Arquivo da categoria: Novorizontino

Pitacos – Verdão classifica com SHOW e Peixe elimina líder geral do Paulistão!

Leia o post original por Craque Neto

Definidos dois semifinalistas do Paulistão. Os dois esperados, diga-se de passagem! O Santos foi para Campinas encarar o Red Bull no estádio Moisés Lucarelli com a vantagem de dois gols construída no jogo de ida, no Pacaembu. Dentro de campo a partida foi disputadíssima, concentrado no meio-campo, mas o Peixe conseguiu segurar o ataque dos donos da casa garantiu seu lugar na próxima fase. Enfrentará o vencedor do jogo entre Corinthians e Ferroviária que acontecerá amanhã. O time da Baixada, por sinal, é o único clássico que o Timão ainda não venceu em 2019. Vale sim ressaltar o incrível trabalho […]

O post Pitacos – Verdão classifica com SHOW e Peixe elimina líder geral do Paulistão! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Veja como polêmica sobre VAR extrapola guerra entre Palmeiras e FPF

Leia o post original por Perrone

A nova disputa entre Palmeiras e Federação Paulista, agora por causa do uso do VAR no empate do alviverde com o Novorizontino na abertura das quartas de final do Paulista respinga em outros temas e personagens. Confira abaixo.

Sobrevivência do Paulista

Cada vez que o Palmeiras chama o Estadual de Paulistinha, como fez após o lance polêmico em Novo Horizonte, dá uma estocada numa competição que luta para não perder espaço, assim como os torneios dos outros Estados. Em novembro do ano passado, ao UOL Esporte, Fernando Manuel Pinto, diretor de  direitos esportivos do Grupo Globo, defendeu a discussão sobre o tamanho desses campeonatos. “De fato, tenho defendido que o futebol brasileiro repense o calendário. Joga-se demais, e com pouca orientação comercial na alocação de datas. Em qualquer cenário, vejo pontos relevantes nos Estaduais como a grande rivalidade, finais eletrizantes. Mas olhando estrategicamente, tenho provocado reflexão sobre redimensionamento e reposicionamento dos Estaduais. O fato de 1/3 do ano estar dedicado a eventos apenas regionais (se considerar torneios regulares, não o mata-mata, que é incerto por natureza) traz efeitos colaterais”, afirmou o executivo na ocasião, por meio de nota oficial. Ou seja, ao diminuir a importância do Paulista, o Palmeiras ajuda esse discurso de que os Estaduais devem ser menores. Campeonatos mais curtos significam menores receitas. Vale lembrar que Globo tem contrato com a FPF para transmitir o Campeonato Paulista até 2021.

Patrocínio

Imagine você tentando vender um produto e uma grande instituição fazendo bombar em suas redes sociais críticas ao que você negocia. Em tese, é isso que acontece quando o Palmeiras detona o Campeonato Paulista, que tem como uma de suas fontes de receita a venda de cotas de patrocínio. As críticas palmeirenses têm potencial para atrapalhar os negócios da federação.

Duelo de marcas

Coincidentemente, hoje, o principal patrocinador do Campeonato é a Sicredi, concorrente da Crefisa, poderosa parceira palmeirense. Nesse cenário, se o alviverde conquistar o título e comparecer à festa de encerramento da competição para ser homenageado, provavelmente terá seus jogadores num cenário decorado com a logomarca da concorrência. Mas, como o clube está rompido com a entidade e não comparece a seus eventos, isso não deve acontecer, independentemente da colocação palmeirense.

Pressão na arbitragem

Desde que o Palmeiras rompeu com a FPF, após entender que houve interferência externa na anulação de um pênalti a seu favor na final do Paulista do ano passado, vencida pelo Corinthians, apitar jogos do time é complicado. Após o episódio em Novo Horizonte, a pressão é dobrada na equipe de arbitragem que vai atuar na partida de volta da quartas de final nesta terça (2). E continuará assim se o time de Felipão avançar.

