Arquivo da categoria: Najila Trindade

Defesa de Najila cobra isonomia e cita apoio de filho de Bolsonaro a Neymar

Leia o post original por Perrone

Em novo round de seu embate com o Ministério Público de São Paulo, a defesa de Najila Trindade levanta suspeita de diferença nos tratamentos dados para a modelo e Neymar. Em sua tese, cita até o bom relacionamento de Neymar com Jair Bolsonaro e uma manifestação pública de apoio de um dos filhos do presidente ao jogador, acusado de estupro. A acusação contra o astro do PSG foi arquivada.

No último dia 22, a promotora Mariana de Melo Saraiva Marangoni protocolou recurso para tentar modificar decisão que rejeitou denúncias contra Najila por suposta denunciação caluniosa, ao acusar Neymar de estupro, e por alegada tentativa de extorquir o pai do jogador.

Em seis de novembro, Cosme Araújo Santos, advogado da modelo, apresentou suas contrarrazões (documento no qual rebateu a argumentação da promotora). Um dia depois, a juíza Isaura Cristina Barreira manteve sua decisão e remeteu os autos para o Tribunal de Justiça de São Paulo julgar o recurso.

Na peça em que se manifestou, o defensor de Najila citou que o MP afirma que a rejeição das denúncias contra Najila tirou do jogador o direito de ser ouvido sobre a suposta extorsão e a “imputação de um crime falso”. Ainda de acordo com o MP, a acusação feita por Najila teve “amplas consequências que culminaram na exposição do fato a nível mundial”.

O advogado da modelo argumenta que, ao pedir o arquivamento do inquérito relativo ao suposto estupro, o Ministério Público  não teve a “mesma visão e entendimento isonômico”. Isso porque naquele caso a promotoria não considerou que estava sendo tirado de Najila o direito de ser ouvida num eventual processo sobre a acusação feita ao atleta.

Aqui a família Bolsonaro entra na história. “Será que é porque naquele inquérito o acusado é milionário e famoso ‘a nível mundial’? Será que tal posição do recorrente (MP) é porque o acusado Neymar, após os fatos em Paris, teve o privilégio de posar com o presidente da República, com o comentário na mídia de um dos filhos deste que disse que queria a condenação da recorrida (Najila)? Queremos crer que não, considerando que, no entender da recorrida, o Ministério Público ainda é uma das instituições mais respeitadas do país”.

Bolsonaro e Neymar se encontraram no Mineirão, na partida entre Brasil e Argentina pelas semifinais da última Copa América. Fora da competição por conta de lesão, o jogador já se defendia da acusação de estupro, que sempre negou. O momento foi registrado pelo presidente com foto em rede social. Por sua vez, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) defendeu o atleta publicamente e pediu a condenação da modelo.

Seguindo a narrativa de que o caso se trata do duelo entre os lados forte e fraco, Santos descreveu Najila na figura de uma “jovem, como tantas outras que são levadas para outros países, tratadas como objetos sexuais e, que até agora, a lei do minuto seguinte tem se tornado para a mesma uma eternidade de sofrimento, que vai de depressão a pensar na prática de suicídio”.

Neymar imaturo?

Em outro trecho das contrarrazões, o defensor da modelo coloca mais suspeitas sobre o Ministério Público e aproveita para atacar o jogador. “Presume-se que o objetivo (do MP) pode ser blindar um jovem ainda despreparado para a vida. Em que pese ser indiscutivelmente um grande jogador, existem contra este várias denúncias, que vão de mau pagador, agressor, ameaçador, dentre outras atitudes nefastas e recrimináveis, mas que, infelizmente, não é punido”, detonou Santos. Procurada pelo blog, a assessoria de imprensa de Neymar disse que não comentaria o assunto.

