Arquivo da categoria: miranda

São Paulo jogou como deveria jogar sempre !

Leia o post original por Nilson Cesar

O São Paulo passou para as quartas de final da Libertadores da América . Se jogar como jogou contra o Racing pode sim surpreender e seguir em frente na competição . Miranda e Benítez fazem a diferença no rendimento do time . Rigoni foi muito bem e Marquinhos uma grande surpresa . O torcedor espera regularidade do time . Se isso ocorrer não ficaria surpreso se o tricolor chegasse até mesmo a uma…

Fonte

A caminhada do Brasil é longa, mas toma rumo certo

Leia o post original por Antero Greco

Quando Tite foi escolhido para substituir o técnico Dunga e Gilmar Rinaldi, o Brasil do futebol respirou aliviado. Quando a seleção venceu o Equador, em Quito, por 3 a 0 ficou claro que se iniciava uma nova era.

E quando Miranda fez o gol contra a Colômbia, logo a dois minutos de jogo, após cobrança de escanteio, em Manaus, eu vou confessar uma coisa: meu primeiro pensamento foi torcer por uma goleada que espantasse todos os fantasmas dos últimos anos, levando junto todos os dirigentes da CBF.

Claro, que eles saindo, um ar mais puro e respirável se espalharia pelos nossos estádios, torcedores violentos seriam expulsos, os jogadores teriam seus direitos respeitados e as manobras de bastidores seriam banidas para sempre.

Mas é óbvio que era só um delírio!

A goleada não aconteceu na Arena da Amazônia, mesmo porque o time treinado por José Pekerman não é um adversário qualquer. A Colômbia tem esquema de jogo, toque de bola e um meia da estirpe de James Rodriguez.

Daí que apesar da excelente exibição do ala Marcelo e de Neymar pela esquerda, o primeiro tempo foi equilibrado. E também em um lance de bola parada, numa cobrança de falta de James Rodriguez, o zagueiro Marquinhos desviou de cabeça e marcou contra: 1 a 1.

O segundo tempo prometia: aos 5 minutos, o colombiano Muriel finalizou com perigo, logo depois, Neymar – em noite especialmente elétrica – deu um corte e driblou dois zagueiros inimigos, em um lance de cinema. Tudo seguia rigorosamente igual, quando Tite colocou Philippe Coutinho no lugar de William. Ele entrou e deu a impressão de conhecer todos os atalhos do campo: dominou o setor de criação, achou espaços e ajudou o Brasil a chegar à vitória.

Quando Neymar recebeu seu passe pelo setor esquerdo, sabia exatamente o que fazer. Ele bateu cruzado, sem chance para Ospina: 2 a 1, aos 29 minutos. No fim foi o jogador mais procurado para as entrevistas, enquanto Neymar finalmente deixava um Brasil e Colômbia sem brigas. Recebeu até os cumprimentos do técnico adversário.

A seleção agora está a apenas um ponto do Uruguai, que lidera as Eliminatórias Sul-americanas da Copa do Mundo.

O Brasil não ganhou de goleada, mas já se respira um outro ar com a chegada de Tite. Quem sabe esse ar não se torne irrespirável para os dirigentes que ainda estão na CBF.

Argentina 1 x 1 Brasil. Bom resultado com mau futebol

Leia o post original por Quartarollo

A Seleção Brasileira acaba de empatar com a Argentina, 1 x 1, em Buenos Aires.

Bom resultado contra um time forte em clássico sempre cheio de rivalidades, mas ficou devendo futebol.

No primeiro tempo só deu Argentina. Neymar não entrou em campo.

Estava mais preocupado com a tiara da Nike na sua cabeça do que em jogar futebol.

O Neymar do Barcelona, que quer ser o melhor do mundo não jogou no Monumenal de Nuñez, foi um dos piores em campo.

Ficou encostado todo o primeiro tempo do lado esquerdo e nas poucas vezes em que tentou alguma coisa foi desarmado com facilidade.

Gerardo “Tatá” Martino, que dirigiu Neymar no Barcelona, encaixatou o 10 brasileiro com forte marcação e ele não soube sair dos adversários.

