Arquivo da categoria: salários atrasados

Corinthians espera verba da venda de Pedrinho até para demitir funcionários

Leia o post original por Perrone

Nesta semana o Corinthians pagou três de quatro meses de salários a transados a jogadores e membros da comissão técnica. O plano agora é quitar o restante entre terça e quarta da semana que vem com a antecipação do dinheiro da venda de Pedrinho para o Benfica.  Porém, a receita servirá também para o clube pagar custos de demissões de funcionários que ainda não foram feitas por falta de dinheiro.

A expectativa é de que a receita a ser antecipada junto a um banco estrangeiro chegue na terça-feira. Se isso acontecer, o clube coloca em prática o pacote de demissões com o objetivo de reduzir custos, conforme apurou o blog.

Por mais de uma vez, o Corinthians se viu perto de concretizar a antecipação, mas acabou tendo que adiar seus planos

O desligamento de empregados faz parte de uma estratégia elaborada em maio para enfrentar as dificuldades financeiras do alvinegro agravadas pelos efeitos da pandemia de covid-19. O corte de pessoal não deve atingir o futebol profissional.

Na ocasião, a diretoria pediu que todos os departamentos fizessem reduções de gastos em até 50%. O número variava de acordo com a área. Muitas das demissões, no entanto, ainda não puderam ser feitas porque o clube não tem como pagar custos como os referentes a verbas rescisórias.

Com as demissões somadas a outras reduções de gastos, que incluem trocas de fornecedores, por exemplo, a direção espera alcançar uma economia de R$ 2,5 milhões mensais. A quantidade de funcionários a serem demitidos é mantida em sigilo pelo clube. A diretoria não fala oficialmente sobre futuras demissões.

O Corinthians receberá na operação de antecipação menos do que os 18 milhões de euros que seriam  pagos pelo Benfica a partir de agosto de 2021. Isso porque a instituição financeira cobra taxas para antecipar a receita.

Inicialmente Pedrinho tinha sido vendido por 20 milhões de euros. No entanto, o alvinegro aceitou reduzir a quantia em 2 milhões de euros depois de os portugueses reclamarem da decisão corintiana de não exercer o direito de compra dos direitos referentes a Yony González.  O Benfica também conseguiu adiar em um ano o pagamento de primeira parcela.

Por sua vez, Will Dantas, agente de Pedrinho, já tinha aceitado receber os 30% a que tem direito só no ano que vem.

Opinião: greve de jogadores do Corinthians seria legítima

Leia o post original por Perrone

Na semana passada, antes do jogo com o Goiás, os jogadores do Corinthians se reuniram para gravar um vídeo no qual Cássio desmente que o elenco estivesse planejando um greve por conta dos salários atrasados. A gravação, na opinião deste blogueiro, revela uma realidade distorcida. Nela, quem deveria cobrar explicação aparece para se explicar.

Não seria absurdo se os jogadores resolvessem cruzar as pernas. Não é crime exigir receber pagamentos atrasados. Já são três meses de atrasos.

No vídeo, não há ninguém da diretoria para tomar a palavra e explicar a situação. A direção tinha a obrigação de agradecer publicamente os atletas pela compreensão.

Na semana retrasada, a diretoria esperava pagar dois meses de salários atrasados. Depois, a projeção mudou para a semana passada. A previsão agora é de que o acerto aconteça na próxima terça, às vésperas do jogo com o Palmeiras, marcado para quinta.

Outro pagamento de salários atrasados foi feito também antes do duelo com o alviverde ainda pela primeira fase do Paulista. A coincidência é chata. Fica parecendo que é bom pagar antes do derby para o time correr mais.

É compreensível que o clube tenha dificuldades financeiras por conta da paralisação do futebol brasileiro em virtude da pandemia de covid-19. Se bem que a situação nas finanças corintianas já era crítica antes disso.

O que é difícil de compreender é como os cartolas ainda não têm dinheiro na mão para acertar com os atletas após venderem Pedrinho e Carlos Augusto.

A negociação com o Benfica por Pedrinho se revelou desastrosa. O clube brasileiro concordou em adiar o pagamento da primeira parcela, que seria feito no mês passado, para agosto de 2021. Enquanto os jogadores esperam, a diretoria busca antecipar o pagamento integral junto a uma instituição financeira estrangeira. Além disso, o alvinegro topou reduzir o valor da venda de 20 milhões de euros para 18 milhões de euros por não comprar Yony González.

