Arquivo da categoria: Sem Categoria

Dificuldade para rivais também é atrativo de grama sintética para Palmeiras

Leia o post original por Perrone

Além de poder jogar mais vezes em seu estádio, o Palmeiras vê como atrativo da possível implantação de gramado sintético no Allianz Parque a dificuldade técnica que poderia trazer para os adversários.

Alexandre Mattos, em companhia de outros representantes do clube, está na Holanda para conhecer o trabalho de uma empresa credenciada pela Fifa para implantar a grama artificial em arenas.

O bom desempenho do Athletico, atual campeão da Copa do Brasil, em seu estádio com gramado sintético faz a direção palmeirense projetar uma vantagem técnica sobre os adversários a partir do momento em que os jogadores do alviverde se adaptarem ao novo piso, se houver a troca. Neste domingo (13), no entanto, a equipe paranaense perdeu em casa para o Flamengo por 2 a 0. O CT do Palmeiras também ganharia grama sintética para facilitar a adaptação dos jogadores. A ideia é viabilizar a instalação do novo piso antes do início da próxima temporada, se a mudança for feita.

A troca passa também pela análise da WTorre. Procurada, por meio de seu departamento de comunicação, a empresa afirmou que todas as possibilidades existentes são analisadas, mas que no momento segue a grama natural.

Por contrato com a WTorre, o clube tem que ceder estádio para a realização de shows e outros eventos. O entendimento da diretoria palmeirense é de que o campo sintético sofreria menos com essas atividades, por isso seria possível atuar mais vezes no Allianz Parque.

A  delegação alviverde deve ficar até a próxima quinta na Holanda. A viagem já estava marcada antes de o blog revelar que Mattos aluga apartamentos para membros da comissão técnica que têm pedidos de aumento de auxílio-moradia solicitados pelo diretor de futebol. A informação aumentou a cobrança de conselheiros contra o dirigente.

 

Chocho. Internacional 0 x 0 Santos.

Leia o post original por Mauro Beting

O Inter não tinha Guerrero, Moledo e não tem Dourado desde antes da parada da Copa América (e perderia Lindoso lesionado para o segundo tempo). O Santos não tinha Sánchez e Soteldo (mas tem Tailson). O clássico teve menos bola do que esses times jogaram na primeira empatada etapa. Apenas três chegadas perigosas paulistas – todas pra fora. Nenhuma gaúcha do time abalado que estreava o jovem e promissor Ricardo Cobalchini no Beira-Rio.

Talvez por isso o Inter tão fechado o 4-1-4-1 reativo e pouco dinâmico

contra o 4-3-3 santista, com Lucas Verissimo como lateral-direito, Victor Ferraz como volante para liberar Pituca, e Evandro perdido sem achar o jogo que pouco se viu na primeira etapa.

No tempo final, mais uma vez, o time de Sampaoli definhou fisicamente. Toda aquela intensidade inicial (e que não foi tudo isso em Porto Alegre) se esvaiu. Nenhum lance foi criado. Também porque as escolhas do treinador não foram boas. Jean Mota pouco fez, Alisson não era o caso, e Uribe não tem sido. Já o Inter equilibrou, foi melhor, teve quatro chances, um lance de gol bem anulado por impedimento de Parede (o quinto na temporada) e um pênalti que eu teria marcado num atropelo sofrido depois da disputa de bola.

Mas ainda foi pouco pelo que prefaciavam as equipes. Mas justo pelo que não fizeram.

Desafio ao canarinho. Brasil 1 x 1 Nigéria.

Leia o post original por Mauro Beting

Domingão de sol, 9 da manhã horário de Brasília, Seleção que não ganha havia três partidas, Nigéria jovem, em Singapura, e ainda com Neymar sentindo a coxa e saindo com menos de 10 minutos…

Não era mesmo para ver. E o Brasil fez tudo que se pede para não ser visto. Primeiro tempo para voltar a dormir como a equipe até o gol africano, numa arrancada área adentro brasileira de corar consciências. Casemiro e Artur afundados entre nossos zagueiros venda a banda passar, Marquinhos dando as costas ao meia nigeriano, o time de Tite meio que dando de ombros para tudo.

Depois do intervalo, o treinador sacou quem mais queria jogo (Cebolinha) e abriu Richarlison pela esquerda, mas caindo por dentro, dando o corredor para Renan Lodi pouco acrescentar. À direita, Gabriel Jesus seguiu mais vivo como todo o Brasil. Melhor do que o pálido Firmino e do que o perdido Coutinho, que não era o ponta-de-lança do 4-2-4/4-4-2 brasileiro, nem um armador para dar um pé aos distantes Artur e Casemiro.

