Arquivo da categoria: Rogério Ceni

Enquanto Ceni voa… Leco segue afundando o São Paulo!

Leia o post original por Craque Neto

Nesta quarta em João Pessoa, capital da Paraíba, o Fortaleza conquistava com o gol solitário do Wellington Paulista o título da Copa do Nordeste. Foi o terceiro troféu em pouco mais de uma temporada no time cearense sob o comando do eterno Mito são-paulino Rogério Ceni. Curiosamente praticamente no mesmo dia, praticamente no mesmo horário, o São Paulo do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, era VERGONHOSAMENTE eliminado da Copa do Brasil ao perder do Bahia por 1 a 0. Que coisa, hein? Incrível como um senhor que durante anos teve como prática humilhar os ídolos do […]

O post Enquanto Ceni voa… Leco segue afundando o São Paulo! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Conselheiros protocolam proposta de renúncia de Leco

Leia o post original por Perrone

No último dia 30, foi protocolado na secretaria do Conselho Deliberativo do São Paulo ofício no qual pelo menos 46 conselheiros propõem a renúncia do presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

As comunicações entre conselheiros e à presidência precisam passar pelo conselho. Por isso, o órgão foi o responsável encaminhar o documento ao cartola. A carta reúne assinaturas de integrantes de diferentes grupos oposicionistas e também e de ex-eleitores de Leco.

O documento é datado de 25 de fevereiro, mas só na semana passada foi protocolado por Joaquim José e Lacerda Ribeiro, um dos signatários.

Para pedirem que Leco entregue o cargo, os membros do conselho afirmam que sua gestão no futebol é pífia. Reclamam de gastos no departamento que não seriam compatíveis com os custos e de constantes trocas de treinadores.

O blog não conseguiu falar com Leco até a publicação deste post, nem por meio de sua assessoria de imprensa.

Os conselheiros que assinaram a carta sabem que o presidente não irá atendê-los. Porém, enxergam na manifestação uma forma de protesto e pressão sobre o dirigente.

“O, ao que consta, muito bem remunerado diretor executivo de futebol profissional (Raí), passou a ter dois assistentes com nível salarial, também ao que consta, superior ao de dirigentes de multinacionais. o que gerou justa expectativa de acentuada melhora de desempenho. Ao invés disso, temos assistido mais do mesmo, com trocas contínuas de treinadores e respectivos auxiliares, a venda desenfreada de jovens promessas da base, diga-se, a valores expressivos, investidos, porém, na compra de veteranos descompromissados”, afirma trecho do documento.

Vale lembrar que a carta foi escrita antes de a equipe chegar ao vice-campeonato paulista deste ano.

Também há críticas à multa paga pela rescisão do contrato do técnico Rogério Ceni, à contratação de Maicosuel e à decisão de esperar Cuca se recuperar de problemas de saúde para assumir o comando da equipe.

Por fim, os conselheiros propõem a imediata renúncia do dirigente das presidências da diretoria e do Conselho de Administração do clube, esperando que “o bom senso” do cartola prevaleça sobre “outras razões de foro íntimo.”.

Ceni aconselha Fortaleza até sobre cuidados com dentes de jogadores

Leia o post original por Perrone

Imagem: Stephan Eilert/AGIF

Rogério Ceni ganhou tanta importância para o Fortaleza aprimorar sua estrutura que até a saúde bucal dos jogadores deve melhorar depois de um conselho do treinador. “Ele disse que era muito importante ter um departamento odontológico porque atleta não tem o hábito de ir ao dentista por si só, então seria bom se a gente tivesse isso. E surgiu um grupo de dentistas ligados ao clube dizendo que queria presentear o Fortaleza com esse departamento”, afirmou ao blog Marcelo Paz, presidente da agremiação cearense.

A área reservada à odontologia ficará no novo Centro de Excelência, como será chamado o centro de treinamento do clube e que é uma sugestão do treinador. “Ele disse o que precisava ter, desenhou o que poderia ficar em cada lugar, nós sentamos com os arquitetos, mostramos e estamos fazendo”, declarou o dirigente. Ele estima um investimento de R$ 1 milhão na reformulação do local de treinamentos do time. A entrega da obra está prevista para a segunda quinzena de maio. Entre outras sugestões do ex-goleiro estão melhorias na área destinada à recuperação física dos jogadores, no hotel que recebe os atletas e mais campos para os treinamentos.

