Arquivo da categoria: Oswaldo de Oliveira

Ganso pisou na bola pesado com o Oswaldo, hein?

Leia o post original por Craque Neto 10

O caso envolvendo a discussão pública entre o meia Paulo Henrique Ganso e o técnico Oswaldo de Oliveira, no meio do jogo entre Fluminense e Santos, causou uma polêmica danada. Primeiro o jogador foi substituído e chamou o treinador de burro. Depois o próprio Oswaldo chamou seu camisa 10 de vagabundo. Aí as câmeras mostraram um chilique danado do Ganso. Mas posso falar? O jogador errou feio. Eu nunca fui santo. Quando era jogador por muitas vezes arranjei problema com treinadores. Mas sabia que estava errado. Tentava não expor esses conflitos. Por mais que o cara esteja errado em alguns […]

O post Ganso pisou na bola pesado com o Oswaldo, hein? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Veteranos brigam por título do Brasileirão, e novatos lutam contra queda

Leia o post original por Perrone

Veteranos mais perto do título e uma série de técnicos menos rodados, com exceção de Oswaldo de Oliveira, entre os mais ameaçados pelo rebaixamento. Essa é a fotografia atual da tabela do Brasileirão.

Aos 57 anos, Mano Menezes, vice-líder com o Palmeiras, é o mais jovem entre os três primeiros colocados do campeonato. Ele herdou o time  de Felipão, 70. Do trio mais bem classificado, o mais velho é o líder, Jorge Jesus, 65, comandante do Flamengo. O português assumiu a vaga deixada por Abel Braga, 67 anos. Na terceira posição do Brasileirão está o Santos de Jorge Sampaoli, 59. A trinca de técnicos tem media de idade de 60,3 anos.

O treinador com menos de 50 anos mais bem colocado é Odair Hellmann,42, que está em quarto lugar com Internacional. Ele é seguido na tabela por outro “sub 50”, o corintiano Fábio Carille, que completará 46 anos na próxima quinta-feira. Na sexta posição já aparece outro time comandado por um técnico com mais de 50 anos, o São Paulo de Cuca, 56.

Parte dos treinadores da geração de Hellmann e Carille atualmente está na briga para não cair para a Série B.  Último colocado com o Avaí, Alberto Valentim tem 44 anos e substituiu um dos profissionais da área mais experientes do Brasil, Geninho, 71. Penúltima colocada, a Chapecoense é comandada por Marquinhos Santos, 40.

Em apenas seu terceiro trabalho na carreira, Rogério Ceni, 46,  tenta salvar o Cruzeiro da degola. O time mineiro, antes comandado por Mano, é o 18º colocado do Brasileirão. O trio de treinadores que ocupa do 18° ao 20º lugar do Brasileirão ostenta média de 43,6 anos.

Dos seis últimos colocados do Nacional só o Fluminense, 17º, não é treinado por um quarentão. Seu técnico é Oswaldo de Oliveira, 68, que entrou no lugar de Fernando Diniz, 45. O CSA, 16º na tabela, tem sua prancheta nas mãos de Argel, 45. Em 15º está o Fortaleza, de José Ricardo, 48. A 14ª posição, é ocupada pelo Ceará, de Enderson Moreira, que vai completar 48 anos no próximo sábado. Vanderlei Luxemburgo, 67, vem conseguindo diminuir o risco de rebaixamento do Vasco (13º)

 

Alessandro volta a ficar pressionado no Corinthians

Leia o post original por Perrone

Alessandro Nunes, gerente de futebol do Corinthians, chega ao final do ano pressionado, após um período de trégua dado por seus desafetos no clube.

Gente ligada ao presidente Andrés Sanchez e contrária a manutenção dele no cargo vê o fim da temporada como o momento ideal para uma troca.

