Arquivo da categoria: Reinaldo

Criticado em clássico, Daniel Alves tem estatísticas a seu favor

Leia o post original por Perrone

Criticado por parcelas da torcida e da imprensa devido a sua atuação na derrota do São Paulo por 3 a 0 para o Palmeiras, na última quarta (30), Daniel Alves tem uma série de estatísticas a seu favor. Ele está entre os dois melhores do time no Brasileirão em pelo menos quatro fundamentos importantes, de acordo com o site “Footstats”. Além disso, no clássico em que foi contestado o lateral e meia teve desempenho semelhante à sua média na maioria desses fundamentos.

Dani é quem mais acerta cruzamentos em média por jogo no Brasileiro entre os atletas do São Paulo: 2,4. Diante do alviverde, no Allianz Parque, ele cruzou duas bolas com precisão.

O ex-jogador de Barcelona e PSG divide com Antony a liderança do ranking de média de assistências da equipe no Nacional: 0,2 por partida. Contra o Palmeiras, como o time tricolor não fez gols, não houve assistências.

Nos dribles, Daniel Alves só fica atrás de Antony. O veterano tem média de um drible certo por jogo contra 1,4 da revelação são-paulina. No clássico no Allianz, o lateral e meia driblou corretamente uma vez, exatamente dentro de seu padrão. Contra a equipe de Mano Menezes ele ainda foi o atleta tricolor que mais acertou passes (99). Seu índice de acerto nas trocas de bola foi de 93,3%. A marca supera sua média na competição, que é de 89,1% e não está entre as mais altas do time.

No Brasileirão, Dani é ainda o segundo são-paulino que mais recebe faltas com média de 2,3 por apresentação. Só Antony (2,6) apanha mais. Em compensação, o experiente jogador da seleção brasileira é o comandado de Fernando Diniz com maior marca de faltas cometidas por jogo. São 2,8 em média. E ele manteve esse ritmo contra o Palmeiras. Foi o recordista são-paulino de infrações com três.

Na lista de são-paulinos que mais desarmam corretamente no Campeonato Brasileiro em média, Daniel só fica atrás de Reinaldo. Dani tem marca de dois desarmes certos por jogo (justamente o que registrou no clássico) diante de 2,2 do colega.

 

‘VAR’ DECIDIU primeiro clássico semifinal!

Leia o post original por Craque Neto

O São Paulo recebeu o Palmeiras no primeiro duelo das semifinais do Campeonato Paulista 2019. Enquanto o Tricolor apostava em seus jovens para largar na frente, o Verdão, considerado por muitos o MELHOR elenco do País, tinha na experiência da boleirada sua grande esperança de sair de campo com a vitória. Mas a verdade é que foi um jogo bem sofrido do ponto de vista técnico. Duas bolas na trave e só! O que me faz crer que a diretoria do Palmeiras, principalmente, deva estar jogando dinheiro fora. Afinal, esse é o tão valorizado ‘Real Madrid das Américas’??? Para vai! […]

O post 'VAR' DECIDIU primeiro clássico semifinal! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Assisti Flamengo x Atlético de 1981

Leia o post original por Rica Perrone

Como a maioria das pessoas de menos de 40 anos, ouço falar do polêmico Flamengo x Atletico da Libertadores de 81 como um dos maiores roubos da historia do futebol. E como a maioria deles, também nunca havia assistido ao jogo na integra.

Pois de curiosidade, abrindo uma série no blog sobre jogos antigos, resolvi assistir pra encontrar o meio termo entre os exageros atleticanos e a defensiva rubro-negra.

———————————————-

Cenário: Jogo de desempate da fase de grupos da Libertadores de 81. O empate era do Flamengo por ter feito mais gols. Jogo em Goiânia.

O arbitro Jose Roberto Wright foi escolhido em comum acordo pelos dois clubes para apitar o jogo.

