Arquivo da categoria: pacaembu

Palmeiras jogou menos do que poderia, e o Corinthians mais do que esperado

Leia o post original por Perrone

O Palmeiras fez menos do que poderia e viu o Corinthians fazer mais do que dava para esperar dele no empate em um gol neste sábado no Pacaembu.

Segundo colocado no Brasileirão, com estilo de jogo bem definido e um elenco dos mais caros, o alviverde tinha a obrigação de jogar mais.

Não foi um desempenho ruim. Mas foram muitos erros de finalização. Só no primeiro tempo foram oito conclusões erradas e nenhuma certa, segundo o site Footstats.

Na etapa inicial também faltaram mobilidade e velocidade aos palmeirenses. O alviverde pode  e precisa fazer mais para continuar almejando o título brasileiro.

Do outro lado, não dava para esperar muito do Corinthians em seu segundo jogo com o interino Coelho, treinador que engatinha na carreira.

Porém, o alvinegro mostrou uma evolução significativa na marcação, mas deixou a desejar na armação e no ataque. Mesmo assim, teve chance de abrir o placar na etapa inicial.

No final, chegou a fazer 1 a 0, algo que este blogueiro, antes do jogo, não acreditava ser possível.

O resumo é que o resultado foi bom para o Corinthians, mas poderia ter sido melhor. Isso se conseguisse impedir o Palmeiras de entrar em sua área depois da abertura do placar.

Para o time de Mano foi ruim, mas poderia ter sido pior se não sai o gol salvador de Bruno Henrique.

 

CBF libera Pacaembu em 9 rodadas do Brasileiro. Santos já prevê dois jogos

Leia o post original por Perrone

A CBF atendeu aos pedidos de clubes de diferentes Estados que estavam com seus estádios em condição considerada irregular para o Brasileirão e aumentou o prazo de adequação dos locais para até o final da Copa América. A competição acontece entre 14 de junho e 7 de julho.

O aumento do prazo beneficia, entre outros, times paulistas que poderão usar o Pacaembu nas nove primeiras rodadas do Nacional, quando a competição será interrompida para o torneio de seleções.

A notícia foi divulgada primeiramente pelo “Globoesporte.com” e confirmada pelo blog junto à Confederação Brasileira.

O Santos já contava com a liberação e estuda fazer dois jogos no estádio paulistano nesse período. O mais provável é contra o Vasco. As partidas diante de Atlético-MG e Corinthians são outras que estão na pauta.

Palmeiras, que terá shows em seu estádio, e São Paulo, dono do Morumbi, um dos palcos da Copa América, também estavam de olho na liberação do Pacaembu, que atualmente não tem o sistema de iluminação aprovado para seus jogos. A Federação Paulista trabalha com os clubes interessados para a solução do problema definitivamente.

O aumento do tempo para as melhorias foi definido pela Comissão de Licenciamento da CBF.

Colaborou Eder Traskini, colaboração para o UOL, em Santos

FPF descarta ir atrás do Palmeiras: clube é que precisa querer voltar

Leia o post original por Perrone

Não é a Federação Paulista que tem que pedir para o Palmeiras voltar a frequentar a entidade. É o clube que precisa querer se reaproximar. Esse é o pensamento da cúpula da FPF.

Mais uma vez, o alviverde não enviou representantes para a reunião na sede da federação que definiu os detalhes das quartas de final do Paulista nesta quinta, 21. “A vontade do Palmeiras é não comparecer, e nós respeitamos isso”, disse Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da federação durante entrevista coletiva.

Internamente, o discurso do dirigente é de que sua principal preocupação não é trazer o Palmeiras de volta, mas fazer o futebol paulista ter uma gestão melhor, o que inclui acabar com atrasos salarias. Atualmente, o Santos é afetado por pagamentos atrasados.

Com essa postura definida, a direção da FPF não tem feito gestões para tentar se reaproximar do alviverde. O presidente palmeirense, Maurício Galiotte, rompeu com a entidade desde a final do Estadual do ano passado. Ele entende que houve interferência externa da arbitragem na anulação de um pênalti a favor de seu time na decisão com o Corinthians, que saiu como campeão.

Apesar da ausência nas reuniões da entidade, as partes mantêm relações profissionais. Um tema em comum entre ambos é o uso do Pacaembu no Brasileirão. O estádio municipal hoje não atende requisitos de iluminação para receber jogos do Nacional. Bastos tem conversado com prefeitura, Palmeiras, Santos, São Paulo e o consórcio Patrimônio SP, vencedor da licitação para operar o estádio e hoje suspensa pela Justiça, para solucionar o problema. As conversas são para definir como cobrir os custos para o aumento da potência dos holofotes.

