Arquivo da categoria: preconceito

Homofobia é algo ridículo! No futebol então… só PUNINDO!

Leia o post original por Craque Neto 10

Recentemente teve uma polêmica muito chata no jogo entre Vasco da Gama e São Paulo no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro. A torcida cruz-maltina começou a soltar gritos considerados homofóbico para os rivais. Aquela coisa de falar bicha, viado e qualquer outra babaquice dessas. Lembro claramente de chegar ao ponto do árbitro Anderson Daronco falar com o técnico Vanderlei Luxemburgo solicitando um apoio com seus torcedores. Algo totalmente constrangedor ver um treinador de peso como ele se prestar a esse papel. Não deveria nem ter que acontecer. O torcedor brasileiro (e não é só o do Vasco!) […]

O post Homofobia é algo ridículo! No futebol então… só PUNINDO! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

A vida não é um “Encontro”

Leia o post original por Rica Perrone

Para quem não sabe, esse é Hendrick, jogador jovem, quase uma criança ainda. Foi dispensado pelo Vasco e foi as redes sociais dizer que era por ser favelado e ter tatuagens, “vítima” de preconceito, portanto. Esse momento é maravilhoso porque é um fruto no futebol do que estamos plantando fora dele. O que ele está…

Censurar o preconceito só o piora

Leia o post original por Rica Perrone

Estou vendo pessoas revoltadas com o fato de muitos preconceituosos terem saído do armário e estarem dizendo o que pensam na internet. Destilando ódio que antes ficava encubado. E eu lhes digo sem a menor dúvida: que bom que estão falando! E aí você pensa: “você está maluco, Rica? Acha legal o cara ser racista,…

Generalizar crítica Xenofóbica é sacanagem, hein?!

Leia o post original por Craque Neto

Olha amigos internautas, sempre fui extremamente crítico com as coisas que acontecem no futebol. Pra falar a verdade acho que sou o cara mais chato da televisão nesse sentido. E entendo o peso da minha palavra. Às vezes exagero, mas é bom que se diga que falo o que realmente penso. Algo que meus pais me ensinaram quando eu era criança. Não faço um personagem. Até por isso aguento a ‘pancada’ das críticas contrárias também. Algo que precisa ser natural. Essa polêmica envolvendo o Romero está ficando esquisita. Não restam dúvidas de que ele errou ao chamar o Santos de ‘time […]

O post Generalizar crítica Xenofóbica é sacanagem, hein?! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

A covarde geração que tem medo de discutir

Leia o post original por Rica Perrone

2017, ano que as redes sociais se tornaram verdade e a vida real uma mentira paralela.  O que importa é o que as pessoas postam, não o que elas dizem. O que vale é a foto, não o que os olhos vêem.

Eu não faço idéia quem seja Tiffany, mas sei que ela é um homem que se sentiu mulher e resolveu mudar.  Ok, justo, problema dela, zero discussão sobre isso. Mas ela é um homem. Queira, goste ou não, ela não tem como mudar fisiologicamente o fato de ser um homem com a força de um homem, as características de um homem e portanto tem vantagem num esporte feminino.

É um dopping.

Se existem condições diferentes entre o feminino e masculino é porque todos concordam que há discrepância fisiológica de força, tamanho, etc. E você se sentir de outro sexo, deixar o cabelo maior, colocar seios e mudar de nome não muda em nada essas coisas.

Portanto, se isso é aceitável, amanhã poderemos ter os 10 mais bem pagos jogadoras de futebol do mundo sendo trans. Eu diria que é até tendência. Porque se faz uso de uma condição desigual aceita pelo esporte por mero medinho do que as patrulhas vão dizer.

A Confederação não acha justo. Óbvio que não! O que ela tem é o mesmo que 90% das pessoas hoje tem: medo. Ninguém acha porra nenhuma diferente do que a cartilha manda. E a cartilha tá sendo escrita por pessoas que brigam por direitos e TAMBEM por um grupo radical que quer aparecer a todo custo.

Isso inclui qualquer tipo de preconceito. Sempre haverá a causa e os oportunistas. E o medo dos oportunistas dá a causa uma condição tão equivocada quanto o preconceito inicial, só que ao contrário.

A Ana Paula, brilhante jogadora, corajosa e influente em rede social, é uma das raridades que fala o que pensa sem medinho da rejeição online em bando. E por isso hoje ela foi mais manchete indo contra do que a liberação da trans em jogar no feminino.

Jesus, que mundo é esse? A notícia que repercute mais é a opinião contrária de alguém na rede social do que a óbvia e controversa liberação de uma vantagem pra se praticar um esporte em busca de…. “igualdade”??

