Arquivo da categoria: São Paulo

Como o Corinthians tenta evitar a penhora da taça do Mundial de 2012

Leia o post original por Perrone

Evitar a penhora da taça do Mundial de Clubes conquistada pelo Corinthians em 2012 é um ato de interesse público, de acordo com o recurso movido pelo departamento jurídico do clube. Isso por conta dos milhões de fãs do time. Na argumentação, os advogados falam da possibilidade de a torcida alvinegra ser a maior do país, superando a do Flamengo.

O recurso do alvinegro contra o pedido de penhora feito pelo Instituto Santanense de Ensino Superior será julgado definitivamente nesta quarta (20), após o clube conseguir a suspensão da penhora liminarmente. Não houve acordo entre as partes para acabar com o processo no qual a universidade cobra uma dívida de cerca de R$ 2,48 milhões.

“É até ridículo imaginar que a taça realmente pudesse ser levada para um depósito judicial, depois a leilão e arrematada por qualquer um, a ser colocada em qualquer canto de um particular, sem que os milhões de corintianos possam ter acesso para reverenciá-la e se alegrarem ao vê-la. O cancelamento imediato da penhora da taça constitui interesse público, inclusive!”, diz trecho da petição que conseguiu a liminar suspendendo o “bloqueio” do troféu. O mesmo documento será analisado para a decisão definitiva da Justiça sobre a penhora.

Os advogados alvinegros sustentam que o valor da taça é mais sentimental do que material, por isso ela não deve ser objeto de penhora. “Sentimental não só à instituição agravante (clube), mas à nação, à torcida, às dezenas de milhões de corintianos – que vale mencionar é uma das maiores torcidas do Brasil, senão a maior, conforme as pesquisas que se fazem e se publicam na mídia”.

O caneco conquistado em 2012 é definido na petição como a maior conquista do clube. Para dimensionar o feito e reforçar o valor sentimental do troféu, a defesa corintiana traz uma lista de campeões mundiais. “Vejam, excelências, que, segundo a página oficial da Fifa, somente nove clubes em todo o mundo detêm tal título, dentre esses, apenas três são times brasileiros, a saber: Sport Club Corinthians Paulista, São Paulo FC e Internacional. Ressalte-se ainda, que o Corinthians, ora agravante, é o único time bicampeão do torneio sub examine”. A petição não leva em consideração a era intercontinental de disputas na qual se enfrentavam apenas os campeões da Europa e da América do Sul.

Qualquer que seja a decisão sobe a penhora, a ação de execução irá continuar, a menos que as partes cheguem um acordo. O Corinthians alega que também tem um crédito a receber do instituto. No entanto, ele é inferior à dívida.

 

Dirceu Maravilha compara meia Hernanes a carro 1.0

Leia o post original por Craque Neto

Durante sua análise sobre o clássico entre São Paulo e Palmeiras, o narrador Dirceu Maravilha, comentarista de ‘Os Donos da Bola’, criticou o futebol apresentado pelo capitão Hernanes.

O post Dirceu Maravilha compara meia Hernanes a carro 1.0 apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Opinião: problema maior do São Paulo é perder tempo esperando Cuca

Leia o post original por Perrone

A derrota para o Palmeiras, por 1 a 0, fez a torcida do São Paulo explodir de novo contra a diretoria do clube. Foi mais um clássico perdido, porém, perder para um grande rival ou para qualquer outro time não é o principal problema da equipe do Morumbi neste momento. O grande drama é que o trabalho de Cuca, efetivamente, ainda nem começou. Aconteça o que acontecer na provisória era Vágner Mancini, ainda haverá uma reconstrução. Ou seja, enquanto os adversários tem um rumo definido e tendem a evoluir, os tricolores, em tese, vão voltar à estaca zero quando o novo treinador chegar.

É desesperador para a torcida saber que o time vai mal e a reorganização ainda nem começou. Por mais que Cuca passe diretrizes para Mancini, muita coisa vai mudar quando ele começar a ficar à beira do gramado.

Nesse cenário, é justo o são-paulino se voltar contra Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. O presidente voltou a ser xingado logo depois do gol do Palmeiras no Pacaembu. Parte da torcida também critica Raí, outro que merece ser cobrado.

A dupla é, na opinião deste blogueiro, é a principal responsável pela dramática situação atual. Claro que a gestão tem seus acertos. Raí por exemplo faz um importante trabalho de reestruturação de rotina no CT da Barra Funda com mentalidade profissional. Contratar Pablo foi outra decisão acertada, depois da ótima temporada feita por ele em 2018. A diretoria não tem culpa se o atacante ainda não rendeu da mesma forma em 2019.