Ceni também alterou hábitos alimentares de seus comandados. “Ele implantou aqui que os atletas façam refeições no clube depois dos treinamentos, assim melhoram a nutrição, têm uma reposição calórica mais adequada”, disse o presidente.

Outra preocupação do técnico é com o descanso dos atletas. Em algumas viagens o clube arca com os gastos de uma noite a mais de hotel em relação ao que fazia antes para que os atletas cumpram o período estabelecido pela comissão técnica para os atletas descansarem.

Para Paz, o principal legado a ser deixado por Rogério, responsável por levar o Fortaleza de volta à Série A do Brasileirão, é o profissionalismo. “Ele cobra muito profissionalismo de todos e dá o exemplo”, elogiou.

Cartolas remunerados

Independentemente das ideias e intervenções de seu treinador, o clube cearense adota a partir de fevereiro outra medida que considera ser na direção de profissionalismo. Seguindo uma permissão estatutária e aprovação do Conselho Deliberativo, presidente, vice e outros 14 dirigentes serão remunerados. Foi aprovado gasto de R$ 98 mil com os salários deles neste ano. A remuneração em 2020, no entanto, depende de nova aprovação orçamentária.

“Deixei a minha escola com meu irmão para poder me dedicar integralmente ao clube. No ano passado, essa gestão aumentou as receitas do Fortaleza, acho mais do que justo diretores serem remunerados. Mas todos precisam dar resultados”, disse Paz.

Só quem for sócio proprietário pode ser diretor remunerado. Mas existem executivos que não são associados. Indagado se esse método pode provocar troca de cargos assalariados por apoio político, o presidente respondeu: “quem faz isso já começou errado a sua gestão. Se fizer isso está se espelhando na velha política brasileira, de toma lá dá cá. Eu não faço isso. A gente escolhe quem tem conhecimento técnico na área e todos os diretores, independentemente de remuneração precisam ser aprovados pelo Conselho Deliberativo. Se o conselho quiser aprovar uma proteção contra isso, precisa fazer uma mudança estatutária”.

 

Leco: o DESTRUIDOR de ídolos

Leia o post original por Craque Neto

Apesar da quinta colocação e a praticamente assegurada vaga na Pré-Libertadores, o ídolo Raí, atual diretor de futebol do São Paulo, chamou a responsabilidade pra si e anunciou a demissão do técnico Diego Aguirre. A atitude foi bem contestada pelo outro ‘dirigente-ídolo’, o uruguaio Lugano. Mas a verdade – pelo menos na minha opinião – é que o ex-camisa 10 acertou na decisão. Estava ficando cada vez evidente que o comandante tinha perdido o controle do vestiário. Tinha perdido inclusive a queda de braço com o atacante Nenê. E o que mais me incomoda nessa história toda é a apatia […]

O post Leco: o DESTRUIDOR de ídolos apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Tricolor mantém sonho de técnico para 2019

Leia o post original por Craque Neto

Nada de Rogério Ceni, como muito são-paulino vem sonhando após o ídolo conquistar a Série B no comando do Fortaleza. O possível novo técnico do Tricolor para 2019 é mesmo Abel Braga. Pelo menos esse é o nome preferido do diretor de futebol Raí, notícia inclusive adiantada na última semana pelo comentarista Velloso durante o ‘Os Donos da Bola’ da Band. O dirigente já teria inclusive entrado em contato com o treinador, que está fora em um período sabático, como os caras gostam de dizer. A verdade é que o Raí pessoalmente quis desligar o uruguaio Aguirre na semana passada. […]

O post Tricolor mantém sonho de técnico para 2019 apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Mito tem outro DESTINO possível! Não o Tricolor, viu?!