Enquanto os salários atrasados não são pagos, vemos os jogadores corintianos abandonados.

A torcida desce a lenha na qualidade do elenco, com razão. Tiago Nunes não usa sua voz publicamente para lembrar que os caras, assim como ele, não recebem em dia. A cumplicidade entre comissão técnica e atletas faz parte da construção de um time vencedor. É obrigação do treinador proteger seus comandados.

E a diretoria age como se fosse um probleminha. Não é. Atrasos desse tamanho não fazem parte da história corintiana.

O presidente Andrés Sanchez e Duílio Monteiro Alves, diretor de futebol e pré-candidato da situação à presidência do clube deveriam gravar um vídeo se justificando no lugar dos jogadores.

A comemoração pela venda dos naming rights da arena não tira deles a responsabilidade de acabar com o indecente atraso salarial e de se desculpar publicamente com o elenco, o que seria uma forma de proteger os atletas.

Sem respaldo de ninguém, o elenco corintiano merece elogios. Apesar do fraco desempenho, tem sido heroico por entrar em campo, correr e tentar vencer, mesmo sem receber em dia.

Corinthians planeja pagar dois meses de salários atrasados nesta semana

Leia o post original por Perrone

A diretoria do Corinthians espera quitar nesta semana dois meses de salários atrasados de jogadores e membros da comissão técnica.

A expectativa é de usar o dinheiro da venda do lateral Carlos para o Monza, da Itália. A quantia também é esperada nesta semana. Ele foi negociado por 4 milhões de euros (por volta de R$ 26,4 milhões), e o alvinegro tem direito a 60% de uma futura venda do jogador.

Em julho, o Corinthians havia feito seu último pagamento aos atletas. O atraso já era de três meses.

Casos pague os dois salários restantes nesta semana, o clube evitará que no início de setembro a inadimplência complete novamente três meses.

Quando isso acontece em relação à quantia registrada em carteira de trabalho, os atletas podem pedir na Justiça a rescisão unilateral do contrato.

Em julho, Roberto Gavioli, gerente financeiro do Corinthians, disse que com a redução salarial de 25% aplicada durante a paralisação do futebol por conta da pandemia de covid-19, a folha de pagamentos do departamento de futebol ficou em cerca de R$ 8,5 milhōes mensais. Ele disse que com a retomada dos pagamentos integrais o custo seria de aproximadamente 11 milhões mensais.

Como mostrou o blog, o clube espera receber em dez dias a antecipação dos 18 milhões de euros (cerca de 119 milhões) referentes à venda de Pedrinho numa operação com um banco alemão. O Benfica pagará parceladamente a partir de agosto de 2021.

Porém, taxas e juros serão descontados dessa quantia. Além disso, 30% do valor integral da venda deve ser repassado ao agente de Pedrinho, Will Dantas. Ele aceitou receber só no ano que vem.

O capitão

Leia o post original por Rica Perrone

Basta um jogador querer e seu time pode perder 3 pontos por jogo no Brasileirão que vem aí. A idéia para que clubes paguem em dia é boa, a forma, no entanto, é contestável. Simplesmente porque você não pode do dia pra noite pegar clubes que devem 5 meses e pedir que não atrasem mais 1 […]

Santos precisa quitar salários para não espantar reforços, segundo Modesto

Leia o post original por Perrone

Leia abaixo entrevista concedida ao blog por Modesto Roma Júnior, novo presidente do Santos.

Além de dever até para uma floricultura e ter celulares de funcionários cortados por falta de pagamento, o Santos deve também para fornecedor de água?

É, tem muita coisa pequena que não foi paga. Mas não adianta gora a gente ficar falando que não pagou o açougueiro, que não pagou não sei quem. Na hora em que estivermos com os dados nas mãos vamos divulgar tudo. Mas falar agora seria leviandade. Na segunda, uma empresa vai começar um levantamento e saberemos exatamente qual é a situação. Hoje, não temos detalhes, sabemos no geral. Temos a informação de que nossa dívida é de cerca de R$ 200 milhões.

Como reforçar o time sem dinheiro?