Para reforçar a tese de que o MP passa do ponto nas acusações contra sua cliente, o defensor tirou da cartola até Mauro Naves, repórter demitido pela Globo após seu nome aparecer no caso. Ele passou o telefone de Neymar pai para o primeiro advogado de Najila, José Egard Bueno.

“Por outro lado, pelo visto, como quer o recorrente, só faltou colocar na sua denúncia que o jornalista Mauro Naves perdeu seu emprego na Rede Globo de Televisão por causa da recorrida”, escreveu o advogado.

Najila contraditória?

Ao rejeitar a denúncia contra Najila, a juíza responsável pelo caso alegou, entre outros motivos, ausência de justa causa. No recurso interposto, a promotora afirma que a decisão “não está baseada em argumentos sólidos e concretos”.

Especificamente sobre a denúncia por denunciação caluniosa, a juíza entendeu que não foi comprovada a inexistência do crime de estupro, lembrando que o inquérito pode ser reaberto caso novas provas sejam apresentadas. No recurso, entre outros argumentos, a promotora diz que “diversos elementos de prova foram colhidos durante a investigação criminal, notadamente, pelos três depoimentos prestados pela denunciada Najila”, “em que se visualiza que ela apresentou três versões diferentes e contraditórias, das quais se denota evidente o seu dolo de imputar um crime que não aconteceu”.

MP recebe relatório sobre fotos íntimas de Najila em rede social de Neymar

Leia o post original por Perrone

O delegado Pablo Dacosta Sartori, da Delegacia de Repressão de Crimes de Informática do Rio de Janeiro, enviou no último dia 17 ao Ministério Público relatório sobre inquérito para averiguar se Neymar cometeu crime ao divulgar fotos íntimas de Najila Trindade em sua conta no Instagram ao se defender de acusação de estupro e agressão feita pela modelo e arquivada pela Justiça.

Por meio da assessoria de imprensa da Polícia Civil do Rio, Sartori disse ao blog que encaminhou o relatório para o MP analisar se seriam necessárias mais diligências e que aguarda resposta para concluir o inquérito policial. Não esclareceu se indica o indiciamento do jogador ou arquivamento do caso.

Conforme apurou o blog, em meio ao material encaminhado ao promotor de Justiça da Central de Inquéritos do Rio de Janeiro com toda a investigação há uma parte sob o título de conclusão, também sem apontar arquivamento ou indiciamento. Nela existe um resumo da investigação com Neymar citado como envolvido e Najila como testemunha. À documentação foram juntados os arquivamentos das acusações feitas pela modelo pelo MP e pela Justiça paulistas.

Sartori diz no relatório encaminhar os autos do inquérito ao promotor para que ele conheça os fatos e as diligências realizadas para que proceda da forma que entender ser cabível. Ele também relata que a investigação foi iniciada depois de ampla divulgação por parte da imprensa de foto íntima. Foi anexada cópia do material comprovando a publicação das imagens.

Detalhes do procedimento policial já tinham sido enviados ao Ministério Público antes, mas novas diligências foram pedidas. Na ocasião, Neymar foi ouvido novamente sobre o tema.

Procurada pelo blog, a assessoria de imprensa do MP-RJ não havia respondido até a publicação deste post, assim como Davi Tangerino, um dos advogados de Neymar. Por sua vez, Cosme Araújo, advogado de Najila, disse não ter sido comunicado sobre eventual decisão do Ministério Público a respeito do caso.

“Espero que seja pedido o indiciamento de Neymar já que o ex-marido de Najila foi indiciado por enviar fotos íntimas a uma pessoa, um jornalista. Neymar fez a divulgação para milhões em rede social, foi um fato muito mais grave”, disse Araújo. No caso investigado no Rio, também trabalham na defesa da modelo os advogados Natalie Anselmo da Silva e Ivo Lourenço da Silva Júnior.

