Tricolor mantém sonho de técnico para 2019

Leia o post original por Craque Neto

Nada de Rogério Ceni, como muito são-paulino vem sonhando após o ídolo conquistar a Série B no comando do Fortaleza. O possível novo técnico do Tricolor para 2019 é mesmo Abel Braga. Pelo menos esse é o nome preferido do diretor de futebol Raí, notícia inclusive adiantada na última semana pelo comentarista Velloso durante o ‘Os Donos da Bola’ da Band. O dirigente já teria inclusive entrado em contato com o treinador, que está fora em um período sabático, como os caras gostam de dizer. A verdade é que o Raí pessoalmente quis desligar o uruguaio Aguirre na semana passada. […]

O post Tricolor mantém sonho de técnico para 2019 apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Diretoria acertou na demissão de Aguirre

Leia o post original por Michelle Giannella

Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press

A demissão do treinador Diego Aguirre pela diretoria do São Paulo tem gerado polêmica.

Muitos jornalistas não compactuam com a decisão da diretoria, acham que mandar embora a cinco rodadas do final do Campeonato é apenas uma forma de transferir a culpa de uma gestão ruim, sendo que o certo seria não renovar com ele para a próxima temporada.

Indo na contramão dos meus caros colegas, concordo com a decisão da diretoria do São Paulo.  Esperar mais para quê? O time não mostrava evolução em campo há tempos. Raí cobrou, apertou, Aguirre tentou, mas até o grupo dele se apartou. É só ver a comemoração do gol do time na partida da Arena de Itaquera… Deixaram o treinador no vácuo.

Aguirre até conseguiu fazer o time render num primeiro momento, mas no segundo semestre as lesões e, principalmente, a ausência de Éverton, pesaram. Mas não podemos considerar apenas isso. E a evolução da equipe? E a parte tática e técnica? O que pode justificar a falta de repertório do São Paulo? A falta de criatividade, de trabalho de bola, a pobreza ofensiva?

Empatar com o time do Corinthians (que não vive mau momento com Jair Ventura) e ainda jogando com um homem a mais por 45 minutos, pra mim é motivo suficiente para agradecer o treinador e tocar o barco com André Jardine. Pra que morrer abraçado com um técnico que não tirava mais nada de bom da equipe e visivelmente não possuía mais o apoio do grupo?

A diretoria acertou.

Bola pra frente.

Resumo de Diego Aguirre no comando do Tricolor:

43 jogos

19 vitórias

15 empates

9 derrotas

52 gols marcados

36 gols sofridos

Aproveitamento: 55,8%

O técnico do São Paulo era fraco . O time é muito fraco também .

Leia o post original por Nilson Cesar

O São Paulo demitiu o treinador Diego Aguirre. O treinador era fraco , mas na verdade o time do São Paulo é muito fraco também . Precisa buscar um cara de grande qualidade e história para dirigir o time do Morumbi e contratar 5 ou 6 novos titulares para brigar por título . A história do São Paulo não merece tantos erros da diretoria e um time sem condições . A direção que seja criativa e contrate jogadores de grande qualidade para ganhar títulos . Tenho certeza que o torcedor consciente do São Paulo já cansou de ficar iludido . O São Paulo merece muito mais mesmo .

Por Emirates, Corinthians recorre à Câmara Árabe. Empresa não se interessa

Leia o post original por Perrone

Sem patrocinador máster fixo desde abril do ano passado, o Corinthians recorreu à Câmara de Comércio Árabe-Brasileira para tentar fechar contrato com a Emirates.

Porém, conforme apuração do blog, a negociação não decolou. Procurada pela Câmara, a companhia aérea respondeu não estar interessada.

Ao blog, a assessoria de imprensa da Câmara disse que não se manifestaria sobre o assunto e nem confirmaria o episódio. A entidade costuma ter cláusula de confidencialidade nos contratos com quem a aciona.

O departamento de comunicação do Corinthians disse que não ter informações sobre o tema.

Já a Emirates, por meio de sua assessoria respondeu apenas que no momento não pensa em patrocinar nem time de futebol no Brasil.