O volante do Madrid ainda foi à área empatar depois de cruzamento. O Brasil melhorou com o recuo rival. Chegou mais vezes contra os pirulões da zaga adversária. Mas o goleiro titular Uzoho foi monstro até se lesionar na única falha. Teve de sair. Mas o Brasil seguiu sem saber entrar.

Demorou para Gabriel Barbosa ter a chance merecida. E demorou para ele se entender com um time que não conseguiu entreter a torcida que não foi em grande número. E não viu o Brasil em grande jornada. Mais uma vez.

Serviu pouco como experiência. Nem para grade de transmissão.

Apenas para pressionar Tite que ainda não achou o time e não reencontrou o futebol.

Roger Machado, o campeão de todos os campos

Leia o post original por Mauro Beting

Confesso. Algumas vezes não entendi o que Roger Machado falava. Sobretudo quando comentava futebol longe dos microfones. Mas não por culpa dele, preparado, sério, ético, vencedor, estudioso e inteligente que é. A culpa era minha. Eu não tenho essa capacidade dele. Esse conhecimento que é dele. Por fazer e jogar. Por saber e buscar conhecimento.

Roger é esse cara que até quem não gosta de futebol me perguntou de que planeta veio depois da entrevista quando enfrentou Marcão, treinador do Fluminense. Negro como ele. Ambos vestindo a camisa do Observatório da Discriminação Racial no Futebol.

Roger falou alguns fatos que insistimos em não dar bola. Ou ouvido. Atenção. Respeito. Falou porque sente mesmo na pele. Ou sabe mesmo como só por causa dela milhões sofrem. Há séculos.

Roger é daqueles campeões necessários em todos os campos. Professor pelo que ensina sem ser professoral. Apenas por querer passar o que é necessário. Conhecimento para iluminar.

E sem erguer o tom de voz. E nem mesmo uma bandeira. Só vestindo uma camiseta.

Opinião: Palmeiras precisa rever critérios de auxílio-moradia

Leia o post original por Perrone

A revelação feita pelo blog de que Alexandre Mattos aluga dois imóveis para membros da comissão técnica que tiveram reajustes em auxílio-moradia solicitados pelo diretor de futebol joga luz num tema pouco discutido no Palmeiras, mas que merece mais atenção. A ajuda dada para funcionários pagarem suas despesas com habitação deveria ser mais criteriosa.

Na opinião deste blogueiro não faz sentido empregados do clube receberem tal benefício a partir de um determinado patamar salarial. Pior, há casos de quem tem imóvel próprio e ganha o auxílio. Injustificável.

A ajuda deveria ser restrita a quem precisa. E quem tem casa própria em São Paulo, obviamente, não precisa. Quem ganha bem também não. Tal complemento deveria servir, na opinião deste blogueiro, apenas para funcionários que chegam de outra cidade com vencimentos insuficientes para bancar aluguel. O Palmeiras é um clube que paga bem. Ou seja, é pouco provável que membros da comissão técnica do time principal, jogadores e dirigentes remunerados tenham essa necessidade.

O presidente Maurício Galiotte poderia aproveitar o gancho para repensar o assunto e estabelecer critérios mais saudáveis para o Palmeiras. O cartola não deveria ficar restrito apenas à defesa incondicional de Mattos, que tem seus acertos e erros. O presidente de um clube desse tamanho precisa ter visão mais ampla e trabalhar diariamente para evitar gastos desnecessários.

Mattos aluga imóvel para quem tem auxílio-moradia no Palmeiras a seu pedido

Leia o post original por Perrone

Alexandre Mattos, diretor de futebol do Palmeiras, aluga dois imóveis de sua propriedade para integrantes da comissão técnica que ganham auxílio-moradia, benefício que passa pela solicitação do dirigente.

O auxiliar técnico Andrey Lopes e o preparador de goleiros Oscar Sevory Nunes Rodriguez moram em apartamentos comprados neste ano por Mattos na vizinhança do CT do Palmeiras. Antes de se tornarem inquilinos de seu chefe, eles receberam, a partir do pedido de Mattos, aumento no auxílio-moradia que já ganhavam.