O inquérito investiga se foi cometido crime previsto no artigo 218C do código penal, que trata, entre outras situações, da divulgação de imagens de nudez sem consentimento da vítima. É prevista pena de um a cinco anos de reclusão. Em depoimento, Neymar atribuiu a assessores a publicação e alegou não ter visto o material na integra antes da divulgação, pedindo a retirada das fotos íntimas quando as viu.

Justiça rejeita denúncia por denunciação caluniosa e extorsão contra Najila

Leia o post original por Perrone

Na última sexta (27), a Justiça de São Paulo rejeitou denúncias oferecidas pelo Ministério Público paulista contra Najila Trindade por denunciação caluniosa e extorsão em desdobramentos das acusações de estupro e agressão contra Neymar em inquérito arquivado. No mesmo dia, porém, foi aceita denúncia em desfavor da modelo e de seu ex-marido, Estivens Alves, por fraude processual.

No caso de rejeição, o MP pode recorrer da decisão. Em relação à fraude processual, Najila e Estivens têm dez dias para apresentar defesa por escrito, entre outras providências. O processo está na 31ª Vara Criminal.

A acusação de denunciação caluniosa se referia à denúncia de que Neymar teria praticado estupro e agressão. O Ministério Público entendeu que Najila sabia da inocência do jogador e agiu para prejudicá-lo, por tanto cometeu o crime citado. Porém, a juíza Andrea Coppola Brião, da 30ª Vara Criminal, discordou. A magistrada avaliou que a modelo não poderia ter certeza de que o jogador era inocente se o pedido de arquivamento do caso feito pelo MP não foi fundamentado na não comprovação dos crimes de estupro e agressão, mas na falta de provas para a promotoria formar uma opinião a respeito do delito.
Já a denúncia por extorsão era referente à suposta tentativa de Najila de conseguir dinheiro junto ao pai do jogador em troca de seu silêncio. O código penal define o crime de extorsão por  “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou deixar de fazer alguma coisa”.
De acordo com o MP, levado a erro pela modelo, seu primeiro advogado no caso, José Edgard Bueno, se reuniu com representantes do pai de Neymar e disse que sua cliente havia sido agredida pelo jogador, mas que estava disposto a resolver o caso antes que Najila tomasse providências judiciais. E que em seguida afirmou que a única forma de se evitar procedimento judicial que viesse a público seria o pagamento de uma quantia em dinheiro. Imediatamente a proposta foi rejeita.
Para a juíza Andrea Coppola Brião, segundo a denúncia do Ministério Público, a grave ameaça teria sido a promessa de tomar medidas judiciais, atitude licita. Assim, em seu entendimento, não houve crime. Ela considerou a postura do advogado no episódio regular.
 “Comemoro o resgaste da Justiça em relação às imputações que foram feitas à minha cliente. Por tudo que eu vinha dizendo, essas acusações não poderiam subsistir. A decisão da juíza Andrea foi muito bem fundamenta”, afirmou Cosme Araújo, advogado de Najila. Ele também disse que pessoas que fizeram juízo de valor sem ter conhecimento do caso são “fanáticas por Neymar e lunáticas”. “Foram criados todos os expedientes possíveis e imagináveis para desqualificá-la com teses jurídicas inaceitáveis. No futuro, serão apurados os motivos para tudo isso”, completou o advogado.
Denúncia recebida
A juíza Fabiola Oliveira Silva, da 31ª Vara Criminal, decidiu estarem presentes indícios de autoria e ser comprovada materialidade do delito de fraude processual na denúncia oferecida pelo MP contra Najila e Estivens, por isso a aceitou. A modelo e seu ex-marido teriam tomado atitudes que dificultaram as investigações tanto em relação à acusação de estupro como no caso do suposto arrombamento do apartamento em que ela morava. Em hipótese de condenação, a pena prevista é de três meses a dois anos de detenção e multa.
“Não quero criticar a decisão da juíza, mas posso assegurar que essa acusação não vai prosperar pelos mesmos motivos que fizeram as outras denúncias serem rejeitadas”, declarou Cosme.
A mesma juíza acolheu pedido do MP para arquivar autos em relação ao suposto furto de um tablet de Najila, falsa comunicação de crime, e suposta ameaça dela contra um funcionário do condomínio em que a modelo vivia. Num segundo depoimento, ele admitiu que não foi ameaçado.

