Arquivo da categoria: Neymar

O “novo” Neymar

Leia o post original por Flavio Prado

Thomas Tuchel, técnico muito competente do PSG, percebeu a dificuldade de fazer seu time jogar com apenas estrelas do futebol. O grande Johan Cruyff já dizia: “onze grandes jogadores, não significam um grande time de futebol”. O jogo é coletivo e o equilíbrio, fundamental. Tuchel percebeu que a bola precisaria chegar com qualidade nos ótimos atacantes que têm. Perdeu Thiago Motta, que parou. Verratti não vinha bem. Então o jeito foi “improvisar”. E inventou o “novo” Neymar

Pegou o melhor que tinha e propôs um acordo. Neymar deixaria o ataque em nome de um maior equilíbrio da equipe. No começo foi esquisito, mas agora já vemos uma desenvoltura bem interessante. No jogo contra o Napoli, Neymar meteu 3 bolas impressionantes para M’bappé, inclusive uma que terminou em gol.

Neymar está jogando como os saudosistas gostavam de chamar o meia de ligação. Ele é o velho “camisa 10”, o armador, o ponto de apoio da equipe milionária francesa. Esse primeiro passo pode ser interessante também para a carreira dele e, em algum momento, até para a seleção brasileira. O cara que pensa o jogo costuma ajeitar as grandes equipes. A falta dele podem gerar desequilíbrio. Estou ansioso por ver mais do “novo” Neymar.

Diretor da DIS ironiza estafe de Neymar: ‘feliz com chance de pena maior?’

Leia o post original por Perrone

A mais recente decisão da Justiça espanhola sobre Neymar deflagrou nos bastidores uma espécie de disputa entre os estafes do jogador e da DIS, empresa que detinha 40% dos direitos econômicos do jogador, para ver quem demonstra mais otimismo em relação ao desfecho da batalha judicial.

Ao UOL Esporte, a equipe do jogador afirmou ter sido bom para o atleta o juiz responsável pelo caso se julgar incompetente para julgá-lo e determinar que um tribunal formado por três juízes faça o julgamento.

Em contato com o blog, Roberto Moreno, diretor da DIS, ironizou a visão otimista de Altamiro Bezerra, diretor financeiro do Instituto Neymar Júnior.

“Não quero cutucar ninguém, mas é uma incoerência ele (Altamiro) dizer que ficou feliz com a decisão. A promotoria tinha pedido dois anos de prisão, agora o juiz calcula que a pena pode chegar a seis anos. Quem fica feliz ao saber que uma pena pode passar de dois para seis anos?”, afirmou o executivo da DIS.

Ele se refere ao fato de, inicialmente, a promotoria ter pedido a condenação de Neymar por dois anos, além de multa, por suposta irregularidade na transferência do Santos para o Barcelona em 2013.

Agora, o juiz José Maria Vázquez Honrubia entendeu que a pena pode chegar a seis anos de prisão e ele só pode julgar casos com previsão máxima de condenação por cinco anos. Por isso, o juiz se considerou incompetente para julgar o caso.

“Você já viu alguém comemorar porque pode pegar uma pena maior do que antes? Não faz sentido”, afirmou Moreno, ainda sobre a reação do estafe de Neymar.

O caso envolve também os pais de Neymar, o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rossell, atualmente preso por outras acusações, o atual principal mandatário do clube, Josep Maria Bartolomeu, e Odílio Rodrigues, que presidiu o Santos, além dos dois clubes.

A declaração rebatida por Moreno foi a seguinte demonstração de confiança dada por Bezerra ao UOL Esporte: “a notícia é boa para nós porque já é o segundo juiz que se considera incompetente para julgar o pedido da DIS. Isso enfraquece o pedido. Agora o juiz alegou incompetência  porque ele só cuida de casos com pedido de prisão até cinco anos. Eles pediram seis. Outro ponto favorável para nós é que a Justiça, na Espanha e no Brasil, já entendeu os valores recebidos pelo Neymar como sendo salário”.