Só que os dois dirigentes cometeram três erros graves e em sequência, na minha opinião. O primeiro foi demitir Aguirre na reta final do último Brasileirão. No geral, seu trabalho não foi tão ruim para justificar a queda naquele momento. Mais sensato seria esperar o final do campeonato, fazer uma avaliação e decidir o rumo a ser tomado.

A segunda falha foi efetivar Jardine como técnico. Era uma aposta de risco e que em caso de fracasso obrigaria o time a fazer mudanças com a temporada seguinte já em andamento. Deu errado. A falha custou a Libertadores e um atraso no planejamento.

Para completar, a diretoria optou por uma solução nada convencional aceitando esperar por Cuca e escalando Mancini como técnico interino. Um clube profissional não pode perder tempo. Sem dúvida Cuca é uma boa contratação, mas Leco e Raí parecem não terem calculado o quanto a espera por ele poderia prejudicar o time. Em qual momento do ano o novo treinador vai ter o time na mão, jogando como ele gosta? A temporada toda já não estará comprometida? Não seria melhor escolher outro técnico, mas que fosse uma solução imediata?

Não era difícil de prever o cenário pessimista. Por isso, é impossível não responsabilizar Leco e Raí pelo estágio atual da equipe. Pior para os são-paulinos é que não há o que a diretoria possa fazer, além de torcer para que Cuca chegue logo e como salvador da pátria, dando resultados imediatamente.

 

São Paulo pode ter mais um ano de muitas decepções.

Leia o post original por Nilson Cesar

O São Paulo não para de cometer erros. Cuca precisa fazer milagre para tentar reinventar o Tricolor. Não será nada fácil. Alem de tentar extrair o máximo de futebol do seu elenco, irá ter que trabalhar e muito o aspecto emocional e psicológico do grupo. Trata-se de um grupo abatido, com pouquíssimo poder de reação. Isso não condiz com um clube 3 vezes campeão mundial, com 3 Libertadores e 6 vezes…

Fonte

Órgão que fiscaliza direção do SPFC vê demora em entrega de documentos

Leia o post original por Perrone

Membros do Conselho Fiscal (CF) do São Paulo reclamam internamente de falta de estrutura para o funcionamento do órgão e de demora da direção para a entrega de documentos. Os problemas estariam atrapalhando seu trabalho e dificultando a elaboração de outros relatórios como o que apontou a contratação e a liberação de Diego Souza como exemplos de má gestão.

Essa situação foi relatada ao blog por dois dos cinco membros efetivos do órgão. Eles, que pediram para não terem seus nomes divulgados, afirmam aguardar a entrega de uma série de documentos para poder analisar outros casos. Na fila estão contratos assinados com jogadores, prestadores de serviços e concessionários do estádio, entre outros. Por meio de sua assessoria de imprensa, a diretoria afirmou que não se manifestaria sobre o assunto.

O órgão também pediu para a direção uma secretária exclusiva, mas não foi atendido, tendo que utilizar os serviços de duas funcionárias que trabalham para três conselhos do clube. Por outro lado, o CF conseguiu junto à diretoria a reforma de sua sala e a troca de seus móveis.

No entorno de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, presidente do São Paulo, o discurso é de que a direção entrega todos os documentos que entende fazerem parte do escopo do trabalho do Conselho Fiscal. E que o prazo de entrega depende da complexidade do pedido e da disponibilidade dos departamentos do clube, pois eles não podem parar suas atividades diárias para providenciar a documentação.

Já no CF há a preocupação de desvincular seu trabalho da pressão política sofrida por Leco. Os integrantes do órgão afirmam não apoiarem o movimento que pede a renúncia do presidente. Sustentam que a intenção é executar suas funções estatutárias e alertar a diretoria para corrigir eventuais erros.

Areia, lama e grama rala ‘enterram’ fama do gramado da Arena Corinthians

Leia o post original por Perrone

Em pouco menos de cinco anos, o gramado da Arena Corinthians foi de exemplar a motivo de críticas de jogador do próprio clube e de adversários. A decadência do campo, até então, motivo de orgulho dos alvinegros, é pontuada por queixas de grama rala e excesso de terra para cobrir supostas falhas.

No último domingo, o goleiro Cássio e o atacante santista, Rodrygo, reclamaram publicamente da situação da grama, após o clássico entres as esquipes pelo Campeonato Paulista. No entanto, o blog apurou que comentários sobre problemas com o campo também foram feitos internamente por jogadores do São Paulo após a derrota por 2 a 1 para o rival pelo Estadual, no mês passado.

Entre os são-paulinos, ainda conforme apuração do blog, o comentário interno foi de que o gramado estava duro, ralo e que as falhas estavam cobertas com areia e algo similar a um corante verde.