Advogado de Najila cita Lei do Minuto Seguinte ao criticar denúncias

Leia o post original por Perrone

Em conversa com o blog, Cosme Araújo advogado de Najila Trindade, que acusou Neymar de agressão e estupro e viu o inquérito ser arquivado, criticou as denúncias do Ministério Público de São Paulo das quais sua cliente é alvo. Entre outros fatores, ele acredita que a fama do jogador do PSG pesou contra a modelo. Diz também que não há provas de que ela tenha cometido crimes.

Por conta de desdobramentos das investigações de sua acusação contra o astro da seleção brasileira, Najila foi denunciada pelo Ministério Público por denunciação caluniosa, extorsão e fraude processual.

“Como ela pode ser denunciada por denunciação caluniosa se Neymar admite que bateu nas nádegas dela.  Tem até foto”, disse a advogado referindo-se a acusação de agressão feita por sua cliente. Em depoimento, o atleta alegou que a modelo pediu os tapas.

Em seguida, Araújo comentou que, em sua opinião, a palavra de Najila não teve o peso que deveria nas acusações de estupro e de agressão e que a de Neymar valeu muito. “A palavra dele dissolve a ‘Lei do Minuto Seguinte’, essa que o governador de São Paulo (João Doria), divulga”, declarou.

A citada lei garante atendimento gratuito e completo em hospitais e postos do SUS para as vítimas de estupro, sem que antes elas precisem ir à delegacia e registrar boletim de ocorrência porque “a palavra da vítima é suficiente para fazer valer a lei”, como diz trecho da campanha divulgada por Doria em rede social.

Em relação à denúncia por extorsão, Araújo argumenta ser impossível Najila ter praticado o crime se ela não teve contato com os representantes do pai do jogador. A tentativa de extorquir o Neymar mais velho teria ocorrido numa reunião de enviados dele com o primeiro advogado da modelo, José Edgard Bueno, que nega ter tentado a extorsão.

A outra denúncia feita pelo MP é por fraude processual e está ligada à inquérito que apurava se o apartamento em que Najila morava e no qual estaria um tablet com mais imagens do encontro dela com Neymar em Paris foi arrombado. “O inquérito não concluiu se houve arrombamento ou não. Então não pode haver denúncia”, disse o advogado.

Agora cabe à Justiça dizer se aceita às denúncias oferecidas pelo Ministério Público paulista. “Espero que as denúncias não sejam recebidas, mas, se forem, ela terá chance de contar mais detalhes sobre o que aconteceu”.

Ministério Público denuncia Najila por fraude processual

Leia o post original por Perrone

O Ministério Público apresentou nova denúncia contra Najila Trindade em desdobramento da acusação de estupro feita pela modelo contra Neymar, que teve inquérito arquivado. O promotor Luis Guilherme Gomes dos Reis Sampaio denunciou a modelo por fraude processual. Não é possível saber detalhes, pois o caso está sob sigilo.

O mesmo promotor denunciou o ex-marido de Najila, Estivens Alves, por fraude processual e por ter repassado fotos dela com conteúdo erótico sem autorização. Procurado, Estivens disse que só poderia falar duas horas mais tarde porque estava em reunião. O blog não conseguiu entrar em contato com Cosme Araújo, advogado de Najila, até a publicação deste post.

A modelo já havia sido denunciada pelo MP sob as acusações de denunciação caluniosa e extorsão. Teria ocorrido tentativa de extorquir o pai do jogador do PSG. Agora a Justiça vai decidir se aceita as denuncias.

