Arquivo da categoria: negociação

Enfim, Globo ganha concorrência no futebol

Leia o post original por Rica Perrone

Uma vez o SBT disse que tentaria, outra a Record. Na real nenhuma tv brasileira aberta tem cacife e argumentos para conseguir competir com a Globo diante dos clubes. Mesmo que o dinheiro seja até próximo, a visibilidade seria imensamente inferior. O problema é que desde que as cotas passaram a ser negociadas individualmente, o […]

“O São Paulo não faz tramas”

Leia o post original por Wanderley Nogueira

* Publicado na Gazeta Esportiva de 05/11/1981

Mario Sergio

“No São Paulo não existe a palavra trama!” Assim o diretor de futebol do São Paulo, Jaime Franco, se pronunciou s
obre a possível “operação triangular” envolvendo o jogador Mário Sérgio.

Ontem surgiu a informação que poderia ter havido uma “trama” na compra do São Paulo pelo jogador Mário Sérgio. Pela rivalidade existente entre Internacional e Grêmio, e por ser impossível um negócio direto, o São Paulo estaria servindo de intermédio. Um jornal gaúcho garantiu a veracidade desta informação, e evidentemente, os dirigentes do São Paulo e o próprio jogador foram procurados para confirmarem ou não está versão.

Demonstrando segurança, Jaime Franco respondeu:

“É mais uma tentativa de conturbar o ambiente por parte do Grêmio e Porto Alegre. O São Paulo contratou Mário Sérgio numa operação normal, entre Inter e o nosso clube. O São Paulo pagou o preço exigido pelo passe do atacante e posso adiantar que o clube está muito satisfeito com a contratação efetuada. Mário Sérgio tem provado dentro de campo que é um ótimo jogador, que tem qualidades enormes, ótimo caráter e além de tudo isso tem contrato com o São Paulo por dois anos.”

“Vou mais além: se o Grêmio desse todo o seu elenco de profissionais não conseguiria comprar o passe do Mário Sérgio…”

“Entendo que um clube deve cuidar de seus problemas e evitar dificuldades para as outras agremiações. Este tipo de pronunciamento infundado, se é que partiu realmente do Grêmio, serve apenas para atritar as entidades e prejudicar os entendimentos futuros sobre problemas que afligem as agremiações brasileiras.”

“Quero ainda dizer com relação ao jogador Mário Sérgio, que o São Paulo ficou muito feliz ao vê-lo atuando no selecionado brasileiro. Não só sua presença em campo promoveu alegria, mas o futebol mostrado por ele garantiu convocações futuras. Digo isso porque o Telê Santana é um grande analista do futebol, sabe o que faz, sabe o que quer, e percebeu que o Mário Sérgio tem um lugar no seu time”.

“A felicidade é ainda mais reforçada por parte do São Paulo, quando lembra que em termos de selecionado, Mário Sérgio foi descoberto somente no instante que jogou pelo São Paulo. Coincidência ou não, a verdade é uma só: os grandes centros, a presença de uma imprensa imparcial, as transmissões dos jogos pela televisão ajudam muito um treinador decidir por uma convocação ou não”.

“O futebol de Mário Sérgio tocou sensibilidades e ele foi convocado. Parabéns ao treinador, parabéns ao futebol brasileiro. É um jogador do São Paulo, e não há, eu garanto, nenhum tipo de operação estranha.”

Mário Sérgio não jogará hoje à noite, contra a equipe do XV de Jaú. Foi vetado pelo médico José Caros Ricci, já que esteve ontem pela manhã no Morumbi e mostrou-se surpreso diante das notícias vindas de Porto Alegre de que ele poderia jogar pelo Grêmio em janeiro 1982.

“É claro que não estou sabendo de nada. Sei que fui vendido do Internacional ao São Paulo, nada mais. Estou sentindo que ocorreu uma operação normal., natural, clara. Esse negócio de operação triangular é uma surpresa para mim. Tenho contrato com o São Paulo por dois anos e espero cumpri-lo sem problemas”.

“Não sei realmente como surgiu essa informação, mas garanto que não é verdadeira. O Grêmio é um ótimo clube, tem grandes jogadores e uma maravilhosa torcida. Admito que pela rivalidade de Inter e Grêmio seria impossível uma negociação, mas tenho certeza que o São Paulo não atuaria como intermediário em nenhuma negociação. Desde que cheguei ao Morumbi, senti aqui que as coisas são claras, abertas, sinceras e honestas. Quando o dirigente, Jaime Franco, diz no clube que não se conhece esta palavra “trama”, devo garantir que realmente sinto isso. Nada é encoberto.”