As duas partes também esbanjam otimismo em relação ao pedido de condenação. Para a DIS, as provas contra Neymar são absolutas, e o fato de Honrubia calcular que a pena pode chegar a seis anos seria um indício de que a punição é viável.

Do outro lado do muro, o estafe do jogador do PSG diz ter certeza de que ele não será preso. Primeiro por considerar não existirem provas de que foi cometido crime na transferência dele para o Barça. Para a DIS, houve uma simulação entre os envolvidos para diminuir a quantia que a empresa tinha a receber pelos 40% dos direitos econômicos.

A defesa do astro da seleção brasileira também justifica sua posição otimista com o fato de o jogador ser primário. Pelas leis espanholas, ele só poderá ser preso ser for condenado a mais de cinco anos. O entendimento é de que um réu primário não pegaria pena perto da máxima e teria a condenação transformada em multa.

Mas a hipótese de condenação não é levada em conda pelo estafe do atleta, que sempre alegou inocência.

Em nota, a assessoria de imprensa de Neymar também afirmou que ao se declarar incompetente para julgar o caso, Honrubia, “reforça o pedido que foi negado à defesa”, que “contestava a competência desta corte em julgar o caso. Consequentemente todos pedidos e atos praticados por essa corte tornam-se nulos”.

Completando a demonstração de otimismo, o comunicado afirma que “fica claramente demonstrado que a Espanha não tem jurisdição para julgar a demanda da DIS”.
Oficialmente, Neymar foi vendido pelo Santos por 17,1 milhões de euros. O Barcelona pagou 40 milhões de euros para a N&N, pertencente aos pais do jogador. A empresa entende que essa quantia fazia parte da negociação pelos direitos econômicos. Assim, deveria entrar na conta dos 40% a que ela tinha direito.
Leia também:

 

Opinião: melhora de Neymar na seleção merece ser vista com cautela

Leia o post original por Perrone

A atuação de Neymar contra a Arábia Saudita, com direito a duas assistências, serviu para mostrar para ele mesmo e Tite de que o camisa 10 pode ser muito útil na seleção brasileira sem fazer gols.

Com sua qualidade, pensando e destribuindo o jogo, ele é capaz de ser mais letal do que simplesmente como o cara que dribla e tenta o gol.

Além das assistências para Gabriel Jesus e Alex Sandro. O jogador do PSG mostrou evolução ao evitar simulaçôes e reclamações.

Ao contrário do que fez na eliminação na Copa da Rússia diante da Bélgica, desta vez, após o triunfo por 2 a 0 sobre os sauditas, ele deu entrevistas. Não merece elogio por isso, já que é praticamente uma obrigação dos líderes de qualquer time representarem os colegas diante da imprensa.

O saldo do amistoso em Riad é postivo para Neymar, mas deve ser visto com cautela. É prudente desconfiar que ele possa ter uma recaída, como tantas que já teve.

Além disso, o adversário da última sexta era frágil. Ou seja, é interessante esperar o desempenho de Neymar contra a Argentina, na próxima terça (16), para uma avaliação mais consistente sobre se o principal jogador da seleção está em fase de evolução, principalmente comportamental.

Nada melhor do que Argentina para testar Neymar emocionalmente , tecnicamente e taticamente.

Mas, independentemente do que acontecer, é importante entender que também será apenas mais um pequeno passo no ciclo para o próximo Mundial.

Do mesmo jeito que não é razoável considerar Neymar recuperado pelo que apresentou contra a Arábia Saudita não será justo carimbá-lo como irrecuperável caso haja uma recaída diante dos argentinos.