Segundo registros dos imóveis obtidos pelo blog, Mattos sacramentou a compra dos dois apartamentos em 4 de abril. O cartola afirma ter sido em fevereiro. Em 15 de maio, o departamento de futebol do Palmeiras encaminhou para o departamento pessoal no mesmo documento pedidos de aumento para quatro funcionários. Andrey e Oscar estavam entre eles, porém, ambos tiveram também pedidos de aumento de seus auxílios-moradia. O documento, ao qual o blog teve acesso, foi assinado por Mattos.

Para ambos foi solicitado que o auxílio moradia passasse a ser de R$ 5 mil. O valor antigo não é descrito no documento, mas, segundo fonte no departamento de futebol palmeirense, o auxiliar recebia para ajudar nas despesas com habitação R$ 3.500 mensais e o preparador de goleiros R$ 4 mil. Oscar teve solicitação de acréscimo de R$ 10 mil em seu salário, o dobro da quantia de reajuste requisitada para Andrey. Os aumentos foram concedidos.

Em 1º de julho deste ano, menos de dois meses após Mattos ter feito a solicitação de reajuste do auxílio-moradia para Oscar, o preparador de goleiros se tornou seu inquilino. Sete dias depois, foi a vez de Andrey assinar contrato como locatário de um dos apartamentos do diretor de futebol.

Empresa

Os dois imóveis alugados pelos membros da comissão técnica do Palmeiras ficam no mesmo condomínio. Mas o apartamento escolhido por Oscar é exatamente o endereço indicado pelo diretor de futebol como sede de sua empresa, a Afmattos Assessoria e Gerenciamento Esportivo. Movimentação na ficha cadastral da empresa na Jucesp (Junta Comercial do Estado de São Paulo) registra a mudança do endereço da empresa para o local atual em 23 de maio.

Antes, a Afmattos tinha como endereço um imóvel na rua Padre Antônio Tomas de propriedade do Palmeiras. “Quando cheguei ao Palmeiras, o (então) presidente Paulo Nobre me pediu para montar uma empresa. Eu não tinha imóvel em São Paulo e segui as orientações do departamento jurídico do clube a pedido do presidente”, afirmou Mattos ao blog, que não localizou Nobre.

Funcionário nega, mas diretor confirma aluguel

Na última sexta (11), este blogueiro foi até o condomínio em que Mattos tem os dois apartamentos para procurar pelos membros da comissão técnica. Oscar estava chegando ao local praticamente no mesmo momento. Abordado, negou que tenha alugado o imóvel de seu diretor. “Sua informação não está correta”, disse com convicção. Indagado se o número de seu apartamento era um dos dois que correspondem às propriedades do dirigente, voltou a negar.

Em seguida, o blog procurou por Andrey junto à recepção. Obteve a confirmação de que seu número de apartamento corresponde a um dos imóveis do cartola. Após este blogueiro se identificar, o funcionário do condomínio interfonou para o auxiliar técnico e disse que ele estava descendo.

Porém, Oscar já tinha avisado a Mattos sobre as perguntas feitas a ele. O diretor telefonou para o blog e passou a concentrar as respostas. Andrey não desceu. Numa segunda tentativa, o recepcionista disse que ele não estava em casa.

Mattos confirmou ter alugado o apartamento para os dois funcionários e também ter solicitado aumento de auxílio-moradia, prática comum no departamento de futebol palmeirense para ambos. Isso após pedido dos funcionários, segundo sua versão. “Meus investimentos são pessoais, lícitos. Alugo imóveis para quem eu quiser”, disse o diretor.

Sobre ter solicitado aumento do auxílio-moradia para os dois funcionários, o dirigente afirmou não ver problemas éticos ou conflito de interesses. “Quando solicitei os reajustes, eles não eram meus inquilinos. E eu não decido se alguém vai ter auxílio-moradia ou não. Se alguém me pede, eu avalio, se for o caso encaminho para o RH, depois vai para o vice-presidente (Paulo Roberto) Buosi, em seguida, para o presidente (Maurício Galiotte)”, declarou o dirigente.

Indagado sobre se haverá conflito de interesses caso ele resolva aumentar os aluguéis e os dois funcionários solicitem novo reajuste no auxílio-moradia, Mattos disse que não porque a decisão final não será dele. Voltou a sustentar que ele apenas faz o encaminhamento.

O blog apurou que neste ano uma série de funcionários recebeu reajuste salarial. Parte deles tinha propostas de outros clubes. Segundo integrante do departamento de futebol palmeirense, jogadores e outros membros do setor também compraram imóveis no mesmo condomínio como investimento.

