uma das que ajudam a contar a transformação do time que brigou em 2017 para não ser rebaixado no Brasileirão na equipe que agora disputa o título nacional e neste momento ocupa a liderança do campeonato.

A seguir, conheça mais lances dessa metamorfose, como uma cobrança a Nenê no vestiário e um papo reto com Diego Souza, até então em baixa.

Projeto

Como convencer jogadores a se mudar para um clube que lutara contra o rebaixamento na Série A durante a temporada anterior e estava sendo corroído por uma guerra política. Da mesma forma como fizera com Cueva, Raí usou a reforma estatutária são-paulina para seduzir os pretendidos.

“Tento vender um projeto, não uma coisa a curto prazo. Junto com isso, a questão da ambição, voltar a ser um clube vencedor, referência, o pioneirismo”, contou o dirigente remunerado.

O estatuto, que prevê a troca de diretores amadores por profissionais, também foi mostrado aos atletas na apresentação de Raí ao grupo. Na ocasião, ele apontou as metas de transformação que o São Paulo pretendia atingir.

Apesar de para Raí a alteração no estatuto ser ponto fundamental na recuperação do clube, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, foi duramente criticado pela oposição por nomear conselheiros para parte dos cargos profissionais. A prática sugeria que nem tudo mudaria.

Sobrevida de Dorival no Morumbi

Torcida, conselheiros e parte da diretoria não suportavam mais Dorival Júnior como treinador. Ao mesmo tempo, a direção ainda sangrava por conta da demissão de Rogério Ceni com apenas cerca de sete meses de trabalho. Demitir Dorival no meio do trabalho não ajudaria a revigorar a desbotada imagem do clube. Esse era um dos fatores que faziam Raí insistir na manutenção.

Enquanto a fritura do treinador aumentava, Lugano sugeria a contratação de Diego Aguirre. O blog apurou que ele foi avisado nesse período de que poderia assumir a equipe. Assim, já começou a observar os jogos do São Paulo.

Dorival não resistiu por muito mais tempo. Porém, Raí acredita que a demora para tomar a decisão ajudou a fortalecer a confiança dos jogadores no trabalho da nova diretoria de futebol.

“Isso tem reflexo, os atletas perceberam que fomos até onde deu, viram a minha coerência com o Dorival em relação ao que falei para eles quando cheguei”, disse Raí.

Bancando a contratação de Aguirre

Existe uma avaliação no São Paulo de que boa parte da reconstrução da equipe passa pelo fato de Raí ter envergadura para bancar suas decisões diante de críticos supostamente constrangidos em peitar um ídolo do clube.

No caso da escolha por Aguirre para o comando do time, a palavra de Raí pesou mais do que as desconfianças que assombravam o Morumbi.

“Não era um nome no qual eu pensava, mas o Lugano sugeriu, a gente conversou e quando fechamos eu falei: ‘assino embaixo’. Aguirre não era uma unanimidade, mas acho que quando eu falei que assinava embaixo quebrei resistências para a contratação dele”, declarou Raí.

Nenê cobrado no vestiário

Mineirão, 19 minutos do segundo tempo. O São Paulo está fazendo 1 a 0 no Cruzeiro. Nenê é substituído por Bruno Peres e sai demonstrando sua irritação com Aguirre. Raí espera o final da partida, vencida pelos paulistas por 2 a 0, e aborda o veterano jogador no vestiário para uma conversa direta.

Conforme apurou o blog, o dirigente disse ao jogador que o ambiente estava ótimo no time e, logo ele, um dos mais experientes, ameaçava a harmonia com sua atitude.

Raí confirmou ter conversado com Nenê depois do jogo, mas não esmiuçou como foi o papo. “São coisas que acontecem no futebol e a gente tem que tentar resolver. O Ricardo (Rocha) conversou com o Nenê, o Lugano conversou, eu conversei. Ele entendeu que foi meio espontânea a reação, digo de deixar escapar a emoção sem pensar no contexto geral. Depois do vestiário, também tivemos uma reunião, nós três, com ele no CT”, contou o diretor executivo.