Nosso primeiro esforço é para pagar salários atrasados [são dois meses de atraso e no próximo dia 5 vence mais um pagamento. Com três meses de atraso, os jogadores podem pedir na Justiça o fim de seus vínculos com o clube]. Precisamos fazer isso para recuperar nossa credibilidade, para que os jogadores [que interessam ao Santos] queiram jogar aqui, vejam que estamos nos esforçando para colocar tudo em dia.

Como vai conseguir dinheiro para pagar pelo menos parte dos atrasados?

Estamos levantando o dinheiro. Vamos fazer um empréstimo usando garantias que ainda não foram usadas, temos um resíduo de R$ 10 milhões. Mais para frente, teremos o dinheiro do patrocinador [Huawei]. A economia que vamos fazer com a saída do Leandro Damião também vai ajudar. Vamos economizar R$ 6,5 milhões por ano com a saída dele. É uma premiação do Neymar [bônus de 2 milhões de euros que o Barcelona pagaria ao Santos se Neymar tivesse sido um dos três finalistas do prêmio de melhor do Mundo da Fifa em 2014].

Quantos reforços o Santos precisa?

Um defensor e um centroavante. Estamos trabalhando em sigilo. Não dá pra sonhar muito alto. Vamos trabalhar com os pés no chão. Jogador de maior renome, só se acertamos antes um patrocinador ou se conseguirmos parceiros.

Mas com esses dois reforços, o Santos poderá brigar pelo título Brasileiro, por exemplo?

Primeiro estamos pensando no Campeonato Paulista e na Copa do Brasil. Vamos trazer esses jogadores com inteligência. Dá para disputar o título dessas duas competições. Depois vamos ver o que precisamos para o Brasileiro.

Arouca e Robinho vão permanecer?

Conversei com o Robinho. Ele quer ficar. Sei que o Arouca também quer continuar no Santos [o volante interessa ao Palmeiras].

Santos teme que salários atrasados dificultem contratações

Leia o post original por Perrone

Modesto Roma Júnior, novo presidente do Santos, teme que os frequentes atrasos salarias no clube em 2014 espantem jogadores que interessam e dificultem contratações.

Salários de outubro e novembro estão atrasados. Há também pelo menos dois meses de direitos de imagem vencidos.

O problema é que a fama de mal pagador se espalha rapidamente. A nova diretoria desconfia, por exemplo, que os atrasos pesaram na decisão do superintendente do Joinville, César Sampaio, que recusou o convite para ser gerente de futebol do clube.

Além de afugentar jogadores que interessam, o calote faz o Santos correr risco de perder atletas que estão no elenco. Com três meses de salários atrasados, eles podem acionar a justiça para se desligar do clube sem nada pagar. Em cinco de janeiro vencem as remunerações de dezembro.

Atraso de salários pode explicar o mau futebol do Santos

Leia o post original por Odir Cunha

Oswaldo Oliveira e o elenco
Por mais que Oswaldo de Oliveira tente motivar o grupo, a verdade é que “em casa que falta pão, irmão briga com irmão” (Foto: Ricardo Saibun/ Divulgação Santos FC).

Os jogadores do Santos estão entrando em campo com suas remunerações – salários e direitos de imagem – atrasadas. Isso não deveria, mas pode explicar o futebol sem vontade que o time tem mostrado, como neste empate de 0 a 0 com o Grêmio, na Vila Belmiro.

Dirão que um jogador não pode jogar menos do que sabe só porque seu salário está atrasado, mas já passei por isso, como jornalista, e sei como é difícil manter a concentração e a motivação quando as contas se avolumam e a remuneração acordada não vem. O profissional se sente desrespeitado e, mesmo que lute contra, acaba perdendo boa parte do entusiasmo.

O empréstimo da Doyen Sports já foi gasto, e a cada mês o Santos tem mais contas para saldar do que dinheiro a receber. A situação é crítica. O ideal seria dar um choque de gestão agora, reduzindo drasticamente a folha de pagamentos e fazendo acordos com os funcionários. Do jeito que vai, o Santos correrá um sério risco de falência em pouco tempo.

O futebol em campo tem sido um reflexo dessa falta total de planejamento, dessa ganância irresponsável que coloca o jogador e o torcedor em segundo plano. Por isso, mesmo tendo motivos para criticar a atuação de vários jogadores do Santos, não farei isso hoje. Creio que, diante de toda a dificuldade que estão passando, conseguir um empate contra o Grêmio não foi de todo ruim.

