Arquivo da categoria: São Paulo

O que tirar de positivo dessa bagunça?

Leia o post original por Craque Neto

Quem não acompanha muito futebol e vê o São Paulo na liderança de seu grupo deve achar que o time está bem estruturado e jogando o fino da bola. Mas nada disso! O Tricolor superou o Bragantino por 2 a 0 e voltou a vencer um partida após três rodadas sem vitórias no Estadual. Isso sem contar a ELIMINAÇÃO vergonhosa para o Talleres na pré-Libertadores. Muito dessa má fase vem da péssima gestão administrativa do clube. Aliás, não pode ser coincidência: desde 2015, ano em que o Leco assumiu a presidência, o São Paulo não é campeão e só acumula […]

O post O que tirar de positivo dessa bagunça? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Leco procurou Raí para descartar demissão após pedido de conselheiros

Leia o post original por Perrone

Foto: Marcello Zambrana/AGIF

Pouco depois de ouvir conselheiros pedirem a cabeça de Raí, no último sábado (23), o presidente do São Paulo procurou o diretor executivo de futebol para dizer que não existe possibilidade de a reivindicação ser atendida. Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, estava no CT da Barra Funda, onde foi a reunião, e decidiu procurar o ex-jogador assim que leu a notícia do encontro no UOL Esporte.

Na reunião, Leco já havia sinalizado que não pretende demitir Raí e Alexandre Pássaro, gerente executivo e que também teve sua saída cobrada. Porém, o cartola ficou de analisar outras sugestões de seus interlocutores.

Leco não esperava que o conteúdo da reunião virasse notícia. Ao saber da publicação, decidiu falar imediatamente com o diretor executivo para evitar que ele interpretasse estar enfrentando um processo de fritura. O diálogo sobre o tema foi rápido e, segundo duas pessoas que convivem com Raí, ele não demonstrou preocupação.

No episódio, o ex-jogador ganhou apoio de aliados de Leco, que se manifestaram internamente repudiando o pedido de demissão do cartola. Parte deles, crítica Leco por ter recebido o grupo que se define como sendo de oposição, mas tem aumentado seu acesso ao presidente.

A avaliação no entorno de Raí e Leco é de que o diretor executivo escapou sem abalos do pedido de degola. Ele já vinha enfrentando questionamentos até de membros do Conselho de Administração do São Paulo que consideram os resultados obtidos pelo time incompatíveis com a estrutura que o ex-jogador ajudou a montar no departamento de futebol.

Normalmente, Raí não demonstra abatimento com as queixas em relação a seu trabalho. Após os baques sentidos com a eliminação antes da fase de grupos da Libertadores e com a derrota no clássico com o Corinthians, por 2 a 1 , ele tem passado mensagens de otimismo no CT são-paulino. O discurso do executivo é de confiança numa retomada depois de ver seu próprio projeto com Jardine fracassar e refazer os planos com o interino Mancini e, depois, Cuca.

Com José Eduardo Martins e Bruno Grossi, do UOL, em São Paulo

Acordo acaba com ação depois de conselheiro do SPFC ser chamado de santista

Leia o post original por Perrone

Acordo feito nesta terça (19) acabou com uma curiosa disputa na Justiça entre conselheiros do São Paulo. Antônio Donizete Gonçalves, o Dedé, pedia indenização por danos morais por ser chamado de santista por José Francisco Cimino Manssur. Em audiência na 26ª Vara Cível de São Paulo, porém, o acusado se comprometeu a não declarar mais que o colega de conselho não é são-paulino.

“O réu (Manssur) atesta que não tem nenhum elemento para afirmar que o autor (Dedé) não é torcedor do São Paulo Futebol Clube. Que o réu lamenta os ataques que o autor sofreu por parte da torcida organizada e que nunca mais divulgará para quem quer que seja que o autor é torcedor de outro clube ou qualquer outra mensagem ofensiva”, diz trecho do acordo. Gonçalves afirma ter sido alvo de hostilidades de membros de torcida uniformizada após ser chamado de santista.

Dedé também se comprometeu a não atacar o colega. Ele havia colocado em dúvida serviços prestados por Manssur como advogado para o clube. “O autor atesta que não pretende equiparar qualquer conduta do réu à prática de estelionato e também se compromete a não divulgar qualquer informação ofensiva ao réu”, está escrito em outra parte do termo da audiência.

Manssur foi um dos cartolas em que o ex-presidente Juvenal Juvêncio, já falecido, mais confiava. Dedé se caracterizou por criticar a atual gestão, mas acaba de aceitar convite para assumir o novo Departamento de Esportes Sociais (DES), como revelou o blog.

Situação do São Paulo é bem preocupante .

Leia o post original por Nilson Cesar

O São Paulo tem uma equipe de futebol com bastante deficiência técnica . Quando isso ocorre precisa tentar com muita aplicação , transpiração e força . Não vejo nada disso no tricolor . Cuca foi contratado e só deve assumir em abril . O ano parece que já está perdido . Lutar por uma vaga na Libertadores deve ser uma meta no campeonato brasileiro . Erros consecutivos da diretoria e os jogadores não…

Fonte

Previsão para clássico em Itaquera: meias sonolentos, chuveirinhos e erros

Leia o post original por Perrone

A armação não funciona. Faltam criatividade, tabelas, triangulações e os atacantes sofrem pra receber a bola.

Esse cenário desolador se aplica tanto para o Corinthians como para o São Paulo, adversários neste domingo (17) em Itaquera pelo Campeonato Paulista.

Na maioria das partidas das duas equipes nesta temporada, os ataques pouco produziram por conta das dificuldades de criação dos meias. Coisa de dar sono no torcedor.