Ironia e indignação: bastidores de Neymar x Najila após indiciamento

Leia o post original por Perrone

De um lado ironia e alfinetadas na imprensa. Do outro, indignação. Nos bastidores, essas foram as reações de integrantes do estafe de Neymar e da defesa de Najila Trindade à informação de que a modelo foi indiciada em desdobramentos da acusação de estupro contra o jogador, arquivada pela Justiça. O blog tentou obter declarações oficiais das duas partes, mas não conseguiu. Porém, mesmo sem gravar entrevistas, foi possível medir o impacto da decisão policial nas duas trincheiras dessa guerra.

Ao indagar a um integrante da equipe do jogador sobre o indiciamento de Najila, este blogueiro ouviu resposta irônica. “Ué, mas ela não foi estuprada pelo Neymar? Como pode ter sido indiciada?”, foi a primeira frase disparada. Também ficou claro um rancor com a imprensa quando ouvi, em seguida, a acusação de que nós, jornalistas, queríamos condenar o atleta do PSG.

Leia mais:

A postura de atacar a imprensa não é novidade. Foi adotada nos bastidores por gente ligada ao jogador durante toda a cobertura do caso. A ideia central era a de que a imprensa não deveria dar voz para a modelo, ignorando o princípio básico de se ouvir os dois lados na apuração de uma reportagem.

Najila foi indiciada sob a acusação de prática dos crimes de denunciação caluniosa, extorsão e fraude processual. Antes mesmo de Neymar pai falar publicamente sobre a suposta tentativa de extorsão, seu estafe já defendia a tese de que o caso se tratava de uma tentativa de arrancar dinheiro da família em troca de silêncio.

A defesa de Najila nega todas as acusações, mas não se pronunciou durante esta terça (10) alegando ainda não ter tido acesso ao relatório referente ao indiciamento. Porém, o clima já é de indignação. Uma das queixas, por enquanto veladas, é sobre o indiciamento por suposta extorsão. Nesse ponto, a reclamação é de que a modelo não chegou a se reunir com representantes do jogador, logo não poderia ter pedido dinheiro para eles. Segundo relatos de pessoas que trabalham para o pai do atleta, a reunião em que teria ocorrido a tentativa de extorsão aconteceu com o primeiro advogado de Najila no caso, José Edgard Bueno. No entanto, ele negou que tivesse tentado extorquir Neymar. Durante os inquéritos referentes ao caso, a defesa da modelo sempre sustentou que não pediu dinheiro e nem autorizou seu ex-advogado a pedir.

Após o indiciamento, o Ministério Público vai decidir se solicita novas diligências, pede o arquivamento do caso ou oferece denúncia contra a modelo. Em seguida, o juiz analisa o pedido do MP. Em caso de aceitar uma eventual denúncia, então, se iniciará o processo.

Najila decide pedir adiamento de depoimento sobre fotos íntimas vazadas

Leia o post original por Perrone

Najila Trindade não deve comparecer nesta segunda (9) à DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática) no Rio de Janeiro para depor em inquérito que apura se Neymar cometeu crime ao divulgar em rede social trocas de mensagens com fotos íntimas da modelo.

“Houve um imprevisto e não viajamos. Estamos pedindo o adiamento da audiência”, disse ao blog Cosme Araújo, advogado de Najila, que acusou o jogador da seleção de ter cometido estupro, mas viu o inquérito ser arquivado. Na comunicação, por mensagem via celular, ele não explicou por qual motivo não embarcou com sua cliente para o Rio.

A audiência havia sido marcada no último dia 29 para as 14h desta segunda. O depoimento da modelo sobre o tema é o que emperra a conclusão das investigações. Inicialmente, o delgado Pablo Dacosta Sartori esperava receber as declarações dadas pela modelo a respeito do tema na delegacia que investigou o suposto estupro. Depois, ele decidiu intimá-la.