TJD x Palmeiras

A direção palmeirense já não mantinha boa relação com o Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo por entender que não foi tratada justamente em seus pedidos referentes à decisão do Paulista do ano passado. Nesta segunda (25), o presidente do órgão, Antonio Assunção de Olim, jogou mais lenha na fogueira. Ele afirmou que o clube não para de chorar e disse que mandará um lenço para a alviverde. Como ficam os próximos julgamentos envolvendo o Palmeiras no órgão? A diretoria vai citar o episódio para contestar a isenção do tribunal?

De novo no olho do furacão

A polêmica em Novo Horizonte coloca outra vez sob os holofotes Thiago Duarte Peixoto. Árbitro assistente de vídeo no jogo dos palmeirenses contra o Novorizontino, ele apitou Corinthians x Palmeiras em Itaquera, em 2017, e expulsou incorretamente o corintiano Gabriel no lugar de Maycon.

Opinião: entre grandes, só SPFC evoluiu no início da 2ª fase do Paulista

Leia o post original por Perrone

Na opinião deste blogueiro, entre os considerados grandes, o São Paulo foi o único time que evoluiu na abertura das quartas de final do Paulista em relação à sua média na competição. O nível baixo em que a equipe  se encontrava, tem peso decisivo nesse status. Porém, apesar de vacilar no gol do Ituano durante a vitória por 2 a 1, no último domingo (24), o clube do Morumbi apresentou um futebol competitivo, capaz de jogar em igualdade de condições com seus principais rivais estaduais.

Mancini deixou o time mais jovem e leve graças a jogadores como Luan, Igor Gomes, Liziero e Antony. As dificuldades na armação foram superadas e os são-paulinos frequentemente invadiram a área adversária. De acordo com o site “Footstats”, a equipe tricolor fez na partida 21 finalizações, sendo oito certas. Sua média no campeonato é de 12,6 arremates por jogo.

No entanto, a defesa voltou a bobear e levou um gol que mantém a briga pela vaga nas semifinais equilibrada. O treinador interino ainda precisa corrigir falhas de posicionamento no setor defensivo.

Em relação à sua partida anterior, em que foi derrotado por 4 a 0 pelo Botafogo, com vários reservas, o Santos evoluiu na vitória por 2 a 0 sobre o Red Bull. Em alguns momentos do jogo, o time de Sampaoli voltou a apresentar o toque de bola envolvente de seus melhores momentos no Estadual. Mas não dá pra dizer que houve evolução em relação à média do desempenho santista no campeonato.

Já o Corinthians regrediu um pouco no empate em um gol fora de casa com a Ferroviária. O time de Carille exagerou nas trocas de passes laterais, teve dificuldade na armação e para aproximar seus meias e atacantes, numa repetição de problemas que vinham diminuindo nas últimas rodadas. Depois de levar o gol, os corintianos tiveram dificuldade em fazer a leitura do jogo e reagir. Em suas apresentações anteriores, a equipe começava a mostrar entrosamento para fazer exatamente o que precisava.

Por sua vez, o Palmeiras penou mais do que deveria para empatar com o Novorizontino também em um gol. De novo, o time de Scolari não fez valer em campo a superioridade técnica de seus jogadores. Também de acordo com o “Footstats”, o alviverde fez apenas uma finalização certa a mais do que o rival: 7 contra 6. No total, os palmeirenses executaram 13 arremates diante de 11 do adversário.

Entre os times do interior, o Red Bull jogou abaixo do que apresentou na primeira fase. Novorizontino, Ituano e Ferroviária fizeram boas apresentações. O resumo é que apenas o Santos, em tese, entra na segunda rodada das quartas de final respirando mais aliviado, apesar de nada estar definido. Os outros três confrontos prometem ser mais emocionantes.

Antes de polêmica sobre VAR, Palmeiras rejeitou palestra da FPF

Leia o post original por Perrone

Antes da polêmica entre Federação Paulista e Palmeiras por conta do VAR, o alviverde recusou oferta da FPF para fazer uma palestra sobre o árbitro auxiliar de vídeo no clube. Consultada pela entidade, a direção palmeirense agradeceu, mas disse que já tinha participado de evento semelhante via Conmebol e CBF. A assessoria de imprensa da agremiação confirmou a informação ao blog.