Melhorou um pouquinho no segundo tempo quando Douglas Costa entrou no lugar de Ricardo Oliveira e foi para o meio, mas nada de anormal também. Deu dois chutes a gol e só.

Paradoxalmente o Brasil se tornou mais ofensivo sem um centro-avante. Apertou mais a Argentina e até levou algum perigo para a meta de Romero que até ali era um privilegiado espectador dentro do gramado.

O Brasil apresentou inúmeros problemas. Faltou qualidade para muita gente e taticamente esteve perdido a maior parte do tempo.

Tomou um gol bebê, bem infantil mesmo. Três jogadores foram para cima de Di Maria, o melhor em campo, que se livrou de todos e fez um passe nas costas de Filipi Luiz para Higuain cruzar para a área.

David Luiz sempre estabanado estava fora de posição dando combate no lugar errado, voltou correndo para cobrir Miranda que saiu para tentar evitar o cruzamento da direita.

Higuain cruzou e Lavezzi entre David e Daniel Alves fez o gol argentino.

A zaga brasileira bateu cabeça demais hoje. A fraqueza de David Luiz está contaminando até o ótimo Miranda que está começando a falhar também.

David para coroar sua péssima atuação conseguiu ser expulso já no finalzinho da partida.

Pouco antes tinha tomado um cartão amarelo bobo por dar cotovelada no adversário e depois foi por cima em uma dividida e levou vermelho direto.

Pelo menos não joga contra o Peru. É reforço para a Seleção e Gil já mostrou que sabe marcar bem Guerrero, seu ex-companheiro de Corinthians.

O gol continuará sendo um problema para a Seleção. Allison andou nervoso e não passou nenhuma confiança. Várias bolas passaram na sua cara no primeiro tempo e ele só olhando o que acontecia.

Ainda falta um goleiro com personalidade forte nesse time e sinceramente não sei quem pode ser. Talvez Cássio com sua história de conquistas no Corinthians imponha mais respeito aos adversários e aos próprios companheiros.

O meio-campo brasileiro teve momentos tenebrosos. Elias só procurou o jogo com suas saídas para o ataque no segundo tempo e Lucas Lima ficou muito aquém do que se espera de um meia embora tenha feito o gol do Brasil.

Willian de novo tentou jogar, mas desta vez não tinha com quem jogar. Não é gênio, mas vive um bom momento.

O Brasil sentiu demais a pressão do Monumental e a Argentina só não ganhou porque também se apavorou quando tomou o gol ficando totalmente desordenada em campo.

O placar foi muito melhor para o Brasil do que o futebol apresentado. O time de Dunga ganhou um ponto fora de casa, mas precisa melhorar muito nos próximos jogos se não quiser passar sustos nessas Eliminatórias, mas pelo jeito vai ser um trem fantasma até o fim.

Em tempo:

Foi uma sexta-feira 13 das mais tristes. Atentados em Paris baixaram a guarda de todo mundo. Até mesmo torcer em um jogo de futebol estava difícil e a alegre torcida argentina também sentiu isso. O mundo está maluco. Virou um lugar difícil de viver. Ninguém parece mais estar seguro em lugar algum e muitos inocentes estão pagando com a vida. Isso é o mais lamentável. Até quando vai isso? Até quando?

 

 

O São Paulo não tem nada a ganhar trazendo de volta o grosso Lugano

Leia o post original por Quartarollo

O ex-técnico Juan Carlos Osório nessa acertou em cheio. O São Paulo mesmo precisando de zagueiro, não precisa de Diego Lugano para nada. Foi o que o colombiano deixou claro quando ainda estava no tricolor.

É um jogador que fez a sua história no clube e já que o deu o que tinha que dar aos 35 anos de idade.

Nunca foi craque, longe disso, era na verdade muito tosco, grosso demais.

Sobreviveu graças a sua raça. Quando chegou bancado pelo então presidente Marcelo Portugal Gouveia, já falecido, assustava os seus companheiros com tanta fraqueza técnica.

