Eleição corintiana: Gobbi e Paulo Garcia superam atritos e se aproximam

Leia o post original por Perrone

Mário Gobbi Filho, já lançado como candidato à presidência do Corinthians, e Paulo Garcia, que prometeu aos conselheiros lançar sua candidatura em breve, se aproximaram nos últimos dias num movimento que chamou atenção na política alvinegra.

Ambos almoçaram juntos há cerca de 15 dias e superaram antigas rusgas. Até então, o entendimento entre eles era considerado inimaginável por seus apoiadores. Aliados deles têm conversado constantemente. Porém, por enquanto, componentes dos dois grupos evitam falar em união das chapas para a disputa da eleição de novembro. Uma eventual composição, em tese, mudaria drasticamente o cenário eleitoral por direcionar os votos dos dois para uma só candidatura, teoricamente bem mais forte.

Ex-presidente do clube, Gobbi critica fortemente a atual gestão. Garcia, foi derrotado por Andrés Sanchez no último pleito. Por sua vez, o atual presidente, apoia Duílio Monteiro Alves, que se afastou da diretoria de futebol para cuidar de sua campanha. Augusto Melo e Ricardo Maritan também estão na disputa.

O futebol que o Corinthians está apresentando é vergonhoso

Leia o post original por Nilson Cesar

O Tiago Nunes não deixou nada de bom para o Corinthians . Jogadores apresentando um futebol também de baixíssima qualidade . O técnico que assumir terá muito trabalho pela frente . Hora de reação dos atletas. O torcedor está cobrando com toda razão . O time joga em casa contra o Bahia na próxima rodada e tem obrigação de vencer e mostrar um pouco de futebol . O clube é muito grande para estar lá…

Fonte

Protesto da torcida também pesou para Corinthians demitir Tiago Nunes

Leia o post original por Perrone

Além da perda de apoio dos jogadores,  protesto da torcida também pesou na decisão da direção corintiana de demitir Tiago Nunes.

A manifestação dos torcedores na saída da Neo Química Arena após a derrota para o Palmeiras na última quinta assustou ao menos parte dos cartolas.

Na avaliação da diretoria, uma nova derrota contra o Fluminense, neste domingo, com Nunes no comando, agravaria a situação. Havia receio de uma reação violenta de torcedores mais irritados. Com a queda do técnico, a análise é de que a tensão diminui.

Imediatamente após o fracasso no derby, ainda havia o desejo da diretoria de esperar o jogo no Maracanã. Porém, a entrevista do treinador somada a outros fatores, como a manifestação dos torcedores, selou a demissão do técnico.

A entrevista teve papel fundamental para a direção avaliar que a relação entre comandante e comandados estava gravemente danificada

Ao responder sobre sua situação no cargo, o treinador disse: “essa pergunta tem que ser direcionada à direção do clube. Estamos dando oportunidades para jogadores que não eram aproveitados havia tempo. Não íamos ter grandes investimentos em atletas e teríamos que achar solução dentro da própria casa”.

Para a diretoria, essa fala menosprezou os integrantes do elenco. Dirigente ouvido pelo blog sustenta que nenhum atleta procurou a diretoria para reclamar de Nunes. Mesmo assim, os cartolas concluíram que os jogadores se incomodaram com essa e outras afirmações do ex-comandante cobrando reforços. Somados todos os fatores, a situação foi classificada como insustentável.

Corinthians deseja emplacar Coelho como técnico. Conheça os motivos

Leia o post original por Perrone

De acordo com dois dirigentes do Corinthians ouvidos pelo blog, logo após a demissão de Tiago Nunes ficou acertado entre os cartolas que nenhuma negociação seria tocada com outro treinador antes da partida deste domingo (13) contra o Fluminense, no Maracanã.

A expectativa da direção é de que o interino Dyego Coelho faça o time começar a evoluir. Isso reforçaria o desejo de dar tempo para ele tentar se firmar no cargo.

Um dos motivos para essa aposta no ex-lateral é a eleição no clube, marcada para novembro. Se Coelho segurar a onda, a atual diretoria se livra da dificuldade de contratar um treinador em período eleitoral.

Encontrar alguém que tope um acordo só até a votação é considerada uma missão praticamente impossível. E fazer um contrato longo sem saber quem será o próximo presidente geraria protestos no clube, além do risco de o sucessor de Andrés Sanchez não aceitar a escolha.

Coelho é bem visto também porque seu trabalho como interino no ano passado agradou aos dirigentes. Porém, Nunes estava contratado, o que não lhe deu chance de efetivação. Hoje não existe esse obstáculo.

Os cartolas enxergam uma série de qualidades no interino. Entre elas estão conhecimento tático, afinidade com o clube no qual foi revelado como jogador e domínio da “linguagem boleira”. O discurso é de que o comandante do time sub-20 alvinegro tem potencial para brilhar na carreira.