Não farei análises individuais também porque o leitor deste blog já sabe muito bem o que penso dos jogadores santistas e neste sábado não ocorreu nada diferente do que temos explanado aqui. Pelo clima de apreensão que envolve seus futuros, até que os jogadores não foram tão mal.

Há 33 meses este blog já previa o estouro dessa bomba relógio

A situação pela qual o Santos passa hoje era previsível há cerca de três anos. Este mesmo blog preveniu o que poderia acontecer com as finanças do clube em 6 de agosto de 2011. Naquele dia, fiz um texto em que analisava a situação de Paulo Henrique Ganso no Santos e, no mesmo post, alertava para o que poderia ocorrer com o caixa do clube em futuro próximo.

É evidente que alertar para tal problema me desgastou com a diretoria de Luis Álvaro Ribeiro. Porém, não poderia deixar de tocar nesse assunto que já me afligia. Com o subtítulo Finanças, um campeonato que o Santos continua perdendo, escrevi o seguinte:

O clube, que já tinha antecipado suas cotas do Campeonato Paulista até 2015, agora pediu também a antecipação de 30 milhões de reais, o que tem para receber nos próximos dois anos da Rede Globo. Provavelmente este valor será usado para pagar a dívida com o ex-presidente Marcelo Teixeira.

A questão financeira tem sido o calcanhar de Aquiles da administração Luís Álvaro Ribeiro. O Santos aumentou a receita, porém aumentou muito mais as despesas. Um dos motivos é a onerosa folha de pagamentos, com salários acima do padrão da cidade de Santos, e com funcionários registrados pela CLT, o que provocará uma bomba-relógio a explodir nas próximas administrações.

A diretoria vive o dilema entre aumentar mais as dívidas e montar um time para ser campeão mundial, ou começar a colocar a casa em ordem e perder Ganso e talvez outros jogadores importantes para a esperada decisão contra o Barcelona, no Japão.

Particularmente, acho que os esforços para se tentar o terceiro título mundial valem a pena, mas também é preciso prever o que virá depois dele. São Paulo e Internacional foram campeões mundiais recentemente e isso não mudou substancialmente o status de ambos no cenário internacional.

Enfim, mesmo com dois títulos este ano, o Santos vive um momento delicado, que tanto poderá levar o time a uma situação de equilíbrio e prosperidade, como jogá-lo em uma crise financeira com sérios reflexos na equipe de futebol. Esperemos os próximos passos…

Fui chamado ao clube por causa deste post e o diretor da área veio me explicar que as pessoas contratadas pela nova direção do Santos estavam recebendo salários que normalmente receberiam em suas profissões. Não era verdade. Quase todos ganhavam salários bem menores antes e alguns estavam subempregados. Lembrei ainda que o clube estava pagando o teto salarial de cada atividade e perguntei se as pessoas da Resgate eram os melhores para cada uma dessas atividades.

Quanto ao registro pela CLT, disseram que era o correto. Respondi que não é assim que funciona nos clubes de futebol e não deveria ser assim no Santos. A carga trabalhista se torna insuportável. Por ser, essencialmente, deficitário, um clube precisa optar por terceirizar boa parte dos serviços que contrata. E nem é ético registrar um monte de gente pela CLT sem dar às próximas gestões a possibilidade de também montar as suas equipes de confiança.

Além de registrados pela CLT, o número de funcionários cresceu demasiadamente. Era evidente que o Santos passava a ser administrado irresponsavelmente, como uma ação entre amigos.

Diego é um sonho desesperado

A tevê anunciou que o Santos tentará trazer Diego Ribas da Cunha, atualmente no Atlético de Madrid. Endividado, sem dinheiro nem para pagar os salários, como essa administração pretende tirar um jogador que não é nada barato de um time que está na final da Champions League?

Se for uma troca por Leandro Damião, ainda poderia ser. Ou Leandro Damião e Thiago Ribeiro, que seja. Mas como pensar em fazer mais dívidas sem dispensar jogadores, ou sem um patrocinador máster?

Veja os poucos momentos interessantes de Santos 0 x 0 Grêmio

E você, acha que o atraso de salários pode explicar o mau futebol do Santos?

Salários atrasados no Grêmio

Leia o post original por Lisiane Lisboa

A declaração de Barcos, ontem pela manhã, deflagrou um processo que já se imaginava possível: o Grêmio teria dificuldades para cumprir a folha de pagamento do clube. Foram gastos cerca de R$ 30 milhões para montar um time para disputar a Libertadores. Além disso, as receitas da Arena foram menores que os gastos, ou seja, o Tricolor nada recebeu.

