Arquivo da categoria: Santos

Após impeachment negado, opositores de Peres falam em expulsão

Leia o post original por Perrone

Opositores de José Carlos Peres no Conselho Deliberativo do Santos estudam novas maneiras para tentar afastar o presidente do clube. Os que tentam as articulações são conselheiros inconformados com o fato de os associados contrariarem o desejo da maioria do órgão votando contra o impeachment do cartola.

Uma das estratégias fomentadas pelos opositores é tentar a expulsão de Peres e seu vice, Orlando Rollo. A alegação é de que ambos teriam ferido o estatuto por supostamente denegrir a imagem do clube no auge da batalha entre ambos pela imprensa.

O artigo 16, em sua letra “b” diz que estará sujeito a eliminação do quadro associativo do Santos o associado que “atingir por ato público ou manifestação escrita ou verbal a reputação, integridade, o prestígio ou o conceito moral e o bom nome do Santos, de seus órgãos ou dos membros desses órgãos”.

O primeiro passo para colocar esse plano em prática é colher a assinatura de 20 c0nselheiros para encaminhar o pedido ao Conselho Deliberativo. Por enquanto, há apenas conversas a respeito da iniciativa.

De acordo com o estatuto, se ao mesmo tempo os cargos de presidente e vice ficarem vagos, em dez dias deve ser marcada nova eleição com voto dos associados. Isso se faltarem mais de 60 dias para o fim do mandato. Caso o prazo seja inferior, o Conselho Deliberativo escolhe os substitutos entre os membros do Comitê de Gestão.

Outra possibilidade aventada já foi colocada em prática, mas até agora não surtiu efeito. A ideia é convencer Rollo a renunciar à vice-presidência.

O argumento para tentar fazer o vice-presidente se afastar é de que ele teria muita rejeição entre os associados. Na avaliação de parte dos opositores de Peres, esse foi o motivo para os sócios recusarem o impeachment do presidente já que o vice assumiria.

Caso Rollo aceitasse sair, os descontentes com o presidente estudariam um novo pedido de impeachment, pois alegam ter outros elementos para isso.

Porém, o vice está irredutível. Afirma a quem tenta o convencer que não cometeu irregularidades para renunciar. O cartola já não faz parte da gestão. Peres tirou até sua sala. Rollo também devolveu o carro do clube que tinha o direito de usar.

Procurados, presidente e vice não quiseram se manifestar sobre o assunto.

 

 

Opinião: Libertadores tem a final que merece

Leia o post original por Perrone

A vergonhosa final da Libertadores entre River Plate e Boca Juniors parece até ter sido encomendada para simbolizar décadas de decadência e descaso com o torneio sul-americano.

Conmebol, clubes, torcedores,  jogadores e árbitros merecem a final que têm. Foram anos valorizando a batalha campal como se fosse sinônimo de garra.

A cada edição, jogadores (claro que há exceções) estufam o peito para falar que a Libertadores é diferente, tem que ter raça, e dentro de campo vários se estapeiam.

Muitos dos juízes são molengas, demoram para expulsar brigões, perdem o controle dos jogos e cometem erros inadmissíveis, contribuindo para afundar o torneio na lama.

Parte dos torcedores colabora para o clima bélico. São chuvas de cadeiras, rojões e sinalizadores na direção de torcedores rivais. Cusparadas e uma infinidade de objetos lançados em jogadores adversários.

A Conmebol quase sempre age como a mãe que tenta minimizar os erros de seus filhos. Punições irrisórias são distribuídas aos montes a cada ano.

Basta olhar a ridícula pena dada ao River depois de seus torcedores atacarem o ônibus do Boca antes do segundo jogo da decisão deste ano. Multa de US$ 400 mil (cerca de R$ 1,5 milhão) e dois jogos em torneios promovidos pela entidade com portões fechados.

É pouco pelo estrago feito por parte dos torcedores do clube. Mas é muito perto da pena cumprida pelo Corinthians após sinalizador disparado por sua torcida matar o boliviano Kevin Espada em 2013. Depois de recorrer, o alvinegro fez só um jogo em casa com portões fechados, pagou US$ 200 mil (aproximadamente R$ 772,5 mil em valores atuais) e ainda conseguiu anular decisão que vetava seus torcedores como visitantes por 18 meses.