6 minutos – Cerezo para um contra-ataque fazendo falta em Leandro e toma amarelo. (Cerezo jogava contrariado e obrigado pelo Galo em virtude de ter sido expulso em 79 e ficado 2 jogos fora, o que no entendimento do clube prorrogava seu contrato)
8 minutos – Atlético tem mais chances de gol, jogo intenso, arbitragem dura com os dois lados dando todas as faltas.
13 minutos – Jogo muito intenso com muitas faltas para interrompe-lo e todas bem marcadas até então. Nenhuma polêmica.
17 minutos – Atletico tenta esticar bolas e o Flamengo tenta chegar tocando. Nenhum dos dois consegue. O jogo segue calmo sem nenhuma polemica.
21 minutos – Palhinha faz a segunda falta seguida no meio campo e toma merecido cartão amarelo.
22 minutos – Reinaldo pede pênalti em possível mao na bola do zagueiro. Não da pra ver sem replay, o repórter atrás do gol diz que não aconteceu.
23 minutos – Waguinho deixa o pe na dividida com Junior e toma amarelo merecidamente.
25 minutos – Terceira falta para o Atletico próximo a área. Todas foram.
27 minutos – É assustador como a qualidade técnica era determinante pro jogo. Os dois times apostam 100% no talento pra criar jogadas.
29 minutos – Eder toma um cartão amarelo. Não há imagens nem replay. Os repórteres não explicam o que houve.
30 minutos – Cartão amarelo para Mozer. Correto.
33 minutos – Reinaldo faz falta por tras no Zico e é expulso. Exagerada. Um amarelo estava bem resolvido. Jogo era leal até entao. Tele Santana nos comentarios da tv ao vivo diz a mesma coisa.
34 minutos – Eder expulso. Ele tromba no arbitro e fala alguma coisa. Nao tem replay, nao da pra saber se ele expulsa pelo que foi dito ou se porque acha que a trombada foi proposital.
34 minutos – Invasao de campo por parte da diretoria do Atletico. Jogadores se revolvam, imprensa entra e cercam o juiz.
37 minutos – Diretoria pede que o time se retire de campo. Muita confusão. Jogadores do Atletico começam a xingar o arbitro e tomam cartoes em sequencia. Chicão expulso. Palhinha também xinga o arbitro e é expulso.
38 minutos – Carlos Alberto Silva pede para simular contusões para que o jogo termine pelo numero minimo de jogadores.
40 minutos – Os atleticanos revoltados afirmam que estava tudo armado, o time do Flamengo não se mete em nada e fica treinando faltas no gol.

Já não ha mais contagem de tempo. O Flamengo em campo, o Atletico deixou o gramado. Policia pra todo lado, imprensa pra lá e pra ca. E o Wright espera porque com 7 jogadores ainda há jogo pelo regulamento.

Antes que o Wright encerre o jogo, o Galo volta pro campo e quer jogo. O Wright diz que acabou. Que o tempo prometido para esperar o Galo havia acabado, mas o Atletico esta em campo e quer jogar.

Um torcedor invade o campo para abraçar os jogadores do Flamengo em meio ao caos.
Em nenhum momento os jogadores do Flamengo tomaram qualquer atitude. Desde o começo da confusão se afastaram e apenas esperaram.

Wright manda os dois times cada um pro seu lado e vai recomeçar o jogo. O Atletico tem sete em campo, se reune no gramado e combina o que vai fazer antes da bola rolar novamente.

O arbitro expulsa todo o banco do Atletico, provavelmente pela invasao a campo no momento da expulsao do Eder. O Galo tem 7 em campo, literalmente, e mais nada.

O jogo recomeça, Joao Leite, goleiro do Galo, se joga no chão para que o jogo termine com 6 jogadores. E mesmo com o goleiro caido Wright mantem o jogo e não pára para que ele seja atendido.

A bola para em falta pro Galo. O médico pede para que a maca entre em campo, não tem mais reservas, já fizeram substitutiçoes. O Wright manda os medicos pra fora e Joao Leite segue deitado. Ele entende que é uma contusao armada. Leite é expulso pela cera, se levanta imediatamente.

Fim de jogo no Serra Dourada.

O arbitro sai de campo culpando o Galo, dizendo que é um time que ja entrou para isso em campo. Todos os comentaristas da transmissão e o treinador da seleção Tele Santana também condena o arbitro.

———————————————-

O que vi?

O jogo estava muito bom, os dois times jogavam lealmente e o arbitro apitava corretamente até o lance do Reinaldo.