Mas, toda essa boa vontade com Coelho vai depender de uma rápida evolução da equipe. A pressão de conselheiros e da torcida, principalmente das organizadas, pela volta dos bons resultados é enorme. Além disso, há o receio da direção de o time demorar para se afastar das últimas posições do Brasileirão.

Corinthians dispensou um treinador ainda em formação.

Leia o post original por Nilson Cesar

O Corinthians dispensou o técnico Thiago Nunes. Insisti em afirmar que ainda era um técnico que tem muito à aprender . Me impressionava quando ouvia ele dizer que o seu trabalho era de alto nível . Isso mostra que não percebia que ainda é um aprendiz. Falta humildade a Thiago Nunes. Em todos os segmentos temos gente igual a Nunes. O cara ainda é um aprendiz e se julga gênio .

Fonte

T. Nunes demitido e Duílio candidato à presidência é injusto e incoerente

Leia o post original por Perrone

A demissão de Tiago Nunes no Corinthians repete uma injusta e incoerente situação vista com frequência no futebol brasileiro. O treinador fica praticamente com toda a culpa pelo fracasso. E o dirigente sai ileso.

No caso do ex-técnico corintiano, injustiça e incoerência estão ainda mais escancaradas.

Enquanto Tiago está desempregado, o ex-diretor de futebol, Duílio Monteiro Alves, é lançado candidato da situação à presidência do clube na eleição marcada para novembro.

É como se dois dos envolvidos diretamente no naufrágio de um navio fossem julgados e tivessem resultados bem diferentes. Um levou a pena máxima, no caso, a demissão. Já o outro foi premiado, ganhou a oportunidade de disputar a cadeira mais cobiçada de um dos maiores clubes do país.

É como se Duílio não tivesse participado da contratação de Tiago, que foi muito mal no cargo, e de uma série de jogadores criticados por torcida e imprensa.

Parece até que o técnico apareceu do nada no clube e saiu contratando sem ter que dar satisfação a ninguém.

Difícil entender como o trabalho de Tiago pode ser reprovado e o de seu chefe aprovado. Ou ser escolhido pelo presidente do clube, Andrés Sanchez, para tentar ser seu sucessor não significa aprovação?

Duílio foi um dos responsáveis por toda a estrutura que afundou com o técnico. “Ah, mas o trabalho dele não pode ser avaliado só pelo desempenho do time nesta temporada”, podem dizer alguns. Mas foi dado ao treinador o mesmo tempo de trabalho? Não.

É preciso ainda lembrar que o Corinthians atrasou quatro meses de salários de jogadores e comissão técnica. E Duílio fazia parte da diretoria responsável por isso. É complicado trabalhar bem sem receber.

O ex-diretor de futebol, que deixou o posto para cuidar da campanha, não deveria sair ileso do diagnóstico de que o treinador perdeu o apoio dos jogadores. Uma de suas tarefas era evitar que a situação chegasse a tal ponto.

O trabalho de Tiago Nunes foi péssimo. Seria difícil mantê-lo no cargo. Não defendia essa permanência. O que não dá para engolir é que alguém que também errou feio seja escolhido para tentar alcançar em poucos meses a presidência. Esse tipo de imunidade para cartolas não deveria existir. Todos precisam arcar com seus erros. Demitir um e promover outro não faz sentido.

Corinthians espera verba da venda de Pedrinho até para demitir funcionários

Leia o post original por Perrone

Nesta semana o Corinthians pagou três de quatro meses de salários a transados a jogadores e membros da comissão técnica. O plano agora é quitar o restante entre terça e quarta da semana que vem com a antecipação do dinheiro da venda de Pedrinho para o Benfica.  Porém, a receita servirá também para o clube pagar custos de demissões de funcionários que ainda não foram feitas por falta de dinheiro.

A expectativa é de que a receita a ser antecipada junto a um banco estrangeiro chegue na terça-feira. Se isso acontecer, o clube coloca em prática o pacote de demissões com o objetivo de reduzir custos, conforme apurou o blog.

Por mais de uma vez, o Corinthians se viu perto de concretizar a antecipação, mas acabou tendo que adiar seus planos

O desligamento de empregados faz parte de uma estratégia elaborada em maio para enfrentar as dificuldades financeiras do alvinegro agravadas pelos efeitos da pandemia de covid-19. O corte de pessoal não deve atingir o futebol profissional.

Na ocasião, a diretoria pediu que todos os departamentos fizessem reduções de gastos em até 50%. O número variava de acordo com a área. Muitas das demissões, no entanto, ainda não puderam ser feitas porque o clube não tem como pagar custos como os referentes a verbas rescisórias.

Com as demissões somadas a outras reduções de gastos, que incluem trocas de fornecedores, por exemplo, a direção espera alcançar uma economia de R$ 2,5 milhões mensais. A quantidade de funcionários a serem demitidos é mantida em sigilo pelo clube. A diretoria não fala oficialmente sobre futuras demissões.

O Corinthians receberá na operação de antecipação menos do que os 18 milhões de euros que seriam  pagos pelo Benfica a partir de agosto de 2021. Isso porque a instituição financeira cobra taxas para antecipar a receita.

