Arquivo da categoria: Sem bola

Escolhas

Leia o post original por Rica Perrone

É tentador. Diria eu que quase irresistível aceitar as provocações que comemoram o “eu avisei day” e partir pro conflito. De fato constrange alguém que votou no PT cobrar de você alguma coisa em tom moral. Mas acontece.

E quando acontece, entendo, especialmente em redes sociais, o ímpeto é procurar como defender o seu lado. Responder. Revidar.

Mas por um momento esqueça a existência desse sentimento natural de revanche e note a oportunidade. Bolsonaro fez suas escolhas. Na minha opinião, errou brutalmente e se suicidou como presidente. Desde o início da pandemia um festival de equívocos que o desqualificam pro cargo.

Se cabe ou não tirá-lo de lá? Não sei. Advogados que discutam. Mas se couber, hora da escolha.

E a escolha consiste em ter razão. Mas não por ter votado nele, e sim por tê-lo abandonado ou não.

Quem passou as últimas eleições discursando sobre político de estimação e não compreendendo o absurdo que nos soa um sujeito traído pelo PT continuar defendendo aquilo com unhas e dentes tem a oportunidade agora de reconhecer o erro do seu governo e, junto disso, a coerência de seu discurso.

Dar as costas a Jair Bolsonaro agora não é “covardia” ou “trairagem”. É exatamente o que nós pedimos que os petistas fizessem e questionamos não terem feito. Logo, mesmo com um cenário consideravelmente menos grave pois não envolve o maior roubo da história, temos o dever moral e a oportunidade de mostrar coerência e honestidade.

Me arrepender do voto? Difícil. Acho que jamais me arrependeria de votar na alternativa ao maior crime da história.

Mas manter o apoio e a fé na “boa fé”, também não dá.

A escolha agora é simples. O filho da sua vizinha roubou 5 mil da carteira da mãe e você achou um absurdo a mãe ter ficado do lado dele. Brigou, condenou a mãe, jurou que “comigo não seria assim”.

Agora o sua filho roubou, ainda que sejam 200 reais, da sua carteira. Te incomoda mais a vizinha dizer “tá vendo?!” ou ser como a sua vizinha e criar um marginal?

Escolhe. É fácil.

RicaPerrone

Humilhar pode. Aplaudir, não.

Leia o post original por Rica Perrone

O debate sobre os aplausos jornalísticos a Jorge Jesus após Flamengo x Gremio é interessantíssimo.  Pode a imprensa aplaudir alguém? E a isenção? Quando sai o jornalista e entra o torcedor? Primeira etapa desse debate é entender que os “influenciadores” – termo escroto usado pra não rotular um profissional que está ali fazendo o nicho…

O capitalismo jornalístico

Leia o post original por Rica Perrone

Pra Amazonia ninguém olhou por todo esse tempo. Bastou o governo não agradar a mídia que ela se tornou ambientalista. Bolsonaro é péssimo. Fala mal. Fala besteira. Alimenta uma mídia sedenta por frases infelizes, que é sua especialidade. O maior inimigo do governo é o próprio Bolsonaro. Suas brigas são absolutamente desnecessárias. Ou é muita…

Perdoem-nos

Leia o post original por Rica Perrone

Preocupado. A classe está desunida, sem rumos e sem critérios. Um patrimônio nacional sucateado pela própria falta de auto estima em tempos sombrios onde, por incrível que pareça, nossos corpos, vossas regras. Refiro-me ao gordo, é claro. Primeiro um gordo come a mulher do próximo e vaza na web. Um erro brutal, gordos sempre foram…

Um professor de física no primário

Leia o post original por Rica Perrone

Gremistas não são racistas. Colorados não agridem crianças. É uma idiotice do tamanho da dessa estúpida da imagem acima rotular torcidas e querer colocar clubismo numa discussão dessas. Há imbecís como essa mulher na torcida do Grêmio, do Vasco, do meu SPFC, de qualquer clube brasileiro. Simplesmente porque estamos num país onde essas pessoas existem…

Leitão e a censura

Leia o post original por Rica Perrone

Jornalista critica. Tudo. O tempo todo. Tendo ou não capacidade de avaliar, ele critica. É assim que ele é formado, pra ser contestador. Do contestador leigo ao especialista há uma diferença. E nesse meio a única semelhança entre quase todos os jornalistas é o corporativismo. Miriam Leitão foi desconvidada de um evento porque pessoas se…

Então, Galvão…

Leia o post original por Rica Perrone

Ídolo. Assim me refiro a Galvão Bueno e portanto aqui não vai uma linha irônica ou maldosa sobre o maior narrador que esse país já teve. Dono dos bordões mais notáveis do nosso esporte e voz oficial das maiores alegrias da minha vida. Hoje ao final do jogo ele e o Casagrande reclamaram da distância…