Arquivo da categoria: mata-mata

A “virada de mesa” não é do Vasco

Leia o post original por Rica Perrone

u fiz um post no meu facebook ha uns 2 ou 3 meses dizendo que havia uma possibilidade de mudança pro futebol brasileiro e que se isso acontecesse os rebaixados de 2015 poderiam não cair, em virtude da criação de uma liga e tal. Alertei na época que isso NÃO ERA uma criação do Vasco, que […]

Aha, uhu, o Maraca é rosa!

Leia o post original por Rica Perrone

Senhores, haja viadagem. E não preciso explicar que a “viadagem” é um termo que remete a frescuras, firulas, não a orientação sexual. Preciso?  Não. E se precisar, foda-se. A “guerra” estimula violência.  O “matador” é um termo ruim pro atacante. A comemoração zoando a torcida adversária gera punição. Abraçando a sua, também. Bandeiras não pode. […]

O show do Galo

Leia o post original por Rica Perrone

É uma parada meio que imperdível, anunciada, sem roteiro, mas com final feliz. O Atlético jogando um mata-mata/decisão tendo pela frente alguma situação de superação é disparado a coisa mais legal que o futebol brasileiro tem proporcionado nos últimos anos. O clichê “Eu acredito!”  é a mais verdadeira e contagiante sensação de um jogo desses. […]

A iminente volta do mata-mata: presidente da Federação Baiana envia à Globo e à CBF proposta para alimentar a discussão sobre o tema. É preciso agir logo, antes que os “pontos morridos” acabem de enterrar o futebol brasileiro!

Leia o post original por Milton Neves

mata

E a cada dia o Brasileirão fica mais próximo de voltar a contar com o único sistema de disputa aceitável no futebol: o mata-mata.

Segunda a coluna “Painel FC”, assinada pelo jornalista Bernardo Itri no jornal Folha de S.Paulo, Ednaldo Rodrigues, presidente da Federação Baiana de Futebol, enviou à Globo e à CBF uma proposta para alimentar a discussão sobre o tema.

Ainda segundo a coluna, Ednaldo sugere que o Brasileirão tenha a participação de 24 equipes, que fariam durante o campeonato 35 jogos: 23 da fase de pontos corridos e 12 da fase mata-mata.

O presidente gremista Romildo Bolzan Jr. tem outra proposta para a volta do mata-mata para o Brasileirão.

Para o cartola tricolor, o campeonato seguiria com turno e returno da fase de pontos corridos, e depois os quatro primeiros colocados disputariam o título.

E eu também tenho a minha proposta para a volta do sistema.

O “meu” seria um mata-mata ampliado.

Sim, sugiro três mata-matas!

Um para a definição do campeão entre os oito primeiros, como no passado.

E outro para os oito piores, que se enfrentariam da mesma forma para sabermos quais os quatro rebaixados.

Além de um terceiro mata-mata para os quatro intermediários rumo à Sul-Americana.

Este “ovo de colombo” inibe a tese dos “contristas” que o mata-mata privilegia os oito melhores, prejudicando os outros 12 que teriam férias enormes e precocemente, gerando prejuízos.

Mas, verdade seja dita: não importa qual fórmula de mata-mata será a adotada para o nosso Brasileirão.

O importante é que seja colocada em prática PARA ONTEM!

Antes que os “pontos morridos” acabem de enterrar o futebol brasileiro.

Opine!

Retrocesso

Leia o post original por Rica Perrone

Chegou a hora. Enfim o Brasil discute mata-mata ou pontos corridos novamente.  A TV, os patrocinadores e alguns clubes são a favor da volta do mata-mata. Em breves pesquisas, a maioria dos torcedores também prefere as finais. Não deve acontecer dessa vez, infelizmente. Inventaram um rótulo tosco chamado “retrocesso” para a mudança de um formato […]

Presidente da Federação Baiana de Futebol está de parabéns! É o primeiro a levar um projeto à CBF para a volta do “mata-mata” no Campeonato Brasileiro

Leia o post original por Milton Neves

Ednaldo Rodrigues

Foto: Ricardo Stuckert/CBF

Foi dado o primeiro passo!

Ednaldo Rodrigues (na foto acima, à direita, ao lado de Marco Polo Del Nero), presidente da Federação Baiana de Futebol, encaminhou nesta semana um projeto à CBF para a volta do “mata-mata” no Campeonato Brasileiro.

Segundo Rodrigues, o caminho agora é levar a ideia à Rede Globo, clubes e outras federações.

Pelo projeto, o campeonato teria dois grupos e se classificariam quatro times de cada.

Na sequência,  os oito primeiros colocados fariam uma decisão, jogando ida e volta nas quartas de final, e avançariam para semifinal e final.

Também aconteceria uma decisão de terceiro lugar para definir quem passaria direto à fase de grupos da Libertadores.