Alessandro angariou desafetos entre os “andresistas” ainda durante a gestão de Roberto de Andrade, em 2016. O auge da insatisfação ocorreu depois de ele supostamente tratar com o presidente da contratação de Oswaldo de Oliveira sem repassar informações para o restante da diretoria.

Desde então, o ex-lateral superou vários processos de fritura para manter o emprego. Com a eleição de Andrés Sanchez no início de fevereiro, sua saída do cargo chegou a ser dada como certa por apoiadores do presidente. Mas a troca não aconteceu, o Corinthians venceu o Campeonato Paulista e ele seguiu seu trabalho.

Quem deseja a saída do dirigente crê que após a fraca campanha no Brasileirão e o momento de reformulação no time chegou a hora de mudar.

Ao mesmo tempo, é apontada dentro do clube a possibilidade de Alessandro trabalhar no Flamengo.

Procurado pelo blog na última quinta, o gerente corintiano disse que não recebeu nenhum comunicado da diretoria sobre sua eventual saída do alvinegro a partir da próxima temporada.

“Estou trabalhando bastante, hoje o dia foi muito produtivo ao lado do Duílio (Monteiro Alves, diretor de futebol) e do Andrés. Tenho por hábito ser bastante discreto, já era enquanto atleta. Propostas sempre aparecem, mas minha dedicação é ao Corinthians neste momento, ao menos nesse dia. No futebol, se projetar muito o amanhã, não terá tido resultado hoje”, disse Alessandro ao blog. Ele respondia, por mensagem de texto se recebeu oferta de outras equipes.

Oswaldo e Esporte Interativo: as polêmicas da noite!

Leia o post original por Milton Neves

Tinha tudo para ser uma noite de quarta-feira bem morna, com poucos times grandes em ação enfrentando equipes muito menos expressivas.

Mas não é que fora de campo a coisa ferveu?

Primeiramente, uma polêmica para lá de desnecessária envolvendo o canal Esporte Interativo e os torcedores do São Paulo Futebol Clube.

Quando a bola rolou no Morumbi para Tricolor e Bragantino, a emissora, via Twitter, publicou a infeliz imagem abaixo:

Os tricolores, claro, se revoltaram nas redes sociais.

Na sequência, o Esporte Interativo apagou a postagem, mas não conseguiu diminuir a ira dos são-paulinos.

Mais tarde, depois que a bola parou de rolar, cenas lamentáveis envolvendo o sempre tão tranquilo Oswaldo de Oliveira e o repórter Léo Gomide, da Rádio Inconfidência.

Oswaldo, inclusive, chegou a partir para cima do jornalista (veja abaixo).

Bom, eu não sei se essa rixa já vinha de outros carnavais, mas nada justifica, não é mesmo?

E outra coisa, o repórter não tem culpa se o Galo não anda jogando nada!

Atualização – Em nota, Oswaldo de Oliveira se desculpou, mas disse ter sido xingado pelo repórter

Mas, e você, torcedor?

O que achou dessas confusões?

Opine!

Em meio à racha, Andrés promete apoio para salvar Andrade

Leia o post original por Perrone

A situação é contraditória. Ao mesmo tempo em que critica a diretoria e vê aliados seus deixarem a gestão ou assinarem o pedido de impeachment de Roberto de Andrade, Andrés Sanchez assegurou ajuda ao ex-presidente do Corinthians contra o pedido de afastamento.

A promessa de apoio foi feita para membros da gestão e diretamente para o presidente.

Andrés também demonstrou disposição para ajudar no futebol, considerado vital para a sustentação do presidente. Com a equipe mal, a tarefa dos que querem a troca de comando no clube fica mais fácil.

O problema nesse ponto é que o grupo de Andrés não quer que Alessandro continue como gerente de futebol. Além disso, o ex-presidente foi contrário à contratação de Oswaldo de Oliveira.

Em meio as promessas de apoio, nesta quarta, o deputado federal voltou a criticar a diretoria. Dessa vez por permitir que a Odebrecht retomasse obra na arena sem consultar antes o escritório de advocacia de seu amigo Paulo Molina.

