Arquivo da categoria: oruro

De carona na crise dos presídios, corintianos foram soltos no Rio! Que agora se enquadrem e que não repitam Oruro e Maracanã!

Leia o post original por Milton Neves

corintianos

Os 26 corintianos que seguiam presos desde outubro no Rio por conta da confusão envolvendo torcedores e PMs deram “sorte”.

Afinal, coincidentemente, pintou nos últimos dias essa verdadeira tragédia em nossos presídios, repercutida no mundo todo.

E foi essa lamentável situação que acabou beneficiando os torcedores do Timão.

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou o argumento dos advogados dos corintianos, que alegaram que eles poderiam ser mortos no presídio pelas facções locais, e determinou a substituição da prisão preventiva do grupo por medidas cautelares de restrição.

Mas, honestamente, agora espero que eles aproveitem essa “sorte” e não voltem a criar confusões por aí.

Afinal, você se lembra que quando da morte do menino Kevin Espada, em 2013, em Oruro-BOL, boa parte da imprensa brasileira protestou contra a Justiça boliviana pela prisão de 12 torcedores do Timão.

A alegação, plausível até, era de que seria impossível que 12 pessoas estivessem envolvidas na explosão de apenas um rojão.

Tanto foi o barulho que os corintianos acabaram liberados.

E depois disso tudo?

Boa parte seguiu se envolvendo em confusões pelos estádios brasileiros, deixando completamente sem graça os seus defensores.

Por isso, eu imploro aos 26 corintianos liberados nesta semana: aproveitem a “sorte” que deram e, agora, fiquem bem longe de confusões.

E lembrem-se sempre da famosa frase de Arrigo Sacchi: “O futebol é a coisa mais importantes dentre as MENOS importantes”.

Certo?

Opine!

Foi só mais um domingo de violência

Leia o post original por Quartarollo

Aconteceu e vai acontecer de novo. As autoridades de plantão e os clubes apenas lamentarão, mas nada farão para conter a violência das torcidas organizadas.

E agora tem uma desculpa plausível. A violência está longe dos estádios, acontece em metrôs e ruas que não têm nada a ver com o futebol.

Ontem de novo a violência sem sentido ocorreu. Hoje o promotor Paulo Castilho disse que não dá mais para conviver com isso e algo precisa ser feito.

Algo? Mas o quê? Fechar as torcidas que no carnaval se transformam em escolas de samba? Que recebem dinheiro bom da prefeitura? Que são apoiadas por políticos que buscam no seu seio uma boa carga de votos para os seus pleitos? Que são apoiadas pelos clubes com ingressos significativamente mais baratos e liberdade total nos estádios?

Quem fará algo contra esses desordeiros? As autoridades competentes são cada vez mais incompetentes no assunto.

Por ocasião do Estatuto do Torcedor, uma excrecência inventada por políticos que não frequentam estádio, a polícia militar é obrigada a fazer reunião de paz com as torcidas antes dos clássicos. Ela cumpre a lei e faz, mas a paz fica só na promessa.

Paulo Castilho disse há poucos dias à Jovem Pan que não haveria mais escolta da polícia para levar torcida para o estádio. “Escolta é para preservar a segurança do bom cidadão, não para conduzir bandido para estádio”, disse ele alto e bom som. Acho que não foi ouvido.

O problema é que o jogo é apenas pano de fundo para essa gente que usa e abusa do clube para sobreviver. Virou caso de torcida profissional. O cara é torcedor e não faz mais nada na vida.

A atitude reprovável das escaramuças em dias de jogos, é a mesma do cotidiano. É modus operandi das facções. Eles são assim todos os dias e por isso mesmo é caso de polícia.

O bandido do estádio é o mesmo que está nas ruas todos os dias agindo da mesma forma.

Vocês se lembram dos presos de Oruro? Pois é, vira e mexe um dos libertados está envolvido em brigas de torcidas.

É a vida deles, não vão mudar. Ontem dois deles estavam envolvidos. É incrível e ninguém vai preso.

Eles tem bons advogados ou costa quente com muita gente interessada nessa desordem.

Está na hora de acabar com isso. Mas quem vai tomar a frente? Quem vai enfrentar a situação? A população quer resposta para essas perguntas.

Antes o torcedor comum deixava de ir nos clássicos com medos das Organizadas.

Agora o cidadão comum não pode nem sair tranquilamente pela cidade que pode morrer em briga de torcida sem saber de onde veio o tiro que o atingiu. É um autêntico estado de guerra.

A torcida do Corinthians não invadiu o CT. Os invasores são bandidos conhecidos da polícia e do clube

Leia o post original por Quartarollo

As manchetes não refletem a verdade. Botam todos num balaio só. A torcida do Corinthians não invadiu o CT hoje pela manhã, quem invadiu foram bandidos que se dizem torcedores. É muito diferente uma coisa da outra. São os chamados … Continuar lendo

Corinthians permite que as organizadas cobrem o elenco, mas não cobra das torcidas o prejuízo por fazer 4 jogos fora da capital

Leia o post original por Quartarollo

Aconteceu de novo. O Corinthians abriu as portas para torcedores organizados que foram pressionar os jogadores num momento crucial do Campeonato Brasileiro. Às vésperas do encontro com o Cruzeiro, líder e melhor time da competição no momento, os atletas deviam … Continuar lendo

Lição de ouro de Oruro: a impunidade vence

Leia o post original por Antero Greco

Durante meses houve movimentação para livrar o grupo de 12 corintianos detidos na Bolívia, após a morte de Kevin Espada. A alegação era a de que se tratava de arbitrariedade, pois um menor de idade assumiu, em público, a responsabilidade por ter atirado o sinalizador assassino. Os outros pagavam por aquilo que não fizeram.

