Arquivo da categoria: Ralf

Ou joga ou pede o boné!

Leia o post original por Craque Neto

O Corinthians volta a campo hoje no Brasileirão para encarar o Ceará no Castelão. Na minha visão esse pode ser o dia ‘D’ do técnico Osmar Loss no comando do clube, afinal uma derrota para o vice-lanterna pode significar a demissão dele do cargo de técnico do time. E posso falar? Já demorou para a diretoria fazer a troca. Não que eu seja favorável a substituir treinador por bobagem, mas é notório que esse rapaz não se encaixou no cargo de comando da equipe principal. Está perdido na montagem tática do time e ainda por cima não tem o grupo […]

O post Ou joga ou pede o boné! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Verdão conseguirá ÊXITO por reclamar, mas não será o título!

Leia o post original por Craque Neto

Vixe Maria! Como está polêmica essa história da tal ‘interferência externa’ na final do Paulistão, viu!? Ao analisar as imagens cedidas pela TV Palmeiras dá a nítida impressão que de fato existiu uma comunicação estranha do diretor de arbitragem com o quarto árbitro. Mas a verdade é que sem áudio fica difícil provar alguma coisa a ponto de impugnar o título do Corinthians, ganho dentro do campo de jogo, diga-se de passagem! Quem me garante que o tal Dionísio não foi ali simplesmente avisar que a torcida do Verdão estava jogando um copinho de água dentro do campo? Isso seria […]

O post Verdão conseguirá ÊXITO por reclamar, mas não será o título! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Não se CANTA vitória antes da hora!

Leia o post original por Craque Neto

Essa semana muito torcedor palmeirense me trucidou na internet. Chegaram a ameaçar a minha família! É brincadeira? E tudo por causa SÓ de futebol. Mas veja só como são as coisas. Por mais que a diretoria do Palmeiras não admita e nem os jogadores, a verdade é que após a vitória por 1 a 0 dentro da Arena Corinthians, TODOS davam certo o título do Verdão. Seria a quebra de um tabu de 10 anos sem conquistar um título Estadual. Aliás, seria merecido já que o time do Roger Machado fez sim a melhor campanha no geral. Com direito a […]

O post Não se CANTA vitória antes da hora! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

O que está em jogo para o Corinthians diante do Bragantino

Leia o post original por Perrone

1 – Tranquilidade de Fábio Carille

Com as conquistas do Paulista e do Brasileiro no ano passado, o treinador ganhou fôlego no clube. Não se fala em demissão no caso de eliminação diante do Bragantino, nesta quinta, pelas quartas de final do Estadual. Porém, a queda precoce faria ele começar a ser pressionado. A decisão dele de fazer mudanças radicais no time aumenta sua responsabilidade no resultado da partida. Está em jogo sua tese de que vale tirar Gabriel, um dos mais regulares da equipe, para colocar Ralf, ainda uma incógnita em seu retorno ao clube, para ganhar altura. Será colocada à prova a aposta de que centímetros a mais podem estancar os gols sofridos em jogadas pelo alto. Isso mesmo sendo a maioria deles causada por falhas de marcação.

2 – Dinheiro

A eliminação representaria o adeus à chance de obter a arrecadação de até dois clássicos decisivos em Itaquera. Pelo menos uma, na semifinal, estaria garantida com a classificação diante do Bragantino. A receita é importante para o alvinegro em termos de pagar parcelas do financiamento de R$ 400 milhões para a construção de seu estádio.

3 – Caldeirão

Está em jogo também a fama da arena corintiana sustentada pelo slogan “caiu em Itaquera já era”. A pressão da torcida em seu estádio é uma das armas alvinegras para alcançar a vitória por dois gols de diferença e a classificação sem precisar dos pênaltis. O fracasso na missão abalaria a reputação da Arena Corinthians.

4 – Recuperação de Cássio

O camisa 12 entra pressionado a ter uma atuação fundamental para a classificação. Ele falhou pelo menos em um dos gols do Bragantino na derrota por 3 a 2 e faz uma temporada irregular até aqui. O goleiro precisa reverter a situação para não deixar escapar a chance de disputar a Copa da Rússia. Além disso, ele tem a sombra de Walter na reserva.