 

Como crise política fragiliza Oswaldo dentro do Corinthians

Leia o post original por Perrone

 Não é só a alta rejeição entre torcedores e conselheiros que faz Oswaldo de Oliveira já chegar fragilizado ao Corinthians. A nova crise política do clube, que chegou ao auge com sua contratação, torna mais delicada a situação do novo treinador alvinegro.

Há meses, Andrés Sanchez e aliados dele vinham se estranhando com Roberto de Andrade. O atrito se tornou público com o pedido de afastamento do então diretor de futebol Edu Ferreira por não ter sido ouvido pelo presidente ao sugerir que ele não contratasse Oswaldo.

Edu, apesar de ser extremamente ligado a Andrés, era um raro seguidor do ex-presidente que permanecia ao lado de Andrade. Mais do que isso. Como o presidente vai pouco ao clube e ao CT, Edu era o representante da diretoria junto ao elenco. Cabia a ele apagar incêndios e blindar o o grupo, jogadores e membros da comissão técnica quando necessário.

Andrade perdeu essa peça no tabuleiro. Não tem ninguém para proteger seu novo treinador, que já chega sob fogo cerrado da torcida. No mapa político corintiano, Roberto tem poucas opções para escolher um diretor de futebol cascudo para aguentar os tempos difíceis que estão por vir.

 Nesse cenário, Oswaldo praticamente não terá margem de erro. A primeira patinada do time o deixará na mira de (grande) parte da torcida irritada com sua chegada. Depender do mesmo presidente que demitiu Cristóvão Borges no vestiário após a derrota no clássico com o Palmeiras para se proteger não é das situações mais confortáveis. Ainda mais pelo fato de agora Andrade precisar gastar energia para desviar dos tiros que devem vir de seus ex-aliados. Conselheiros do clube esperam que em breve Andrés dê entrevista criticando Roberto.

Oswaldo vai encontrar “órfãos” de Carille no Corinthians

Leia o post original por Perrone

Em sua volta ao Corinthians, Oswaldo de  Oliveira terá que lidar com parte do elenco que defendia a permanência do interino Fábio Carille. Esse grupo argumenta que o ex-auxiliar de Cristóvão Borges tem potencial para se tornar treinador do clube e que já conhecia o elenco, algo que Oliveira ou outro treinador que chegasse teria pouco tempo para fazer enquanto busca uma vaga na próxima Libertadores.

Marciel, Lucca, Guilherme Arana, Giovanni Augusto e Guilherme estão entre os que aprovavam a continuidade do trabalho de Carille, sem se manifestarem especificamente contra ao nome de Oliveira.

Na última quarta-feira, parte dos atletas que queria ver o interino por mais tempo no cargo reforçou essa posição em conversa com Edu Ferreira depois da vitória por 4 a 2 sobre o Santa Cruz. Eles expuseram ao ex-diretor de futebol a vontade de que todos seguissem juntos até o final do Brasileiro. Isso incluía não só Carille, mas Edu. Os jogadores já sabiam da possibilidade de o diretor entregar o cargo por sua opinião de não contratar Oswaldo não ter sido ouvida.

No mesmo dia, Walter, Balbuena, Pedro Henrique, Guilherme e Giovanni Augusto fizeram manifesto em rede social para defender Carille e Willians, alvos de críticas da torcida. Alguns atletas chegaram a cogitar fazer o mesmo por Edu.

Nem principais aliados de Andrade entendem opção por Oliveira

Leia o post original por Perrone

Quais as características que fizeram o Corinthians escolher Oswaldo de Oliveira, um técnico sem bons resultados recentes? “O presidente gosta muito dele” ou simplesmente “não sei”, se limitam a dizer cartolas do clube ao serem indagados sobre o técnico, que deixou o Sport e já tem acordo verbal com a equipe alvinegra. Até quem está entre os principais aliados de Roberto de Andrade afirma não entender a escolha.