Tudo isso é assistido pela maioria dos dirigentes de clubes sem fazer cobranças para que a Conmebol acabe com o circo de horrores. A inércia sugere que cada um espera o momento de seu time ser favorecido pela falta de pulso da confederação sul-americana.

Uma parcela da imprensa também tem culpa no cartório por romantizar a corroída Libertadores.

De forma caprichosa, quase que toda essa corrosão foi resumida na temporada 2018. Teve praticamente de tudo. Erro grosseiro de arbitragem, como na expulsão do cruzeirense Dedé, jogador do Santos atuando suspenso, o clube sendo punido no mesmo dia em que jogaria por sua permanência na competição com a partida interrompida por falta de segurança e torcedores chilenos vandalizando a Arena Corinthians, entre outros fatos lamentáveis.

As cerejas no bolo são os acontecimentos envolvendo a decisão, com direito a adiamentos, indefinições e agendamento da final fora do continente.

Nada espelha melhor a cara da Libertadores do que tal desfecho. Ao mesmo tempo, a situação é um convite para que clubes sérios se recusem a disputar o certame, a menos que uma mudança radical aconteça. Mais fácil vexame maior rolar em 2019 do que isso acontecer.

Leia também:

Final da Libertadores em Madri é “irreversível”, diz presidente da Conmebol

River cita G20 e diz que se recusa a jogar final em Madri

Ex-River, técnico do Real diz que Libertadores perdeu significado

Bryan Ruiz, 33, é jogador de futuro, segundo relato de presidente do Santos

Leia o post original por Perrone

Bryan Ruiz, 33 anos e que ainda não decolou no Santos, é um jogador de futuro.  José Carlos Peres, presidente do clube, disse ter ouvido essa avaliação do técnico Cuca. A afirmação foi feita pelo cartola durante reunião do Conselho Deliberativo na última terça-feira (27).

“O Bryan Ruiz chegou no clube, tá sendo preparado. Ele tinha dois centímetros de um lado (sobre um desequilíbrio muscular nas pernas) e era recuperável. Tanto que o Cuca conversou comigo nessa semana e disse: ‘olha ele vai vai evoluir muito no ano que vem, é um jogador de futuro, agora ele tá com a saúde boa’. Tecnicamente ele é muito bom. É só ir ver os treinos do Santos”, declarou o dirigente.

Parte dos conselheiros reagiu com uma exclamação em tom irônico. O blog não localizou Cuca para falar sobre o assunto.

Peres também explicou que o Santos não precisou pagar pelos direitos econômicos do atleta. Entre os conselheiros há questionamentos sobre os valores desembolsados na transação, incluindo eventual pagamento de comissão.

O jogador da Costa Rica chegou ao Santos em julho, antes da 13ª rodada do Brasileirão e participou de 12 dos 24 jogos do time no Nacional desde então. Ele não marcou gols e tem contrato até o final de 2020.

Além de defender Bryan, Peres rebateu críticas ao desempenho do time no campeonato. Um dos membros do conselho classificou a campanha do time na competição de pífia.

“Não sei porque pífia a colocação do Santos. Faltou muito pouco pro Santos estar na Libertadores”, afirmou o cartola. De novo, alguns reagiram com ironia.

A reunião foi marcada por protestos de críticos da diretoria. Alguns pegaram o microfone para pedir a renúncia de Peres e de seu vice e desafeto Orlando Rollo, que na prática já não faz parte da gestão.

Colaborou Samir Carvalho, do UOL, em Santos

Sete clubes entrarão na rodada 37 de “férias”

Leia o post original por Rica Perrone

Alguns acham que o Brasileirão de pontos corridos é justo por ser “todos contra todos”. Eu lhes digo há anos que é exatamente esse um dos fatores que o torna bem mais injusto do que terminar em confrontos diretos de interesses iguais. A partir da próxima rodada 7 clubes entrarão em campo sem nada pra …

Flamengo segue liderando o ranking digital

Leia o post original por Rica Perrone

O Ranking atualizado do mês de novembro mantém o Flamengo no topo e tem como única grande curiosidade o Botafogo ser o único dos 12 grandes que não está no “top 13”. O “top 13” existe em virtude do acidente da Chapecoense, onde o mundo todo passou a seguir o clube nas redes sociais. Sport…

Opinião: Felipão fala de Deyverson, mas também parece ter ‘chavezinha’ ruim

Leia o post original por Perrone

O Palmeiras obteve uma vitória de campeão ao bater o Santos, no sábado (3), por 3 a 2, pavimentando ainda mais seu caminho rumo ao título brasileiro. Porém, Felipão conseguiu emplacar o time negativamente nas manchetes ao dar piti impedindo Dayverson de conceder entrevistas depois do jogo.