“E essa é a opinião dos jogadores do elenco. Todos estão satisfeitos com o clube.”

Mário Sérgio não esconde a alegria de estar jogando em São Paulo: “Foi nesse estado que as coisas começaram a melhorar muito para mim. Fui aplaudido pela torcida, a imprensa viu virtudes e a seleção apareceu na minha vida. Sei que não sou nenhuma criança, tenho 31 anos de idade e não posso perder tempo. Cada dia que passa é um dia a menos na carreira. Estou me dedicando inteiramente aos treinamentos e ao clube. Espero participar da Copa do Mundo e voltar ao Brasil como campeão, e não há nada mais importante na vida de um profissional.”

“De uns tempos pra cá, passei a ser notícia, comecei a dar entrevistas para todos os órgãos e apesar de ser muito bom, a carga de responsabilidade aumenta sensivelmente. Na medida em que as pessoa acreditam nas suas qualidades, a força que você fará para não errar será muito maior.”

O jogador do São Paulo preferiu encerrar o assunto “operação triangular”:

“Não estou mais na idade de procurar ou participar de rolos… (sorrindo). Estou num clube sério, que contratou um jogador e espera usufruir do seu futebol. O São Paulo paga para isso.”

O novo ídolo do São Paulo tem muita afinidade com a torcida e provou suas qualidades dentro e fora de campo.

Ele não joga hoje

Com o cancelamento do coletivo, em razão do campo pesado, o técnico Formiga mal poderia imaginar que seus problemas apenas começavam. O teste a que Oscar será submetido na tarde de hoje, apesar da melhora, até que era previsto. Na verdade, com o que Formiga não contava era o agravamento da contusão de Mário Sérgio – havia até suspeita de distensão – desfalque certo, hoje á noite, no importante jogo com o XV de Jaú, no Morumbi, sendo substituído por Heriberto.

Meio sem jeito, algo aborrecido, Mário Sérgio, a exemplo de Oscar, passou toda a manhã no departamento médico fazendo tratamento na virilha direita, ainda sensível de modo a não permitir um diagnóstico mais preciso do médico José Carlos Ricci, embora no dia anterior, o outro médico, Dr. Dalzel Freire Gaspar, dissesse que eram apenas dores musculares, resultado do grande esforço contra o Guarani.

Aquela altura, reconhecerá que forçará e demasia no jogo de sábado, o jogador antecipava que não teria condições de jogo:

“A dor é intensa e tenho certeza que não jogarei. E agora reconheço que não deveria ter forçado tanto no jogo contra o Guarani”.

O agravamento da contusão de Mário Sérgio pegou de surpreso ao técnico e ao preparador físico Ithon Fritzen. Este, por sua vez, lamentava  a realização do amistoso entre Seleção Brasileira e Bulgária, “totalmente fora de hora”, umas das razões da contusão do ponta. Mais comedido, Formiga se mostrava surpreso com a notícia (ao chegar anunciaria a escalação de Mário Sérgio), mas preferia falar dos bons treinamentos de Heriberto – “o único jogador que tenho em condições de realizar o mesmo trabalho de Mário Sérgio” – e da possibilidade de contar com Oscar, cuja do joelho esquerdo foi considerável.

Ontem á noite, o zagueiro deu algumas voltas no campo e reagiu bem. Hoje à tarde, porém fará um teste final para ver se enfrenta o XV de Jaú:

“Melhorei bastante, mas se o jogo fosse hoje (ontem) eu não teria condições.”

Se Oscar não puder jogar, Gassen continuará como zagueiro central, uma forma de Formiga premiar a boa vontade e a dedicação deste jogador, uma vez que Nei é o reserva imediato do tiutlar.

Apesar dos problemas, técnico e jogadores demonstravam tranqüilidade e confiança, prevendo uma boa apresentação diante do XV, considerado por todos “um time perigosíssimo, de excelente toque de bola”. Para Formiga “ o São Paulo não poderá dar espaços para o adversário, pois, nesse caso, estará correndo sério perigo”. Almir acredita que o jogo será decidido no meio campo, enquanto Serginho admite que “ o importante é vencer, não interessando que marque os gols”. Faz, no entanto, um alerta a Jorge Mendonça, seu rival na aposta:

“O Mendonça está um gol a frente, mas faltam muitos jogos. Se der eu marco o meu, mas o importante é vencer. A aposta, é bom esclarecer, valerá um bicho para uma instituição de caridade. Quanto ao caminhão de mantimentos que deve ser entregue aos pobres, contribuição de algumas empresas, vou propor que o beneficia do seja a “Casas André Luís”, que está em dificuldades”.