Com Arthur Sandes, do UOL, em São Paulo

Federação adverte empresa por problemas com catracas na estreia do SPFC

Leia o post original por Perrone

A Federação Paulista advertiu por meio de notificação a empresa responsável pelo sistema de ingressos do São Paulo por conta de problemas na estreia do time no Campeonato Paulista. Em seu comunicado para a Total Acesso, com cópia ao clube do Morumbi, a entidade lista as falhas que detectou no último sábado no Pacaembu, pede explicações até a próxima quarta (23) e ainda diz que a companhia será descredenciada em caso de reincidência. O descredenciamento impede a participação em jogos que tenham a FPF como organizadora.

Notificações semelhantes foram enviadas para Omni, por falhas em Bragantino x Guarani, e Acesso Mais, devido a falhas em Red Bull x Palmeiras, ambos pela primeira rodada do Estadual de 2019. As três advertências foram confirmadas ao blog pela federação.

Antes da vitória são-paulina por 4 a 1 sobre o Mirassol, torcedores tiveram dificuldades para entrar no Pacaembu. Na notificação, a federação afirma constar no relatório do jogo que catracas não funcionaram adequadamente. Aponta também erros e atraso no momento da manobra de transferência de energia para o gerador, catracas que pararam de funcionar, falta de configuração nas antenas de comunicação e outros problemas com ingressos.

De acordo com o documento feito pela FPF, centenas de torcedores foram afetados por conta dos problemas na entrada do estádio. “Iremos responder ao ofício da Federação Paulista na data estipulada. Na ocasião abordaremos as causas dos problemas ocorridos no Pacaembu e apresentaremos quais as medidas preventivas a serem adotadas para os próximos jogos, visando mitigar problemas futuros”, disse ao blog David Jesus, da Total Acesso. Por sua vez, o São Paulo repetiu que está apurando o ocorrido, como havia dito em nota oficial.

A respeito dos problemas na partida do Bragantino, Alex Marques, gerente da Omni, declarou que foram disponibilizados pelo time de Bragança Paulista poucos bilheteiros e que já houve uma conversa para que o fato não se repita. Ele disse também que a notificação foi cancelada pela FPF. Porém, o blog apurou que o cancelamento ocorreu por causa de um nome escrito de maneira errada e que em seguida outro comunicado com o mesmo teor foi enviado.

O blog não conseguiu ouvir a Acesso Mais sobre as ocorrências registradas no duelo entre Red Bull e Palmeiras, em Campinas. A notificação emitida pela FPF alega que dois portões foram abertos com 30 minutos de atrasos provocando filas e tumultos. Relata também que crianças acabaram entrando no jogo sem os ingressos de gratuidade que servem para ajudar no controle de público.

 

Opinião: onze episódios mostram decadência do futebol brasileiro

Leia o post original por Perrone

Abaixo confira 11 fatos que mostram o futebol brasileiro em profunda decadência.

1- Jogadores empurrando ambulância em campo até pegar no tranco.

2 – Gramado do Maracanã, palco de duas finais de Copa do Mundo, em péssimas condições.

3 – Um clube do tamanho do Santos sendo eliminado na Libertadores após tomar 3 a O nos tribunais por escalar jogador suspenso diante do Independiente.

4  – Cenas de vandalismo protagonizadas por torcedores do Santos no Pacaembu para protestar contra a punição na Libertadores.

5 – Guerra pública entre presidente e vice do Santos, acusações de ameaça de morte e barracos na Vila Belmiro.

6 – Times grandes assumidamente jogando como pequenos.

7 – Jogador (Deyverson, do Palmeiras), comemorando falta recebida.

8 – Felipão tentando e não conseguindo fazer substituição no último minuto dos acréscimos para ganhar tempo.

9 – O técnico do Palmeiras sendo questionado em entrevista coletiva se escondeu Bruno Henrique e Borja na chegada ao Allianz Parque para confundir o Cruzeiro em jogo vencido pelo rival. Ele nega.

10 – Dirigentes pressionando a arbitragem sem constrangimento.

11 – A CBF calada diante de todas as queixas contra ela.

 

Santos não merecia perder

Leia o post original por Odir Cunha


Cheque os melhores momentos e confira se o Santos merecia perder

eu e Marcos Eu e meu irmão Marcos: vendo o mesmo jogo, 50 anos depois.