Além de apresentações aos jogadores e comissões técnicas das equipes envolvidas nas quartas de final do Campeonato Paulista, a federação convidou treinadores para irem até a entidade para operar o equipamento de VAR. O corintiano Fábio Carille e o são-paulino Vagner Mancini foram até a entidade para fazer os testes. O palmeirense Felipão e o santista Sampaoli não apareceram.

A assessoria de imprensa de Felipão não fala com o blog, mas disse ao UOL Esporte que o “Palmeiras  não foi (à sede da federação em reunião sobre as quartas de final). Scolari é funcionário do Palmeiras.”. Por sua vez, o departamento de comunicação palmeirense disse que não chegou ao clube convite específico para o técnico testar o VAR. Também ao UOL Esporte, a assessoria de imprensa do Santos disse que Sampaoli não compareceu porque estava viajando com o time quando recebeu o convite.

Na fase de preparação para o uso do árbitro de vídeo, a FPF teve a intenção de deixar treinadores, jogadores, dirigentes e jornalistas operarem o sistema para sentir suas dificuldades. Este blogueiro operou o simulador do VAR. Além de Mancini, os são-paulinos Hudson, Hernanes e Lugano, superintendente institucional do clube, participaram dos testes, assim como o corintiano Andrés Sanchez.

Nas palestras realizadas nos clubes, a equipe da federação explica quando o árbitro de vídeo pode entrar em ação, os procedimentos a serem adotados pelos juízes em campo e o que espera do comportamento dos atletas. Dos oito participantes das quartas de final apenas o Palmeiras avisou que não gostaria de receber o estafe da FPF para a palestra.

Justamente no primeiro jogo do time nos mata-matas do Estadual, o empate em um gol com o Novorizontino, houve polêmica com o VAR. Os palmeirenses reclamam de um toque de Murilo Henrique com o braço antes do lance do gol do adversário. A federação respondeu em rede social com a imagem que a equipe de arbitragem utilizou para validar o lance, alegando que não houve infração. O clube respondeu afirmando que a federação tenta defender o indefensável.

Palmeiras e FPF se desentendem desde a final do Campeonato Paulista do ano passado, vencida pelo Corinthians no Allianz Parque. O time da casa alega que teve um pênalti a seu favor anulado após interferência externa na arbitragem, o que a federação nega ter acontecido.

Com Arthur Sandes, Diego Salgado e Eder Traskini, do UOL em São Paulo e colaboração para o UOL em Santos

Tabela do Paulistão faz renda de times diminuir

Leia o post original por Craque Neto

A tabela do Paulistão 2019 está expondo alguns times em jogos de pouca torcida e comércio esvaziado. Comerciantes estão perdendo vendas e os clubes do interior estão arrecadando pouco com as arquibancadas vazias.

O post Tabela do Paulistão faz renda de times diminuir apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Carniça? Pior é que é VERDADE!

Leia o post original por Craque Neto

Após perder de 3 a 0 para o Palmeiras no último sábado, vazou um áudio onde o zagueiro Anderson Salles, que joga no Novorizontino, reclamou de ter encarado o Verdão pela frente. Segundo ele preferia ter jogado contra o São Paulo, a quem se referiu de ‘aqueles CARNIÇA’. Posso falar a verdade? Nesse caso são duas situações claras: em primeiro lugar o Anderson tem um baita de um amigo traíra que deixou o áudio dele espalhar no ‘Zap’. Independente de ética profissional e blá-blá-blá o que ele disse nada mais é do que a VERDADE. Isso mesmo! A grande maioria desses […]

O post Carniça? Pior é que é VERDADE! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

FPF vai rever regra sobre mandos de jogos em 2019 após queixa do Palmeiras

Leia o post original por Perrone

Depois de o Palmeiras reclamar da mudança de mando favorecendo o Corinthians contra o Bragantino nas quartas de final do Paulista, Reinaldo Carneiro Bastos combinou com os clubes de rever a regra sobre alteração de locais das partidas para o próximo Campeonato Paulista.