Por causa do campo pesado, Formiga, na manhã de ontem, orientou apenas um treino recreativo. Os jogadores foram dispensados e retornaram ao Morumbi às 19h para a concentração.

Local – Morumbi. São Paulo: Valdir Peres, Getúlio, Oscar (Gessen), Dario Pereira e Marinho Chagas; Almir, Everton e Renato; Paulo César, Serginho e Heriberto. Estão concentrados ainda: Toinho, Nei, Nelson, Tatu e o próprio Mário Sérgio, a fim de que intensifique o seu tratamento.

Escolha entre Rhodolfo e Souza

Leia o post original por Pedro Ernesto

ZÉ ALBERTO ANDRADE – interino
ze.alberto@rdgaucha.com.br

 

É sempre melhor ficar com todos os bons jogadores. Mas se tiver que negociar com o São Paulo e escolher entre Rhodolfo e Souza, o Grêmio deveria optar pelo zagueiro. A escolha não é fácil e talvez nem venha a ser necessária, mas tem um elemento recente muito forte.

Foi a partir da chegada do defensor que o Tricolor se estabilizou, passou a ter um líder em campo e melhorou o desempenho na retaguarda. Perdê-lo agora é desmontar o que ficou de herança boa de 2013.

No caso de Souza, um baita volante, apareceram outras novidades no meio-campo, como Ramiro e Riveros que, se não têm a sua qualidade técnica, seguraram bem a barra. Agora ainda terá Edinho para um esquema que dificilmente reproduzirá o de três volantes de Renato.

Pacote

Finalmente o Inter anunciou o que todos já sabiam: Ernando e Paulão serão os novos zagueiros. É necessário agora que não se crie a ideia de que eles irão disputar posição. São titulares, como será Dida no gol.

Aí está a prova do maior equívoco colorado de 2013, o de subestimar os problemas defensivos, especialmente depois da saída de Rodrigo Moledo. É hora de uma nova fotografia da defesa.

Até o fim

Faz muito bem o Inter se não aceitar o chileno Aránguiz apenas até a metade do ano. Por melhor que seja, não há sentido na contratação de um jogador só para o Gauchão.

Aliás, o perigo é exatamente dele ir bem, se tornar referência do time e acabar saindo no momento em que esquentam as disputas. Isto sem falar que estará por bom tempo a serviço da seleção chilena.

É demaaais!

O Palmeiras contratou o veterano Lúcio e pagará a ele bem menos do que o São Paulo vinha pagando. A redução de R$ 450 mil para R$ 150 mil é mais uma prova de que o padrão financeiro do futebol brasileiro mudou e necessariamente as partes têm de se adaptar.

Leilão por Ronaldinho Gaúcho

Leia o post original por Pedro Ernesto

ZÉ ALBERTO ANDRADE – interino
ze.alberto@rdgaucha.com.br

 

A história não é nada nova. Ronaldinho está em mais um diz-que-diz sobre seu futuro, com muitas contradições e especulações que acabam valorizando um produto que já esteve em altíssima cotação. Mas que hoje gera muitas dúvidas.

O grande jogador do Barcelona em 2004 e 2005 não existe mais. Sequer podemos garantir que ele possa repetir o desempenho do início do ano passado pelo Atlético-MG, prejudicado no final pela lesão, tornando-o protagonista do fiasco em Marrocos. Assis diz que trata com o Besikstas, da Turquia, há mais de um ano. Os turcos negam em nota oficial.

O Grêmio sempre é usado como possível destino, mesmo que os gremistas não queiram. O Galo, clube que o reabilitou, fica como opção sobrada. É a volta de uma postura desagradável e desgastada.

Determinantes

Os clubes do Interior é que ditarão o nível do Gauchão 2014. Inclua-se aí o porto-alegrense São José e o Cruzeiro, agora de Cachoeirinha. Da dupla Gre-Nal pode se cobrar o protagonismo de sempre, mas nada que acrescente às edições recentes.

O início com times mistos, a incerteza da presença de titulares no primeiro Gre-Nal são coisas que já se tornaram habituais. A nova fórmula favorece a consolidação de uma campanha boa de início ao fim. Quem começou antes e investiu certo estará com boas chances.

Comandante

Abel Braga tem uma responsabilidade nova no Inter. Sua figura como campeão mundial é a maior do futebol do clube, superando jogadores e dirigentes. Cabe ao Abelão – embora não seja a receita ideal – orientar a todos para uma verdadeira revolução. Ele é o cara.