Não há como alguns dizem uma sequencia de roubos até conseguir tirar o Galo da Libertadores. Há um erro e o resto do que houve é apenas consequência deste erro. Ele não deveria ter expulsado o Reinaldo.

O que vem a seguir são expulsões “justas” por comportamento, mas naturais em virtude do erro do arbitro. Ou seja, um roteiro bastante previsível até. So que ao invés do arbitro ver que errou e fingir que nao está ouvindo, ele bancou a expulsão e deu vermelho pra quem o xingava.

Há um erro grave no jogo. A expulsao do Reinaldo. O restante é consequência disso. Então não consigo ver como um resultado armado, mas sim como uma arbitragem que transformou uma falta na maior bola de neve da história.

Sim, o Galo foi muito prejudicado. Mas por um lance,  não por 10 erros como alguns entendem ter acontecido. Partindo do principio de que ele achou a falta pra vermelho, as demais expulsões sao todas por algo que foi dito e invasão a campo. Logo, todas corretas.  Mas todas elas causadas por um erro dele.

Dá pra pegar o que estou dizendo?

Em resumo, não é o maior assalto da história porque há um erro de arbitragem apenas. Mas é sem dúvida a pior condução de um jogo que já vi. Mesmo errando ali, o juiz poderia ter se acalmado, ignorado uns 5 minutos de xingamentos do time do Galo e segue o jogo. Ele quis bancar, peitar e ter razão… virou o maior vilão de todos os tempos.

E se você ficou curioso e também quer ver, são apenas 35 minutos. Segue o video abaixo.

abs,
RicaPerrone

Assisti Flamengo x Atlético de 1981

Leia o post original por Rica Perrone

Como a maioria das pessoas de menos de 40 anos, ouço falar do polêmico Flamengo x Atletico da Libertadores de 81 como um dos maiores roubos da historia do futebol. E como a maioria deles, também nunca havia assistido ao jogo na integra.

Pois de curiosidade, abrindo uma série no blog sobre jogos antigos, resolvi assistir pra encontrar o meio termo entre os exageros atleticanos e a defensiva rubro-negra.

———————————————-

Cenário: Jogo de desempate da fase de grupos da Libertadores de 81. O empate era do Flamengo por ter feito mais gols. Jogo em Goiânia.

O arbitro Jose Roberto Wright foi escolhido em comum acordo pelos dois clubes para apitar o jogo.

6 minutos – Cerezo para um contra-ataque fazendo falta em Leandro e toma amarelo. (Cerezo jogava contrariado e obrigado pelo Galo em virtude de ter sido expulso em 79 e ficado 2 jogos fora, o que no entendimento do clube prorrogava seu contrato)
8 minutos – Atlético tem mais chances de gol, jogo intenso, arbitragem dura com os dois lados dando todas as faltas.
13 minutos – Jogo muito intenso com muitas faltas para interrompe-lo e todas bem marcadas até então. Nenhuma polêmica.
17 minutos – Atletico tenta esticar bolas e o Flamengo tenta chegar tocando. Nenhum dos dois consegue. O jogo segue calmo sem nenhuma polemica.
21 minutos – Palhinha faz a segunda falta seguida no meio campo e toma merecido cartão amarelo.
22 minutos – Reinaldo pede pênalti em possível mao na bola do zagueiro. Não da pra ver sem replay, o repórter atrás do gol diz que não aconteceu.
23 minutos – Waguinho deixa o pe na dividida com Junior e toma amarelo merecidamente.
25 minutos – Terceira falta para o Atletico próximo a área. Todas foram.
27 minutos – É assustador como a qualidade técnica era determinante pro jogo. Os dois times apostam 100% no talento pra criar jogadas.
29 minutos – Eder toma um cartão amarelo. Não há imagens nem replay. Os repórteres não explicam o que houve.
30 minutos – Cartão amarelo para Mozer. Correto.
33 minutos – Reinaldo faz falta por tras no Zico e é expulso. Exagerada. Um amarelo estava bem resolvido. Jogo era leal até entao. Tele Santana nos comentarios da tv ao vivo diz a mesma coisa.
34 minutos – Eder expulso. Ele tromba no arbitro e fala alguma coisa. Nao tem replay, nao da pra saber se ele expulsa pelo que foi dito ou se porque acha que a trombada foi proposital.
34 minutos – Invasao de campo por parte da diretoria do Atletico. Jogadores se revolvam, imprensa entra e cercam o juiz.
37 minutos – Diretoria pede que o time se retire de campo. Muita confusão. Jogadores do Atletico começam a xingar o arbitro e tomam cartoes em sequencia. Chicão expulso. Palhinha também xinga o arbitro e é expulso.
38 minutos – Carlos Alberto Silva pede para simular contusões para que o jogo termine pelo numero minimo de jogadores.
40 minutos – Os atleticanos revoltados afirmam que estava tudo armado, o time do Flamengo não se mete em nada e fica treinando faltas no gol.