Leia também:

Opinião: Tite volta a criar realidade particular ao avaliar Arábia Saudita

 

Para estafe, seguidores embalam valorização da imagem de Neymar

Leia o post original por Perrone

Como mostrou a coluna De Primeira, segundo Altamiro Bezerra, diretor financeiro da NR Sports, ligada a Neymar, a imagem do jogador se valorizou desde a última Copa do Mundo. O cálculo é de que já houve um incremento de 60% no faturamento em relação ao ano anterior graças a novos contratos e renovações. Segundo o estafe do jogador, o aumento gradual se deve em parte à valorização dos perfis do atleta nas redes sociais.

Na conta dos que trabalham para o astro do PSG, ele tem cerca de 250 milhões de seguidores em diferentes contas. A quantidade de gente que “consome” Neymar na rede é vista como importante atrativo para os patrocinadores.

O argumento é de que a maioria das empresas que procura o jogador está mais preocupada com o número de postagens em que suas marcas vão aparecer do que com as horas que terão para gravar comerciais de TV com Neymar. Nessa avaliação, as parceiras conseguem atingir mais eventuais consumidores pela internet do que pela televisão. Nas redes sociais, o contato do público alvo com o garoto-propagada também sugere mais proximidade.

Fãs do jogador da seleção brasileira já estão acostumados a ter conhecimento dos fatos mais relevantes da vida dele pela internet. Foi através das redes sociais, por exemplo, que ele se manifestou de maneira oficial pela primeira vez após a eliminação do Brasil na Copa do Mundo.

Claro que nessa equação também é vital o desempenho esportivo do jogador, além de seu comportamento dentro e fora de campo.

Ainda segundo quem integra a equipe responsável pela imagem de Neymar, a maior parcela das empresas querem contar com o jogador no ciclo completo para o próximo Mundial, em 2022, no Qatar.

Nos próximos dias, ele deve anunciar mais de um novo patrocinador. Os nomes dos futuros parceiros estão sendo mantidos em sigilo.

 

Opinião: Tite erra ao dizer que Neymar entendeu responsabilidade de capitão

Leia o post original por Perrone

“Coloquei em Neymar o apoio e a responsabilidade. Ele conseguiu ler os dois. O apoio como jogador e a responsabilidade pela capitania.”

A afirmação de Tite, nesta sexta (21), durante entrevista coletiva, mostra uma leitura equivocada do treinador da seleção brasileira sobre o recente comportamento do astro como capitão.

No amistoso contra os Estados Unidos, de fato, ele se comportou bem, sem arrumar confusões inadmissíveis para quem ostenta a braçadeira da seleção brasileira.

Porém, contra El Salvador, no último dia 11, o atleta do PSG recebeu cartão amarelo por simulação. Ou seja, foi punido por um vício que Tite espera corrigir com a faixa de capitão. Evidentemente, a estratégia não funcionou nesse jogo.

É difícil acreditar que o treinador da seleção brasileira tenha sido tão míope em relação ao episódio. Mais plausível é crer que ele tentou tapar o sol com peneira ao dizer que Neymar entendeu a responsabilidade embutida na capitania. Entendeu coisa nenhuma. O cartão amarelo mostra isso.

Da mesma forma, o técnico parece não ter compreendido que não vai ajudar o jogador a evoluir passando a mão na cabeça dele. E muito menos usando a faixa de capitão da seleção para pressionar um atleta que não é o mais indicado ao posto e já se sentia muito pressionado.

Neymar vive cercado de gente que não o ajuda a enxergar seus defeitos. Cabe aos técnicos dele apontar as falhas, indicar as soluções e trabalhar com ele para o acerto.

Proteger o mundo imaginário no qual todos querem ferrar Neymar, o “milionário de vida digna de pena”,  fará o principal jogador da seleção brasileira ficar estagnado. Ou até regredir. Ao mesmo tempo, Tite vai desgastando sua imagem, já desbotada diante de parte de imprensa e torcida. Mas ele terá problemas mesmo se a cegueira em relação ao camisa 10 o desmoralizar perante os demais jogadores.

