Arquivo da categoria: Paulista

Palmeiras fez a lição de casa . Corinthians decepcionou .

Leia o post original por Nilson Cesar

O Palmeiras venceu o Botafogo de Ribeirão Preto por 1 x 0 . Jogou um futebol pequeno , só para o gasto . É claro que é início de temporada e isso tem que ser levado em consideração . Vamos aguardar as cinco primeiras rodadas e cobrar mais . O Corinthians disputou 6 pontos até agora e ganhou só 1 . Carille terá muito trabalho para ajeitar esse time . Precisa de mais reforços e jogar muito mais os novos contratados . Por enquanto só decepcionaram . Campeonato paulista será muito legal e teremos sim muita emoção pela frente.

Quanto custa jogar o estadual?

Leia o post original por Rica Perrone

Todo mundo já percebeu que os estaduais não são interessantes aos clubes. Diz a CBF que num país com tanto clube grande ele é bom pra aumentar o número de campeões na temporada. Ok. Também tive dificuldade de aceitar 18 datas para deixar um campeão de um campeonato mediocre feliz. Era mais fácil dizer: “Se…

Corinthians fora da Libertadores. Normal!

Leia o post original por Nilson Cesar

O Corinthians está fora da Libertadores da América e para mim não é nenhuma surpresa. Ano de transição. Comissão técnica modificada, jogadores de muita qualidade deixaram o clube e a renovação não foi a altura. Este ano o Corinthians já ganhou o Campeonato Paulista e deve ser o único titulo do ano. O timão deve ter como meta uma vaga na Libertadores da América através do campeonato brasileiro. Este ano deve ser assim e o torcedor do Corinthians nem precisa exigir mais.

Não vejo o Corinthians com mais títulos este ano.

Leia o post original por Nilson Cesar

Não consigo enxergar o Corinthians conquistando mais títulos este ano. Acho que ira ficar só com a conquista do título Paulista. Trata-se de um ano de renovação de elenco e comissão técnica. Isso tem um preço e o torcedor do timão precisa entender. O Corinthians tem também dívidas a saldar e precisa colocar a casa em ordem. O Corinthians é gigante e em breve estará de volta conquistando títulos e dando alegrias para a sua torcida. Só acho que este ano não irá conquistar mais nada. É o meu palpite.

“Chato” e não roubado

Leia o post original por Rica Perrone

O campeão paulista de 2018 é o mesmo de 2917. Nenhum deles era brilhante, mas os dois são extramente competentes e “chatos”. Chatos de ganhar. Chatos de irritar. Chatos de desequilibrar. E porque não, chatos de “roubar”.

O pênalti não aconteceu, e portanto não houve um “roubo” que determinou o título do Corinthians. Poderia haver um roubo determinante ao campeonato caso o Palmeiras fizesse o gol de pênalti, porque não houve.

Mas a polêmica não é essa. É a mesma do aborto.

Você sabe que tem, se preciso até é capaz de fazer ou no mínimo sabe quem faz. Não tem como interromper, sempre o farão. E ainda assim você quer fingir que não está acontecendo.

Está. Há muitos anos está. O juiz sabia do erro dele no intervalo por um telefonema pra casa. Hoje ele sabe olhando pra qualquer lado onde todos tem um celular na mão e já podem dizer se houve ou não o pênalti.

Entre mudar de ideia e mudar o jogo, eles mudam de ideia. Pode? Não. Mas eles fazem.  Já temos uns 30 casos de lances onde o juiz voltou atrás de um tempo pra cá, e antes disso, na história, nem 5.

Será que deu virose de mudança de ideia, ou alguém avisa eles?  Curioso como sempre que mudar de ideia eles acertam, né?  Isso sem contar o olhar biônico de bandeiras e árbitros auxiliares que conseguem ver o que nem na tv é claro num rápido replay.

Eu duvido que ele viu. Apostaria em mais um lance de interferência externa que jamais será provado e, portanto, o arbitro acabou “acertando”  em sua decisão final.