Leia o post original por Craque Neto

Quem analisa a tabela da Série B dá como quase certo o título ao Fortaleza do técnico Rogério Ceni. Pois é, antes humilhado pela diretoria do São Paulo, o ex-goleiro começou um trabalho do clube cearense e vem obtendo muito sucesso por lá. Vamos falar a verdade? Esse rapaz sempre foi um profissional comprometido. Sempre foi o primeiro a chegar aos treino e o último a sair. Ele exagerava tanto na vontade de trabalhar que muitas pessoas o consideravam meio chato. Mala. Mas a verdade é que não fosse o presidente Leco desmontar o elenco do ano passado, tirando dele […]

O post Mito tem outro DESTINO possível! Não o Tricolor, viu?! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Dura em Cueva com laptop e Nenê cobrado: os bastidores da guinada do SPFC

Leia o post original por Perrone

Começo da era Raí como executivo de futebol do São Paulo. Dia de treino no CT da Barra Funda. Cueva, novamente, chega atrasado. O peruano é chamado para conversar com o dirigente, ao lado de Ricardo Rocha, coordenador de futebol. No lugar de uma bronca tradicional, ele vê o chefe abrir seu notebook e mostrar o novo estatuto do clube. “Eu disse: ‘você não pode chegar atrasado porque eu vou te multar. É porque é nisso (estatuto voltado para a profissionalização da agremiação) que eu acredito”, disse Raí em entrevista ao blog.

“Cueva falou que acreditava no mesmo quando chegou ao São Paulo, mas que as coisas não estavam acontecendo. Respondi que agora iriam acontecer. Depois disso, ele teve mais um tropeço. Em seguida, ficou um bom tempo sem problemas”, completou o campeão mundial de 92.

O jogador da seleção peruana virou figura fácil no banco de reservas tricolor e acabou vendido para o Krasnodar, da Rússia. Nesse momento, no São Paulo já não se falava em dependência em relação a Cueva.

Essa história, impulsionada pelo laptop de Raí, é uma das que ajudam a contar a transformação do time que brigou em 2017 para não ser rebaixado no Brasileirão na equipe que agora disputa o título nacional e neste momento ocupa a liderança do campeonato.

A seguir, conheça mais lances dessa metamorfose, como uma cobrança a Nenê no vestiário e um papo reto com Diego Souza, até então em baixa.

Projeto

Como convencer jogadores a se mudar para um clube que lutara contra o rebaixamento na Série A durante a temporada anterior e estava sendo corroído por uma guerra política. Da mesma forma como fizera com Cueva, Raí usou a reforma estatutária são-paulina para seduzir os pretendidos.

“Tento vender um projeto, não uma coisa a curto prazo. Junto com isso, a questão da ambição, voltar a ser um clube vencedor, referência, o pioneirismo”, contou o dirigente remunerado.

O estatuto, que prevê a troca de diretores amadores por profissionais, também foi mostrado aos atletas na apresentação de Raí ao grupo. Na ocasião, ele apontou as metas de transformação que o São Paulo pretendia atingir.

Apesar de para Raí a alteração no estatuto ser ponto fundamental na recuperação do clube, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, foi duramente criticado pela oposição por nomear conselheiros para parte dos cargos profissionais. A prática sugeria que nem tudo mudaria.

Sobrevida de Dorival no Morumbi

Torcida, conselheiros e parte da diretoria não suportavam mais Dorival Júnior como treinador. Ao mesmo tempo, a direção ainda sangrava por conta da demissão de Rogério Ceni com apenas cerca de sete meses de trabalho. Demitir Dorival no meio do trabalho não ajudaria a revigorar a desbotada imagem do clube. Esse era um dos fatores que faziam Raí insistir na manutenção.

Enquanto a fritura do treinador aumentava, Lugano sugeria a contratação de Diego Aguirre. O blog apurou que ele foi avisado nesse período de que poderia assumir a equipe. Assim, já começou a observar os jogos do São Paulo.

Dorival não resistiu por muito mais tempo. Porém, Raí acredita que a demora para tomar a decisão ajudou a fortalecer a confiança dos jogadores no trabalho da nova diretoria de futebol.

“Isso tem reflexo, os atletas perceberam que fomos até onde deu, viram a minha coerência com o Dorival em relação ao que falei para eles quando cheguei”, disse Raí.

Bancando a contratação de Aguirre

Existe uma avaliação no São Paulo de que boa parte da reconstrução da equipe passa pelo fato de Raí ter envergadura para bancar suas decisões diante de críticos supostamente constrangidos em peitar um ídolo do clube.

No caso da escolha por Aguirre para o comando do time, a palavra de Raí pesou mais do que as desconfianças que assombravam o Morumbi.

“Não era um nome no qual eu pensava, mas o Lugano sugeriu, a gente conversou e quando fechamos eu falei: ‘assino embaixo’. Aguirre não era uma unanimidade, mas acho que quando eu falei que assinava embaixo quebrei resistências para a contratação dele”, declarou Raí.