Leia também:

Opinião: faixa de capitão deve ser usada em prol da seleção, não de Neymar

Tite observa nova função de Neymar no PSG, mas diz preferi-lo pela esquerda

Opinião: faixa de capitão deve ser usada em prol da seleção, não de Neymar

Leia o post original por Perrone

A faixa de capitão da seleção brasileira não é para ser dada, mas conquistada por quem a merece.

Não é para ajudar um jogador a evoluir, mas para ser usada por quem está mais preparado para exercer a função e contribuir com a equipe.

Muito menos é um instrumento de pressão. Pelo contrário, quem a ostenta deve se sentir confortável no papel a ser cumprido.

Por tudo isso, este blogueiro considera um erro Tite ter nomeado Neymar capitão da seleção.

O jogador do PSG deixou a Copa da Rússia sem desempenhar o papel de líder do time nacional dentro e fora de campo. Nem deu entrevista coletiva após a eliminação diante da Bélgica, algo básico para quem pretende liderar.

Então, o que Neymar fez para merecer a braçadeira desde a queda no Mundial? Nada, já que a partida contra os Estados Unidos, na última sexta (7), foi a primeira do novo ciclo.

Se a intenção é fazer com que o camisa 10 melhore no aspecto disciplinar e tenha uma postura mais adulta em campo, Tite corre o risco de ter um capitão ineficiente. Seria melhor deixar a faixa com quem já está pronto para cumprir a missão.

Como mostrou o UOL Esporte, a ideia da comissão técnica é fazer com que a pressão pela função contribua para o desenvolvimento de Neymar. Um forma de fazer com que ele mostre a cara na seleção.

Tite deveria levar em consideração o fato de que quem mostra a cara sem estar preparado está sueito a apanhar. Em outras palavras, será que é uma boa pressionar mais quem já não estava suportando a pressão (absolutamente natural) que carregava?

Vale lembrar que Neymar já foi capitão da seleção e nada mudou. Acabou dispensando a patente. A volta à função, então, só deveria acontecer quando ele estivesse preparado e não para ajudar em sua preparação. Afinal, o capitão deve ajudar a seleção. Fazer o contrário é jogar contra o espírito coletivo.

Neymar de capitão da Seleção? Piada, hein Tite?!!!

Leia o post original por Craque Neto

Comecei a jogar bola profissional junto com o Tite no Guarani de Campinas. Ele sempre foi um meio-campista de qualidade que só não teve mais sucesso por causa da sequência de lesões. De qualquer forma desde aquele tempo já dava pra perceber que ele tinha jeito para comandar. Era um cara que pensava diferente. Tinha umas idéias e conceitos de futebol diferentes da média da boleirada. Não à toa se transformou em um grande treinador. Não à toa está na frente da Seleção Brasileira. Já disse dezenas de vezes que não acho que ele é o responsável pelo insucesso da […]

O post Neymar de capitão da Seleção? Piada, hein Tite?!!! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Opinião: para que deveria servir o amistoso com os Estados Unidos

Leia o post original por Perrone

O amistoso contra os Estados Unidos, nesta sexta, às 21h05 (horário de Brasília), em Nova Jersey, marca o início do ciclo do Brasil em busca da disputa da Copa de 2022. Por isso, o jogo não é banal e precisa ser bem aproveitado por Tite.

Porém, na opinião deste blogueiro, o treinador já demonstrou que vai perder algumas oportunidades. As principais são testar Neymar na função de armador, como passou a jogar no PSG, e um novo nome para o gol brasileiro.

Indício de desperdício em termos de experimentar novidades é o fato de o time titular no último treino antes do jogo ter dez atletas que disputaram o Mundial da Rússia. O lateral Fabinho é o único que não participou da disputa.

Pelo que fez nos treinamentos, Tite deve manter Neymar pela esquerda, posição em que depende da aproximação de outros jogadores para render. Isolado na ponta, ele tende a tentar jogadas individuais. Como os adversários dobram ou até triplicam a marcação, fica tudo mais difícil.