Em setembro, o balanço anunciou um déficit de mais de R$ 70 milhões, que poderia chegar a R$ 100 milhões no final do ano. Fábio Koff conseguiu uma boa negociação com a OAS e diminuiu em R$ 30 milhões esse prejuízo. Mas ainda é um número muito grande. Tudo isso acaba trazendo dificuldade para o cumprimento dos compromissos financeiros, entre eles a folha de jogadores e funcionários.

Grohe

Muita gente se pergunta por que o Grêmio contratou o Dida, que veio ganhando de três a quatro vezes mais do que aquele que era o titular do Grêmio e cujas atuações agradavam torcedores, dirigentes e imprensa.

É claro que Dida teve um grande ano, mas é mais claro ainda que com a sua contratação o Tricolor fez um investimento onde não precisava. Agora, pode estar dispensando o veterano goleiro e promovendo o retorno de Grohe como titular.

Discussões

São muitas as discussões entre os jogadores do Inter em um momento decisivo para o clube. Claro que se pode compreender que os nervos estão a flor da pela porque a situação é de constrangimento com a possibilidade de rebaixamento.

Mas os profissionais colorados poderiam dar um basta, pelo menos até domingo, ganhando da Ponte Preta e garantindo o time da Série A de 2014. Discutir agora significa aumentar o problema.

É demaaaais!

Os jogadores do Bom Senso F.C. falam em possibilidade de greve diante de qualquer informação de atrasos de salários em qualquer clube brasileiro. No entanto, nunca falaram dos salários despropositais que são pagos a eles mesmos.

O bom senso deve começar por salários civilizados para os jogadores. Eles, mais do que qualquer outra coisa, é que estão afundando os clubes. Quem promete pagar muito acaba não pagando nada.

A mentira do cofre cheio

Leia o post original por Wanderley Nogueira

Recuando apenas alguns meses no tempo, ouvimos e assistimos discursos parecidos sobre “o novo momento financeiro do futebol brasileiro”.

Estão lembrados? Vários cartolas entusiasmados disseram que “agora é possível segurar os grandes jogadores” e outros passaram para o estágio do delírio: ” e agora será possível repatriar ou contratar grandes jogadores”.

Muita gente boa acreditou nisso.

Quando a CBF articulou para implodir o Clube dos 13, outra vez acompanhamos o discurso ilusório: “os clubes ganharão milhões e milhões e a TV vai bancar tudo. Os cofres dos clubes ficarão recheados”.

É certo que, corretamente, a TV pagou um bom dinheiro para os clubes. Fez mais: antecipou receitas de quase todos e já mandou o recado que de agora basta de receber cotas antecipadas.

Mas, entregar um cofre cheio de dinheiro para péssimos gestores é pedir para a raposa cuidar das galinhas.

Vários grandes clubes brasileiros estão sem nada em caixa. Pior: devendo milhões de reais para credores de muito tempo.

Além disso, salários atrasados e todas as demais responsabilidades de empregadores anotadas no gelo.

Jogadores ameaçam greve branca e se negam a seguir para a concentração, tentando pressionar para que os salários sejam pagos.

Ouvi, algumas horas atrás, de um antigo segurança de um clube grande a seguinte revelação: “sabe, chegamos a torcer para que o time não ganhasse aquele clássico no fim do ano. O presidente tinha prometido um dinheirão para cada jogador. Já estávamos com os salários atrasados e, se ele pagasse aos atletas , a nossa chance de receber seria zero. O time perdeu, ele não pagou nada aos atletas e até agora não acertou a nossa vida…”.

Algumas contratações caras foram feitas nas ultimas semanas e com salários irreais.

É a chamada multiplicação dos pães: vários clubes estão sem dinheiro e com dívidas  que jamais serão pagas  e continuam cavando o poço da irresponsabilidade.

Procuram empréstimos bancários (e as portas não estão se abrindo) ou parceiros/investidores e sabem que quase sempre esse tipo de comprometimento não acaba bem.

E os clubes que fizeram “grande esforço” para segurar seus principais jogadores dizem em público que valeu a pena e nos bastidores choram a falta de compradores.

O discurso anunciando um novo momento e o cofre cheio, não passou de mais uma enganação.