Que igualdade é essa que beneficia?

Que caminho toma uma sociedade que ao invés de discutir se divide entre quem tem coragem de ficar gritando e quem se borra de medo de quem grita?

Tiffany, nada pessoal. Mas você é o primeiro caso de “doping” não bioquímico da história do esporte. Vai levar vantagem sobre as colegas.  Porque não ser a primeira trans no masculino? Seria tão marcante quanto, só que ao mesmo tempo justo.

abs,
RicaPerrone

Zé, precisamos conversar!

Leia o post original por Rica Perrone

Zé, eu to preocupado com você.  Com todas as modernidades desse mundo, acho que é hora de evoluirmos também no trato e não apenas apontando o dedo. Eu não conheço o Mayer, embora o considere ótimo ator e me sinta, tal qual você, meio íntimo dele de tanto que já o assisti. Eu não estava …

Porque eu não luto contra o preconceito

Leia o post original por Rica Perrone

Lá vem um grupo de cariocas! “Povo feliz e maneiro”. Lá vem um sambista! “Um cara maneiro, simples e do povo. Tipo Zeca Pagodinho”. Tenho um amigo japonês. “Um cara mega disciplinado e muito inteligente”. Tudo isso é preconceito. E não é contra isso que lutamos, meramente porque não há ninguém discriminado nestes casos. Se um …

“Renato, viado”

Leia o post original por RicaPerrone

Da experiência dos mais de mil jogos que assisti dentro de um estádio na vida, me sinto mais a vontade pra falar de um assunto que nem queria tocar. Mas me sinto meio que na obrigação de não me omitir em defesa de milhões de torcedores que de um dia pra outro passaram de “zoeiros” a preconceituosos.

O “macaco” do Aranha me parece claro.  Uma ofensa racista, direta e com intenção de ofender.  O que não está claro é tudo que vem depois disso, seja por uma dúzia de revolucionarios virtuais, seja por candidatos a deputado querendo voto, seja por gente que quer colocar uma polêmica no facebook. Fato é que a web dá voz a toda manifestação e na dificuldade de medir o real tamanho dela, parece maior do que é.

Eu nunca vi um gay ofendido num estádio de futebol quando chamaram o jogador rival de “viado”. Simplesmente porque qualquer pessoa que frequente um estádio de futebol sabe que ali não há intenção homofobica, mas sim uma simples brincadeira pra tirar a concentração do rival.

Pra quem é de fora pode parecer chocante milhares de pessoas gritando “viado, viado, viado”, mesmo que para um hetero.  Mas é exatamente por ser para um hetero que gritam. Na intenção de sacanea-lo, não de discriminar.

Renato Gaúcho é o sujeito mais chamado de “viado” em toda a história do futebol.  Sabe porque? Porque ele vivia rodeado de mulheres o tempo todo.

Eu sou gordo. Eu nunca serei babaca de achar que me ofendem quando sacaneiam o Walter do Fluminense. Simplesmente porque ele é gordo, e na arquibancada existem milhares de gordos o chamando de gordo meramente para irritá-lo.  Eu mesmo chamaria o Walter de gordo se jogasse contra meu time.

Aquele ambiente, desconhecido por esta geração em sua maioria, não tem a ver com o nosso dia-a-dia. É uma forma que encontramos desde 1901 para fazer do futebol algo mais divertido do que já é.

Homens, dentro ou fora do estádio, se sacaneiam chamando uns aos outros de “viado” o tempo todo.  E isso não diz respeito a tolerância ao homossexual, a alguma má fé ou mesmo um preconceito qualquer. É apenas uma brincadeira.

Quando vejo os Trapalhoes, ou quadros de humor antigos, noto que o mundo emburreceu.  A evolução deveria nos dar noção do que é preocupante e o que é mera bobagem. E não. Hoje, por um espaço na mídia como defensor de alguma causa, se generaliza tudo num mesmo pacote e dane-se a verdade.

A verdade é que tem muita gente hoje considerando homofobicos milhões de torcedores que simplesmente faziam uma piada. Isso sim, talvez, seja discutível e intolerável.  Tentar generalizar uma má intenção onde não há por mero desconhecimento de causa.

É sim um tanto quanto complicado você dizer de repente que massas podem gritar “filho da puta, arrombado, gordo, ladrão, assassino, careca, perneta”, mas… “viado” não.  Me parece um pouco contestável quanto a idéia de “igualdade” tão buscada.