O time precisa mudar peças e filosofia, tendo como base os chamados indiscutíveis como D’Alessandro e buscando soluções novas, seja nas contrações ou na garotada. Tempo há. O verdadeiro ano colorado não começa antes de março.

É DEMAAAIS!

Enderson Moreira carrega a fama de valorizar jovens, dada sua experiência em categorias de base. No Grêmio, terá a oportunidade para reabilitar os irmãos Biteco que terminaram o ano fora dos planos de Renato.

Matheus é uma boa opção como volante e o meia Guilherme já mostrou até aptidão como ala, sendo também bom na bola parada. Basta que alguém tenha capacidade de treinar e corrigir pequenos vícios.

Alex Telles pode estar de partida

Leia o post original por Pedro Ernesto

As informações dão conta de que o Grêmio pode vender o lateral-esquerdo Alex Telles. O clube precisa de dinheiro, está fazendo economia em tudo que pode, mas arrecadar também é importante.

Aliás, não existe jogador no Grêmio que seja vendido e que possa fazer falta. São bons jogadores na maioria, mas nenhum que vá deixar saudades ou que não possa ser substituído. Saindo Alex Telles entra Wendell no time. Se sair Bressan, entra Werley, que para meu gosto é até mais jogador. Vale o mesmo para meio-campistas e atacantes. Não existe no grupo do Grêmio jogadores tecnicamente diferenciados.

O melhor jogador do Grêmio na atualidade não lhe pertence. É o zagueiro Rhodolfo, que é do São Paulo. Certamente o torcedor gremista vai entender a direção que poderá vender um ou dois jogadores para reforçar o caixa e pagar as contas mais urgentes.

Leandro

O atacante foi destaque no Palmeiras durante a Série B. Parece ter evoluído muito com seu futebol e até passagem pela Seleção, com gols marcados, ele conseguiu este ano. Sua provável volta para o Grêmio pode ser importante por ser um jogador de velocidade.

O único atacante que o Grêmio dispunha com velocidade era Vargas. Esta opção de jogo é importante para o treinador. A bola longa, em profundidade. Leandro tem essa característica e parece ter evoluído muito como jogador.

Conceitos

Abel Braga, na longa entrevista que deu na terça-feira, falou que gostaria de ter Edinho e Rafael Sobis de volta. Foi desautorizado pela direção colorada, ontem. O técnico mostrou conceitos de aproveitamento com jogadores que já trabalharam com ele.

Rafael Moura foi lembrado como um jogador importante, mas Abel pouco falou sobre o argentino Scocco, que este ano foi o craque da Libertadores. A direção parece atenta aos fatos e concorda com alguns conceitos do treinador e refuga outros.

É demaaaais!

Os envolvimentos pouco recomendáveis de torcedores do Vasco em brigas determinou que a Nissan cancelasse o patrocínio de quatro anos que tinha com o clube. A maioria dos dirigentes não se dá conta do malefício que as organizadas trazem para o clube.

Acho que este exemplo, com a empresa não querendo misturar sua marca com marginais, vai fazer muita gente mudar de opinião.

Até agora, qual foi a contratação mais frustrada: P.H. Ganso no São Paulo, Montillo no Santos, Alexandre Pato no Corinthians ou Barcos no Grêmio???

Leia o post original por Milton Neves

“Comprar gato por lebre” é ditado comum ao mundo do futebol quando se trata de negociações frustradas.

Aquele jogador se destacava em outra equipe e quando chega ao seu time não rende 10.34% de outrora.

Recentemente, não são poucas as transferências que ganham o carimbo felino:

Ganso no São Paulo – em setembro de 2012, o Tricolor anunciou a compra do meia santista, que ainda precisava se preparar fisicamente para estrear pelo novo clube. Até agora, a ave do Morumbi soma poucas atuações convincentes e não fez justiça ao investimento são-paulino.

Montillo no Santos – o Cruzeiro tentou segurar o armador argentino o máximo que pôde, recusando até uma vantajosa proposta corintiana. Em janeiro de 2013, o camisa 10 chegou à Vila Belmiro para substituir P.H. Ganso e não conseguiu firmar-se como principal referência no meio-campo santista.

Pato no Corinthians – os R$ 40 milhões que o Timão pagou ao Milan ainda estão saindo “caro”. O atacante tem poucas oportunidades com Tite e já declarou que gostaria de jogar mais. Apesar da qualidade incontestável, Pato ainda não mostrou a que veio.