Independente do lance, o jogo foi ruim tecnicamente. Um Palmeiras cheio de qualidade tentando resolver tudo num passe profundo no primeiro tempo, e bem marcado no segundo. Um Corinthians chato ao extremo, que se arrisca pouco, dá pouco espaço pro adversário e me lembra até o Capitão Nascimento “voce vai manter a calma. Pode o pau ta quebrando voce vai manter a calma”.  Nada altera o Corinthians.

É mérito. Frio. Repito, quase “chato”. Mas pra quem não tem um timaço, as armas são diferentes do que esperamos. E o controle emocional e tático do jogo que o Corinthians tem são visíveis.

Como dizer que o título não fica em boas mãos após eliminar o SPFC aos 47 e o Palmeiras na casa deles, nos penaltis?

Se é de história pra contar que vive o futebol, teremos pra contar a mais surpreendente das possíveis neste campeonato.

abs,
RicaPerrone

Vitória importante do São Paulo no início de um novo trabalho

Leia o post original por Flavio Prado

A classificação contra o São Caetano traz tranquilidade pelo menos momentânea ao São Paulo. As vaias e os gritos de burro no intervalo do segundo jogo de Diego Aguirre no comando, mostram que hoje não é nada fácil trabalhar no clube.

Aguirre é obrigado a conhecer o time e testar opções com bola rolando. No sábado escalou um time mais pesado, que parece ser inviável. A escalação para o jogo de volta foi dentro do que o São Paulo tem de melhor.

Liziero deu dinâmica e qualidade no passe. Marcos Guilherme e Valdivia pelos lados criam profundidade e dão velocidade ao time e liberdade para o meio central, seja ele Nenê, Cueva ou até mesmo Diego Souza. Lucas Fernandes que entrou bem no intervalo deve ganhar mais minutos. Na posição de centroavante, ninguém tomou conta da posição. Diego Souza ainda não rendeu, Brenner oscila bastante e Trellez briga muito, mas tem suas limitações técnicas.

No gol, Sidão está mais seguro e tranquilo do que Jean. Seria interessante ter uma opção mais ofensiva na lateral-direita, Militão sofre para apoiar e Bruno não rende, quem sabe Régis possa aproveitar a oportunidade que em algum momento vai surgir.

Aguirre não deve fixar um time titular, o uruguaio costuma rodar o elenco, mas vai buscando dentro dos jogos alternativas e tentando colocar uma identidade no time.

Estreia ruim de Aguirre

Leia o post original por Flavio Prado

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Em sua estreia pelo São Paulo, Diego Aguirre optou pela escalação dos jogadores mais famosos do São Paulo. Do meio para frente, jogaram Jucilei, Petros, Nenê, Cueva, Valdivia e Diego Souza, o São Paulo nunca conseguiu jogar bem com uma formação neste estilo, não é fácil encaixar Nenê, Cueva e Diego Souza no mesmo time, o trio tem qualidade, mas ficam devendo na mobilidade e intensidade. A dupla Jucilei e Petros também sofre com o mesmo problema.

No primeiro tempo, o São Paulo não criou praticamente nada, como já aconteceu em outras oportunidades, foi um time lento e previsível. Militão voltou a ser o responsável pelo apoio no lado direito, contra o CRB ele ficava como um terceiro zagueiro quando o time tinha a bola, o jovem jogador sofre muito para atacar. O São Caetano foi mais perigoso, com marcação adiantada em muitos momentos.

Aguirre não mudou no intervalo e o time também não, com um jogo parecido com o da primeira etapa, o São Caetano saiu na frente com falha do goleiro Jean.  Com a desvantagem no placar, o técnico mexeu no time, saíram Cueva, Militão e Jucilei, entraram Marcos Guilherme, Bruno e Liziero. O time apareceu mais no ataque, mas sofreu para criar oportunidades.

Resultado justo, o jogo de volta no Morumbi promete muitas emoções para o torcedor do São Paulo.