Em outubro de 1968 eu e meu irmão Marcos fomos ao estádio pela primeira vez. Eu tinha 16, ele 12. Fomos ao Morumbi ver o Santos de Pelé contra o Cruzeiro de Tostão, dois dos melhores times do mundo. O Santos venceu por 2 a 0 e caminhou para o seu sexto título brasileiro. Eu e meu irmão guardamos na memória as imagens daquele confronto fantástico. Ontem fiz questão de levá-lo ao Pacaembu para comemorarmos o cinquentenário de nossa primeira vez, vendo o mesmo jogo, agora em uma época em que o futebol brasileiro já não domina o mundo.

Ponderado, Marcos achou que o jogo poderia pender para um lado ou para o outro, dependendo do aproveitamento das oportunidades. O Santos teve, no mínimo, três chances muito boas: com Gabriel, que penetrou sozinho e mostrou mais uma vez que não sabe chutar com o pé direito; com Bruno Henrique, que também arrancou livre na sua primeira jogada ao entrar no segundo tempo; e com o mesmo Bruno Henrique, ao corajosamente enfiar a cabeça quase na chuteira do adversário e jogar a bola rente à trave.

No todo, o Cruzeiro é um time mais bem postado, que toca melhor a bola, mas o Santos parecia querer um pouquinho mais a vitória. Tanto, que Jair Ventura tirou Diego Pituca, o que melhor marcava no meio campo, para colocar Bruno Henrique. Aí ele decidiu ir para o tudo ou nada e o pontinho do empate virou nada. A lógica seria tirar Rodrygo, muito errático desde que surgiu o interesse do Barcelona.

Nas duas últimas partidas o garoto não foi nem sombra do que pode ser. É compreensível. A possibilidade de se tornar um milionário da noite para o dia, além de jogar em um grande europeu, deve mexer com a cabeça de qualquer um. Porém, espero que as pessoas que o cercam tenham a calma e a sabedoria de orientá-lo a, antes de tudo, voltar a jogar um bom futebol vestindo a camisa do Santos, o que tem deixado de fazer.

Com Pituca o Santos manteria o meio campo mais sólido e provavelmente sairia ao menos com o empate. Jair foi ousado, mas a ousadia custou caro. Em um escanteio, a bola foi ralada para trás e um cruzeirense saltou às costas de Dodô para fazer o único gol da partida. O Santos ainda tentou o empate até o final, em vão. Não é a quantidade de atacantes que torna uma equipe mais ofensiva. Já escrevi sobre isso dias atrás.

De qualquer forma, no todo o Santos foi bem e não merecia sair derrotado do Pacaembu que, mesmo com a falta de combustível na cidade, recebeu mais de 10 mil pessoas. Voltei com o pessoal no metrô e o pai de uma família santista veio me cobrar, dizendo que assim não dá e tenho de fazer alguma coisa, pois faço parte da diretoria. Não deu tempo de explicar a ele que não decido sobre o futebol, mas tudo bem. Reconheço a tristeza do torcedor, pois eu e o Marcos também fomos embora de cabeça inchada. O torcedor comum, como eu próprio, sempre me respeitou, como eu o respeito. Só os paus mandados que perderam suas boquinhas ou que querem privilégios é que armam arapucas contra nós, geralmente após as derrotas.

Derrotas que fazem parte e que devem ser recebidas sem medo. São lições a serem aprendidas. Um dia o técnico trocará um jogador do meio por um atacante, este fará o gol da vitória e sairemos radiantes com a genialidade do nosso professor. Assim é o mundo emocionante, instável e às vezes amargo do futebol. O importante, porém, é que dias melhores virão e o Santos, todos nós sabemos, jamais cairá.

Sei que ver o Santos perder dá vontade de xingar meio mundo, mandar muitos para aquele lugar, soltar o verbo. Mas não apele para palavras de baixo calão neste blog, ou será sua última participação entre nós. Abraço!

E você, o que acha disso?


Que não falte combustível

Leia o post original por Odir Cunha

Meus amigos e minhas amigas, todo mundo sabe que está faltando combustível. Não falo do Brasil, falo do Santos. Pois todo mundo também sabe que o combustível de um time vem da arquibancada. É de lá que, como e onde estivesse, partiu o gás que embalou o querido Alvinegro Praiano para vitórias às vezes improváveis. Espero que nesse domingo, a partir das 16 horas, assistamos outro fenômeno igual.