Já não ha mais contagem de tempo. O Flamengo em campo, o Atletico deixou o gramado. Policia pra todo lado, imprensa pra lá e pra ca. E o Wright espera porque com 7 jogadores ainda há jogo pelo regulamento.

Antes que o Wright encerre o jogo, o Galo volta pro campo e quer jogo. O Wright diz que acabou. Que o tempo prometido para esperar o Galo havia acabado, mas o Atletico esta em campo e quer jogar.

Um torcedor invade o campo para abraçar os jogadores do Flamengo em meio ao caos.
Em nenhum momento os jogadores do Flamengo tomaram qualquer atitude. Desde o começo da confusão se afastaram e apenas esperaram.

Wright manda os dois times cada um pro seu lado e vai recomeçar o jogo. O Atletico tem sete em campo, se reune no gramado e combina o que vai fazer antes da bola rolar novamente.

O arbitro expulsa todo o banco do Atletico, provavelmente pela invasao a campo no momento da expulsao do Eder. O Galo tem 7 em campo, literalmente, e mais nada.

O jogo recomeça, Joao Leite, goleiro do Galo, se joga no chão para que o jogo termine com 6 jogadores. E mesmo com o goleiro caido Wright mantem o jogo e não pára para que ele seja atendido.

A bola para em falta pro Galo. O médico pede para que a maca entre em campo, não tem mais reservas, já fizeram substitutiçoes. O Wright manda os medicos pra fora e Joao Leite segue deitado. Ele entende que é uma contusao armada. Leite é expulso pela cera, se levanta imediatamente.

Fim de jogo no Serra Dourada.

O arbitro sai de campo culpando o Galo, dizendo que é um time que ja entrou para isso em campo. Todos os comentaristas da transmissão e o treinador da seleção Tele Santana também condena o arbitro.

———————————————-

O que vi?

O jogo estava muito bom, os dois times jogavam lealmente e o arbitro apitava corretamente até o lance do Reinaldo.

Não há como alguns dizem uma sequencia de roubos até conseguir tirar o Galo da Libertadores. Há um erro e o resto do que houve é apenas consequência deste erro. Ele não deveria ter expulsado o Reinaldo.

O que vem a seguir são expulsões “justas” por comportamento, mas naturais em virtude do erro do arbitro. Ou seja, um roteiro bastante previsível até. So que ao invés do arbitro ver que errou e fingir que nao está ouvindo, ele bancou a expulsão e deu vermelho pra quem o xingava.

Há um erro grave no jogo. A expulsao do Reinaldo. O restante é consequência disso. Então não consigo ver como um resultado armado, mas sim como uma arbitragem que transformou uma falta na maior bola de neve da história.

Sim, o Galo foi muito prejudicado. Mas por um lance,  não por 10 erros como alguns entendem ter acontecido. Partindo do principio de que ele achou a falta pra vermelho, as demais expulsões sao todas por algo que foi dito e invasão a campo. Logo, todas corretas.  Mas todas elas causadas por um erro dele.

Dá pra pegar o que estou dizendo?

Em resumo, não é o maior assalto da história porque há um erro de arbitragem apenas. Mas é sem dúvida a pior condução de um jogo que já vi. Mesmo errando ali, o juiz poderia ter se acalmado, ignorado uns 5 minutos de xingamentos do time do Galo e segue o jogo. Ele quis bancar, peitar e ter razão… virou o maior vilão de todos os tempos.

E se você ficou curioso e também quer ver, são apenas 35 minutos. Segue o video abaixo.

abs,
RicaPerrone

Timão e Tricolor podem fazer troca-troca por Walter!