Barcos no Grêmio – o Palmeiras foi muito criticado pela negociação do último cerebral de seu elenco. Mesmo rebaixado, o Verdão dependeu dos gols de Barcos para ter sobrevida no Brasileirão do ano passado. Porém, a transferência já rendeu gratas surpresas para o Alviverde e uma certa frustração por parte dos gremistas, que presenciam um incômodo jejum de gols do Pirata.

E para você, torcedor, qual destas “pernadas” foi a pior contratação?

Relembre outros casos nos comentários!

Opine!!!

Negócios

Leia o post original por Pedro Ernesto

Faltam três dias para o fechamento da janela de transferências para jogadores vindos do Exterior. Até agora, o mais próximo do Beira-Rio é o atacante argentino Saviola. Haveria, inclusive, um acerto com ele, livre desde o final do contrato com o Málaga, da Espanha.

A impressão é de que Saviola seria a carta na manga da direção. Estaria atrás de Nilmar, cuja liberação foi negada pelo Al Rayyan/Cat. Também de Scocco, do Newell’s, o sonho de consumo do Inter. Principalmente, depois de ter descoberto que o River Plate, com bem menos recursos, abriu conversas.

Engenharia

A classificação do Inter na Copa do Brasil é iminente. O América-MG mostrou-se inferior, embora o primeiro tempo de qualidade em Caxias do Sul. Nos dois últimos jogos em casa, empatou em 2 a 2, com Bragantino e Paraná.

Outra vez, Dunga precisa mexer no time. Fabrício sentiu dores musculares e virou dúvida. Airton passou três dias gripado e fora de ação. Menos mal que volta Willians ao time.

Zé Roberto

A imagem de Zé Roberto acertando o tornozelo do lateral-direito Lucas, do Botafogo, é forte. Exibida em um tribunal tem impacto e pode enredar o meia.

Mas a história de Zé Roberto, seu caráter e suas atitudes dispensam advogados. Trata-se de um modelo de profissional, não lembro de um episódio em que ele tenha sido desleal. Ontem, ele conversou com Lucas. Ouviu que foi lance de jogo. E é vida que segue.

Uma prévia do que virá no Gauchão 2014 acontece a partir das 20h, em Rio Grande. O São Paulo recebe o Brasil-Pe no primeiro jogo da final da Segundona. São dois clubes centenários e que fazem parte da história do futebol gaúcho.

Me desculpem os clubes rebaixados no Gauchão 2013, mas Brasil e São Paulo, com suas torcidas fiéis e seus currículos, estavam no lugar errado e representam um acréscimo para o próximo campeonato. A TVCOM mostra o jogo. Eu não perco por nada.

Não adianta ter time de feras sem entrosamento

Leia o post original por Mion

A verdade com ou sem dor

O ritmo alucinante de negociações no futebol brasileiro causou um novo perfil nos clubes. No passado o fim de ano era a fase em que os grandes clubes buscavam dois, três ou até quatro reforços. O objetivo pontual de melhorar o potencial do elenco e solucionar deficiências apresentadas em determinadas posições.

Atualmente dificilmente o plantel é reforçado, e sim substituído. Vende o zagueiro e contrata outro. Ou seja, roda, roda e fica no mesmo lugar. É claro que há exceções, mas a grande maioria é assim.

Com esse processo os ídolos não existem mais. Qualquer jogador acima da média não esquenta a camisa e já segue para exterior. Quando falo esquentar a camisa significa jogar pelo menos três ou quatro anos no mesmo clube. E o mais grave, não são apenas os craques, até mesmo aqueles jogadores não dotados de técnica, mas de dedicação não ficam muito tempo. Eles eram os “reis da raça”, encarnavam a camisa do clube.

Além da falta de identidade com o clube e torcedores, as equipes também não conseguem o reforço principal para qualquer grupo: entrosamento. Após a formação do elenco, até o  pessoal encaixar e começar a conhecer o comportamento do companheiro demora pelo menos seis meses. A continuidade do trabalho de uma equipe é fundamental. Não é por acaso que o Barcelona chegou ao patamar que ostenta. Além do talento individual, espinha dorsal é a mesma há quase cinco anos. Há entrosamento perfeito, enfim um grupo de verdade.

A ciranda de jogadores funciona por colocá-los na vitrine sempre visando uma negociação o mais breve possível. Enquanto grupos de empresários mandarem mais que os dirigentes, o futebol brasileiro viverá desta forma e perderá cada vez mais qualidade e identidade. Serão apenas prateleiras de um Hipermercado com grandes ofertas.