“O boato não é verdadeiro. A Emirates não está buscando ser patrocinadora de nenhum clube de futebol brasileiro atualmente”, afirma a nota enviada pela assessoria de imprensa.

Vale lembrar que em nenhum momento o blog afirmou que a empresa estava em busca de uma equipe. Pelo contrário, a resposta está em sintonia com a apuração de que os árabes não corresponderam ao desejo corintiano.

A Emirates, no entanto, não se posicionou sobre a informação de que a Câmara Árabe tentou fazer a ponte entre ela e o Corinthians.

A companhia aérea é um antigo alvo da direção corintiana. A ideia inicial é conseguir um contrato de patrocínio para o uniforme e tentar seduzir a empresa a comprar os naming rights da Arena Corinthians.

Acionar a Câmara Árabe foi a solução encontrada pela direção de marketing do Corinthians para tentar se aproximar da empresa. A entidade tem experiência em buscar parceiros árabes para companhias brasileiras.

 

Censurar o preconceito só o piora

Leia o post original por Rica Perrone

Estou vendo pessoas revoltadas com o fato de muitos preconceituosos terem saído do armário e estarem dizendo o que pensam na internet. Destilando ódio que antes ficava encubado. E eu lhes digo sem a menor dúvida: que bom que estão falando! E aí você pensa: “você está maluco, Rica? Acha legal o cara ser racista,…

Bruno Soares estreia com vitória em Londres

Leia o post original por Fernando Sampaio

Bruno Soares e Jamie Murray venceram a partida de abertura do ATP Finals com uma vitória duríssima por 7-6 (5), 4-6, 10-5 sobre Raven Klaasen e Michael Venus com duração de 1h49′. Cabeça de chave 4, a dupla salvou três set points antes de conquistar sua 38ª vitória na temporada (38-18 no total).
A dupla Murray/Soares está fazendo sua terceira participação consecutiva no torneio de Londres, onde foram semifinalistas nos últimos dois anos. “Achei que jogamos muito bem, especialmente nos tiebreaks, jogamos muito bem quando realmente precisávamos. Sim, estamos muito felizes em ganhar o primeiro jogo” disse Bruno Soares.

André Jardine tem competência

Leia o post original por Flavio Prado

O jovem treinador do São Paulo, André Jardine, é estudioso e preocupado com a beleza do futebol. Tem bom relacionamento, especialmente com os jovens e experiência de disputas internacionais com as equipes de base.

 

O São Paulo fez o de sempre, simplesmente demitiu o treinador, que levou o time a uma posição muito melhor do que podia. Liderou o Brasileiro e manteve-se em zona de Libertadores, mesmo com elenco limitado. Quando caiu na realidade e a produção ficou menor, não houve qualquer estudo do trabalho realizado. Deram a cabeça de Diego Aguirre e entregaram o time a André Jardine.

Gosto do trabalho do novo técnico desde de sempre. Moderno, ele está inteirado do que há de melhor no futebol mundial. Recentemente passou uma semana na Europa vendo jogos da Champions League, Liga Uefa, Campeonato Espanhol e Premier League, onde assistiu o Manchester City de Pep Guardiola, vencendo o Tottenham em Londres. O jovem treinador do São Paulo, André Jardine, é estudioso e preocupado com a beleza do futebol. Tem bom relacionamento, especialmente com os jovens e experiência de disputas internacionais com as equipes de base.

Jardine é daqueles, que sempre sugiro, que vá para a Europa, num planejamento de carreira começando por equipes menores, para depois quem sabe, assumir os melhores times do mundo. Assim fazem os jovens argentinos, quando querem virar treinadores de grande reconhecimento. E muitos deles estão por aí. Mauricio Pocchetino, na Inglaterra, Eduardo Berizzo, Antonio Mohamed e Leo Franco, na Espanha, além do consagrado Diego Simeone, é claro, e a referência Marcelo Bielsa, agora no Leeds, mas há anos fazendo sucesso mundo afora. Os brasileiros, enquanto isso,  ficam pulando de time em time, ao sabor da incompetência dos cartolas e acabam não saindo do lugar.