Maurício Galiotte, presidente palmeirense, protestou durante o encontro que definiu a tabela dos mata-matas, o que gerou discussão com o corintiano Andrés Sanchez. Bastos, mandatário da federação estadual, precisou intervir.

Procurado, o departamento de comunicação da FPF confirmou ao blog que a entidade e os clubes acordaram rever esse ponto do regulamento para a próxima temporada.

Apesar de ter se queixado do fato de o Corinthians jogar como visitante com o Bragantino no Pacaembu, sua segunda casa, o Palmeiras não reclamou quando foi beneficiado por situação semelhante. Em 2015, na primeira fase da competição, o Audax mandou seu jogo no Allianz Parque, território alviverde.

Galiotte, na ocasião, era vice-presidente do clube. Nessa condição ele teve atuação destacada no departamento de futebol. Pelo menos publicamente, o dirigente não se posicionou contra a medida na ocasião.

Em sua defesa, o cartola tem o fato de que não representou o clube nas reuniões para discutir o regulamento em 2015. E que como não era presidente, não cabia a ele se posicionar oficialmente sobre o tema. O alviverde era presidido por Paulo Nobre.

Galiotte se diz contra inversões de mando ou situações que se aproximam disso tanto nos mata-matas como na primeira fase. Sua alegação é de que há quebra do equilíbrio técnico da competição. Com esse argumento, ele tentou já na reunião que discutiu o regulamento de 2018 que fossem vetadas atitudes como a do Bragantino nas quartas de final. O time do interior pediu para mandar sua partida diante do Corinthians no Pacaembu em busca de renda melhor. Vencido, o palmeirense voltou a se manifestar no encontro que discutiu as quartas de final.

Na primeira tentativa de barrar a mudança de mando, o Galiotte ouviu da federação que se clubes fossem impedidos de mandar partidas fora de suas cidades, o Santos não poderia atuar na capital, onde tem jogado, além da Vila Belmiro.

Em 2017, o beneficiado foi o São Paulo, que enfrentou o Linense duas vezes no Morumbi pelas quartas-de-final. Galiotte já era presidente do Palmeiras e falou em desequilíbrio, mas foi menos enfático do que no caso corintiano. “Eu enxergo que tem um desequilíbrio, mas a escolha é deles. O Palmeiras tem que pensar no Novorizontino, não tem que opinar sobre outros jogos”, disse ele na ocasião.

Procurada, a assessoria de imprensa do clube informou que o presidente palmeirense não comentaria sobre seu posicionamento nesses episódios.

Coisas do destino

Leia o post original por Odir Cunha

O Santos perdeu do Bragantino e do Novorizontino. Como definir isso, além de dizer que são coisas do destino? Sim, é uma rima e talvez seja mesmo a explicação. Querer jogar a culpa nos oito Meninos da Vila no campo enlameado, ou no técnico Jair Ventura, creio que possa ser um desabafo, mas não é o mais sensato. Por falar em sensatez, reproduzo um comentário que exprime o que estou falando:

Antonio Carlos Sanches Valenti
O Jair fez o que a torcida vem pedindo, colocou a garotada, promoveu a estreia do novo lateral, mas infelizmente, a chuva detonou toda a estratégia, isto é que muitos que estão fazendo críticas destrutivas deveriam entender, será que é tão difícil assim?

É isso. Um time de meninos é sempre mais instável. Lembro-me que em 2002 o Santos perdia todos os jogos fora de casa, a ponto de estar vencendo o Coritiba por 2 a 0 aos 29 minutos do primeiro tempo e tomar a virada ainda na primeira etapa (veja os gols acima). E o time era o mesmo que cresceria na fase final e seria campeão brasileiro vencendo duas vezes o Corinthians no Morumbi.