Pensando na próxima Copa, Tite poderia aproveitar os jogos contra Estados Unidos e El Salvador, dia 11, para analisar Neymar com mais mobilidade e preocupação em reger o time do que como solista. Tudo indica que isso não vai acontecer.

No gol, está mantido Alisson. Sua presença não acrescenta nada em termos de observação. Como foi titular na Rússia, não há o que o treinador descobrir nele. Muito mais importante seria ver como outro goleiro se sai como titular, ainda que com a certeza de que a vaga seria devolvida a Alisson depois.

Entre os convocados, muito mais valioso seria observar Neto defendendo a meta brasileira desde o começo e por 90 minutos. É capaz que ele entre no decorrer do jogo.

O início de trabalho também é importante para o treinador planejar renovações na zaga e nas laterais.

Entre os zagueiros, ele faz uma boa opção ao começar com Thiago Silva e Marquinhos. O ex-corintiano desponta como futuro do Brasil na posição. Thiago dificilmente chegará em condições de ser titular no Qatar, mas sua experiência é importante para maturar a próxima dupla.

Nas lateais, o único que realmente carrega a bandeira da renovação entre os convocados é Militão, chamado depois da lesão de Fagner. É importante que ele entre no segundo tempo contra os norte-americanos.

Arthur, Andreas Pereira, Lucas Paquetá, Richarlisson e Everton também merecem voltar do giro norte-americano com 45 minutos de seleção no currículo. Menos do que isso, será muita mobilização para pouca observação.

Seleção sem” pegada” não ganha mais nada.

Leia o post original por Nilson Cesar

De nada adianta termos jogadores de boa qualidade técnica e faltar a pegada para ser campeão. Assim que vejo a seleção brasileira. Temos bons jogadores no grupo, mas falta o algo mais.  Um grupo de jogadores com muitas brincadeiras e de foco duvidável. Queria ver o Brasil com a garra dos jogadores da Croácia por exemplo. Neymar é o cara diferente e se continuar com o oba oba de sempre também não ganha nada. Tite não pode dar privilégio  a ninguém. Seriedade e foco. Talvez assim possamos sonhar em ser campeão do mundo de novo.

Opinião: atuação de Neymar em vitória reforça erro de Tite na Copa

Leia o post original por Perrone

A boa atuação de Neymar na vitória do PSG por 3 a 1 sobre o Angers, neste sábado, reforça a opinião deste blogueiro de que Tite errou feio com o principal jogador da seleção brasileira na Copa da Rússia.

O bom desempenho do astro brasileiro na partida do Campeonato Francês foi resultado principalmente de uma mudança de função. Thomas Tuchel, novo treinador do Paris Saint-Germain, o colocou para atuar como armador, o articulador central de jogadas da equipe. Assim, foi mais participativo, distribuiu o jogo, prendeu menos a bola e, consequentemente, sofreu menos faltas.

Em solo russo, Tite teimou em deixar Neymar plantado na esquerda. Isso limita a exploração das qualidades de um atleta de alto potencial.

Como ponta, o camisa 10 da seleção dependia da aproximação de outros jogadores, principalmente do lateral, para tabelar. E isso aconteceu menos do que devia, sobretudo quando Marcelo esteve em campo.

Isolado, Neymar se limitava a partir para as jogadas individuais. Os adversários dobravam ou até triplicavam a marcação, o que fazia as chances de sucesso do brasileiro serem reduzidas. Perder a bola ou sofrer a falta eram os desfechos mais prováveis.

Deixar um cara do nível de Juninho, como ele é chamado pelo pai, fixo na esquerda equivale chamar o chef Alex Atala para cozinhar na sua casa e pedir apenas que ele corte as cebolas. Desperdício puro.

Tuchel indica entender que Neymar é mais útil como 10 do que como 11. Sendo o homem da criação. Tite deveria se inspirar no trabalho do colega e reprogramar o estilo de jogo de seu atleta mais talentoso na seleção.