Inicialmente Pedrinho tinha sido vendido por 20 milhões de euros. No entanto, o alvinegro aceitou reduzir a quantia em 2 milhões de euros depois de os portugueses reclamarem da decisão corintiana de não exercer o direito de compra dos direitos referentes a Yony González.  O Benfica também conseguiu adiar em um ano o pagamento de primeira parcela.

Por sua vez, Will Dantas, agente de Pedrinho, já tinha aceitado receber os 30% a que tem direito só no ano que vem.

Expulsões de Fagner e Avelar mostram que problema corintiano é mais grave

Leia o post original por Perrone

 As expulsões de Fagner e Danilo Avelar na derrota por 2 a 0 para o Palmeiras nesta quinta (10) mostram que o problema do Corinthians é mais grave do que se pensava. Vai além de falta de qualidade técnica e de força tática.

Quando dois atletas experientes são expulsos de maneira infantil deixando o time em situação dramática contra seu maior rival é porque o nível de concentração e de controle emocional está perto de zero.

E o que está provocando isso?  É trabalho da comissão técnica e da diretoria descobrir. Os dois lances que geraram cartões vermelhos indicam que algo pode estar perturbando o emocional de alguns jogadores.

Não é demais lembrar que eles chegaram a ficar quatro meses sem receber salários. Nesta semana foram acertadas três dessas remunerações. Os atrasos podem ter gerado a desconcentração de alguns? Pode, mas não é uma certeza.

Certo é que Fagner, jogador de Copa do Mundo, foi infantil. Não se trata de analisar se a bola entraria no gol. A questão é que era muito cedo para tentar evitar um gol em troca de um pênalti e uma expulsão. Qualquer jogador com a cabeça no lugar sabe que esse tipo de escolha não é vantajosa no primeiro tempo. Ainda mais num clássico.

Já no final do jogo foi a vez de Avelar perder a cabeça e fazer uma falta digna de cartão vermelho.  Fazer isso sabendo que sua equipe está levando de 2 a 0 do maior rival e que já tem um a menos é perder a cabeça 

Sorte do Corinthians que o Palmeiras não teve apetite para golear. Se forçasse um pouco mais desde o início do segundo tempo, o  alviverde teria saído de Itaquera com um resultado histórico.

Luxemburgo precisa fazer seu time ter mais vontade nesses momentos. Trabalho bem mais complexo terão diretoria e comissão técnica do Corinthians para descobrir o que faz seus jogadores chegarem a esse nível de vacilo.

 

Flamengo começou a jogar pra valer. Quem segura?

Leia o post original por Nilson Cesar

O Flamengo começou a jogar de verdade. Mostrando um futebol de qualidade agora. Será que alguém terá potencial para segurar? Acho que jogando o que pode, tem todas as condições para ser campeão novamente . O elenco é bem melhor do que as demais equipes. Um campeonato tão longo como o brasileiro precisa de bom elenco e peças de reposição . O Flamengo tem exatamente isso . O técnico novo já está…

Fonte

Corinthians obtém vitória na Justiça contra ex-parceira

Leia o post original por Perrone

A 14ª Vara Cível de São Paulo negou pedido da Vitalcred para que o Corinthians fosse obrigado a pagar multa por supostamente infringir contrato de patrocínio entre as partes. A empresa ainda foi condenada a se responsabilizar pelos honorários dos advogados do clube, além de arcar com custas e despesas do processo. Cabe recurso.

A ex-parceira corintiana pediu para que o clube fosse condenado a pagar multa equivalente ao valor integral do contrato: R$ 480 mil.

A Vitalcred alega que o Corinthians infringiu “o dever de exclusividade” ao assinar acordo com o BMG em janeiro do ano passado. A empresa tinha adquirido o direto de produzir máquinas de pagamento por cartões de crédito e débito com o escudo do Corinthians e chamadas de Pop Timão.

Porém, a juíza Marcia Tessitore citou cláusulas contratuais que deixavam claro não existir exclusividade. Ela também entendeu que o Corinthians não descumpriu cláusulas que permitiriam a aplicação de multa.

O acordo, assinado em dezembro de 2018, previa o pagamento de 12 parcelas A primeira foi paga e devolvida no início de 2019.

Os advogados alvinegros sustentam que o clube exerceu seu direito de rescindir o contrato mediante notificação. Afirmam também que o Corinthians estava disposto a ressarcir a empresa por eventuais investimentos, mas que a Vitalcred preferiu recorrer à Justiça. Nenhuma indenização, além da multa, foi pedida na ação.
Abaixo, leia trecho da decisão.

“Julgo parcialmente procedente a ação para declarar rescindindo o contrato firmado entre as partes, julgando extinta a demanda, nos termos do art. 487, I do Código de Processo Civil. Diante da sucumbência mínima do réu, condeno a parte autora ao pagamento dos honorários advocatícios aos patronos do réu, que fixo por equidade em R$ 5.000,00”.