Uma pena essa derrota em Novo Horizonte logo depois do bom desempenho no clássico alvinegro, no Pacaembu, mas quem está acostumado com o futebol sabe que essas pedras no caminho podem aparecer, principalmente, repito, se o time é jovem e enfrenta ambientes hostis, como ocorre nos jogos fora de casa. Mas esses tropeços têm de ser olhados como lições cuja finalidade é amadurecer esses jovens.

Como sempre fiz, costumo procurar os ensinamentos e os aspectos positivos mesmo em uma derrota. E nem é preciso procurar muito para perceber que a estreia como titular de Yuri Alberto e seu belo gol, aos 16 anos de idade, são mais uma marca histórica importante desse time conhecido pela ousadia de seus Meninos, que ainda contaram com mais uma boa atuação de Diogo Vitor.

O horário de almoço, às vezes a madrugada e os fins de semana são os únicos momentos que agora me restam para participar deste canal aberto com os santistas em fevereiro de 2010, portanto há pouco mais de oito anos. Não somos obrigados a pensar da mesma maneira, evidentemente, mas creio que aqui temos um objetivo comum, que é contribuir, com idealismo, amor e honestidade para o crescimento do Santos. Agradeço aos que compreendem isso e colaboram com o bom nível das discussões, mantendo o respeito às pessoas, mesmo quando divergem das ideias. Obrigado!

Clique aqui para ficar sócio do Santos

Faço-lhe um convite para esta noite:

Em homenagem as mulheres, Memorial das Conquistas realizará “Uma Noite Memorável”

Vamos lotar a Vila: venda de ingressos para a partida contra o São Bento

E você, o que acha disso?


Fantasma de 2017 já assusta o SP

Leia o post original por Antero Greco

A torcida do São Paulo foi espetacular no ano passado. Tão logo percebeu o perigo real de rebaixamento no Brasileiro, abraçou o time, lotou estádios, deu apoio incondicional. Foi importante para a reação, no mínimo por não ter cornetado jogadores, treinador e dirigentes. Enfim, deu sossego para que a turma resolvesse dentro de campo.

O comportamento, pelo visto, será diferente em 2018 – e uma prova veio agora há pouco, na noite deste sábado, no Morumbi. Após o empate por 0 a 0 com o Novorizontino, ouviram-se vaias. Não foi uma coisa espantosa tampouco generalizada. Mas o sinal de impaciência foi mandado. Segunda partida da temporada sem vitória, um ponto no Estadual.

O indício de apreensão interna apareceu depois da derrota por 2 a 0 para o São Bento, na abertura da competição. Dorival Júnior e direção haviam programado dar mais tempo de preparação para os principais jogadores. No entanto, recuaram e recorreram à maior parte dos titulares – até com presença de Diego Souza e Cueva.

Com isso, de certa forma se abandonou o cronograma inicial, o que considero interessante. Já que a intenção é montar um time o mais rapidamente possível, que se apele para os melhores. Como não há muita folga na tabela, os ajustes vão sendo feitos durante a competição. E, também, se tenta acalmar o público.

Pois bem, o São Paulo titular teve dificuldade para criar e para marcar, além de sentir o cansaço do meio do segundo tempo em diante. Tudo normal, já que se trata de começo de trabalho. Impossível desejar eficiência em alto grau neste momento.

O problema recorrente será o de lidar, de novo, com o medo de mais fracassos. Para tanto, Dorival e cartolas terão de ter pulso firme e convicção; caso contrário, o caldo entorna logo. Não pode haver pânico, se bem que isso é um tanto difícil.

Como difícil foi chegar à área do Novorizontino. Mesmo assim, Petros e Marcos Guilherme tiveram chances, fora diversos chutes de longa distância. Na segunda parte, a turma visitante melhorou, assustou num lance de gol bem anulado pela arbitragem e soube segurar o empate.

Com o perdão do lugar-comum: pessoal, o São Paulo promete fortes emoções na temporada.