A incompreensão na maioria dos casos é acompanhada por rejeição dos que entendem e falaram ao presidente alvinegro que seria um erro contratar Oliveira.

Porém, o dirigente que tinha aceitado Cristóvão, nome simpático a Andrés Sanchez, não ouviu ninguém dessa vez e bancou a contratação.

Em tese, a atitude isolada tornará mais difícil a vida do técnico no Parque São Jorge. Haverá muita gente pronta para apontar seus eventuais erros, e só Andrade entre os cartolas de peso para blindar o treinador. Roberto é de ir pouco ao CT ou ao Parque São Jorge, o que dificulta a missão de proteger o técnico.

Além disso, a decisão aumenta a pressão sobre o presidente e as críticas até de quem apoiou sua candidatura.

Nem salário abaixo do teto reduz resistência de Andrade a lobby por Luxa

Leia o post original por Perrone

Roberto de Andrade é o principal obstáculo para o lobby feito por alguns conselheiros e amigos de Vanderlei Luxemburgo pelo retorno do treinador ao Corinthians já ou ao final do Brasileirão.

Como parte da campanha, os defensores de Luxemburgo afirmam que ele aceitaria ganhar bem menos do que os R$ 430 mil mensais que eram pagos a Tite, sem contar bônus milionários a que o atual treinador da seleção brasileira tinha direito em caso de títulos. Essa quantia é o teto estipulado pelo departamento financeiro alvinegro para um novo técnico.

O argumento, porém, não mudou a opinião do presidente corintiano. O blog apurou que ele é um dos que mais rejeitam o nome de Luxemburgo. Entre os motivos para a rejeição estão os maus resultados recentes obtidos por Luxa e o fato de ele normalmente pedir reforços de peso, o que vai na contramão da política de redução de custos do clube.

Quem argumenta a favor de Luxemburgo diz que o técnico precisa do Corinthians para voltar a se destacar e que por isso estaria disposto a aceitar todas as regras impostas pela diretoria. Porém, a resistência de Andrade não caiu, e a chance de uma reviravolta é remota.

Neste momento, Osvaldo de Oliveira, do Sport, e Eduardo Baptista, da Ponte Preta, são os nomes mais fortes. A efetivação de Fábio Carille após dezembro não é levada em conta hoje já que a diretoria entende que o time precisa de um técnico mais experiente.

Oswaldo de Oliveira e Baptista são os nomes mais fortes no Corinthians

Leia o post original por Perrone

Eduardo Baptista, da Ponte Preta, e Oswaldo de Oliveira, do Sport, são hoje os nomes mais fortes para assumir o cargo de técnico do Corinthians. Roger Machado, ex-Grêmio, perdeu força, porém a direção não descarta ninguém, nem Vanderlei Luxemburgo, com enorme rejeição no Parque São Jorge.

A ideia inicial dos dirigentes é manter o auxiliar Fábio Carille até o final do ano, mas a pressão de conselheiros para que a troca já seja feita é grande.

Baptista tem a seu favor o bom trabalho atual na Ponte Preta e o fato de ser visto como um técnico com potencial para crescer em um clube com a estrutura do Corinthians. Contra ele, porém, pesa a falta de uma experiência vencedora em um grande time.

Rodagem é justamente o que mais fortalece Oliveira. É grande a corrente no clube que entende ser fundamental a contratação de um treinador experiente para lidar com a pressão interna e principalmente da torcida. Mas nessa ala Oswaldo enfrenta resistência por não ter um título recente.

Favorito da torcida assim que Cristóvão Borges foi demitido, Roger é rotulado como inexperiente pelos que defendem um treinador mais rodado.

Pressionada, e com os nomes de Oswaldo e Baptista no topo da lista, a direção alvinegra quer abafar o assunto para negociar em sigilo com quem escolher, enquanto espera que Carille consiga acertar o time.