Nenê cobrado no vestiário

Mineirão, 19 minutos do segundo tempo. O São Paulo está fazendo 1 a 0 no Cruzeiro. Nenê é substituído por Bruno Peres e sai demonstrando sua irritação com Aguirre. Raí espera o final da partida, vencida pelos paulistas por 2 a 0, e aborda o veterano jogador no vestiário para uma conversa direta.

Conforme apurou o blog, o dirigente disse ao jogador que o ambiente estava ótimo no time e, logo ele, um dos mais experientes, ameaçava a harmonia com sua atitude.

Raí confirmou ter conversado com Nenê depois do jogo, mas não esmiuçou como foi o papo. “São coisas que acontecem no futebol e a gente tem que tentar resolver. O Ricardo (Rocha) conversou com o Nenê, o Lugano conversou, eu conversei. Ele entendeu que foi meio espontânea a reação, digo de deixar escapar a emoção sem pensar no contexto geral. Depois do vestiário, também tivemos uma reunião, nós três, com ele no CT”, contou o diretor executivo.

O fico de Diego Souza

O Vasco tinha interesse em contratar Diego Souza. Aguirre não demonstrava ter grandes planos para o jogador. Parte dos conselheiros e da diretoria entendiam que o atleta não mostrava vontade de ficar e sua saída seria melhor para todas as partes.

Raí, então, chamou Diego para uma conversa inicial. Depois, marcou uma reunião com ele e Aguirre juntos. O trio acertou os ponteiros e a permanência do atleta foi definida. “Acho que pesou o fato de tudo ter sido conversado abertamente. A gente queria sentir a confiança dele e ele queria sentir a nossa confiança. Queríamos escutar o que ele estava querendo. E o Diego queria ouvir o que a gente esperava dele. Ele diz que o Aguirre sempre foi direto, desde o início. Independentemente de estar confiando nele, foi sincero”, afirmou Raí.

De lá para cá, Diego encontrou seu espaço no time, virou um dos mais importantes jogadores da equipe.

Reuniões contra queda de rendimento

Apesar de seguir na liderança, o São Paulo só venceu um de seus últimos cinco jogos no Brasileirão. Foi contra o Bahia, por 1 a 0, no Morumbi. No mais foram três empates e uma derrota. O momento preocupa a diretoria.

Para reverter a situação, Raí fez nos últimos dias reuniões com alguns dos jogadores sobre o tema. “Às vezes, mesmo em momentos em que está tudo bem, faço intervenções. Acho que é natural do campeonato (o líder enfrentar dificuldades como as atuais). Mas ela não pode se alongar. Temos que brigar em cima até o final”, disse o diretor.

Cada um na sua

Entre cartolas do São Paulo, a atuação do trio formado por Raí, Ricardo Rocha e Lugano é considerada fundamental para a recuperação tricolor. Os três se encaixam no perfil de profissionalização pregado pelo novo estatuto. Apesar de se reunirem com frequência, eles têm funções diferentes.

Lugano, mesmo na cadeira de superintendente de relações institucionais, é próximo ao departamento de futebol. Tem bom relacionamento com Aguirre e jogadores. Costuma dar sugestões para Raí.

Ricardo Rocha é quem discute tática e outros problemas do time com o treinador. Quando chegou, dava muitas entrevistas, o que gerou desconforto internamente. Foi orientado a conversar mais com jogadores e comissão técnica, e menos com a imprensa, já que a ideia do clube era ter Raí como “a cara do São Paulo”, não o ex-zagueiro. Ele adotou a postura sugerida e hoje é visto como uma forte voz no vestiário.

Raí coordena as diversas áreas no CT, faz o elo com a diretoria no Morumbi, recebe informações de Ricardo Rocha e faz atuações pontuais junto ao elenco. Ele também montou um comitê com líderes de cada departamento no centro de treinamento para discutir problemas e soluções. Das reuniões periódicas, entre os membros da comissão técnica, só participam funcionários fixos do clube. Os profissionais que chegaram com Aguirre não fazem parte dos encontros.

Entre os jogadores, Diego Souza é quem mais debate os temas do time com o treinador. Os holofotes foram deixados para Nenê, que normalmente dá mais entrevistas do que o colega. Já Aguirre elegeu Diego Souza, Everton e Anderson Martins como seus principais atletas.

