Arquivo da categoria: Renato Gaúcho

Opinião: frieza de quem não sente pressão embala massacre do Flamengo

Leia o post original por Perrone

O Flamengo atropelou o Grêmio e se classificou para a final da Libertadores sem sentir a pressão da semifinal no Maracanã lotado e ansioso. Nem no primeiro tempo, quando o rival encaixou a marcação e conseguiu se proteger bem até levar o gol.

Gelado, com os nervos no lugar, o rubro-negro carimbou seu passaporte para a decisão graças a uma estupenda goleada por 5 a 0. Essa frieza faz com que a equipe de Jorge Jesus mantenha seu padrão de jogo, não pense em segurar o resultado, mesmo tendo o empate sem gols como aliado, e execute com precisão seus planos.

É normal em partida decisiva, até com times experientes, acontecerem erros de passes e posicionamento que levam à derrota. Em nenhum instante isso aconteceu com o Flamengo nesta quarta (23).

Toda essa frieza, leva à confiança e, consequentemente, ao aceto. O principal símbolo desse efeito cascata é Gabriel, perfeito praticamente em todos os momentos decisivos da partida. Bruno Henrique foi outro herói da classificação. Mais um que friamente soube o que fazer em campo. A prova é o primeiro gol da partida, no qual ele iniciou a jogada no meio, tocou para Gabigol e pegou o rebote para estufar a rede.

Ao contrário do adversário, o Grêmio sentiu principalmente o segundo gol. Depois disso desabou. O time de Renato Gaúcho passou a ser irreconhecível. E a expressão de incredulidade do treinador gremista retrata isso.

Renato precisará de alguns dias para entender melhor as razões do atropelo. Trabalho que Jesus não deve ter. Tudo neste Flamengo parece programado, preciso, mas não robótico. Pelo contrário. O futebol é alegre, vistoso e contagiante.

Ofensividade e fôlego para técnicos brasileiros estão em jogo no Maracanã

Leia o post original por Perrone

Veja abaixo o que está em jogo na partida desta quarta (23), entre Flamengo e Grêmio, no Maracanã, além da vaga na final da Libertadores, na opinião deste blogueiro.

1 – Fôlego para técnicos brasileiros

Em pouco menos de cinco meses de trabalho no Brasil, Jorge Jesus caiu nas graças de boa parte da imprensa e até de uma parcela dos torcedores de outros times. O estilo ofensivo, o discurso contra a prática de poupar jogadores e a busca pela vitória também fora de casa colocaram em xeque a maioria dos treinadores brasileiros que anda na direção oposta.

Com a larga vantagem do Flamengo no Brasileirão, Renato Gaúcho surge praticamente como o único treinador brasileiro com chances de desbancar o português. A eventual ida do rubro-negro à final da Liberadores provavelmente reforçará o discurso a favor de mais estrangeiros treinando os times nacionais e de defasagem dos nossos técnicos.

Por outro lado, se o Grêmio passar pelo estrelado elenco flamenguista, Renato terá seu trabalho exaltado, vai se valorizar e uma ponderação deve surgir na onda de indignação com os técnicos brasileiros.

2 – Ofensividade

Com Jesus e o santista Jorge Sampaoli, o futebol ofensivo voltou a ficar em alta no Brasil depois de longo tempo esquecido nos porões. A maneira como o finalista brasileiro na Libertadores vai se classificar pode aquecer ou amornar esse movimento.

Se o classificado, seja Flamengo ou Grêmio, alcançar a vaga se agarrando a uma vantagem tímida, priorizando a defesa e saindo só nos contra-ataques, trará à tona a surrada discussão sobre futebol de resultado. Agora, se a classificação for conquistada com busca incessante pelo gol, independentemente da situação da partida, ganhará pontos a tese de que dá para jogar bonito sem perder competitividade.

3 – VAR

Por causa de demoras, confusões e falhas parte significativa do torcedor brasileiro já perdeu a paciência com o árbitro de vídeo. Tudo que a moderna ferramenta não precisa é que o finalista brasileiro no torneio continental seja definido com a ajuda de um erro cometido por ela. Se isso acontecer, será imperdoável.

4 – Segurança

A capacidade das autoridades de segurança de garantirem a ordem no entorno e no interior do Maracanã em jogos decisivos será desmoralizada se acontecerem tumultos nesta quarta. Isso porque em 2017 houve invasão e muita confusão na final da Sul-Americana entre Flamengo e Independiente. A repetição de tais atos seria um vexame.