Palmeiras ganhou fácil do São Paulo

Leia o post original por Flavio Prado

A vitória do Palmeiras em cima do São Paulo foi muito tranquila. O clássico foi decidido no primeiro tempo. O Palmeiras foi melhor em todos os aspectos, alta intensidade com e sem bola.

O São Paulo fica com a posse, mas não agride. Sem a bola deixa espaço entre os setores. O lado emocional também pesa muito. O péssimo aproveitamento nos clássicos coloca uma responsabilidade muito grande no time que já tem os seus problemas naturais.

O momento do São Paulo é muito difícil. Não é uma fase passageira, são problemas que se repetem ao longo dos anos. Passam técnicos e jogadores de todos os tipos e o time não melhora, parece estar sempre no mesmo lugar.

São Paulo precisa de mais reforços.

Leia o post original por Nilson Cesar

O São Paulo precisa de mais reforços para a temporada. Esta mais do que evidente essa necessidade. Se quiser títulos novamente não adianta ter um time apenas razoável. O torcedor tem razão. Chega de só participar de campeonatos. Dorival Junior também corre risco se não ficar ao menos entre os 4 semifinalistas do campeonato paulista. Palmeiras e Corinthians são os favoritos para o título. O Santos corre por fora, mas não vejo chance do peixe ser campeão. O Paulista é um campeonato de pré temporada e quem duvida de sua importância está enganado. O importante é o campeonato que se disputa no momento. E o que tem pra hora é o campeonato regional.

Estaduais: Inteligencia rara

Leia o post original por Rica Perrone

Os campeonatos estaduais são ruins. Ponto. É impossível um torneio recheados de clubes da série D e outros que nem série tem juntando com alguns tops fazerem um grande campeonato.

Politicamente existem porque o sistema quer assim. Enquanto os grandes não peitarem, nada mudará. Talvez porque esteja bom pra todos, talvez seja bom pra quem manda. Enfim. Temos estaduais longos e sem o menor apelo.

Quando o torcedor vai ao jogo é pelo time, a fase, o idolo. Não pelo jogo ou pelo torneio. Ou você acredita que algum palmeirense está indo ao jogo porque quer ganhar o Paulistão desesperadamente?  Sabemos que não.

O Grêmio está com técnico reserva. É surreal como conseguem arrumar um calendário onde o grande destaque de 2017 tem que começar o ano prejudicado por ter ido longe demais.

Mas de curioso fui ver as formulas de disputa. Procurar alguma que não seja estúpida, que entenda que já que é ruim, que seja breve e emocionante. De fato, carioca e paranaense entenderam isso. Os demais, não.

Paulista: 12 rodadas para termos 8 classificados dos quais 4 todos nós já conhecemos. Insuportável.

Mineiro: 12 times, 11 rodadas, 8 classificados. É tão emocionante quanto dançar com a própria irmã.

Carioca: 5 rodadas, semifinal e final. 6 rodadas, semifinal e final. A bobagem fica pro final onde entre o time de “melhor campanha no geral”.  Mas ainda assim, dura menos até ter jogos decisivos.

Paranaense (melhor formato): Igual ao carioca sem a bobagem do “melhor campanha”. Jogam os campeões e ponto.

Gaúcho: Igual ao Mineiro.

Catarinense: Esse merece o prêmio “Padre Baloeiro” de idéia ruim do ano. São 10 times, DEZOITO rodadas. Ida e volta. E então os dois primeiros jogam uma final.  Se alguém não dormir até lá, é claro.

Enfim. Se é pra ser ruim e o título pouco cobiçado, é razoável imaginar que encurtar a disputa e dramatizar o cenário sejam os caminhos óbvios para se tornar menos chato.

Carioca e Paranaense entenderam isso melhor que os outros. Em 1 semana haverá decisão em ambos enquanto em algumas semanas os demais passam a cumprir tabela sabendo da classificação óbvia dos grandes.

Enquanto isso não acaba ou se limita a um mês, oremos para que sejam o menos sonolento possível.

abs,
RicaPerrone