Tropeçava na bola e só tinha muita vontade. De tanta tentar aprendeu a se colocar melhor como zagueiro e para sobreviver era violentíssimo com os adversários.

Aos poucos foi melhorando até nisso. Tornou-se melhor como jogador e foi para a Seleção Uruguaia, coisa que jamais sonhara.

Mas sempre foi um zagueiro limitado. Deu sorte e teve muita ajuda no tricolor.

Jogava ao lado de Fabão e Ed Carlos num primeiro momento e acabou campeão do mundo em 2005.

A última grande zaga do São Paulo, aquela que deveria causar mais saudade ao torcedor, foi a formada por André Dias, Miranda e Alex Silva, quando ainda estava a fim de jogar bola.

Essa veio na sequência da zaga de Lugano e foi muito melhor. Foi tricampeã brasileira tomando pouquíssimos gols.

Ele ainda estava no elenco campeão do Brasil em 2006. Depois foi negociado com o Fenerbahçe, da Turquia.

Daí a chamar Lugano de ídolo apenas porque era raçudo vai uma distância muito grande e mostra que o torcedor entende pouco de futebol, ele gosta de futebol, mas não entende dessa matéria.

Se gostasse, reverenciaria jogadores melhores que passaram pelo tricolor e conquistaram muito mais que Lugano.

Mas ficou aquela imagem do uruguaio bom de briga que resolve tudo na porrada e que acaba respeitado pelos companheiros e adversários por causa disso.

Nada mais mentiroso. Lugano já era ruim quando era bom. Não acrescentará nada ao São Paulo e ainda atrasará as carreiras de jovens promissores como Lucas, Lyanco e se bobear até de Rodrigo Caio e outros que poderiam aparecer na próxima temporada.

Dez anos depois é melhor Diego Lugano continuar no Paraguai. Lá ele ainda vai conseguir intimidar alguns adversários, aqui não mais.

Um jogador ruim com 35 anos de idade não consegue jogar mais em bom nível. Se fosse craque ainda poderia dar bom endereço a bola pela qualidade técnica, mas isso Lugano nunca teve.

Dunga, o alienado

Leia o post original por Quartarollo

Brasil fez dever de casa e despachou a Venezuela por 3 x 1. Não fez nada mais que a sua obrigação contra um dos piores times do mundo.

Não me digam de novo que a Venezuela melhorou muito. Melhorou taticamente, está melhor organizada em campo, mas tem jogadores medíocres.

Isso não tira o mérito da vitória brasileira. Era preciso primeiro vencer e depois pensar no espetáculo.

Na situação atual do futebol brasileiro o mais importante recuperar a confiança perdida.

É mais fácil ter confiança novamente com vitórias embora muitos queiram um futebol de Alemanha, Barcelona ou Bayern para a Seleção.

Não esperem, não vai acontecer. O que temos hoje é isso aí e com o que tem Dunga tem obrigação de fazer a Seleção jogar melhor.

Esse é problema dele. Dá para arrumar a Seleção e ainda tem a sorte de contar com a genialidade do ainda imaturo Neymar, mas sempre um jogador que impõe medo ao adversário.

O atacante volta na próxima convocação para os jogos com Argentina, em Buenos Aires, dia 13 de novembro, e Peru, em Salvador, dia 17 de novembro.

Todos os técnicos tem suas paixões. Até o grande Telê tinha, Guardiola tem, Mourinho tem também e assim por diante.

São escalações, ou no caso convocações inexplicáveis, mas eles sempre tentam explicar e não dão a mão a palmatória.

Telê treinou o Brasil para a Copa de 82 fazendo grande sucesso e mudou o time na estréia contra a União Soviética.

Botou Dirceu na ponta-direita e sacou o ótimo Paulo Isidoro que retornou ao time no intervalo. Pelo menos corrigiu o erro a tempo de virar o jogo.

Ambos, Dirceu e Isidoro, só jogaram porque Falcão estava suspenso na primeira partida e não podia entrar em campo contra os soviéticos.

Alguns técnicos parecem alienados. Ou enxergam mais que os outros ou pensam assim ou não enxergam nada mesmo.