Numa tacada só o treinador censurou o atacante e a imprensa, ameaçou cercear a liberdade de expressão de outros atletas, deixou o jogador exposto ao dizer que ele tem uma chavezinha que não funciona e indicou uma certa insatisfação com o comportamento de seu comandado.

É um pacote negativo muito grande numa noite em que a atuação palmeirense deveria se o destaque.

Ipressiona a falta de habilidade do veterano treinador para lidar com a situação.

Se a ideia era a de que Deyverson não falasse, a comissão técnica falhou ao não o convencer disso depois de ele irritar jogadores do Santos simplesmente por comemorar a vitória.

Outro erro foi Scolari explodir na frente de jornalistas. Chega a ser cômico. Ele diz que o atacante tem uma chavezinha que não funciona, mas parece sofrer do mesmo problema.

A diferença é que o “defeito” de Felipão é muito mais antigo. Vem dos tempos em que agrediu o jornalista Gilvan Ribeiro em sua primeira passagem pelo Palmeiras e um jogador sérvio enquanto comandava brilhantemente a seleção portuguesa.

A tal chavezinha já tinha mostrado ainda não ter sido reparada quando ele falou em tom ameaçador aos jogadores do Cruzeiro que teriam que jogar na casa alviverde depois de desentendimento no Mineirão, pela Copa do Brasil.

Deyverson ainda está em processo de amadurecimento em sua carreira e é compreensível que se envolva em episódios desnecessários.

Por outro lado, Felipão é um dos treinadores mais experientes e vitoriosos do futebol brasileiro. Passou da hora de aprender a se controlar e deixar de tumultuar seu próprio ambiente de trabalho.

Scolari deveria entender que reações pré-históricas como a que teve agora ajudam um treinador a ser definido como ultrapassado. Causa perplexidade que com tanto tempo de estrada ele ainda não tenha percebido isso. E se percebeu e não liga, o caso beira a sabotagem a ele mesmo.

Clássico confronta Palmeiras ‘mordedor’ com Santos ‘dono’ da bola

Leia o post original por Perrone

O clássico deste sábado (3), às 19h, no Allianz Parque, opõe o “mordedor” Palmeiras ao Santos, que gosta de ficar mais com a bola. É o que mostram as estatísticas dos times no Brasileirão. Os números são do site “Footstats”.

A pegada forte do time de Felipão é responsável por colocar o alviverde no topo do ranking das equipes que mais desarmam, cometem faltas e levam cartões amarelos.

O alviverde é o líder em desarmes certos com média de 18,7 por jogo. Seu adversário é o quinto colocado com 16,2 a cada partida.

Ninguém levou mais amarelos do que os palmeirenses. Foram 96 até aqui. Já os santistas receberam 68 cartões. Com essa marca, o alvinegro é apenas a 15ª equipe mais indisciplinada na competição.

O Palmeiras também tem a média mais alta de faltas cometidas por jogo: 17,6. A marca santista é de 13,9 (mesmo número exibido pelo Corinthians) por apresentação. Só o Fluminense, com 13,8 de média, bate menos na Série A.

Já os santistas ficam mais com a bola do que o rival. Ostentam média de 54,1% de posse (a quarta melhor) diante de 50,9% do Palmeiras, oitav0 colocado nessa lista.

Os jogadores de Cuca também costumam trabalhar mais as jogadas. Trocam, em média, 399,3 passes certos por jogo. É a sexta marca mais alta da competição.

Por partida, os palmeirenses registram média de 335,2 passes corretos, ocupando o 12º lugar nesse ranking. Por aqui passa uma das receitas do líder do Brasileirão. O alviverde aproveita seu alto poder de destruição sendo objetivo quando tem a posse de bola.

