Arquivo da categoria: marciel

Oswaldo vai encontrar “órfãos” de Carille no Corinthians

Leia o post original por Perrone

Em sua volta ao Corinthians, Oswaldo de  Oliveira terá que lidar com parte do elenco que defendia a permanência do interino Fábio Carille. Esse grupo argumenta que o ex-auxiliar de Cristóvão Borges tem potencial para se tornar treinador do clube e que já conhecia o elenco, algo que Oliveira ou outro treinador que chegasse teria pouco tempo para fazer enquanto busca uma vaga na próxima Libertadores.

Marciel, Lucca, Guilherme Arana, Giovanni Augusto e Guilherme estão entre os que aprovavam a continuidade do trabalho de Carille, sem se manifestarem especificamente contra ao nome de Oliveira.

Na última quarta-feira, parte dos atletas que queria ver o interino por mais tempo no cargo reforçou essa posição em conversa com Edu Ferreira depois da vitória por 4 a 2 sobre o Santa Cruz. Eles expuseram ao ex-diretor de futebol a vontade de que todos seguissem juntos até o final do Brasileiro. Isso incluía não só Carille, mas Edu. Os jogadores já sabiam da possibilidade de o diretor entregar o cargo por sua opinião de não contratar Oswaldo não ter sido ouvida.

No mesmo dia, Walter, Balbuena, Pedro Henrique, Guilherme e Giovanni Augusto fizeram manifesto em rede social para defender Carille e Willians, alvos de críticas da torcida. Alguns atletas chegaram a cogitar fazer o mesmo por Edu.

Opinião: venda de Elias escancara fraco planejamento do Corinthians

Leia o post original por Perrone

Em recente entrevista coletiva, Roberto de Andrade, presidente do Corinthians, disse que o planejamento do clube para 2016 foi bem feito. A declaração soou estranha para torcedores corintianos que viram o campeão brasileiro do ano passado se enfraquecer na atual temporada. E ficou mais difícil de engolir a afirmação após a venda de Elias para o Sporting.

Havia muito tempo que os dirigentes corintianos sonhavam em aliviar despesas negociando o volante. Tanto que em 2015 ele só não foi parar no Flamengo porque exigiu que a direção alvinegra assumisse publicamente o desejo de fazer o negócio.

Porém, apesar desse desejo, o Corinthians emprestou duas promessas de suas categorias de base que poderiam hoje substituir Elias. Marciel foi emprestado numa troca por Williams sob a justificativa de que não teria espaço no time principal. Na ocasião, a explicação dada foi que Maycon merecia mais a vaga na equipe de cima do que ele. Só que cerca de um mês antes da venda de Elias, o promissor Maycon foi por empréstimo para a Ponte Preta. Ou seja, em nenhum momento o Corinthians planejou formar em casa um substituto para Elias. Preferiu, antes da saída de Maycon, contratar Camacho, que pode fazer esse papel.

E assim, o alvinegro segue o seu planejamento, o mesmo que não previu a saída de Tite para a seleção, esperada desde 2015. O tempo para transformar um membro da comissão técnica em substituto de Adenor foi desperdiçado da mesma forma que aconteceu em relação ao sucessor de Elias.

Marciel pode virar ‘novo Marquinhos’ no Corinthians?

Leia o post original por Perrone

Em 2012, com o aval de Tite, o Corinthians vendeu o zagueiro Marquinhos para a Roma por 5 milhões de euros. No ano seguinte, o clube italiano repassou o jogador para o PSG por 35 milhões de euros. O Corinthians ficou com uma fatia de 10% na revenda. O caso voltou a ser lembrado no Parque São Jorge com o empréstimo de Marciel para o Cruzeiro, que emprestou Willians ao alvinegro.

Conselheiros oposicionistas e situacionistas temem que o time mineiro exerça a opção de compra ao final do empréstimo do volante e depois revenda o jogador por muito mais dinheiro para a Europa.

“Comercialmente o negócio não foi bom para o Corinthians. Espero que o clube tenha tomado todas as precauções para que a negociação do Marciel não se transforme num novo caso Marquinhos. Fico admirado de o Tite, com a moral que tem no clube, deixar acontecer um negócio desses”, disse o conselheiro Fran Papaiordanou.