Najila entra com ação de alimentos para filho contra ex-marido

Leia o post original por Perrone

Najila Trindade entrou com uma ação de alimentos contra seu ex-marido, Estivens Alves, na Justiça da Bahia. A intenção é receber um salário mínimo por mês para a modelo, que acusou Neymar de estupro e viu o caso ser arquivado, custear parte das despesas do filho de ambos.

Procurado por meio de sua advogada, Milena Peterle Savio, Estivens afirmou que, por se tratar de uma questão jurídica prefere que sua defensora se manifeste. A advogada disse que seu cliente não recebeu citação, portanto, ele não tem conhecimento da existência do processo. “Mas, até então ele não se furtou ao pagamento dos alimentos. Inclusive, nesse período em que ela está morando na Bahia, ele enviou pagamentos, fez depósitos. Então, ele não se considera irregular na assistência de alimentos ao filho. O que ocorre é que isso não está judicializado. Não existe um processo ou um acordo”, afirmou Milena.

A advogada também declarou que tentou formular um acordo com o defensor de Najila, Cosme Araújo, para oficializar um valor mensal. Ela alega que não recebeu resposta. “Já tenho até a minuta de acordo, mas ele nem chegou a fazer uma proposta”, completou a advogada.

“Ela (advogada de Estivens) chegou a mandar uma mensagem, sim. Mas Najila preferiu fazer isso pela Justiça porque esse acordo informal terminava redundado no que vinha acontecendo, que era o não cumprimento de alimentos”, disse Araújo. Ele alega que faz dois anos que o ex-marido de sua cliente não faz pagamentos. Porém, a advogada de Estivens diz que ele assegura estar cumprindo com suas obrigações.

O ex-marido de Najila foi ouvido como testemunha nos inquéritos que apuram suposto arrombamento no apartamento dela e suposto sumiço de um tablet de sua ex-mulher. Araújo chegou a pedir na Justiça que suas declarações fossem retiradas do inquérito que apurou a acusação de estupro contra Neymar e foi arquivado. Sua pretensão não foi atendida pela Justiça, que também negou a solicitação de desarquivamento.

Atualmente, o filho de Najila e Estivens vive com a mãe na Bahia. “Deixar de contribuir com alimentos dos filhos pode se caracterizar em abandono material, que pode resultar em prisão”, afirmou Araújo.

Promotora pede para ser excluída de resposta explorada por defesa de Najila

Leia o post original por Perrone

Na última terça (20) uma das promotoras que atuaram no caso relacionado à acusação de estupro contra Neymar pediu para que sua assinatura na resposta do Ministério Público ao advogado de Najila Trindade fosse desconsiderada. No documento o MP se posicionou contra o pedido de Cosme Araújo para o desarquivamento do inquérito, porém, concordou com uma suposta falha no desenrolar da investigação policial.

O representante da modelo aproveitou a resposta para reforçar seus argumentos pelo desarquivamento. A promotora Estefânia Ferrazzini Paulin foi quem pediu para seu nome ser desconsiderado na resposta. Ela alega ter sido designada para acompanhar o caso apenas até a promoção do arquivamento e que a presença de seu nome na citado documento, assinado também pela promotora Flávia Cristina Merlini, foi um equívoco.

Em seu comunicado à juíza responsável pelo caso, Paulin diz que nenhuma manifestação do MP posterior ao arquivamento tem a participação dela. Nesse ponto ela diz se referir principalmente às duas páginas nas quais o Ministério Público responde aos pedidos do advogado de Najila. O órgão se posicionou contra o desarquivamento, mas concordou parcialmente com a argumentação do advogado de Najila.

O MP concordou com a retirada do inquérito de alegações feitas pela defesa de Neymar, dando razão a Araújo. O advogado alegou que nessa fase as manifestações da defesa não poderiam ser aceitas. Em outro ponto, o Ministério Público afirma não se opor a apresentação das imagens registradas por câmeras do hotel em que Neymar se encontrou com a modelo. O advogado de Najila reclama de o inquérito ser concluído sem essas gravações. Ele usa esses dois pontos citados pela promotoria para pressionar pelo desarquivamento do inquérito.