Dunga continua teimando com Oscar que nunca foi o jogador que se esperava e que hoje vive fase péssima no Chelsea que está beirando a zona do rebaixamento inglesa.

Paradoxalmente no mesmo time, o ex-corintiano Willian atravessa a melhor fase da sua vida e nos dois jogos das Eliminatórias, tanto no Chile como ontem, em Fortaleza, foi o melhor da Seleção.

Ontem extrapolou. Foi mais móvel no meio-campo e ataque, foi incansável o tempo todo e arriscou chutar a gol e por isso acabou marcando por duas vezes.

Dunga capitulou no ataque e percebeu que a grande fase de Ricardo Oliveira poderia ajudar mais a seleção do que o esforço do bundudo Hulk. Menos mal, já é alguma coisa. Oliveira fez o terceiro gol brasileiro em mais uma falha gritante da defesa venezuelana.

Mas Dunga parece alienado ao extremo em algumas situações. Disse que é muito exigente, mas deu nota 8,5 para a atuação do Brasil.

Menos Dunga, bem menos Dunga. No máximo uma nota 6. O Brasil jogou para o gasto, fez o seu dever, mas não encantou e nem jogou um grande futebol.

Dunga disse que o Brasil entrou preocupado com a boa bola aérea do time venezuelano e por isso neutralizar esse tipo de jogada.

Parece que está falando de outro jogo. Praticamente todas as bolas lançadas na área do Brasil entraram com perigo.

Ora porque o goleiro Allison não tão entrosado com a defesa não saia bem, ora porque Miranda e Marquinhos também demonstraram desentrosamento total e chegaram a bater cabeça em alguns lances.

Aliás o gol da Venezuela nasceu de uma bola parada desviada por Viscarondo no primeiro pau quando Miranda não conseguiu chegar a tempo para pressionar o zagueiro contrário e Cristian Santos só tocou para o gol na frente de Allison.

A explicação para a mudança no gol também chamou a atenção de todos na coletiva pós jogo.

Por causa da bola alta da Venezuela, Dunga optou por um goleiro mais alto. Allison tem 1,93 contra 1,88 do fraquíssimo Jefferson, que não é fraco pelo tamanho, é porque é fraco mesmo.

Disse também que o goleiro do Internacional sabe jogar melhor que Jefferson com os pés. Sinceramente não foi o que pareceu até porque a comparação é com alguém que tem sérias dificuldades com os pés e também com as mãos.

Então convoca Rogério Ceni. Nenhum goleiro joga melhor que ele com os pés. Nem o decantado Neuer, o gênio que joga no gol da Alemanha.

Enfim, Dunga tem algumas incoerências que beiram mesmo a alienação. Essa de convocar Fabinho para a lateral-direita e ter medo de escala-lo também é incompreensível. Quando perguntamo responde que Fabinho tem idade olímpica.

Se é para a Olimpíada não devia estar no grupo das Eliminatórias. Toda vez que precisa de um titular para a lateral-direita, Dunga chama de volta Daniel Alves e Fabinho continua reserva.

Mas nem tudo merece crítica. A escalação de Filipi Luis na lateral-esquerda me parecia uma temeridade e ele acertou.

O veterano jogador foi bem melhor que o estabanado Marcelo que tem mais bola que ele, mas que tem sérias dificuldades quando atacam por seu lado.

Filipi jogou bem defensiva e ofensivamente. Participou ativamente da partida.

Quem foi mal daquele lado mais uma vez foi a promessa Douglas Costas, que é muito habilidoso, mas na Seleção não é nem a sombra do grande jogador que é no Bayern de Munique.

Elias desta vez foi liberado para chegar ao ataque e Lucas Lima devia ter entrado antes no lugar do insosso Oscar.

Luiz Gustavo faz um trabalho bem burocrático. Não é à toa que Guardiola chegou no Bayern e já o dispensou preferindo outro brasileiro que na verdade é espanhol chamado Thiago Alcantara, sua cria do Barcelona.

