Arquivo da categoria: Série B 2011

Poster do elenco

Leia o post original por milton neto

Identificando apenas os jogadores:

Na primeira fila(da esquerda para direita): Airton, Rogério, Peter,  Elton, Everton, Joelson, Elicarlos, Philip, Jefersom, Douglas, Moisés, Marcos Vinícius, Heider, Auremir, Gustavo e Ramires.

Na segunda fila: Waldemar Lemos, diretores e comissão técnica.

Sentados: goleiro da base, Gledson, Rodrigo Carvalho, Nilson, Kieza, Marlon, Derley, Eduardo Ramos, Neno, Alex Fraga, Ronaldo Alves, Diego Bispo,  João Ananias, Jeff Silva, ?, Lenon, Paulo Sérgio, Gideão e ?

Não tem o que comemorar!

Leia o post original por rodrigo wieler

Se para você terminar em 13º um campeonato com nível abaixo do pé como foi essa maldita Série B é motivo para comemorar, lamento por você.

Se para você ficar a “apenas” 9 pontos do último classificado para a Série A é motivo para comemorar, lamento por você.

Se para você ficar a 5 pontos do primeiro rebaixado para a Série C é motivo para comemorar, lamento por você.

Se para você ficar atrás de adversários que não devem nada a nós como Bragantino, Boa Esporte, Americana, Barueri, ABC, Goiás e Guarani é motivo para comemorar, lamento por você.

Se para você, em um campeonato de nível rasteiro como foi essa maldita Série B, não obter sequer 50% de aproveitamento dos pontos jogados é motivo para comemorar, lamento por você.

Se para você deixar de vencer quase metade das partidas em casa é motivo para comemorar, lamento por você.

Se para você contratar 4 times em um ano é motivo para comemorar, lamento por você.

Se para você, após o jogo de sábado, rolou um pensamento do tipo “Dos males, o menor!” na sua cabeça e comemorou o resultado, lamento por você.

Se para você uma vitória chulé como a de sábado é motivo para comemorar, lamento por você.

Se você comemorou por algum dos motivos acima, lamento por você. Afinal, você pensa pequeno, como dezenas de pessoas responsáveis por nossa administração e pelos resultados (não) alcançados nesses últimos anos.

The End!

Leia o post original por Douglas Nascimento

Demorou, mas acabou! O martírio da Série B acabou para a Portuguesa definitivamente na tarde de ontem, quando a equipe rubro-verde entrou em campo e decretou o rebaixamento do Icasa à Série C do Brasileirão.

Foi incrível ver a Portuguesa em campo jogando como se ainda precisasse ganhar alguma coisa. Mesmo classificados à Série A e com o título na mão a várias rodadas, o time não amoleceu e nem se rendeu à pressão de Juazeiro do Norte para manter o time deles na segundona. E em uma partida para lá de inspirada do nosso goleirão Weverton, voltamos para São Paulo, despedindo-se da Série B e de 2011 com um 2 a 0 no placar.

O elenco rubro-verde agora vai descansar, e eles merecem. Espero que 2011 não tenha sido o melhor ano da Portuguesa e que ano que vem possa ser ainda melhor.

Estamos felizes com o acesso e com o título, mas não podemos esquecer que as coisas ainda precisam mudar e muito lá pelos lados do Canindé. Que a campanha maravilhosa da Lusa em 2011 tenha sido apenas o primeiro passo. Amanhã é dia de eleição no clube, será um bom momento para mostramos que a mudança ainda irá continuar na Associação Portuguesa de Desportos.

Marco Antônio está fora ?

Segundo informações do repórter Edu Affonso, Marco Antônio dificilmente ficará no clube. Os valores da renovação,  tempo de contrato e as propostas de outros clubes, especialmente o Cruzeiro, seriam os maiores empecilhos à permanência do atleta. Por razões éticas o Blog da Lusa, embora saiba dos valores, não vai publicar nem quanto ele ganha, nem quanto ele pediu pra continuar. Porém lhe foi oferecido (e recusado) um aumento de 50%.

VIVA A LUSA!

P.S: Amanhã publico a resposta do “Figurinhas da Lusa #03” e depois em 28/11 este blogueiro entrará em período de férias. Durante as férias apenas os comentários serão liberados. Estaremos de volta, se Deus quiser, em 02/01/2012. Não sei se comigo ou se com um novo blogueiro.

O que fazem o amor e o respeito

Leia o post original por lucasaraujo

A saga dos Guerreiros bugrinos chegou ao fim. E, felizmente, foi da melhor maneira possível: o GUARANI bateu o Goiás por 2 a 0 e livrou-se de qualquer problema relacionado com a Série C.

Daqui alguns muitos anos, aqueles que nascerem a partir de hoje ou que hoje têm uma baixa idade vão abrir os compêndios futebolísticos e ver que o GUARANI, na Série B de 2011, terminou em 12º lugar. Fatalmente vão pensar que foi uma campanha irregular, mas é bom que nós, que vivemos toda essa campanha, transmitamos a mensagem para sempre: foi uma campanha inesquecível!

Porque este grupo de guerreiros venceu todas as adversidades que o futebol poderia proporcionar. Problema políticos, falta de salários (pessoal, a Série B tem 7 meses de duração e estes caras ficaram 5 meses sem receber, ou seja, jogaram 70% do campeonato sem receber!) e problemas estruturais, além, é claro, dos adversários, foram tudo aquilo que o GUARANI teve que enfrentar.