Cássio, por sua vez, “jogou areia” publicamente na fama do gramado alvinegro. “Até nos próprios gols tem muita areia, difícil, tento pegar na bola mas a bola não sai bem”, disse o ídolo corintiano ao explicar uma falha no clássico com o Santos.

Também depois do empate sem gols entre os rivais alvinegros, o santista Rodrygo se queixou. “O gramado está muito diferente do que (aquele em) que jogamos no ano passado, cheio de lama, meio estranho ali no meio”, afirmou o jogador do Santos ao SporTV.

O blog procurou a World Sports, empresa responsável pelo gramado do estádio corintiano, mas foi informado de que, por conta de cláusula contratual, a empresa só poderia se manifestar por intermédio do clube. Já a assessoria de imprensa do Corinthians afirmou que não comentaria o assunto.

No final de janeiro, Andrés Sanchez, presidente alvinegro, declarou que o gramado estava prejudicado por um fungo que o atacou. O discurso interno da diretoria atualmente é de que a situação do campo melhorou e que ele estará bom para os mata-matas do Campeonato Paulista.

Negociações suspeitas em cifras milionárias marcam diretoria do São Paulo

Leia o post original por Craque Neto

A insatisfação de parte do conselho do São Paulo vem movimentando os bastidores do clube. A maior parte da cúpula não apoia o trabalho do diretor de futebol Raí, que tem contratado jogadores de alto valor que não trazem resultado em campo. As parcerias com empresários também são bem discutíveis e suspeitas. Isso sem contar que o presidente Leco manda, desmanda e brinca com os cofres do clube. Para se ter ideia entre bancos daqui do Brasil a instituição São Paulo Futebol Clube deve mais de R$ 65 milhões em empréstimos. Portanto pra mim fica muito claro: o principal responsável […]

O post Negociações suspeitas em cifras milionárias marcam diretoria do São Paulo apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Opinião: discurso de Mancini mostra como SPFC se atrasa por Cuca

Leia o post original por Perrone

Ao explicar a ida de Diego Souza para o Botafogo, Vagner Mancini disse que “dentro do planejamento, daquilo que vai ser feito no São Paulo, optou-se por isso”. A declaração dada depois do empate deste sábado com a Ferroviária em um gol, no Pacaembu, mostra, na opinião deste blogueiro, o quanto o clube do Morumbi se atrasa ao esperar por Cuca.

A afirmação poderia ser completada com “depois que o novo treinador chegar”. O sinal de compasso de espera é claro. A explicação também dá a entender que a saída de Diego Souza foi um pedido de Cuca e que ele se livrou do desgaste de trombar com o veterano, pois chegará com a “casa arrumada” para iniciar seu trabalho. O plano parece ser o mesmo em relação a Nenê.

Ou seja, o São Paulo está se preparando para receber seu treinador quando deveria aproveitar o tempo de sobra sem a Libertadores para chegar no Brasileirão na ponta dos cascos. A equipe evolui devagar com Mancini. E corre alto risco de passar por mais mudanças com Cuca, retardando mais ainda sua evolução. A chance de chegar no Nacional mais afinado do que os rivais desgastados pela Libertadores vai diminuindo.

Prova desse atraso é a dependência que a equipe mostrou contra a Ferroviária em relação a Hernanes, autor do gol de empate. Apagado no primeiro tempo, ele foi o jogador tricolor mais importante na etapa final, atuando como segundo volante. Uma sequência executando a mesma função já poderia ter feito seu futebol crescer, mas o problema não é esse. Depender de veteranos é algo dramaticamente arriscado no Brasileiro.

O próprio São Paulo sentiu isso na pele no Nacional de 2018. Diego Souza e Nenê foram muito bem no primeiro turno e fizeram o torcedor sonhar com o título. No segundo, porém, caíram de rendimento e deu no que deu. É muito difícil para todo jogador se manter em alto nível durante o Brasileirão inteiro. Ainda mais para veteranos por causa de questões físicas. Com Hernanes não vai ser diferente. Nesse estágio do ano já era para a equipe do Morumbi ter mais gente dividindo a responsabilidade de decidir com ele.

Antony desponta como o futuro do São Paulo. Sua habilidade é acima da média do futebol brasileiro. A maturidade do destaque da última Copa São Paulo também. Mas ele precisa de um time com projeto e estilo de jogo definido para evoluir. Esse ritmo de “vamos tocando enquanto o professor não chega” é péssimo pra ele. Cuca tem muito a contribuir para a carreira da joia são-paulina.