Abaixo, leia nota enviada ao blog pela assessoria de imprensa do Ministério Público sobre o pedido de Paulin para seu nome ser desconsiderado no documento que aborda os pedidos de Araújo.

“A designação da promotora Estefânia Paulin para atuar no caso Neymar cessou com o pedido de arquivamento do caso (a portaria foi publicada no Diário Oficial da última sexta-feira, 16/8). A promotora natural do caso é a doutora Flávia. Como o advogado havia peticionado à Justiça antes da cessação, o nome dela foi incluído. Não há necessidade agora de comunicação à juíza”.

Advogado de Najila trava batalha com MP para tentar desarquivar inquérito

Leia o post original por Perrone

Com Felipe Pereira, do UOL em São Paulo

Cosme Araújo, advogado de Najila Trindade tenta na Justiça o desarquivamento do inquérito no qual Neymar foi investigado sob a acusação de estupro de sua cliente. Caso o pedido seja negado, ele requer a suspensão do arquivamento para novas diligências serem cumpridas. Na última sexta (16), a juíza Ana Paula Gomes Galvão Vieira de Moraes encaminhou nova manifestação do representante de Najila para o Ministério Público se posicionar.

Araújo já havia pedido o desarquivamento no último dia 12, mas o MP manteve sua posição de arquivar o caso, o que gerou nova iniciativa do advogado. Em sua primeira petição ele pediu para o inquérito ser desarquivado com o objetivo de que fosse mantida a requisição das imagens de câmeras de vídeo do hotel em Paris em que Najila e Neymar se encontraram. O inquérito foi arquivado sem que elas fossem analisadas.

O advogado também pediu que “fosse dado valor à palavra da mulher, oportunizando uma instrução criminal”. Ele ainda solicitou que fosse retirado do inquérito o depoimento do ex-marido de Najila  e da peça apresenta pela defesa de Neymar pedindo o arquivamento. O atleta nega o crime. O advogado põe o depoimento sob suspeita e sustenta que tecnicamente a alegação dos representantes do jogador não poderia ser feita durante o inquérito e sem oportunidade para as alegações serem rebatidas. Os depoimentos do ex-marido da modelo, Estivens Alves, foram dados em inquéritos que apuram suposta tentativa de extorsão contra o pai de Neymar e suposto furto do tablet de Najila.

Na última quinta, as promotoras Flávia Cristina Merlini  e Estefânia Ferrazini Paulin alegaram que Araújo não apresentou novas provas para justificar o desarquivamento. No entanto, elas concordaram com a retirada dos memorias apresentados pela defesa de Neymar do inquérito, admitindo que eles não poderiam ser apresentados na fase de investigações policiais.

Sobre as imagens registradas no hotel, as promotoras afirmam que, por terem sido gravadas fora do quarto de Najila, elas não trariam algo relevante para o caso. Mesmo assim, elas afirmam que o MP não se opõe à apresentação das imagens.

Diante da resposta do Ministério Público, Cosme apresentou sua petição mais recente alegando que o MP confessou que o inquérito foi “contaminado” ao concordar que as alegações da defesa de Neymar não poderiam ter sido apresentadas. Ele também afirma que o Ministério Público faz “mea culpa” ao dizer que não se opõe à apresentação das imagens.

O advogado solicita que, se a juíza não concordar com o desarquivamento, seja suspenso o arquivamento até que as alegações da defesa de Neymar sejam retiradas do inquérito e as imagens gravadas no hotel recebidas. Por fim, Araújo solicita que, em caso de desarquivamento, o procurador-geral do MP deve ser comunicado.

Procurada, a Polícia Civil afirmou que ainda não havia sido comunicada sobre o pedido de desarquivamento do caso.