André Jardine, Rogério Ceni, Fernando Diniz, Roger Machado, gente desse porte, estão acima das limitações do gestores do Brasil. Eles tentam pensar o jogo, não só o resultado imediato. De qualquer forma a chance para Jardine é interessante. Ele poderá mostrar um pouco de seu conhecimento, para grupos maiores de pessoas, e talvez adquirir a certeza de que precisa, se quiser crescer, não ficar somente estudando na Europa, mas sim fazendo carreira por lá.

Aguirre caiu. Volte, Rogério Ceni!

Leia o post original por Milton Neves

Fotos: Leonardo Benassatto/Reuters/via UOL (Diego Aguirre) e Douglas Oliveira – Ascom Gama/via UOL (Rogério Ceni)

Acabou a lua de mel entre São Paulo e Diego Aguirre.

Depois do empate com o Corinthians,  a diretoria resolveu colocar um ponto final na passagem do uruguaio pelo Morumbi.

Também, pudera…

Com um jogador a mais durante todo o 2º tempo, seu time levou um gol do Corinthians (e outro não marcado) e só conseguiu empatar.

É verdade que ele recolocou o Tricolor em bom lugar, fazendo o são-paulino até sonhar em ser campeão.

Para quem iniciou o ano almejando não cair para a Série B, foi bom demais, até…

Mas o time foi perdendo o gás, caiu muito e pelo andar da carruagem precisará passar pela pré-Libertadores, pois o Grêmio encostou.

Por enquanto, André Jardine assume o comando da equipe, até o final do Brasileirão.

Mas, depois do ótimo trabalho de Rogério Ceni em seu “estágio” no Fortaleza, porque não trazê-lo de volta, agora mais maduro e com a faixa de campeão da Série B no peito?

Se depender somente do presidente Leco, não será fácil…

Mas os bons Raí, Lugano e Ricardo Rocha podem ser bons conselheiros nesta hora.

Outros nomes?

Abel Braga estará disponível em 2019.

E Luxemburgo, que sonhou “a vida inteira” em treinar o Tricolor, será que nunca comandará o time do Morumbi?

OPINE!

Oportunidade perdida. Fluminense 0 x 0 Sport

Leia o post original por Mauro Beting

ESCREVE GUSTAVO ROMAN

Pelo volume de jogo que apresentou, especialmente nos 45 minutos iniciais, o Fluminense merecia ter deixado o gramado do Maracanã com a vitória e o alívio que os três pontos trariam em termos de tranquilidade para tentar reverter a desvantagem na semifinal da Copa Sul-Americana.

A etapa inicial foi toda do Tricolor. Abandonando o esquema com três zagueiros, os donos da casa utilizavam bem Marcos Júnior, atuando como meia no 4-3-3, para confundir a marcação. Melhor ainda. Explorando bem os lados do campo, o time criava boas chances. Mas a pontaria deixava a desejar. O time pernambucano veio ao Rio para se defender e tentar voltar para Recife com um importante ponto na luta contra o rebaixamento. E quase conseguiu muito mais do que isso (e de que merecia) quando Raul Prata fez lançamento longo para Michel Bastos cortar a marcação e bater colocado, carimbando a trave de Júlio César na melhor oportunidade do jogo. O Flu havia tido sua grande chance em jogada de Everaldo pela esquerda e que Marcos Júnior, por duas vezes, acabou perdendo. (no total, foram 10 finalizações do Flu e apenas essa do Sport).

No intervalo o técnico Milton Mendes acertou a marcação de sua equipe. E o Fluminense não chegou mais como no primeiro tempo. O jogo foi mais amarrado e cadenciado. Com o Tricolor buscando o ataque. E esbarrando hora no bom posicionamento defensivo do adversário, hora nas suas próprias limitações. Sem alternativas, o time da casa apelou para os cruzamentos. Já no fim do jogo houve um gol num desses lances muito bem anulado pela arbitragem. Danielzinho cobrou falta. Richard desviou e Luciano, impedido, mandou para as redes.

No fim, o resultado foi ruim para o Tricolor que nem se aproximou do G-6 nem se afastou do Z-4. E deixou o Sport apenas dois pontos a frente do Vitória, o décimo sétimo colocado hoje. Como se vê, foi uma baita oportunidade desperdiçada. Para ambos.

ESCREVEU GUSTAVO ROMAN