Taticamente, o São Paulo evolui lentamente com Mancini. A questão não é se estaria melhor com Cuca. O ponto é que a partir da chegada do novo técnico, em tese, o São Paulo tem um rumo definido, não fica sujeito a subir dois degraus e descer um. A diretoria, mais uma vez, pode perceber o tamanho do risco de sua aposta quando for tarde demais.

Cobrada em 2018 por enchentes no SPFC, prefeitura prevê gasto de R$ 327 mi

Leia o post original por Perrone

Documento obtido pelo blog mostra que em julho do ano passado a prefeitura paulistana foi alertada para tomar providências com o objetivo de evitar enchentes na região em que ficam a sede social do São Paulo e o Morumbi. Nó último dia 2, após fortes chuvas na capital paulista, o clube ficou alagado, sofreu significativos danos e precisou ser interditado. Nem seu estádio saiu ileso.

Ofício identificado pelo número 140/2018/PR-BT, datado de 12 de julho do ano passado, assinado pelo então prefeito regional do Butantã Ricardo Granja e enviado para Vítor Aly, titular da Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras (Siurb), mostra que órgãos ligados à prefeitura foram instados a agir. A carta solicita ao secretário “o atendimento de demandas que chegaram a esta prefeitura regional: o problema de enchentes entre o Colégio Porto Seguro e São Paulo Futebol Clube localizados no final da Avenida Jules Rimet – Morumbi, precisamente o córrego do Antonico”.

O comunicado não deixa claro quem fez o pedido de providências, porém o blog apurou que entre os solicitantes estavam dirigentes tricolores que procuraram o subprefeito, ex-diretor do São Paulo.

Procurada pelo blog, por meio da Secretaria Especial de Comunicação, a prefeitura afirmou em nota que na ocasião Aly se reuniu com Granja e explicou que a construção de um reservatório na região entre o Porto Seguro e o São Paulo está prevista no programa de PPP (Parceria Público-Privada) para a construção de piscinões na cidade. O valor da obra está calculado em R$ 87 milhões. O comunicado também afirma que estudos indicam a necessidade de mais duas intervenções na região ao custo de R$ 240 milhões juntas. Ou seja, as três obras custariam R$ 327 milhões. No entanto, o comunicado não diz se há previsão para a realização dos trabalhos (leia a resposta completa da prefeitura no final do post).

Citado no ofício de 2018, o Córrego do Antonico passa debaixo do estádio do Morumbi. Algumas das ações pedidas pelos cartolas são-paulinos são a construção de um piscinão na praça Roberto Gomes Pedrosa, em frente ao portão principal do estádio, de outro menor na altura do portão 10 do clube e o deslocamento da galeria que passa por baixo do clube para uma área lateral. O problema de alagamento no clube é antigo, mas a última enchente fez mais estragos.

Confira a nota completa enviada pela Secretaria Especial de Comunicação da prefeitura:

“O secretário de Infraestrutura Urbana e Obras, Vitor Aly, se reuniu com Ricardo Granja, ex-subprefeito do Butantã, que foi informado que a construção de um reservatório na região entre a sede do São Paulo e o Colégio Porto Seguro está prevista na PPP dos Piscinões, com custo estimado em R$ 87 milhões. Estudos apontam a necessidade de construção no Córrego Antonico de um segundo reservatório, além de uma interligação entre os dois piscinões sob a Avenida Jules Rimet. Juntas, as duas últimas obras têm investimentos previstos de R$ 240 milhões.

A Secretaria Municipal das Subprefeituras informa que (após a última enchente) equipes já finalizaram os serviços de limpeza, capinação e retirada de lixo na Praça Alfredo Gomes. O trabalho foi realizado com duas retro escavadeiras, cinco caminhões e doze homens concentrados na raspagem manual. Além disso, três caminhões e nove funcionários ficaram responsáveis pela limpeza dos bueiros.

Na Avenida Jorge João Saad, foi realizada a raspagem da rua, retirada do lixo e barro, e em seguida, realizaram a lavagem. Equipes permanecem realizando a limpeza de bueiros no local. Já foram recolhidas 68 toneladas de lama em oito caminhões.

Foi feita, também, a manutenção nas galerias e caixas de inspeção no entorno, além da limpeza do Córrego Antonico.

Serviço

Em 2018, a Subprefeitura Butantã realizou serviços de poda em 5.451 árvores e outras 922 foram removidas. Além disso, foram feitos serviços de limpeza mecânica 10.534 vezes nas bocas de lobo da região; 750 poços de visita; 16.787 metros de ramais; e 8.472 metros de galerias. As equipes de áreas verdes realizaram serviços de corte de mato e grama em 3.588.767 m². Também foram recolhidas 2,5 mil toneladas de desassoreamento e outras 1,1 mil por meio de limpeza mecanizada de piscinão”.