Alcântara, filho do excelente Mazinho campeão do mundo de 94 pelo Brasil, é um volante que sabe jogar e municia o time o tempo todo.

Até o campeão do mundo Schweinsteiger dançou nessa nova configuração do time de Munique.

Schweinsteiger é um volante de contenção com alguma técnica, mas só entrega bola curta, faz poucos gols como aconteceu em toda a sua vida profissional e joga mais de lado do que em profundidade. Não fez nenhuma falta a Guardiola.

Por isso, Dunga, solte o Elias e procure um substituto para Luiz Gustavo. Faça como Guardiola, procure e você acha. Estamos precisando.

Quem sabe Otávio, do Atlético Paranaense; Rafael Carioca, do Atlético Mineiro; Lucas Silva, abandonado pelo Real Madrid, no Paris Saint Germain, ou outros menos votados que a gente nem se lembrou agora.

Pense nisso, Dunga. Eu seu que você é exigente, esse é seu trabalho. Volante como você era não ajuda mais. Acaba sendo um a menos para o time.

O medroso Dunga joga para empatar, perde para o Chile e toma olé no fim do jogo

Leia o post original por Quartarollo

Claramente o técnico Dunga montou um esquema para tirar a bola do Chile e jogar pelo empate agora há pouco. em Santiago. Sem a bola, o Chile não teria como armar suas principais jogadas.

A ideia era boa, mas não durou os 90 minutos. Dunga também foi medroso quando podia tentar decidir o jogo.

Deu certo até certo ponto no primeiro tempo embora tenha levado uma bola na trave no finalzinho chutada por Sanchez.

O Brasil conseguia dominar o meio-campo, mas Elias por ordem do técnico jamais saiu da cabeça de área e na única vez que tentou não foi servido por Hulk que preferiu chutar e desperdiçou o lance.

David Luiz saiu contundido no primeiro tempo. Para variar sempre ansioso não conseguia chegar inteiro para cobrir as descidas de Isla nas costas de Marcelo. Acabou se machucando em uma dessas coberturas.

A virada de bola para Isla foi a principal jogada do Chile na Copa América e parece que Dunga não sabia que isso ia acontecer de novo.

Entrou no lugar de David, o baixinho ex-corintiano Marquinhos que tem mais fama que bola. Continua sendo uma boa promessa depois de tanto tempo.

Willian fez grande partida, mas faltou-lhe companhia no meio-campo. Oscar esteve muito enrolado o jogo todo apesar de alguns toques individuais de classe, mas falta-lhe coragem para chutar a gol.

Teve duas chances e ficou procurando alguém para passar a responsabilidade.

O gol chileno aconteceu depois de uma falta sem necessidade do estabanado Luiz Gustavo.

Na cobrança de Mathias Fernandez, que mais uma vez substituiu um Valdivia que joga só para ele em metade do jogo, Vargas apareceu e fez o gol.

Marquinhos não conseguiu marcar o atacante chileno. Ficou totalmente perdido na jogada e foi festa para o confiante Chile que já tinha metido outra bola na trave com Isla pouco antes.

O Brasil teve bons contra-ataques no segundo tempo como previa e como queria Dunga, mas o treinador não teve coragem de escalar já no intervalo um centro-avante de ofício.

Ficou especulando o empate e quando tomou o gol mandou Ricardo Oliveira se aquecer. Dunga demorou demais para mexer no time.

O artilheiro do Brasil na temporada só jogou 15 minutos e mesmo assim arriscou dois chutes fracos contra o gol de Bravo, coisa que a Seleção não tinha feito nenhuma vez no segundo tempo.

Depois para tentar aproveitar o entrosamento do Santos, Dunga botou em campo o meia Lucas Lima que nem teve tempo de esquentar. Praticamente nem tocou na bola.

O segundo gol chileno já estava pendurado há muito tempo e aconteceu através de Sanchez depois de mais uma bola perdida pelo Brasil no meio-campo.

O Brasil vai se classificar para a Copa-2018, mas vai sofrer e terá que ser mais corajoso em alguns jogos como o de hoje.

Jefferson continua sendo o goleiro que não passa confiança nenhuma na minha opinião.