Cada um dos apartamentos adquiridos por Mattos tem 60,8 metros quadrados de área privativa. Por um deles o dirigente pagou R$ 539.385,53. O outro custou R$ 552.243,35. Os dados estão nas matrículas dos imóveis. O dirigente se comprometeu a pagar ambos parceladamente.

 

 

Em meio a polêmica, Célio Silva deixa cargo de técnico da base corintiana

Leia o post original por Perrone

O ex-zagueiro Célio Silva pediu demissão do cargo de técnico da equipe sub-13 do Corinthians, clube que defendeu como atleta, em meio a uma polêmica envolvendo a diretoria e um parceiro da agremiação.

A demissão foi comunicada em reunião na sexta-feira passada. A diretoria havia chamado o treinador para conversar sobre o planejamento do time que precisou ceder oito atletas para a equipe do Colégio Amorim disputar um torneio no exterior. A liberação afetou a equipe alvinegra que se preparava para jogar neste domingo com o São Paulo pelas quartas de final do estadual, em Cotia, no primeiro confronto do mata-mata.

O caso gerou polêmica no clube por desfalcar o Corinthians antes de uma partida importante contra um de seus principais rivais. A diretoria, no entanto, conseguiu adiar o jogo para a próxima terça. Os meninos voltam da excursão na segunda. A cessão dos atletas está prevista em contrato de parceria entre agremiação e instituição de ensino. Parte dos garotos que joga no alvinegro estuda no Colégio Amorim.

“Durante a reunião, falei que na próxima vez, era preciso conversar com a diretoria pra definir quais jogadores seriam liberados. Acho que talvez ele tenha pensado que estávamos passando a responsabilidade pra ele. Não é isso, a responsabilidade é da diretoria. Existe um acordo firmado. Mas acho que ele estava cansado e não pediu demissão por causa dessa questão envolvendo o colégio”, afirmou ao blog Carlos Nujud, diretor de futebol amador do Corinthians.

“Não teve problema nenhum. Estava enjoado, cansado, com dor no joelho, por isso pedi demissão. Não estava mais conseguindo dar treino. Vou aproveitar e antecipar uma cirurgia que  preciso fazer no joelho”, disse Célio Silva ao blog.

Por que Corinthians prevê corte amplo em restante de dívida com Odebrecht?

Leia o post original por Perrone

Na diretoria do Corinthians e na construtora o discurso é de que o clube terá que pagar bem menos do que os R$ 160 milhões calculados anteriormente para quitar sua dívida com a Odebrecht Participações e Investimentos (OPI).

A confiança vem principalmente do histórico de negociações entre companhias que pedem recuperação judicial e seus credores. A OPI está no grupo de empresas da Odebrecht que teve a medida aceita pela Justiça e contestada pela Caixa Econômica. O banco pede a falência do grupo, mas a construtora se apoia na palavra de especialistas de que a chance de isso acontecer é remota. E, apesar do tom bélico adotado atualmente pela estatal credora, aposta em uma negociação favorável.

Executivos da construtora e cartolas do clube entendem que é comum em casos de recuperação judicial credores darem desconto de cerca de 50% ou aceitarem deixar de cobrar juros para receberem apenas a dívida principal em prestações a longo prazo.

Para ajudar a tocar a obra do estádio corintiano, a OPI levantou R$ 350 milhões junto a Caixa por meio da emissão de debêntures. O cálculo hoje é de que com juros e outros encargos a dívida chega perto de R$ 700 milhões.

Corinthians e Odebrecht têm um acordo pelo qual o clube se compromete a pagar 25% do valor devido pela OPI para a Caixa. Se o cálculo for feito em relação aos R$ 700 milhões, o alvinegro terá que arcar com R$ 175 milhões. Mas, se for cobrado apenas o valor principal, como esperam Odebrecht e Corinthians, a parte do alvinegro cairia para R$ 87,5 milhões. Porém, dos dois lados existe a esperança de um desconto ainda maior.

Sendo concretizado o acordo da Odebrecht com seus credores por meio da recuperação judicial, a tendência é de um prazo confortável para o pagamento dessa dívida. A aposta é em pelo menos dez anos. O Corinthians teria o mesmo tempo para fazer o acerto. Por isso, o entendimento da diretoria é de que o acordo com a Odebrecht foi uma grande vitória do clube. Na outra ponta do trato, foi quitada a dívida do alvinegro com a OEC (Odebrecht Engenharia e Construção), ligada diretamente à obra da Arena Corinthians.