Leia o post original por Craque Neto

Recebi uma informação essa semana que o São Paulo ainda busca um novo goleiro para o elenco. A ideia é que esse jogador chegue para compor o time do Tricolor para 2018. E segundo consta a diretoria tem um nome fixo em mente: o corintiano Walter. Pois é, o presidente Leco e sua turma não vão desistir de contratar o goleiro reserva de seu arquirrival, que por ali está desde 2013 tendo poucas oportunidades de titularidade. Durante o programa ‘Os Donos da Bola’ desta sexta-feira o comentarista Velloso chegou com a informação de que além do dinheiro (cerca de R$ 5,5 […]

O post Timão e Tricolor podem fazer troca-troca por Walter! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

A cabeça de Michel Bastos, um trevo?

Leia o post original por Antero Greco

O São Paulo perdeu para a Ponte Preta por 1 a 0, no início da noite deste sábado, fora de casa. Até aí, nada de extraordinário. As duas equipes continuam a oscilar, ora pra cima, ora pra baixo. Por um tempo, ainda, os resultados podem ficar aquém ou além do esperado.

Um aspecto, porém, me chama a atenção e proponho reflexão em torno dele. Parte da torcida tricolor voltou a pegar no pé de Michel Bastos, eleito vilão sabe-se lá do quê. Embora com menor intensidade do que em jogos anteriores, de novo ouviu vaias e apitaços quando pegava na bola. Rotina enervante.

Michel fez o possível para aparentar indiferença. No entanto, tomou cartão amarelo por entrada dura e, na metade do primeiro tempo, sentiu contusão na coxa e deixou o campo. Sentado no carro-maca, mostrava cara de poucos amigos, enquanto via Carlinhos entrar.

Fico a imaginar o que passa pela cabeça de Michel a esta altura. Quando mais precisa desdobrar-se para limpar a barra com a parcela que o encara com antipatia, vem o problema muscular. Se ficar fora por um tempo, corre o risco de perder espaço no time. Se voltar logo, já no compromisso pela Libertadores, ficará a dúvida de que se poupou.

Vai saber. Por princípio, não gosto de perseguições, não me agradam bodes expiatórios. Sou contra a iniciativa de “marcar” quem quer que seja.

A propósito de marcar, mas no sentido de mandar a bola para a rede, a ironia da noite foi o gol decisivo ter saído dos pés de Reinaldo, jogador são-paulino emprestado para a Ponte Preta. Mais uma vez funcionou a maldição do ex, que no caso não é totalmente ex.

Reinaldo soube aproveitar uma das poucas chances da Macaca na partida. O São Paulo teve o mérito de trocar passes, de fechar espaços, e até criou mais do que em jogos anteriores.

Pecou, porém, no mais importante: as finalizações. O São Paulo ou errava, ou parava no goleiro João Carlos ou acertava a trave, como num chute de Ganso no primeiro tempo.

O São Paulo promete colocar à prova os nervos da torcida.

São Paulo dorme preocupado no G-4

Leia o post original por Fernando Sampaio

patoxponteO São Paulo matou a Ponte Preta.

Foi além da expectativa.

O Tricolor jogou bem, criou treze boas oportunidades, marcou três gols e poderia ter saído do Morumbi com uma goleada ainda mais expressiva.

Enquanto o jogo estava indefinido Reinaldo, Thiago Mendes e Michel Bastos foram os melhores em campo. Depois de meia hora de jogo aberto, Ganso acordou e fez a jogada do primeiro gol. Na hora achei falta, na TV ficou claro que o zagueiro da Ponte se atira. Nada.

Michel Bastos estufou a rede com raiva.

Sai zica.

A Ponte começou o segundo tempo atacando, foi pra cima e levou dois gols. Aos 4′ Wesley roubou, Pato recebeu, foi pra cima, finalizou, Lomba defendeu, Ganso impedido concluiu. Aos 8′ Pato mais uma vez fez a diferença, colocou na cabeça de Wilder, o colombiano marcou seu primeiro gol no São Paulo e matou o jogo.

Daí em diante virou rachão.

Pato está saindo?