Daniel Alves ainda é o melhor lateral-direito que nós temos e Miranda é titular absoluto na zaga.

Na lateral-esquerda não adianta discutir. Só tem Marcelo por enquanto.

Mas a partir daí dá para discutir alguns jogadores. Luiz Gustavo fez muitas faltas bobas e mereceu o amarelo que recebeu.

Elias precisa jogar saindo rápido como o elemento surpresa que é no Corinthians. Não pode ficar tão amarrado na cabeça de área, é um desperdício para a Seleção.

Oscar não é bom nem ruim. É o chamado bonzinho que todo mundo acha que é craque, mas não resolve.

Willian pelo menos quis a bola e tentou jogar o tempo todo, mas fica muito no lado do campo. Precisa entrar mais na área e chutar também de fora dela.

Douglas Costa mostra que é bom jogador, mas hoje foi muito marcado. Fez algumas jogadas individuais, mas precisa arriscar mais como no Bayern de Guardiola, mas será que Dunga deixa? Essa é a questão.

Hulk corre muito, é muito forte, é desprendido, joga para o time, mas……..

Nesse tipo de jogo em que não dá tempo de treinar, Dunga deveria aproveitar o entrosamento de alguns jogadores.

Tipo Elias e Renato Augusto no Corinthians e Lucas Lima e Ricardo Oliveira no Santos. Garanto que sairia coisa melhor.

Eles atravessam bom momento aqui no Campeonato Brasileiro e não tem medo de arriscar no gol adversário.

Jogam em times que estão fazendo gols e quem sabe com gols a Seleção não consiga vencer alguém, não é Dunga?

Hoje o Brasil bem que mereceu ouvir os gritos de olé no fim do jogo enquanto o Chile com categoria tocava a bola quase zombando da nossa Seleção.

 

Apesar da vitória, Brasil leva sufoco da fraca, mas atrevida Venezuela!

Leia o post original por Milton Neves

1

A briga pela classificação para a próxima fase da Copa América começou antes mesmo do apito inicial do árbitro.

Miranda e Thiago Silva duelaram cordialmente pela braçadeira de capitão, abandonada por nosso maior craque, Neymar.

E que briga boa essa, hein?

Assim que a bola rolou, Thiago Silva abriu o marcador para o Brasil e provou que ainda tem “culhão” pra ser o capitão.

É bem verdade que contra uma fraca Venezuela, mas atrevida, não se pode tirar nenhuma conclusão precipitada.

Por outro lado, o ataque que tinha perdido um pouco do foco pela saída de Neymar, emplacou!

Robinho deu conta do serviço e supriu a ausência do “camisa 10” brasileiro.

A entrada do ídolo santista deu outra cara à Seleção de Dunga, que teimou em não colocá-lo contra a Colômbia.

Mesmo tendo ampliado o marcado, Firmino deu lugar a David Luiz. E Robinho, saiu para a entrada de Marquinhos.

Povoar o meio-campo e retrancar o time contra a Venezuela ganhando de 2 a 0, é medo demais Dunga!

O certo seria se fosse contra a Alemanha, na Copa do Mundo de 2014.

Essas alterações não mexeram muito com a estrutura tática do Brasil, que conta com grandes nomes, mas os venezuelanos passaram a dar bons sufocos no time canarinho.

Tanto que eles diminuíram o placar em uma falha, no mínimo, grotesca.

Com esse futebolzinho, era melhor desistir e entregar de vez, a taça para a Argentina.

Opine!

Neymar foi disparado o melhor brasileiro no exterior em 2014, certo? Mais algum outro destaque? E quais foram as decepções?

Leia o post original por Milton Neves

Neymar

Foto: UOL

Os sinos de Natal já estão tocando. Papai Noel já está embalando os presentes para colocar no saco e chegou a hora de fazer um balanço da legião brasileira que joga no exterior.

É claro que a pífia participação brasileira na Copa do Mundo acionou o “desconfiômetro” sobre os jogadores brasileiros, mas eles ainda continuam “bem na fita”.