Mas esse defeito em comum não representa tendência de um jogo chato. Os erros de passes e das defesas das duas equipes têm gerado chances de ouro para os adversários. Caso isso se repita, teremos emoção na Arena Corinthians.

Do lado alvinegro, Jadson tem produzido muito menos do que se espera dele na armação. E Sornoza ainda não foi para ele um companheiro eficiente na criação das jogadas. O cruzamento para Gustavo é uma das poucas coisas que funcionam no time de Fábio Carille.

No São Paulo, quem não consegue armar é Diego Souza. Hernanes, aparentemente sem ritmo de jogo, não conseguiu ajudá-lo. Nenê é outra opção criativa que não funciona.

As duas defesas ainda não se acertaram. No São Paulo, quando Jucilei joga a lentidão deixa a zaga desprotegida. No Corinthians, Henrique e Manoel dão frio na barriga do torcedor.

Dificuldades semelhantes dão equilíbrio ao clássico. Teoricamente chuveirinhos tendem a ser frequentes. No ataque corintiano porque é praticamente a única jogada que  tem dado resultado.

Pelo São Paulo é de se esperar que o experiente e pragmático Vágner Mancini aposte nas bolas áreas, responsáveis por acelerar os batimentos cardíacos da Fiel.

Espera por Cuca incomoda aliados de Leco no São Paulo

Leia o post original por Perrone

Imagem: Marcello Zambrana/ AGIF

A forma encontrada pela cúpula do São Paulo para substituir André Jardine trouxe desgaste político ao presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, dentro da coalizão que apoia sua gestão. O cartola é criticado pela maneira como foram administradas as últimas horas de Jardine e até pelo fato de não ter consultado membros de grupos aliados sobre a decisão de esperar por Cuca. Raí, executivo de futebol, também é alvo dos disparos já que o tema está entre suas atribuições.

O blog ouviu três líderes de alas aliadas que se disseram descontentes. Mais dois conselheiros situacionistas afirmaram o mesmo. Um terceiro nome importante de apoio à situação preferiu não se manifestar sobre por participar diretamente da gestão. Todos falaram sob a condição de não terem seus nomes revelados.

As insatisfações começaram quando conselheiros viram Jardine dar entrevista coletiva sozinho após a eliminação na Sul-Americana diante do Talleres, sem as presenças de Raí e Leco. O sentimento é de que o técnico foi abandonado naquele momento.

Um dos principais motivos de incômodo é o fato de Leco e Raí terem aceitado esperar até abril para que Cuca assuma o comando do time efetivamente. Enquanto isso, o coordenador de futebol Vagner Mancini, que no início do ano havia descartado a possibilidade de treinar a equipe, segura a prancheta.

Esses críticos interpretam a opção pela espera como sinal de desespero por parte da direção e, para parte deles, até de amadorismo. Alguns pretendem questionar Leco sobre qual é o plano para o caso de o treinador interino sofrer uma série de derrotas e para a hipótese de Cuca ter problemas médicos e ficar sem condições de assumir integralmente o cargo em abril. Existem também questionamentos sobre o que fazer com Mancini se ele fizer o time deslanchar, apesar de o interino dizer não ter interesse em continuar no cargo.

Entre os apoiadores de Leco há também os que ficaram magoados por não terem sido ouvidos pelo presidente antes de a opção por contratar Cuca e esperá-lo ser tomada. Uma das ideias era sugerir que o clube tentasse a volta do colombiano Juan Carlos Osorio. Outra sugestão seria deixar Mancini assumir e costurar com o futuro treinador uma preferência ao São Paulo para quando ele estivesse apto a trabalhar. Cuca é muito bem avaliado pelos aliados do presidente, que só não concordam com a condição de aguardar sua liberação médica.

Vale lembrar que o presidente são-paulino não tem estatutariamente a obrigação de consultar conselheiros ou outros poderes do clube para fechar as contratações de técnicos ou jogadores. Quem defende o dirigente diz que ele e Raí mergulharam em reuniões para definir o futuro da equipe praticamente desde o final do jogo com o Talleres, na última quarta (13), até a amanhã seguinte. Ou seja, não tiveram tempo de ouvir a base aliada sobre o assunto. A intenção era fechar a negociação rapidamente para não deixar o time sem rumo. O anúncio foi feito no final da manhã de quinta (14).

Apesar do descontentamento, os queixosos não falam em retirar o apoio a Leco. Porém, ao menos uma ala pretende dizer ao dirigente que episódios como esse tornam difícil manter a unidade dessa base de sustentação. Como mostrou o blog, recentemente o presidente tricolor aumentou sua força política se aproximando de antigos opositores.

O blog tentou falar com Leco por meio da assessoria de imprensa do clube, mas não obteve sucesso.

 

Cuca é a melhor solução para tempos de instabilidade

Leia o post original por Craque Neto

Após o vexame da eliminação na Libertadores o São Paulo agiu rápido e já anunciou seu novo treinador. Trata-se do Cuca, que volta ao clube após 15 anos. Isso mesmo! Em 2004 foi ele que montou a base da equipe que no ano seguinte conquistaria a Libertadores e o Mundial de Clubes. Ele é um profissional sério, que trabalha muito forte os conceitos táticos e que não gosta de jogador migué e encrenqueiro. Tenho a convicção que para esse período de instabilidade ele será a melhor solução para acertar o vestiário do Tricolor. Agora não pense o Leco – e […]

O post Cuca é a melhor solução para tempos de instabilidade apareceu primeiro em Craque Neto 10.