Arquivo da categoria: Rica Perrone

E virou

Leia o post original por Rica Perrone

Modéstia as favas, há 20 anos brigo com a imprensa esportiva nacional por entretenimento e não jornalismo.  Fiz minha micro-revolução online abrindo porta pra centenas de jornalistas que hoje entendem como fazer sem emissora, como negociar direto com o patrocinador e tendo baseado valores e expectativas em cima daquilo que eu construí. Hoje a Globo…

Maicon, o nosso futebol

Leia o post original por Rica Perrone

Estava no gramado do CFZ para a primeira edição do “Última Chance“, que é uma idéia que tenho há anos e agora consegui tirar do papel. Basicamente juntamos clubes, empresários e observadores e gente que acha que joga o suficiente pra ser profissional, já tem mais de 18 e não vingou. Por isso o nome….

Perdoem-nos

Leia o post original por Rica Perrone

Preocupado. A classe está desunida, sem rumos e sem critérios. Um patrimônio nacional sucateado pela própria falta de auto estima em tempos sombrios onde, por incrível que pareça, nossos corpos, vossas regras. Refiro-me ao gordo, é claro. Primeiro um gordo come a mulher do próximo e vaza na web. Um erro brutal, gordos sempre foram…

Modo Fábio Assunção

Leia o post original por Rica Perrone

Antes de mais nada, sou desses que posso contar  que “já vivi na família caso de dependência química”. Logo, não precisa me mandar um estudo sobre ou algo do tipo. Até gosto do Fábio Assunção. Jamais acharia maneiro ver um cara que admirava como ator virar esse personagem de auto-humilhação que se tornou. E sim,…

Quando éramos homens

Leia o post original por Rica Perrone

Por algum motivo ontem passei horas conversando e refletindo sobre o que aconteceu com o Nego do Borel. Lembrei de quando, em menor proporção, aconteceu comigo quando o covarde deputado Jean Willys compartilhou uma mentira a meu respeito sem apurar fazendo com que minha vida virasse um inferno por 4 dias em 2011. Aprendi naquela…

Sou eu assim sem você

Leia o post original por Rica Perrone

Cheguei, abri a porta de casa e estava tudo no lugar. Ninguém correu até mim, não havia uma coleira jogada na mesa ou um tapete revirado na sala. Não havia nada. Abri a geladeira e derrubei um pedaço de queijo no chão. Ninguém correu pra pegar. Meus pés estavam livres, eu podia transitar sem olhar…