Vi um Santos com meia equipe de reservas bater o São Paulo, campeão brasileiro de 1977, em pleno Morumbi, e levantar o título paulista de 1978; vi Giovanni & Cia enfiarem 5 a 2 no Fluminense, até então a defesa menos vazada do Brasileiro, em um Pacaembu enlouquecido; vi um bando de Meninos derrotar duas vezes o Corinthians, no Morumbi, e levantar o caneco de 2002.

Aos santistas que dizem que só voltarão aos estádios quando o Santos tiver um time forte, repleto de craques consagrados, que jogue bonito e vença quase todos os jogos, eu só posso dizer: “Aí é fácil”, ou, como diria o português em uma piada que não posso contar, “aí até eu”. Pois o momento que separa os homens dos meninos é agora.

Digo, com convicção, que esse jovem Santos joga melhor, com mais amor e empolgação, quando tem um bom público a animá-lo. Foi assim contra o Corinthians, o Palmeiras e o Nacional do Uruguai. Será assim contra o Cruzeiro, eu boto fé e espero que muitos outros santistas tenham a mesma confiança.

Com a volta de Bruno Henrique, tudo indica que o Santos jogará com Vanderlei, Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Yuri (ou Pituca), Jean Mota (ou Léo Cittadini) e Rodrygo; Gabriel, Bruno Henrique e Eduardo Sasha.

O Cruzeiro, também com desfalques, deverá começar a partida com Fábio; Lucas Romero (ou Edílson), Léo, Dedé e Egídio; Henrique e Lucas Silva; Robinho, Thiago Neves e Rafael Sobis (ou Bruno Silva); Sassá.

Já falei que o primeiro jogo que assisti em estádio, no caso o Morumbi, foi um Santos 2, Cruzeiro 0, em 13 de outubro de 1968. De um lado, Pelé, Carlos Alberto, Clodoaldo, Edu, Toninho; do outro, Tostão, Dirceu Lopes, Piazza, Natal… Cerca de 29.500 torcedores foram ver aquela partida dos tempos em que o futebol praticado pelos times brasileiros era mesmo o melhor do mundo.
Não podemos esperar a mesma qualidade de outrora no clássico desse domingo, mas podemos fazer a nossa parte e incentivar nossos Meninos, alguns deles de grande técnica e enorme potencial.

Que os adversários torçam pelo insucesso do Glorioso Alvinegro Praiano é compreensível, pois a cada vez que entra em campo o Santos os faz lembrar de longos períodos de vexames e coadjuvância. Porém, ao menos nós, santistas, temos de estar ao lado do nosso time nessa penosa batalha para voltar a reinar no futebol. Nos vemos no Pacaembu.

E você, o que acha disso?


Sábado de aniversário com Santos Day e nova camisa à venda

Leia o post original por Odir Cunha

Texto de Mayara Rached, do site oficial do Santos

O super Match Day denominado como Santos Day marcará o encerramento da Semana Santos neste sábado, 14 de abril, dia do aniversário do Santos FC. O evento , que conta com a parceria da Truckvan, terá início às 16h30, na Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu, depois do jogo Sereias da Vila x Portuguesa e antes da partida Santos FC x Ceará. O último dia de comemoração aos 106 do Clube promete animar os torcedores santistas com diversas opções de entretenimento.

A programação no local contará com atrações musicais em diferentes estilos, apresentações de free style com a nova equipe de Skate do Santos FC, street dance com as Alvinegras da Vila, performances do Circo dos Sonhos e quiz com perguntas históricas relacionadas ao Peixe para distribuição de brindes.

O Santos Day também irá proporcionar ao público uma loja móvel da Santos Store com produtos oficiais do Peixe, o caminhão do programa Sócio Rei para efetuar novas associações, diferentes opções de food trucks, beauty truck, além de uma unidade móvel com acervo do Memorial das Conquistas. As carretas serão disponibilizadas pela Truckvan, maior fabricante de unidades móveis do Brasil.

“O Santos Day é uma grande novidade que vem para ficar. Todo dia 14 de abril é extremamente importante para o santista e sempre será motivo para comemoração. Mas a partir deste 106º aniversário faremos com que este momento especial se torne ainda mais inesquecível. Anualmente, visando enaltecer o aniversário do Peixe, faremos a promoção de grandes festejos e diversas atrações, dignas do que o Clube e nossa torcida merecem. A edição inicial deste ano já diz a que este projeto veio: antes do jogo contra o Ceará, quatro longas horas de festejos na Praça Charles Miller. Será o ápice da Semana Santos, que começou no dia 9 (com a vernissage da exposição de pinturas de Osmar Santos). Chegue cedo e vamos comemorar!”, convidou o Presidente José Carlos Peres.