Neymar ainda é, disparado, o melhor entre aqueles que atuam fora de nossos domínios, certo?

Quem mais foi bem?

Lucas, que começou apagado e claudicante no PSG, melhorou bastante, sobretudo no segundo semestre deste ano.

O atacante Luiz Adriano, do Shakhtar (Ucrânia) está voando.

Oscar (Chelsea), mesmo sem provocar tantos suspiros, tem seus lampejos de craque.

Miranda, do Atlético de Madri, talvez seja o melhor zagueiro brasileiro na Europa, mesmo não sendo tão valorizado quanto David Luiz e Thiago Silva.

E quem decepcionou?

Thiago Silva, o refugante zagueiro da Copa, que perdeu a vaga justamente para Miranda.

Daniel Alves, em curva descendente no Barcelona?

Ou Douglas, que se atrapalhou desde as “embaixadinhas”  também no Barça?

Opine!

Os caras

Leia o post original por RicaPerrone

Felipão – Vipcomm

Saiu. Os 23 caras que defendem a nossa “honra” nos próximos 2 meses estão, enfim, revelados em definitivo.

Felipão é um sujeito que não usa grandes e mirabolantes táticas para chegar onde chegou. Ele motiva, comanda e sua carreira comprova que futebol é bem mais simples do que parece ser.

Ao longo de sua carreira manteve suas convicções e raramente se deu mal. Não tem nenhum motivo para duvidar da lógica do que escolhe Felipão.  Diferente de concordar, mas é impossível não respeitar e entender.

Qualé o “absurdo” da vez? O Henrique, que joga pela direita, até de lateral direito, e é um cara de confiança dele?  Nós vamos chorar por Miranda ou Dedé na mesma intensidade que choramos por Romário, Neymar, Ganso, etc?  Não, não vamos.  É mera opção, questão de grupo talvez.  Vai saber.

Eu levaria o Miranda e o Dedé, nem o Dante. Mas eu nunca estive no grupo pra saber como se comportam e qual o papel de cada um.  Felipão lidera um grupo e sabe como poucos o que ele precisa pra se manter focado.

A Copa, tratada como “obrigação” por muita gente estúpida e ignorante, é apenas um torneio, o mais difícil de todos, onde temos por obrigação fazer o nosso melhor, que não necessariamente será o melhor de todos. Ou, entendendo que trata-se do maior esporte do mundo e do mais imprevisível, cobrar apenas um resultado beira o analfabetismo.

Coutinho, Miranda, seja lá quem for. Mais do que uma questão técnica, há um grupo.  Ninguém sabe como ele quem é relevante ou não dentro daquele grupo. Quem comanda, quem briga, quem cumpre, quem agrega.  E o quanto ele perderia os caras ao chamar alguém que nunca veio na principal convocação.

Confio no Felipão, nos 23, na camisa que vestem. #FechadocomaSeleção

E agora nós somos problema deles, e não o contrário.

abs,
RicaPerrone

Prováveis surpresas do Felipão para a Copa

Leia o post original por Neto

Phillippe Coutinho talvez seja a maior surpresa da lista para a Copa

Phillippe Coutinho talvez seja a maior surpresa da lista para a Copa

Nesta quarta às 11h30 o Felipão finalmente divulga a lista oficial dos 23 convocados para a Copa do Mundo. E tem um amigo meu, daqueles bem informados (ou talvez não!) que me disse que as novidades da Seleção para o Mundial serão o zagueiro Miranda e o meia Philippe Coutinho. O primeiro está arrebentando na sólida defesa do Atlético de Madrid, finalista da Liga dos Campeões. Já o segundo foi revelado pelo Vasco e brilha no bom time do Liverpool, que está brigando pelo título da Liga Inglesa. Além dessa dupla outro nome confirmado por essa fonte é do goleiro Victor, camisa 1 do Atlético/MG. Se vai rolar ou não só saberemos logo mais. Só que uma coisa eu digo, o cara que falou é forte. E do jeito que o técnico da Seleção me odeia, é bem possível ele ferrar esses três só porque estou antecipando a notícia. Aí é brincadeira, né?