Com Bruno Grossi, José Eduardo Martins e Karla Torralba, do UOL, em São Paulo

 

Melhor técnico do Brasil! DISPARADO!

Leia o post original por Craque Neto

Com essa dança de cadeira de treinadores pelo principais clubes do País, a saída do Fábio Carille para o futebol do Egito e a queda da Seleção Brasileira precocemente na Copa do Mundo da Rússia, um nome bem conhecido de treinador ganhou força no cenário nacional. Trata-se do ex-goleiro Rogério Ceni, ídolo do São Paulo que foi descartado que nem lixo e hoje vem fazendo um trabalho sensacional no comando do Fortaleza. Talvez tenha gente que não acompanhe muito de perto, mas a campanha que ele vem fazendo no clube cearense é incrível. Em 22 partidas ele venceu 13 e […]

O post Melhor técnico do Brasil! DISPARADO! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

O maior do Morumbi

Leia o post original por Rica Perrone

A polêmica surgiu quando um dirigente disse que Raí era o maior. Os mais novos contestaram, o próprio Ceni respondeu lá do Ceará. E então criou-se uma discussão meio boba mas natural de qual dos dois foi o maior jogador da história do SPFC.

Hoje Raí faz aniversário e escolhe esse dia pra dizer, sem qualquer medo de errar, que trata-se do maior jogador  da história do clube. E que isso não diminui nosso capitão Ceni em 1% sequer.

Raí foi a cara de um SPFC que era muito mais São Paulo do que os últimos. Um time que jogava muito mais bola do que corria, que tinha por princípios a postura, ética e grandeza.

Por mais que glórias continuassem a chegar, é muito difícil pra quem viu o SPFC de 80 pra cá enxergar nos mais recentes um time tão identificado com o que de fato somos.

Talvez falte ao novo saopaulino exatamente isso. Noção do que de fato somos. Ou éramos pra ser. Ou fomos um dia. Não sei mais.

O São Paulo “vermelho cor da raça” não existe. Criaram pra você comprar camisa.

De todos os times que tivemos, nenhum jamais nos representou melhor do que o de 92/93. Era elegante, não batia, não arrumava problemas, vencia sem a menor contestação e jogava um futebol ofensivo e técnico.  Era o reflexo do clube.  Eramos nós.

Esses dos pontos corridos, da era 1×0 de bola parada tem seu valor. Mas é infinitamente inferior à importância do clube do que o da década de 90 que de fato nos colocou no mapa.

Raí decidiu todas as finais que participou. Talvez o Pelé não tenha feito isso. O dom do Raí era ser a cara do São Paulo e em momentos de decisão assumir de forma assustadora o protagonismo.

Ganhávamos com uma certeza que nem ouvíamos blá blá blá de arbitragem pra justificar. Era um bullying mudo andar com a camisa do São Paulo.

Raí representava tudo isso. Era o capitão, nosso craque, nosso super herói. O líder do time, da torcida, do clube e sem ter que se meter em uma polêmica sequer. Ele fazia tudo pensado, calmamente, brilhantemente.

Diria eu que Raí e Socrates tiveram as mais perfeitas carreiras para um saopaulino e um corintiano. Enquanto um ostentava o que era, o outro ostentava o que fez.  Raí tinha muito menos talento, e jogou  e ganhou muito mais do que o irmão.

O São Paulo tem menos gente, menos mídia e em 1990 menos tudo. Mas foi maior do que todos. O mais novo dos grandes chegou onde ninguém chegou. E foi pelos pés desse cara, o nosso “Zico”. o nosso “Pele”, que vimos o clube nacional ganhar o mundo.

Tenho 39 anos. Eu não li sobre o Raí. Eu vi, pedi autografo, conheci, entrevistei, chorei na sua venda, também na sua volta. Raí se veste, fala, anda e se porta como o São Paulo que se perdeu no tempo.

Fossemos mais “Raí” até hoje, não viveríamos o cenário que vivemos ao ponto de ter que chama-lo de volta pra resgatar alma e identidade.

Já devemos a ele a despedida que jamais aconteceu. Não podemos dever os créditos pelo que nos deu.

Parabéns, Raí! O maior do Morumbi.

abs,
RicaPerrone