Tanto que é quem mais faz lançamentos certos em média por partida: 19,2. O Santos só utiliza esse recurso 11,8 vezes em cada duelo, na média.

A objetividade e a precisão palmeirenses também são traduzidas pelo número de finalizações certas da equipe na competição: 161. É a quarta melhor marca do campeonato. Embora fique mais tempo com a bola, o Santos finalizou menos de maneira correta até agora. Foram 130 arremates com endereço certo. Onze times registram marca melhor.

Os palmeirenses também marcaram dez gols a mais do que os santistas (48 contra 38). O alviverde divide com o Atlético-MG o posto de segundo melhor ataque do Nacional. A liderança pertence ao Flamengo com um tento a mais. Na oitava posição nesse quesito aparece o Santos.

A agressividade do Palmeiras na marcação também contribui para o time ter a defesa menos vazada (20 gols). Os santistas levaram 28 gols. É a sexta melhor marca, dividida com o Cruzeiro.

Vencer o Santos é fundamental. O Palmeiras sabe disso .

Leia o post original por Nilson Cesar

Ganhar o clássico diante do Santos no sábado é fundamental para a conquista do título brasileiro . O Palmeiras sabe disso e deve jogar a vida nesse jogo . O que sobrou foi o Brasileirão . Passar um ano sem nenhuma conquista de título seria uma grande derrota para o Palmeiras . Virou mesmo obrigação  ganhar o campeonato brasileiro . Se não conquistar muita coisa precisa ser repensada para a próxima temporada . É um jogo chave e a vitória é fundamental no clássico de sábado .

Diretor da DIS ironiza estafe de Neymar: ‘feliz com chance de pena maior?’

Leia o post original por Perrone

A mais recente decisão da Justiça espanhola sobre Neymar deflagrou nos bastidores uma espécie de disputa entre os estafes do jogador e da DIS, empresa que detinha 40% dos direitos econômicos do jogador, para ver quem demonstra mais otimismo em relação ao desfecho da batalha judicial.

Ao UOL Esporte, a equipe do jogador afirmou ter sido bom para o atleta o juiz responsável pelo caso se julgar incompetente para julgá-lo e determinar que um tribunal formado por três juízes faça o julgamento.

Em contato com o blog, Roberto Moreno, diretor da DIS, ironizou a visão otimista de Altamiro Bezerra, diretor financeiro do Instituto Neymar Júnior.

“Não quero cutucar ninguém, mas é uma incoerência ele (Altamiro) dizer que ficou feliz com a decisão. A promotoria tinha pedido dois anos de prisão, agora o juiz calcula que a pena pode chegar a seis anos. Quem fica feliz ao saber que uma pena pode passar de dois para seis anos?”, afirmou o executivo da DIS.

Ele se refere ao fato de, inicialmente, a promotoria ter pedido a condenação de Neymar por dois anos, além de multa, por suposta irregularidade na transferência do Santos para o Barcelona em 2013.

Agora, o juiz José Maria Vázquez Honrubia entendeu que a pena pode chegar a seis anos de prisão e ele só pode julgar casos com previsão máxima de condenação por cinco anos. Por isso, o juiz se considerou incompetente para julgar o caso.

“Você já viu alguém comemorar porque pode pegar uma pena maior do que antes? Não faz sentido”, afirmou Moreno, ainda sobre a reação do estafe de Neymar.

O caso envolve também os pais de Neymar, o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rossell, atualmente preso por outras acusações, o atual principal mandatário do clube, Josep Maria Bartolomeu, e Odílio Rodrigues, que presidiu o Santos, além dos dois clubes.

A declaração rebatida por Moreno foi a seguinte demonstração de confiança dada por Bezerra ao UOL Esporte: “a notícia é boa para nós porque já é o segundo juiz que se considera incompetente para julgar o pedido da DIS. Isso enfraquece o pedido. Agora o juiz alegou incompetência  porque ele só cuida de casos com pedido de prisão até cinco anos. Eles pediram seis. Outro ponto favorável para nós é que a Justiça, na Espanha e no Brasil, já entendeu os valores recebidos pelo Neymar como sendo salário”.