Ótimo também, seria uma disputa “faca nos dentes” entre os últimos oito colocados, um “mata-matinha”, definindo os quatro últimos que seriam rebaixados.

Para Ednaldo Rodrigues, a propalada “justiça” dos pontos corridos, não se aplica aos montantes tão desiguais que os clubes recebem.

“Quando um clube recebe R$ 35 milhões de cota de TV e outro, que disputa a mesma competição, recebe R$ 110 milhões, o argumento da justiça cai por terra”, diz Rodrigues, que vai mais longe, dizendo que o “mata-mata” evitaria os chamados “jogos vazios” das últimas rodadas e a farta distribuição de “malas” nas rodadas finais.

Está certíssimo o presidente da Federação Baiana de Futebol!

Que a ideia tome corpo, provocando um “efeito dominó”, a ponto de um definitivo sepultamento dos intermináveis pontos corridos…

E você?

Concorda com a ideia?

Opine!

O “eixo” prefere os pontos corridos

Leia o post original por Rica Perrone

É mais uma mentira bem contada do futebol. Repete-se tanto em Minas que os pontos corridos diminuem as chances do “eixo RIO SP” “roubar” e manipular os resultados, que por isso o preferem. Pois fui lá ver. Na verdade eu busco argumentos que defendam essa bosta de formato e não encontro. Mas sigo tentando entender […]

Com o Cruzeiro Campeão, na bola e no apito como contra o Criciúma, segue a novela mata-mata. Confira aqui uma outra fórmula mágica do jornalista Tom Moisés!

Leia o post original por Milton Neves

Uma ideia polêmica com a proposta de trazer mais emoção na disputa do Campeonato Brasileiro

Por Tom Moisés

A disputa pelo título de Campeão Brasileiro de futebol, bem como a classificação das equipes para disputar a Taça Libertadores da América envolve interesses dos clubes, Federações Estaduais, patrocinadores, imprensa, e, principalmente, a paixão dos torcedores.

Na disputa pelo título, o sistema de pontos corridos é, sem dúvida, o mais justo, pois valoriza o trabalho das melhores equipes e com o melhor planejamento. Mas este sistema só beneficia times ricos, com maior estrutura, que têm condições de investir em elenco, contratar mais atletas de qualidade, investir em pré-temporada e treinamento. Além disso, faz tempo que o campeonato deixou de ter emoção, pois o melhor time se isola na dianteira da competição, deixando os “endividados” para trás. E isso vem prejudicando o interesse do torcedor e sua presença nos estádios. Grandes times, com grandes torcidas estão ficado pequenos diante deste cenário.

O sistema mata-mata pode parecer injusto, mas, efetivamente é o que traz mais emoção e enche os estádios, pois mesmo um time considerado pequeno ou de qualidade inferior pode, num único jogo ou numa única jogada, finalizar e vencer a partida.

Diante desta infindável discussão e de tantas opiniões divididas, Tom Moisés, jornalista editor do Jornal Popular de Barueri, SP, apresenta uma ideia polêmica, mas que pode agradar a gregos e troianos, bem como mineiros, paulistas, cariocas e torcedores de todo o país.

A proposta de Tom Moisés é que o campeonato brasileiro seja disputado, ano a ano, em sistema alternado. Num ano o campeonato é disputado por pontos corridos. No ano seguinte por mata mata. Em ano ímpar disputa-se o campeonato em pontos corridos e em ano par, a começar em 2016, no sistema mata mata.

Desta forma os gestores, investidores e amantes do futebol irão prestigiar o melhor planejamento, mas também darão chance para os times pequenos e para termos mais emoção no futebol.

Agora é oficial: o Brasileirão dos malditos pontos corridos já não é a principal competição do país! Viva a Copa do Brasil e o mata-mata!

Leia o post original por Milton Neves

Coitadinho do Brasileirão…

Após levar uma boa surra do “mata-mata eleitoral” no quesito interesse popular no último mês, seguirá em segundo plano pelo menos até o dia 26 de novembro, quando Galo e Cruzeiro farão o tão comentado jogo decisivo da Copa do Brasil.

Ou seja, agora podemos dizer que oficialmente o Campeonato Brasileiro não é mais a principal competição do país.

E tudo isso por culpa dos malditos e desinteressantes pontos corridos…

Ora, de que adianta ter um sistema de disputa “justo”, mas que não é capaz de atrair o interesse do público e, consequentemente, investidores?

E a partir de 2015, apostem: que Campeonato Brasileiro, que nada!

Todos ficarão ansiosos mesmo pelo início da Copa do Brasil.

Que o “Brasileirinho” de pontozzzzzzzzz corridozzzzzzzzz descanse em paz.

E viva a Copa do Brasil e o mata-mata!

Opine!