Repatriar ídolos vale até a ‘página 2’

Leia o post original por Craque Neto

Tem muita gente que acha que sou um cara chato. Que só sei criticar as coisas. Na verdade tenho mesmo esse perfil de querer ver as coisas da maneira que julgo ser a mais correta. Por exemplo, o Corinthians contratou o Emerson Sheik que vinha em má fase e foi inclusive rebaixado com a Ponte Preta. Foi errado? Não acho. Até porque foi um contrato curto que servirá mais como homenagem ao cara que trouxe muitas alegrias para a torcida corintiana. E outra: ele com 40 anos é dez vezes melhor que Kazim, Junior Dutra e companhia! Agora foi a […]

O post Repatriar ídolos vale até a ‘página 2’ apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Opinião: Andrés usa bola de segurança ao contratar Ralf

Leia o post original por Perrone

Na primeira contratação na nova era de Andrés Sanchez na presidência, o Corinthians optou por uma bola de segurança ao trazer Ralf.

Não que seja certeza que o volante terá o mesmo sucesso de sua passagem anterior, quando foi um dos mais importantes jogadores nas conquistas da Libertadores e do Mundial de Clubes em 2012. Pelo contrário, será natural uma queda física provocada pelo passar dos anos, o que pode comprometer o desempenho do “cão bravo”.

A segurança, nesse caso, vem, na opinião deste blogueiro, da confiança em que ao contratar Ralf a diretoria estaria agradando a torcida. Se a sintonia com os torcedores é importante para todo presidente do clube, imagine para quem sofreu tentativa de agressão por parte de alguns torcedores em sua posse?

Era importante para Andrés trazer um reforço simpático à torcida. Claro que não é só isso. Ainda se não for o mesmo de outrora, a tendência é que Ralf seja útil ao time. É difícil imaginar que ele não vá ser pelo menos um bom reserva.

A julgar pelo histórico de Sanchez, responsável por colocar Ronaldo e Roberto Carlos no Parque São Jorge, é possível imaginar ainda uma contratação mais impactante para o ataque. O bom relacionamento dele com os empresários Giuliano Bertolucci e Kia Joorabchian pode ajudar nessa missão.

Ao menos metade dos titulares do Corinthians foi sondada por outros times

Leia o post original por Perrone

Valorizado por sua campanha no Brasileirão e convocações para a seleção brasileira, o elenco do Corinthians chega ao final do campeonato cercado por sondagens e especulações sobre transferências. Até o dirigente remunerado Edu Gaspar tem seu nome envolvido numa possível saída.

A diretoria reage com naturalidade ao assédio. Diz que quer manter seus principais atletas, mas não vai segurar quem quiser sair e tiver propostas boas também para o clube.

No entanto, cartolas e até empresários dos jogadores consideram difícil que todos os pretendidos cheguem a ter propostas oficiais.

Pelo menos Gil, Felipe, Renato Augusto, Jadson, Ralf e Malcom foram sondados.

Um dos destaques da vitória do Brasil por 3 a 0 sobre o Peru nesta terça, Gil é um dos mais assediados. Recebeu sondagens pelo menos de times da Itália e da Espanha. São clubes que querem saber quanto ele pediria para jogar no exterior e quanto precisariam pagar ao Corinthians, dono de 90% dos direitos econômicos do beque.

A tendência é que a atuação pela seleção aumente o interesse pelo zagueiro. Porém, segundo seu empresário, Carlos Leite, até agora nenhuma proposta oficial chegou.

Companheiro de zaga de Gil, Felipe não foi chamado por Dunga, mas tem sondagens. Pessoas próximas ao jogador afirmam que um clube médio da Itália fará uma tentadora oferta oficial em breve.

Em processo de renovação de contrato, Renato Augusto, que também se destacou contra o Peru, é outro que tem seu nome constantemente citado no Corinthians como um jogador difícil de segurar. As principais sondagens chegam da Alemanha, onde ele atuou pelo Bayer Leverkusen. O meia disse que no meio deste ano recusou negociações com Werder Bremen e Hamburgo.

Jadson é mais um que recebeu várias sondagens. A mais forte delas foi do Galatasaray, da Turquia. A diretoria corintiana quer renovar com o meia, que tem contrato até agosto de 2016, mas só deve iniciar as tratativas depois que resolver as situações de Renato e Ralf.

Em meio a tantas sondagens, o fato curioso fica por conta de Edu Gaspar. De acordo com gente com trânsito na direção alvinegra, o cartola profissional pode ir trabalhar no Valencia, da Espanha. Como jogador, ele atuou entre 2005 e 2009 pelo time espanhol. Em mensagem ao blog nesta terça, ele disse que estava fora do país e que só poderia conversar após seu retorno, na quinta.