As duas partes também esbanjam otimismo em relação ao pedido de condenação. Para a DIS, as provas contra Neymar são absolutas, e o fato de Honrubia calcular que a pena pode chegar a seis anos seria um indício de que a punição é viável.

Do outro lado do muro, o estafe do jogador do PSG diz ter certeza de que ele não será preso. Primeiro por considerar não existirem provas de que foi cometido crime na transferência dele para o Barça. Para a DIS, houve uma simulação entre os envolvidos para diminuir a quantia que a empresa tinha a receber pelos 40% dos direitos econômicos.

A defesa do astro da seleção brasileira também justifica sua posição otimista com o fato de o jogador ser primário. Pelas leis espanholas, ele só poderá ser preso ser for condenado a mais de cinco anos. O entendimento é de que um réu primário não pegaria pena perto da máxima e teria a condenação transformada em multa.

Mas a hipótese de condenação não é levada em conda pelo estafe do atleta, que sempre alegou inocência.

Em nota, a assessoria de imprensa de Neymar também afirmou que ao se declarar incompetente para julgar o caso, Honrubia, “reforça o pedido que foi negado à defesa”, que “contestava a competência desta corte em julgar o caso. Consequentemente todos pedidos e atos praticados por essa corte tornam-se nulos”.

Completando a demonstração de otimismo, o comunicado afirma que “fica claramente demonstrado que a Espanha não tem jurisdição para julgar a demanda da DIS”.
Oficialmente, Neymar foi vendido pelo Santos por 17,1 milhões de euros. O Barcelona pagou 40 milhões de euros para a N&N, pertencente aos pais do jogador. A empresa entende que essa quantia fazia parte da negociação pelos direitos econômicos. Assim, deveria entrar na conta dos 40% a que ela tinha direito.
Leia também:

 

VAR tem simpatia dos primeiros, mas ideia do Inter ainda não decolou

Leia o post original por Perrone

Pelo menos três dos outros quatro primeiros colocados do Brasileirão são simpáticos à ideia do uso do VAR nas últimas rodadas da competição, como propõe o Internacional. Porém, o projeto do time gaúcho (3º colocado) ainda não decolou.

De seis clubes indagados nesta segunda (29) sobre o tema pelo blog, apenas o Grêmio havia sido procurado pelo presidente do Internacional, Marcelo Medeiros.

O cartola colorado quer entregar um abaixo-assinado para a CBF pedindo o uso do VAR na reta final do Brasileirão.

“Sim (fui procurado pelo Inter). Eles vão fazer um documento. O Grêmio (5º colocado) mantém sua posição inicial de concordância, mas entende que (o assunto) deve passar pelo conselho técnico da CBF”, afirmou o presidente do tricolor gaúcho, Romildo Bolzan.

Ou seja, para a direção do gremista não basta a assinatura, é necessária uma reunião dos clubes da Série A na confederação para aprovar a novidade, o que evitaria eventuais questionamentos futuros.

Líder do campeonato, o Palmeiras também não foi procurado nesta segunda para tratar do tema. Mas, seu presidente, Maurício Galiotte, segue como defensor do uso do VAR o mais rapidamente possível. No entanto, procurada, a assessoria de imprensa do clube disse que a diretoria não comentaria a proposta do Inter.

O Flamengo é outro que não tinha recebido pedido do Internacional para assinar o documento. “Não foi procurado, mas sempre apoiei o VAR”, declarou ao blog Eduardo Bandeira de Mello, presidente do vice-líder do Brasileirão.

Já o São Paulo, quarto colocado, não respondeu sobre o assunto até a publicação deste post.

José Carlos Peres, presidente do Santos, sétimo na classificação do Nacional, também afirmou que não tinha sido procurado pelo Inter. Ele declarou que apoia o uso imediato do VAR “sem dúvida”.

O blog não conseguiu falar com a diretoria do Atlético-MG, que ocupa a sexta posição na tabela.

Fora da briga pelo título e ainda tentando se afastar da zona de rebaixamento, o Corinthians ainda não recebeu pedido para assinar o documento, segundo seu departamento de comunicação. O clube não se posicionou sobre o assunto.