A turma foi liberada, após visita de políticos, de diplomatas e pressão do governo brasileiro. Os 12 discípulos fiéis estão livres de qualquer acusação e podem movimentar-se como cidadãos normais nesta abençoada terra de Santa Cruz. A morte do Kevin é problema da família dele e da justiça da Bolívia.

Daí, o Estadão desta terça-feira prova que um dos empolgados briguentos de domingo, no intervalo de Vasco x Corinthians, era um dos coitados que passaram a pão e água em cárcere em Oruro. Ele parecia bem disposto e com energia para enfrentar polícia e vascaínos.

O que aconteceu com esse moço? Nada. Vai ver preencheu um termo de responsabilidade, foi liberado e voltou para São Paulo sem ser molestado. E talvez se prepare para dar uma força para o Corinthians amanhã contra o Luverdense, no Pacaembu.

Quem sabe não arrume um sósia “dimenor” para mostrar que tudo não passou de engano, de uma “barriga”, como se diz quando um jornal dá bola fora? Tese maluca, mas não me surpreenderia nada. Sem contar que não há denúncia, ainda, nem flagrante.

A impunidade segue, sempre com a mesma origem, e o discurso oficial está mais para engana-trouxa do que para manifestação de princípios. Hipocrisia sem fim.

Arbitragem tira o Corinthians da Libertadores e classifica o Boca. Obra da CAMARILHA PARAGUAIA

Leia o post original por Quartarollo

amarilla

amarillaPoucas vezes eu vi um time ser tão prejudicado num jogo só como o Corinthians foi ontem à noite, no Pacaembu. Talvez o Santos no mesmo Pacaembu quando perdeu a decisão para o Botafogo em 1995. Outra vez aconteceu a … Continuar lendo

O criminoso vai à Oruro?

Leia o post original por Wanderley Nogueira

Corinthianos na prisão em OruroPoucos sabem o que consta no processo da justiça boliviana contra os torcedores organizados presos em Oruro.

Raros sabem se os depoimentos e provas são frágeis ou robustas.

Quero , porém, abordar o comportamento de todos os políticos que estão mobilizados para tentar tira-los de lá.

Imagino que nenhum deles tenha sugerido que para solucionar o impasse, o jovem que diz ter sido o autor do disparo vá dar sua versão em Oruro. Devem ter esquecido desse detalhe.

Falam em arbitrariedade, injustiça , direitos humanos , sequestro, barganha política , tortura , maus tratos, etc.

A apresentação do responsável pelo disparo não seria fundamental para encerrar o assunto?

O Brasil não extradita nacionais para a Bolívia.

Esse é um motivo que os bolivianos alegam para “continuar” investigando o caso com os doze presos por lá.

Sabem as autoridades que se os brasileiros forem libertados voltarão ao Brasil.

E se no futuro forem condenados, não irão cumprir a pena.

Confesso, não sei qual será o capítulo final dessa história.

Mas, os “desinteressados” em votos, deputados, senadores, diplomatas e dirigentes deveriam sugerir ao jovem autor do crime que – com a devida autorização dos pais –  viaje para Oruro.

Lá, depois de ouvi-lo contar a sua tão convincente versão sobre o episódio, tenho certeza que a rigorosa Dra. Abigail mandará soltar os doze prisioneiros.

Seria uma posição honesta desse pessoal que está empenhado na libertação dos “doze mártires” como já estão sendo chamados, que tentasse convencer o criminoso a apresentar-se em Oruro – a única vila espanhola da atual Bolívia, que foi desenhada por engenheiros em forma de xadrez…

Crime na Bolívia: Oruro espera o criminoso

Leia o post original por Wanderley Nogueira

Kevin BeltranAdvogados, torcidas organizadas, deputados , entre outros, tentam a libertação dos 12 torcedores que estão em Oruro.

Acusados e defensores dizem que os “Doze de Oruro” são inocentes.

Até agora , a justiça boliviana está inflexível.

O principal argumento é que o autor do disparo já se apresentou à justiça brasileira e as imagens “provam que é ele mesmo” .

Na última vez que eu falei por telefone com a Dra. Abigail Sabá, ela disse que está tudo muito bom, tudo muito bem, mas espera o moço em sua salinha na bonita Oruro.

Todo mundo sabe que o jovem não pode ser extraditado. Mas, as pacientes autoridades bolivianas esperam que o menor H.A.M. de 17 anos, autor confesso do crime , apareça por lá.

Ele pode viajar sozinho , com autorização dos pais, exatamente como fez para acompanhar o Corinthians.

Outra coisa: a polícia acha que, se os “Doze” forem soltos, eles não ficarão por lá.

A informação de que a Gaviões alugou uma casa em Oruro para abrigá-los não convenceu a Dra. Abigail de que eles ficarão no domicílio.

Como todo mundo sabe, sair e entrar na Bolívia não apresenta nenhuma dificuldade.

Nesse momento, aqueles que investigam o caso dizem que “no mínimo os que estão aqui são cúmplices ou facilitaram a fuga do autor”.

A imprensa boliviana lembra que “como o jovem que entregou-se no Brasil está livre, nada impede a sua viagem para Oruro. Aí ficará tudo mais fácil para o esclarecimento do crime”.