Corinthians nada de braçada na ponta

Leia o post original por Antero Greco

Nem polêmicas adiantam mais: o Corinthians mostra, a cada rodada que passa, postura de vencedor. Não é por acaso que se aproxima de outro título nacional. Vá lá que faltem dez rodadas e 30 pontos para disputar. Mas a consistência em campo faz o líder impor-se, a esta altura, como maior candidato à taça do Brasileiro.

A altivez, a segurança e o equilíbrio deram as caras novamente, agora em Florianópolis, nos 3 a 1 sobre o Figueirense. O Corinthians pareceu em casa, com a facilidade com que se moveu em campo, ditou o ritmo e chegou à vantagem. Ignorou a situação do rival, um dos catarinenses ameaçados pelo rebaixamento.

A estratégia de Tite foi a de sempre: apostar na eficiência do meio-campo. E o quarteto Ralf, Elias, Renato Augusto, Jadson não decepcionou. Desde o início, os quatro tomaram conta do campo e fizeram a balança pesar em favor do Corinthians.

Além disso, tiveram participação decisiva nos gols, ao mandar a bola para a rede (Elias abriu a vantagem e Renato Augusto a fechou) ou a dar passe para o gol (Jadson serviu Gil no segundo gol). O gol do Figueirense veio quando não dava para mudar o rumo do jogo.

O Corinthians tem elenco enxuto, não conta com um supercraque e compensa com regularidade e harmonia. Não se abala com pressão – aliás, pouco permite que seja pressionado. Com isso, mantém os nervos no lugar e só vê a diferença crescer em relação aos demais (está com 60 pontos contra 53 do Atlético-MG).

Vai ser difícil tirar essa do Corinthians.

Grêmio com Roger, Felipão na China, Timão na oficina

Leia o post original por Fernando Sampaio

Marcelo OliveiraRoger estreou com vitória.

Bela vitória.

Menos? Verdade, o Timão não tem sido parâmetro.

Mas, o Grêmio também não.

O Tricolor do Felipão estava uma decepção. Agora, em menos de cinco minutos 2×0!!!

Vamos aguardar, será que o Grêmio vai disputar G-4? Hoje não vejo assim.

E o Timão, hein? Virando saco de pancadas e fazendo desmanche. Guerrero, Sheik, Danilo, Ralf… Gil está de saída. O campeão mundial Tite  começará a ser bastante pressionado, mesmo não sendo o principal responsável. Quem diria, o favorito à tudo não é mais favorito à nada.

E o Felipão? Acertou com o Guangzhou.

Incrível, depois do fracasso na Copa do Mundo Felipão continua faturando alto.

 

 

Share This:

Fim da unanimidade por Ralf

Leia o post original por Neto

Ídolo do clube, o volante Ralf caiu de produção em 2014

Ídolo do clube, o volante Ralf caiu de produção em 2014

Durante algumas temporadas o torcedor do Corinthians se acostumou a escalar o Ralf em seu meio-campo. Não dava pra encontrar uma pessoa sequer na Fiel que deixava o volante de fora de seu time titular preferido. E com razão, né? Afinal o camisa 5 sempre foi peça-chave em alguns dos principais títulos do clube entre 2011 e 2013. Compôs uma dupla quase que perfeita com o Paulinho, que hoje defende o Tottenham na Inglaterra.

Pois bem, Ralf também teve propostas de fora do País. Inclusive uma sondagem feita pelo poderoso Bayern de Munique do técnico Guardiola. Acontece que nada se concretizou e ele ficou no Timão. Já são quatro anos vestindo a camisa alvinegra e quase 300 jogos. Por alguma razão em 2014 ele não tem tido o mesmo rendimento de outros tempos. Tem errado passes simples, a disposição na marcação caiu e os problemas físicos apareceram. Resultado: se lesionou, foi substituído e o time melhorou radicalmente de produção.

Por incrível que pareça hoje o intocável Ralf já não é tão intocável assim. Vejo muitas pessoas preferindo esse sistema de volantes funcionando com Bruno Henrique e Petros. A pegada aumenta e a saída de bola ganha em qualidade. É claro que o camisa 5 precisa ser respeitado como ídolo, mas se ele não voltar a jogar bem será ultrapassado pelos companheiros de elenco. Isso pode significar o fim do ciclo de mais um campeão mundial do Timão.