Um bom sinal dado pelas autoridades foi a identificação e detenção de suspeitos de prepararem uma nova invasão na partida desta quarta. Se nada acontecer, será dada uma demonstração de evolução e aprendizado com os problemas anteriores.

 

Marketing quando convém

Leia o post original por Rica Perrone

Renato Gaúcho deve ter passado os últimos 50 anos da sua vida provocando, ganhando, perdendo, competindo. Há 50 anos a mídia não entende ainda o que ele faz, mesmo diante dos incontestáveis resultados. Se no UFC um lutador provoca o outro é “marketing”, “tentativa de desestabilizar”, etc. No futebol, quando acontece, é “despeito”, “falta de…

Análise: os “moles” que Grêmio deu para Fluminense

Leia o post original por Perrone

Achou que Renato Gaúcho não explicou direito ao que se referia quando disse que o Grêmio “deu mole” para o Fluminense na derrota por 5 a 4 no último domingo (5), em Porto Alegre? Este post tenta identificar quais foram essas molezas. Veja a seguir.

1 – Rival livre

A defesa gremista se preocupou com a bola e não marcou Yony González, que ficou livre para fazer o primeiro gol do Fluminense.

2 – Saída de bola

Esse foi o “mole” mais óbvio dado pelo Grêmio. Mesmo marcado, no um contra um, Julio César insistiu em tentar passar por Luciano, perdeu e levou seu segundo gol no jogo. O goleiro demorou demais porque quis dominar a bola. Poderia ter tocado de primeira para seu lado esquerdo buscando Kannemann. O zagueiro deveria ter se aproximado do colega em apuros para facilitar o passe.

3 – Roubadas de bola

Faltou eficiência nos desarmes para o Grêmio tirar a bola do adversário. De acordo com o site “Footstats”, especializado em estatísticas, o time de Renato Gaúcho acertou 14 desarmes contra 27 do Fluminense.

4 – Bola parada

Em cobrança de falta, ninguém marcou Luciano, que cabeceou  livre. No rebote, Matheus Ferraz fez o terceiro do Flu. Bobeada clássica na bola parada.

5 – Desperdício

Enquanto o jogo estava empatado em quatro gols, o Grêmio perdeu três boas chances para desempatar. A mais clara delas com André, que furou ao tentar mandar para o gol. Pouco depois, o Fluminense fez o quinto.

6 – Falha na área

No final do jogo, outro erro de marcação. Eram seis jogadores contra seis na área gremista, sem contar o goleiro. Mesmo assim, González ficou livre pra pegar o rebote e marcar o gol da vitória do Fluminense.

Homenagem merecida a um ídolo!

Leia o post original por Craque Neto

Nesta segunda-feira (25) a diretoria do Grêmio organizou um baita evento para a divulgação do ídolo Renato Portaluppi na nova Arena do clube gaúcho. Uma homenagem mais do que merecida para aquele profissional que foi responsável direto pelos principais e mais importantes títulos da história gremista. Me refiro a Libertadores e ao Mundial de Clubes de 1983, onde era jogador, e a Libertadores de 2017, onde liderou a equipe como treinador. A verdade é que hoje como comunicador sou um dos maiores defensores da valorização do ex-jogador. Sobretudo quando o cara marcou época como o Renato. E posso falar com […]

O post Homenagem merecida a um ídolo! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Minha Seleção do Brasileirão 2018

Leia o post original por Craque Neto

Aí galera que me acompanha no Blog, eu sei que as festas de ‘jabás’ da CBF com a Globo e de outras emissoras vão acontecer a partir da próxima segunda-feira, mas eu vou antecipar aqui – antes desta última rodada que não vale nada – a minha Seleção do Brasileirão 2018. Depois comente deixando a sua! Marcelo Grohe (Grêmio) – Apesar de não jogar o campeonato inteiro por causa da disputa da Libertadores, pra mim foi o goleiro mais regular da competição. Tem grande mérito na força defensiva do time do Renato. Fágner (Corinthians) – É verdade que o Timão […]

O post Minha Seleção do Brasileirão 2018 apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Renato sempre esteve “perto” do Flamengo, mas…

Leia o post original por Rica Perrone

Dessa vez – e é raro eu fazer isso – vou deixar meu lugar de crítico da imprensa para de alguma forma defende-la. As notícias de Renato e Flamengo nunca foram inventadas, embora alguns chutem números bizarros para ter ibope. O treinador sempre quis trabalhar no Rio. Tanto que diversas vezes recusou propostas para nem …