Uma das principais promessas da base alvinegra dos últimos anos, Marciel teve 50% de seus direitos adquiridos, depois da Copa São Paulo de 2015, em dez parcelas de R$ 150 mil, após um período de empréstimo gratuito. Na ocasião, o departamento de futebol profissional avaliou que o atleta tinha um potencial acima da média e determinou a compra. Hoje, porém, a avaliação é de que ele não teria espaço no time principal.

Já o Cruzeiro tinha o nome de Marciel numa lista de atletas de outros clubes que interessavam em caso de troca. A diretoria cruzeirense não revela o valor, mas diz que conseguiu colocar no contrato um preço que pode papar pelo volante ao final do empréstimo, em dezembro.

A intenção do time mineiro é contratar jovens jogadores que possam firmar longos contratos com o clube. Ou seja, se for bem, Marciel não deve mais voltar ao Corinthians.

Palmeiras 3 x 3 Corinthians. Jogo de muitos gols, boa arbitragem e muitos erros defensivos

Leia o post original por Quartarollo

tite

Marcelo Oliveira e Tite deram até uma choradinha para não perder o costume quando falaram de arbitragem, mas Raphael Claus, na minha opinião, fez um bom trabalho hoje à tarde, na Arena Palestra Itália.

O árbitro não teve nenhuma interferência no resultado e não teve nenhum erro decisivo.

Palmeiras 3 x 3 Corinthians pode ser colocado entre os melhores jogos dos últimos tempos.

Tivemos emoção, chances de gol para os dois lados, erros e acertos dos dois times e passou rápido demais.

Quando o tempo passa rápido já é um claro sintoma de que o jogo foi bom.

No primeiro gol, o Palmeiras contou com desvio do garoto Guilherme Arana no chute de Lucas, que depois perdeu a disputa de bola para Malcon que serviu ao mesmo Arana que empatou o jogo em 1 x 1.

O segundo gol do Palmeiras foi numa bela cabeçada de Robinho antecipando-se ao bom zagueiro Gil e vencendo Cássio de maneira brilhante.

Talvez tenha sido o único gol do jogo em que houve trabalho de equipe e não foi preciso o adversário falhar feio para tomar a bola chegar as redes.

O gol de empate do Corinthians foi num escanteio batido por Jadson, o garoto Marciel desviou na primeira trave e Amaral todo torto se confundiu com as próprias pernas e fez contra.

O terceiro do Palmeiras foi num erro terrível de marcação no escanteio sobrando para o baixinho Dudu, um metro e sessenta marcar. Não pode tomar um gol desses, mas tomou pelo bem do espetáculo.

Mas o jogo não parou de fabricar erros por aí. O empate corintiano em 3 x 3 veio num levantamento de Jadson em que Felipe cabeceia a bola na cabeça de Vagner Love e ela toma o rumo das redes vencendo Fernando Prass.

Gol de Vagner Love que agora vê a fase mudar. Antes a bola batia nele e ia para fora, agora ela bate e entra.

O Palmeiras buscou mais o jogo e o Corinthians esperou o momento certo para dar o bote.

Tite não gosta quando ouve que seu time joga no erro do adversário como se isso fosse pejorativo, mas não é.

É reconhecimento de um time que sabe marcar sem a bola e sabe jogar com ela.

Fernando Prass fez defesas importantes e Cássio praticamente no apagar das luzes evitou a derrota com uma defesa de nível de Copa do Mundo numa cabeçada de Leandro Almeida.

Com esse empate, o Corinthians completa 15 rodadas sem perder no Brasileiro, mas não vence um clássico paulista há 9 jogos.

O Corinthians lembrou uma manchete de um jornal espanhol: “O time que se nega a perder” e é assim mesmo.

Enquanto houver jogo, o time não para de buscar algumas alternativas para chegar ao gol. É uma equipe difícil de ser batida.

Jadson hoje não fez um grande jogo e o menino Marciel pareceu meio perdido em alguns momentos. Cristian o substituiu e finalmente entrou bem em um jogo dando novo alento ao técnico Tite.

Poderá ser mais utilizado a partir de agora. Se desconfiava que ele continuava sem condições de aguentar um jogo pesado.

O Palmeiras precisa resolver seus problemas. Tem tomado muitos gols bobos e parece não saber se controlar quando está em vantagem no marcador.

O menino Gabriel Jesus é mesmo diferente. Tem tudo para ser um grande jogador, mas precisa de mais alguns talentos do lado dele para se completar.

Isso posto, o clássico valeu pelos grandes momentos históricos dos dois times. Foi um CLÁSSICO maiúsculo.