Entende-se que tudo aquilo é piada, modo de dizer, mas este, especificamente este, não toleraremos mais.  Porque? Será que porque ladrão, arrombado e filho da puta tem menos votos nas urnas?

Será que não há neste caso uma enorme desigualdade em busca de igualdade? Porque com esse eu estou desrespeitando e com outro é “piada tolerável”? Porque não podemos pedir maturidade pra separar as coisas ao invés de escolher um dos lados para brigar como se fossemos partidos opostos, gays e heteros?

Há um “macaco” pra Ponte Preta, um pro Aranha.  Há um “viado” no estádio pra um craque, um “viado” no shopping pra ofender um gay.

Não é tão difícil separar, é?

abs,
RicaPerrone

Lamentável: Aranha, do Santos, é chamado de “macaco” por torcedores do Grêmio ; São Paulo segue “pipocando” em mata-mata e é derrotado pelo Criciúma; e Flu supera o Goiás, mas gol no fim pode complicar a vida do Tricolor

Leia o post original por Milton Neves

placar gre

Grêmio 0 x 2 Santos

Lamentavelmente, o belíssimo resultado conseguido pelo Santos em Porto Alegre acabou manchado por uma infeliz atitude.

Inconformados com a derrota por 2 a 0, alguns (não vamos generalizar) “torcedores” gremistas chamaram o goleiro Aranha de “macaco”.

Isso mesmo, meus amigos.

Em pleno século XXI, acreditem, ainda existem pessoas com essa mentalidade.

Muito provavelmente foram os mesmos “torcedores” que no último Gre-Nal comemoraram a morte de Fernandão, ídolo colorado.

Sobre o caso de hoje, não há dúvidas: como existem imagens da TV, é necessário urgentemente identificar e punir com rigor os gremistas racistas.

E, definitivamente, será que eles não entendem que a palavra e a ação preconceituosa causam fratura exposta na honra, como diria o jornalista Marcos Rosendo?

Aranha charge

Criciúma 2 x 1 São Paulo

E quem pode me explicar o que aconteceu com o São Paulo, hein?

Afinal, muitos são-paulinos, aqui mesmo no blog, estavam dizendo que o Tricolor só havia sido eliminado da Copa do Brasil para poder disputar a Sul-Americana.

Sendo assim, por que a equipe dirigida por Muricy Ramalho foi derrotada pelo Criciúma na noite desta quinta-feira pelo placar de 2 a 1?

Existe alguma competição-surpresa que o São Paulo irá disputar caso caia também na Sul-Americana?

Claro que não!

O que acontece é que o São Paulo, que já conquistou três vezes a Libertadores e três vezes o Mundial de Clubes, tem recentemente “pipocado” em torneios disputados no sistema de mata-mata.

Não por acaso a equipe tem colecionado eliminações vergonhosas – como a queda do Campeonato Paulista para a Penapolense e da Copa do Brasil para o Bragantino.

Agora, com o revés em Santa Catarina, muito provavelmente o time do Morumbi manterá essa escrita.

O jeito para o Tricolor é apostar mesmo todas as fichas no Brasileiro, afinal, ainda dá para buscar a Raposa!

Fluminense 2 x 1 Goiás

Também pela Sul-Americana, o Fluminense recebeu o Goiás e venceu.

No entanto, o gol marcado no fim do jogo pelo Esmeraldino pode acabar complicando a vida do Flu no duelo de volta.

Será que, no Serra Dourada, Fred e cia. vão “pipocar” novamente?

Opine!

Daniel Alves sofre com preconceito na Espanha e dá resposta inteligente para os idiotas que ainda cometem esse tipo de absurdo!!! Assim como a palavra mal falada, a ação discriminatória causa fratura exposta da honra!!!

Leia o post original por Milton Neves

bana

Mais um caso de racismo no futebol.

E outra vez na Espanha.

Na partida entre Villarreal e Barcelona, o brasileiro Daniel Alves foi o alvo.

Enquanto se preparava para cobrar um escanteio, o lateral-direito foi alvejado com uma banana.

Porém, num gesto genial, o defensor abaixou-se e descascou a fruta.

Comeu e seguiu o jogo.

Uma resposta elegante e inteligente para a burrice idiota da discriminação.

E, definitivamente, não entendem que a palavra e a ação preconceituosa causam fratura exposta na honra, como diria o jornalista Marcos Rosendo.

Uma vergonha.

banana-

Daniel Alves, que reflexo, que felicidade de gesto com merecida repercussão! Depois dessa, você virou meu Carlos Alberto Torres II

E você, amigo internauta, o que achou da atitude do brasileiro?

OPINE!!!