Hoje tem gol de todo mundo. Flamengo 3 x 1 Atlético Mineiro

Leia o post original por Mauro Beting

O Galo ainda mais desfalcado do que no domingo quando segurou o então vice-líder não ficou com a bola por mais de 25% de posse dela no primeiro tempo. O restante, ela e o BR-19 viram aos pés do também desfalcado líder do campeonato. Privado de Gabriel Barbosa, Filipe Luís, Rodrigo Caio e Arrascaeta. Da opção ao uruguaio Diego. Mas não dá qualidade impressionante de seu jogo fluido e intenso como se fosse um ótimo Porto – com o perdão da metáfora rasa.

Mas esse Flamengo de Jorge Jesus não perdoa. Até porque tem um Reinier de 17 anos que parece ter 17 anos só de Maracanã. Menor de idade e grande no futebol vestindo a camisa com os números desenhados por crianças. Linda ideia e mensagem.

Joga leve e solto na frente essa criança de 17 com a camisa 19 desenhada como se fosse criança como também joga muito esse repaginado Gerson no meio. Cria lances como Bruno Henrique na frente. Arma jogadas como Everton Ribeiro em qualquer lugar.

Fica com a bola sempre viva perto da área rival. Sufoca pela dinâmica, técnica e pelos arrastões da contrapressão na saída de bola rival. Não dá espaco e fôlego. Cria brechas com muito peito para jogar e correr.

E está jogando muito. Criou cinco chances na primeira etapa. Até que não foram tantas. Duas de pancadas de gente da defesa lá de longe – porque é preciso ter repertório. Ambas bem defendidas por Wilson, terceiro goleiro atleticano. Até o gol de cabeça de Arão depois de escanteio. Esse Arão que JJ redescobriu nos escombros do momento instável na Gávea.

Veio o segundo tempo e o empate atleticano com o bom Nathan marcando um golaço entrando na área e limpando até Diego Alves. Mas sempre passando aquela impressão que mesmo o bom trabalho mineiro no 5-4-1 sem espaços acabaria castigado pela bola do Flamengo. Talvez só não se esperasse que ela viesse a partir de Vitinho, vaiado nas primeiras bolas depois do intervalo. Exigido como ele não tinha esse talento para até 2018 ser o jogador mais caro da história do clube.

Mas Vitinho marcou um golaço para pagar pecados e dívidas com juros e correção futebolística. E teria mais. Reinier fazendo o terceiro gol depois de um lance de quermesse, cheio de balões e pixotadas na área mineira. Grande time também tem isso. Faz gols esquisitos.

Mas, hoje, esquisito mesmo é esse Flamengo não fazer gols e não ganhar jogos que abriram 8 pontos para Santos e Palmeiras.

Joga bola? Brasil 1 x 1 Senegal

Leia o post original por Mauro Beting

Gabriel Jesus tocou com categoria para Firmino ser ainda mais categórico e abrir o placar em Senegal contra Singapura. Ou o contrário.

Eram 8 minutos. Já era o melhor do Brasil de Tite em sua terceira partida sem vitórias. A pior sequência desde 2013 – quando os cinco jogos sem vitórias foram contra rivais de mais peso e camisa. Porque Senegal é bom time. Tem Mané que arrumou o lance do pênalti de Marquinhos no final da pálida primeira etapa de pouco brilho brasileiro.

Tem Koulibaly na zaga. Tem Gueye que rouba bolas no meio como poucos. E teve mesmo pouca bola para roubar de um Brasil que pareceu engessado demais no 4-4-2 proposto por Tite. Onde Neymar e Coutinho até trocaram de posição. Mas pouco se comunicaram. Pouco comungaram na distribuição de bolas. Também porque Arthur esteve tímido.

Tite também não ajudou na aceitação do jogo e das ideias. Alguns minutos ele tinha para fazer o melhor jogador no Brasil no momento (Gabriel Barbosa) entrar em campo. Não apostou. E o tirou de jogo importante do Flamengo pelo BR-19.

Não ajudou lá e cá. Acaba se atrapalhando. E criando mais problemas do que soluções para um time que precisa mesmo de mais jogo. Continuidade. Treino. E ao manter a base, precisaria de resultados melhores neste jogo cada vez mais resultadista e imediatista.

Não estão os fatos ajudando Tite. Mas ele também não está.

O que é muito diferente de querer mudança de nomes na CBF. Mas não é pecado cobrar mais bola. Muito mais.