O ex-atleta Jamelli terá uma participação especial durante o evento com a doação de uma camisa autografada utilizada em um clássico do Santos FC ao Memorial das Conquistas. E para oficializar o fim da Semana Santos haverá a entrega de uma tela marco no encerramento do Santos Day.

O evento, que faz parte das comemorações do Santos FC, contará com o apoio das seguintes empresas: Truckvan; Kim Pães; Mercadão Atacadista; Fourcade; Instituto Mix; BR3 Comunicação; Burguer ID e Capital da Pizza.

Super Match Day marcará aniversário do Clube neste sábado (14) no Pacaembu

Estreia no Brasileirão: venda de ingressos nos pontos autorizados começa nesta quarta (11)

Secretaria de Turismo de Santos participa da Semana Santos. Leia.

Clique aqui para se tornar um Sócio do Santos


Das coisas que o dinheiro não comprou

Leia o post original por Rica Perrone

O Palmeiras tem um investidor porque dá retorno. É simples, incontestável, de clara inveja alheia a quem contesta. Talvez alguém tenha feito um estádio pra ele com recursos privados e comprado um timaço pela logica simples dele ser um bom negócio. Talvez seu clubismo não veja assim.

De tudo que o Palmeiras pode comprar, algumas coisas não estão a venda. E veja você, é quase sempre o que o torcedor mais gosta.

Ele gosta de criar em casa. Ou de achar dentro dela alguém de quem pouco se esperava. Ela gosta de Jesus, de Jailson, de esperar mais pelo investimento e menos pelo mesmo motivo.

Quem colocou o Palmeiras na final antes do jogo foram jornalistas irresponsáveis. Não o clube. Ele não foi arrogante, o tom veio de fora. Em campo,  jogou menos do que pode, mas ignorar o fator do clássico para cobrar desempenho por mero investimento é chamar Palmeiras de Chelsea.  Não, não é o caso.

Falamos aqui de um time com investimento e camisa. Camisa que ajuda cá e lá. Por isso o Santos venceu o jogo hoje. Porque não se joga só com a grana. Há mais do que isso por trás de um clássico.

Mas nem mesmo se pudesse o investidor poderia comprar a noite de hoje. Pelo que investiu esperava vencer por 3×0 com gols dos seus reforços caríssimos. O futebol é mágico, e o nosso não está a venda numa prateleira.

Prova disso é que a noite de hoje será eternizada na memória de cada palmeirense pelo não retorno do investimento em campo. Ou seja, pelo fato de não haver garantias. Dos badalados, outra vez salvou um não comprado. E do esperado passeio veio mais um drama nos pênaltis e história pra contar.

Pudesse comprar com esse roteiro, o Palmeiras compraria. Mas não se vende história, se faz. E mais uma vez o Verdão dramatizou um roteiro de final até previsível, mas nunca garantido de véspera.

Salve Jailson, o velho Pacaembu, os penaltis sem favorito e o peso da camisa. As vezes a vaga vem sem nenhum centavo pra explicar.

abs,
RicaPerrone

Três falhas do Santos no mesmo ataque palmeirense definem clássico

Leia o post original por Perrone

O surrado bordão “clássico se decide nos detalhes” explica a vitória do Palmeiras por 1 a 0 sobre o Santos neste sábado pelo Campeonato Paulista. Três falhas de marcação da defesa alvinegra em um só ataque adversário resultaram no gol do triunfo alviverde.

Os erros permitiram que Bruno Henrique, Dudu e Willian, responsável por estufar as redes, recebessem a bola livres até a abertura do placar, após jogada iniciada pelo Keno.

Depois da sequência de vacilos do Santos no mesmo ataque palmeirense, o que aconteceu de mais relevante foi um show de Jaílson. O goleiro alviverde fez quatro defesas importantes. A cada uma delas, a bobeada coletiva da defesa santista pesava mais para a equipe do litoral.

No segundo tempo, enquanto Jaílson brilhava, seus colegas de time pouco conseguiam fazer no campo de ataque. Na etapa final, o santista Vandarlei praticamente só teve trabalho numa falta cobrada por Willian aos 44 minutos.

Se não foi suficiente para evitar a derrota, a superioridade do Santos nos 45 minutos derradeiros indica que a vaga para final estadual está longe de ser decidida. Um empate jogando no mesmo Pacaembu, mas só com sua torcida, na próxima terça, basta para colocar a equipe alviverde na decisão. Pelo que se viu na abertura das quartas de final, a tendência é de um jogo equilibrado.