O fico de Diego Souza

O Vasco tinha interesse em contratar Diego Souza. Aguirre não demonstrava ter grandes planos para o jogador. Parte dos conselheiros e da diretoria entendiam que o atleta não mostrava vontade de ficar e sua saída seria melhor para todas as partes.

Raí, então, chamou Diego para uma conversa inicial. Depois, marcou uma reunião com ele e Aguirre juntos. O trio acertou os ponteiros e a permanência do atleta foi definida. “Acho que pesou o fato de tudo ter sido conversado abertamente. A gente queria sentir a confiança dele e ele queria sentir a nossa confiança. Queríamos escutar o que ele estava querendo. E o Diego queria ouvir o que a gente esperava dele. Ele diz que o Aguirre sempre foi direto, desde o início. Independentemente de estar confiando nele, foi sincero”, afirmou Raí.

De lá para cá, Diego encontrou seu espaço no time, virou um dos mais importantes jogadores da equipe.

Reuniões contra queda de rendimento

Apesar de seguir na liderança, o São Paulo só venceu um de seus últimos cinco jogos no Brasileirão. Foi contra o Bahia, por 1 a 0, no Morumbi. No mais foram três empates e uma derrota. O momento preocupa a diretoria.

Para reverter a situação, Raí fez nos últimos dias reuniões com alguns dos jogadores sobre o tema. “Às vezes, mesmo em momentos em que está tudo bem, faço intervenções. Acho que é natural do campeonato (o líder enfrentar dificuldades como as atuais). Mas ela não pode se alongar. Temos que brigar em cima até o final”, disse o diretor.

Cada um na sua

Entre cartolas do São Paulo, a atuação do trio formado por Raí, Ricardo Rocha e Lugano é considerada fundamental para a recuperação tricolor. Os três se encaixam no perfil de profissionalização pregado pelo novo estatuto. Apesar de se reunirem com frequência, eles têm funções diferentes.

Lugano, mesmo na cadeira de superintendente de relações institucionais, é próximo ao departamento de futebol. Tem bom relacionamento com Aguirre e jogadores. Costuma dar sugestões para Raí.

Ricardo Rocha é quem discute tática e outros problemas do time com o treinador. Quando chegou, dava muitas entrevistas, o que gerou desconforto internamente. Foi orientado a conversar mais com jogadores e comissão técnica, e menos com a imprensa, já que a ideia do clube era ter Raí como “a cara do São Paulo”, não o ex-zagueiro. Ele adotou a postura sugerida e hoje é visto como uma forte voz no vestiário.

Raí coordena as diversas áreas no CT, faz o elo com a diretoria no Morumbi, recebe informações de Ricardo Rocha e faz atuações pontuais junto ao elenco. Ele também montou um comitê com líderes de cada departamento no centro de treinamento para discutir problemas e soluções. Das reuniões periódicas, entre os membros da comissão técnica, só participam funcionários fixos do clube. Os profissionais que chegaram com Aguirre não fazem parte dos encontros.

Entre os jogadores, Diego Souza é quem mais debate os temas do time com o treinador. Os holofotes foram deixados para Nenê, que normalmente dá mais entrevistas do que o colega. Já Aguirre elegeu Diego Souza, Everton e Anderson Martins como seus principais atletas.

Com Bruno Grossi, José Eduardo Martins e Karla Torralba, do UOL, em São Paulo

 

Por que ninguém CONFIA na liderança do Tricolor?

Leia o post original por Craque Neto

O que mais ouço pelas ruas é a pergunta: ‘Neto, quem vai ser o campeão do Brasileirão?’. Poxa vida! O São Paulo do Aguirre já figura entre os primeiros colocados há um bom tempo. Se for analisar friamente é o time que mais liderou a competição até aqui. Mas vamos falar a verdade: nem o torcedor são-paulino está confiando 100% que esse título aconteça. Mas por que será que falta tanta CONFIANÇA? Pra mim essa resposta é óbvia: porque falta elenco. Na minha visão quando o treinador pode escalar os 11 titulares a bola flui naturalmente e as vitórias chegam […]

O post Por que ninguém CONFIA na liderança do Tricolor? apareceu primeiro em Craque Neto 10.