Osório afirmou na coletiva que Pato é o melhor atacante do Brasil. Concordo. Sua saída mudaria totalmente a perspectiva do São Paulo. Com Pato o Tricolor pode continuar lutando pela Libertadores. Sem Pato esquece, e sem Pato provavelmente fica sem Osório.

Dia 01 encerra a janela da Europa.

O Tottenham acabou de contratar o atacante Son Heung-Min.

Vamos aguardar, o são-paulino precisa torcer bastante até terça-feira.

 

Foto Marcos Ribolli

 

Luís Fabiano virou um estranho no ninho

Leia o post original por Quartarollo

Outrora um centro-avante de recursos técnicos invejáveis, velocidade, arranque e presença na área.

Era assim Luís Fabiano que chegou a ser considerado em 2010 o melhor centro-avante do mundo quando jogava pelo Sevilha.

Agora está dando dó vê-lo em campo. Totalmente fora do jogo, um estranho no ninho.

Não tem mais nenhuma condição de figurar como titular do São Paulo a não ser pela sua história no clube.

Pelo futebol que tinha deveria ter ganhado mais títulos. Mas sempre foi intempestivo, provocador e acabou ganhando merecidos cartões vermelhos.

Seu último grande momento foi em 2010 sob o comando de Dunga na Copa do Mundo da África do Sul.

Fez também eliminatórias brilhantes pela Seleção Brasileira.

Voltou para o São Paulo contundido, parece nunca ter recuperado a melhor forma e hoje é apenas uma sombra do que foi.

É triste falar assim de um jogador, mas aos 34 anos suas perspectivas são bem baixas.

Ele lembra o fim de carreira do grande Reinaldo, ídolo do Atlético Mineiro e artilheiro genial, quando já no ocaso foi emprestado ao Palmeiras. Ficou seis meses e não fez nenhum gol.

Tinha dificuldade até para subir as escadas do antigo Parque Antártica. Uma judiação para quem foi um dos maiores da história.

Hoje contra o Fluminense, Luís Fabiano ficou perdido no ataque sem dar opção aos companheiros e sem nenhuma mobilidade. Foi totalmente nulo e tem sido assim já de um tempo para cá.

O empate de 0 x 0 também aconteceu por faltar um grande atacante dentro da área para o tricolor.

O jogo não foi dos melhores e acabou sendo um placar justo.

Osório terá muito trabalho para resolver os problemas do time, mas o São Paulo pelo menos não está muito longe do chamado G-4. Ainda dá para chegar lá.

Michel Bastos saiu xingando quando foi substituído lembrando Valdívia do sábado que não gostou de sair para dar lugar a Mathias Fernandez na final da Copa América.

Mas ambos deviam perceber que não estavam mais rendendo nada para o time.

O segundo tempo de Bastos chegou a ser grotesco. Tinha mesmo que sair.

Ganso foi o melhor jogador do São Paulo. Pelo menos procurou o jogo e se apresentou o tempo todo.

O Fluminense fez a sua parte. Veio procurando pelo menos o empate e levou o ponto precioso para o Rio de Janeiro mantendo-se na zona da Libertadores como quarto colocado. O São Paulo está quatro posições abaixo.

Osório colocou Thiago Mendes como lateral e Lucão como volante. Os zagueiros foram Tolói e o tosco Edson Silva.

Na lateral-esquerda o estabanado Reinaldo que na minha opinião fez um pênalti em Gerson não anotado por Leandro Pedro Vuaden ainda no primeiro tempo.

Tentou consertar as coisas com Rodrigo Caio que entrou aos 7 minutos do segundo tempo no lugar de Edson Silva.

O que não entendi é porque Osório esperou começar o segundo tempo para fazer a alteração. Já podia ter feito no intervalo.

O São Paulo completou 4 jogos sem vencer sob o comando do novo treinador e foi vaiado no fim do jogo.

Pouco mais de 10 mil pessoas estiveram no frio Morumbi. O suficiente para fazer barulho contra o time.

O que não entendi também foi a atitude de 4 ou 5 idiotas que ficaram esperando Lucão descer para os vestiários para xinga-lo de nomes infames.

O jogador não fez nada de errado. Jogou até bem de volante e é uma boa revelação do tricolor.

O que será isso? Paixão não correspondida ou coisa encomendada?

 

 

 

Share This: