Arquivo da categoria: River Plate

São Paulo pagou cerca de 28% de comissão em 2018 por venda de Militão

Leia o post original por Perrone

Foto: Rafael Marchante/Reuters

O balanço do São Paulo referente a 2018 mostra que o clube se comprometeu a pagar pouco mais de 28% de intermediação na venda de Éder Militão ao Porto. A fatia é praticamente três vezes superior à norma estabelecida pela agremiação de gastar entre 7% e 10% com comissões para empresários em cada transação.

A demonstração financeira relativa a dezembro do ano passado registra R$ 31.500.000 pela venda de Militão e despesa de R$ 8.875 mil com intermediação.

O blog apurou que a porcentagem acima da média ocorreu porque o clube atendeu à exigência dos empresários do jogador com receio de a negociação não ser feita e de o atleta sair de graça em janeiro de 2019, quando terminaria seu contrato.

Na ocasião, em julho de 2018, a direção do São Paulo trabalhou com a informação de que o estafe de Militão não toparia a venda se recebesse menos do que esperava ganhar do Porto caso o atleta saísse do Morumbi sem custos para os portugueses.

Os dirigentes tricolores preferiram ceder e ainda amarrar a venda assegurando 10% numa futura negociação, que acabou ocorrendo. O Real Madrid já anunciou Militão como reforço para a próxima temporada.

Nesse contexto, dirigentes do São Paulo afirmam internamente que diante das circunstâncias topar pagar comissão superior à de costume foi a melhor opção.

Sem contar a venda de Militão, o São Paulo arrecadou R$ 117.609.000 com a negociação de nove atletas em 2018. Nessas operações gastou 8.197.000 em intermediações. A média de despesa com comissões nessas negociações foi de aproximadamente 7%.

A venda mais cara registrada no documento é a de Lucas Pratto para o River Plate por R$ 49.542.000. Foram pagos R$ 3.561.00 em comissões.

 

Por que São Paulo ainda tem quantias a receber e pagar por PH Ganso

Leia o post original por Perrone

Foto: Thiago Ribeiro/AGIF

O São Paulo vendeu Paulo Henrique Ganso em julho de 2016 para o Sevilla, mas ainda tem dinheiro a receber e conta a pagar referente à transação.

De acordo com o balanço relativo a 2018, o tricolor paulista tinha em dezembro do ano passado R$ 2.219.000 a pagar para a DIS, empresa que possuía participação nos direitos econômicos do meia, hoje no Fluminense.

Também estão registrados R$ 3.328.000 que precisavam ser pagos à empresa Link Assessoria Esportiva, do agente André Cury, responsável pela intermediação da venda.

Segundo Elias Barquete Albarello, diretor executivo financeiro do São Paulo, as duas quantias não foram pagas até hoje porque o clube discute com o governo espanhol quanto precisa desembolsar em imposto para receber o dinheiro.

“Eles aumentaram a alíquota que quem vende jogadores para clubes espanhóis tem que pagar. Isso não só para nós, em todas as negociações. Não concordamos e contratamos uma banca de advogados para discutir administrativamente. Só vamos receber (o dinheiro vindo do Sevilla pela compra de Ganso) quando resolvermos isso. Depois que recebermos, vamos fazer os repasses (para DIS e Link)”, disse o dirigente.

De fato, as demonstrações financeiras do clube mostram que em dezembro de 2018 havia dinheiro a receber do Sevilla pela transação: R$ 8.821.000.

Os pagamentos a serem realizados para DIS e Link por conta da venda de Ganso já apareciam no balanço de 2017 só que eram menores. Na ocasião, foram registrados R$ 1.984.000 devidos para a DIS e R$ 2.975.000 para a Link. “Isso acontece porque os valores estão indexados ao euro e houve variação cambial”, afirmou o diretor financeiro.

As demonstrações financeiras mostram uma série de casos em que o São Paulo ainda tinha no final do ano passado dinheiro a receber e a repassar por conta da venda de jogadores. Na maioria, são negociações parceladas que ainda não tinham vencido.

Foram anotados R$ 31.063.000 a receber do River Plate por Lucas Pratto. O Atlético-MG aparece duas vezes no documento com quantias a receber relativas a seu ex-atacante. Numa são apontados R$ 5.403.000 pela venda dele ao São Paulo. Em outra, aparecem R$ 1.331.000 por participação nos direitos econômicos.

Se os árabes vencerem o Mundial vai valer? Não vão choramingar???

Leia o post original por Craque Neto

Que surpresa, hein? Na primeira semifinal do Mundial de Clubes o Al Ain dos Emirados Árabes empatou em 2 a 2 com os hermanos do River Plate e venceu nos pênaltis por 5 a 4. O resultado praticamente chocou toda a mídia argentina que contava com uma final contra o Real Madrid no próximo sábado (22), e a possibilidade de derrubar a soberania européia na competição, que dura desde 2012, ano que o Corinthians conquistou seu bicampeonato. Por falar no Timão, veja como são as coisas, hein? O Al Ain alcançou a decisão depois de sair de uma fase classificatória, […]

O post Se os árabes vencerem o Mundial vai valer? Não vão choramingar??? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Opinião: queda do River combina com bagunça no futebol sul-americano

Leia o post original por Perrone

A derrota do River Plate nos pênaltis para o Al Ain nas semifinais do Mundial de Clubes nesta quarta (18) é o puro reflexo da decadência do futebol sul-americano.

Antes, a pergunta era quando os times do continente voltariam a levantar a taça da competição. O Corinthians, em 2012, foi o último a alcançar esse feito.

Agora, é natural ver como incógnita a chegada dos vencedores da Libertadores às decisões do torneio. E não é por acaso. Outros mercados evoluíram, organizaram seus clubes e muitos deles têm mais dinheiro para contratar do que os times da América do Sul.

Ao mesmo tempo, a maioria das equipes sul-americanas enfrenta crise financeira e não são poucos que sofrem com cartolas irresponsáveis.

O símbolo da corrosão do futebol do continente é a última edição da Libertadores. Foi um show de horrores, com jogador suspenso atuando, mais atos de selvageria de torcedores e uma final que quase não terminou.

Zebra mesmo seria que o vencedor de tal competição bagunçada levantasse também o caneco mundial. A melancólica participação do River combina com a Libertadores de 2018. É um merecido castigo para o largado futebol do continente. E o triunfo do time dos Emirados Árabes, que joga em casa, ilustra a melhora da modalidade em certos locais fora do eixo tradicional.

Nesse ritmo, logo não será mais possível chamar de surpresa equipes africanas e asiáticas, por exemplo, levarem a melhor na competição diante de representantes da América do Sul.

Quem ri por último ri melhor…

Leia o post original por Craque Neto

Sinceramente não fui favorável a essa decisão de jogar a final da Libertadores no estádio Santiago Bernabéu, em Madrid, na Espanha. Acho que a atitude só serviu para encher os cofres da Conmebol. Entidade que já está muito bem de grana às custas dos clubes filiados, diga-se de passagem! Mas não dá pra negar que o evento foi maravilhoso. Um baita jogo de futebol que reuniu de fato as duas melhores equipes da competição. E por mais que o Boca tivesse começado o jogo melhor e aberto o placar com o gol do ‘iluminado’ Benedetto, é fato que o River […]

O post Quem ri por último ri melhor… apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Opinião: Libertadores tem a final que merece

Leia o post original por Perrone

A vergonhosa final da Libertadores entre River Plate e Boca Juniors parece até ter sido encomendada para simbolizar décadas de decadência e descaso com o torneio sul-americano.

Conmebol, clubes, torcedores,  jogadores e árbitros merecem a final que têm. Foram anos valorizando a batalha campal como se fosse sinônimo de garra.

A cada edição, jogadores (claro que há exceções) estufam o peito para falar que a Libertadores é diferente, tem que ter raça, e dentro de campo vários se estapeiam.

Muitos dos juízes são molengas, demoram para expulsar brigões, perdem o controle dos jogos e cometem erros inadmissíveis, contribuindo para afundar o torneio na lama.

Parte dos torcedores colabora para o clima bélico. São chuvas de cadeiras, rojões e sinalizadores na direção de torcedores rivais. Cusparadas e uma infinidade de objetos lançados em jogadores adversários.

A Conmebol quase sempre age como a mãe que tenta minimizar os erros de seus filhos. Punições irrisórias são distribuídas aos montes a cada ano.

Basta olhar a ridícula pena dada ao River depois de seus torcedores atacarem o ônibus do Boca antes do segundo jogo da decisão deste ano. Multa de US$ 400 mil (cerca de R$ 1,5 milhão) e dois jogos em torneios promovidos pela entidade com portões fechados.

É pouco pelo estrago feito por parte dos torcedores do clube. Mas é muito perto da pena cumprida pelo Corinthians após sinalizador disparado por sua torcida matar o boliviano Kevin Espada em 2013. Depois de recorrer, o alvinegro fez só um jogo em casa com portões fechados, pagou US$ 200 mil (aproximadamente R$ 772,5 mil em valores atuais) e ainda conseguiu anular decisão que vetava seus torcedores como visitantes por 18 meses.

Tudo isso é assistido pela maioria dos dirigentes de clubes sem fazer cobranças para que a Conmebol acabe com o circo de horrores. A inércia sugere que cada um espera o momento de seu time ser favorecido pela falta de pulso da confederação sul-americana.

Uma parcela da imprensa também tem culpa no cartório por romantizar a corroída Libertadores.

De forma caprichosa, quase que toda essa corrosão foi resumida na temporada 2018. Teve praticamente de tudo. Erro grosseiro de arbitragem, como na expulsão do cruzeirense Dedé, jogador do Santos atuando suspenso, o clube sendo punido no mesmo dia em que jogaria por sua permanência na competição com a partida interrompida por falta de segurança e torcedores chilenos vandalizando a Arena Corinthians, entre outros fatos lamentáveis.

As cerejas no bolo são os acontecimentos envolvendo a decisão, com direito a adiamentos, indefinições e agendamento da final fora do continente.

Nada espelha melhor a cara da Libertadores do que tal desfecho. Ao mesmo tempo, a situação é um convite para que clubes sérios se recusem a disputar o certame, a menos que uma mudança radical aconteça. Mais fácil vexame maior rolar em 2019 do que isso acontecer.

Leia também:

Final da Libertadores em Madri é “irreversível”, diz presidente da Conmebol

River cita G20 e diz que se recusa a jogar final em Madri

Ex-River, técnico do Real diz que Libertadores perdeu significado

Trata-se de dignidade

Leia o post original por Rica Perrone

Não espero muito dignidade de sulamericanos já que somos um bando de colonizados que se orgulham de liberdades que conseguimos e não necessariamente usamos direito. Menos ainda quando se trata da Conmebol, ou dos engravatados pais de pequenos torcedores do Chelsea que comandam nosso futebol. Vocês são um lixo. O caminho mais curto pra morte …

Papelão na Argentina vai render grana para a Conmebol… é mole?

Leia o post original por Craque Neto

Não é novidade para ninguém que sempre tive meu pé atrás com dirigente de futebol. Pra mim a maioria é corrupto e só pensa no próprio bem estar (leia-se bolso!) ao invés da saúde financeira de seu clube. De qualquer forma eu sinceramente achava que essa edição da Libertadores tinha tudo para ter uma das finais mais disputadas da história da competição. Sendo bem realista esperava até um pouco de violência dentro de campo. Pelo menos aquelas entradas mais fortes, algo normal no tipo de jogo deles. Mas para minha surpresa, mesmo com o duelo em igualidade (o primeiro jogo […]

O post Papelão na Argentina vai render grana para a Conmebol… é mole? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Opinião: final argentina convida cartola brasileiro a pensar sobre gastos

Leia o post original por Perrone

A final da Libertadores entre Boca Juniors e River Plate, a partir deste sábado, é como um beliscão que acorda o futebol brasileiro de gostoso sonho.

Os dois argentinos destruíram a esperança de uma decisão brasileira tirando da disputa o melhor elenco do país (Palmeiras) e a equipe de jogo mais agradável do território nacional (Grêmio), na opinião deste blogueiro.

Até outro dia, Felipão falava em conquistar quatro títulos pelo alviverde em 2018. Praticamente ninguém contestava o treinador, pois, dada a qualidade dos jogadores de seu plantel, não era uma meta inatingível.

Até outro dia, Renato Gaúcho parecia o comandante de um time invencível, graças a objetividade e eficiência do Grêmio.

Mas, ao som do tango argentino, dançaram as duas equipes candidatas a dar baile nos rivais em 2018.

O Boca mostrou ao Palmeiras e ao Brasil, de novo, que ter mais dinheiro para investir não é sinônimo de títulos. Com menos aporte financeiro desbancou o clube brasileiro mais endinheirado do momento.

Pelos investimentos que fez, a superioridade alviverde no continente poderia ser incontestável. Não é. As contratações milionárias e altos salários sugeriam no início do ano que o Palmeiras, líder do Brasileirão, poderia ter uma vantagem bem maior sobre seus adversários também em território nacional.

A lição dada pelo Boca convida a direção palmeirense a refletir sobre os motivos que impediram o clube de transformar seus investimentos em supremacia na América do Sul. Sem crise, claro. A fase ainda é ótima com o caminho pavimentado para conquistar o Campeonato Brasileiro.

Do lado gremista, o chacoalhão que o River Plate deu diz respeito à avaliação do trabalho de Renato Gaúcho nesta temporada. O time argentino já mostrou que o treinador não havia montado uma indestrutível máquina de jogar bola, como sua confiança às vezes pode sugerir.

É hora de a direção do Grêmio enxergar os defeitos de Renato e ajudá-lo a evoluir. Como no caso palmeirense, sem crise. Ele ainda é o melhor treinador para o Grêmio. Só não demonstrou ser nesta temporada o número 1 da América do Sul.

A final argentina serve não só para gremistas e palmeirenses, mas para dirigentes de todos os outros grandes clubes do país pararem e pensarem. Eles precisam buscar resposta principalmente para essa pergunta: por que o futebol brasileiro é tão mais caro que o dos vizinhos, mas não consegue abrir vantagem sobre eles? A disputa com a turma argentina é sempre equilibrada.

 

Estou apostando no título do River Plate .

Leia o post original por Nilson Cesar

O River Plate tem um time melhor tecnicamente e vai enfrentar a mística do Boca Juniors na final da Libertadores . O fato de jogar a segunda partida em casa pode ser um fator muito importante para o River . Serão dois jogos emocionantes e só espero que joguem futebol . Se virar pancadaria aí é varzea total . Nunca decidiram uma Libertadores e esse jogo está parando a Argentina e viveremos momentos emocionantes . River Plate será o campeão da Libertadores de 2018. Podem apostar