Em qualquer lugar do universo essa combinação seria sinal de rebaixamento, sendo muito otimista. Ter sido lanterna não seria exagerado.

Obrigado, guerreiros (Foto: Bugremidia)

E isso só não aconteceu porque este grupo de Guerreiros não quis que acontecesse.

Em campo, os jogadores- guerreiros e a comissão técnica-guerreira, pelas suas carreiras e pelo respeito à instituição GUARANI se desdobraram.  Conquistaram vitórias inimagináveis, multiplicaram-se em campo e fizeram de tudo para evitar a Série C.

Tá certo que algumas derrotas foram inexplicáveis (dos 24 pontos possíveis contra os 4 rebaixados, o GUARANI fez apenas 11) e sem elas poderíamos até ter sonhado com alguma coisa a mais, mas diante de tudo o que aconteceu, valeu!

Fora de campo, os funcionários-guerreiros também não se entregaram. Muitos poderiam ter ido embora sem mais nem menos, mas eles preferiram encontrar um jeito de continuar ajudando o GUARANI. Fosse na limpeza, na segurança ou na cozinha, os funcionários também foram parte desse processo e só uma palavra resume essa dedicação: respeito! Fosse em qualquer empresinha de fundo de quintal, tinham ido embora, podem ter certeza.

Isso é GUARANI: amor que não se mede (Foto: Bugremidia)

Por fim, nas arquibancadas, os torcedores-guerreiros carregaram esse time nos braços de novo. Nunca deixamos de acompanhar (em todos os 38 jogos desta Série houve representantes desta apaixonada torcida) o GUARANI e sempre apoiamos o time, na circunstância que fosse.

O resultado final deste enredo não podia ser outro: sai pra lá Série C! A soma do amor da família bugrina com o respeito dos jogadores e funcionários foi a receita perfeita para que tudo saísse bem!

Valeu, GUARANI!

Em tempo 1
Quando eu falo em amor e respeito, vejam o que aconteceu com outros times. Lá na 17ª rodada, quando o GUARANI empatou com o Paraná Clube, em Araraquara, por 1 a 1, éramos o 17º e eles o 4º. Aqui no blog eu disse que foi um empate duro de agüentar, pois o GUARANI jogou melhor contra um time que, para mim, era um arremedo de jogadores, bancado por empresários baratos e que foi rebaixado para a medíocre 2ª divisão paranaense. Muita gente tricolor veio aqui me xingar…

Em tempo 2
Veja onde foi parar o Paraná e veja onde foi parar o GUARANI. Mesmo com 5 meses de salários atrasados, terminamos na frente deles. Tivemos o mesmo número de pontos, mas ganhamos um jogo a mais e marcamos mais gols. Não ganhamos nenhuma do Paraná, é verdade, mas o elenco do Campeão Brasileiro de 1978 honrou muito mais sua torcida do que o do time paranaense. Enquanto, em 3 meses, o GUARANI subiu 5 posições, o time paranaense despencou 9. Deu para notar a diferença?

Fabinho: um símbolo do GUARANI (Foto: Bugremidia)

Em tempo 3
Ao dizer o que eu disse, jamais desrespeitei a instituição Paraná Clube. Ainda que seja um time novo, ganhou quase tudo, em âmbito estadual, nos anos 90 e por isso tem meu respeito. Pelo fato de termos duas torcidas organizadas muito aliadas, também, ganha meu respeito. Mas, ali, na 17ª rodada, dava mostras claras de que não chegaria e apenas iludia seu torcedor.

Em tempo 4
Você deve estar perguntando o motivo de eu ter escrito estes parágrafos sobre o Paraná Clube. Veja o que o blogueiro deles disse na época da 17ª rodada clicando aqui e você vai entender tudo isso. Eu poderia ter respondido no mesmo nível, mas a resposta do futebol é sempre a que “o mundo do futebol dá muitas voltas”. O Paraná Clube pode ser um time tradicional, de camisa e torcida, mas jamais vai se sobrepor a quem é Campeão Brasileiro, Centenário e muito mais tradicional!

Caldeirão invencível

Leia o post original por milton neto

Desculpem eu ter demorado a escrever sobre este últimos jogo do campeonato brasileiro da serie B, 2011… mas eu estava comemorando o acesso para a primeira divisão, o vice-campeonato, a invencibilidade como mandante em 19 jogos na competição e a artilharia do campeonato (Kieza, com 21 gols) ……….

Se não fosse uma equipe como a inacreditável Portuguesa (que simplesmente foi melhor em tudo na competição – mais pontos, mais vitórias, menos derrotas, melhor ataque e melhor defesa), teríamos a chance de ser campeões – pois só ela ficou na nossa frente.

Mas….Peraí.

A Lusa não foi melhor em todos os critérios não!!!!

O melhor mandante foi um tal de Clube Náutico Capibaribe!!!!

Com 78,9% de aproveitamento, decorrente de 13 vitórias, 6 empates e NENHUMA DERROTA nos Aflitos, o timbu foi o ÚNICO INVICTO em 19 jogos como mandante, nas principais divisões do futebol nacional, dentre 40 equipes.

Um desempenho fantástico!

O número cresce para    82,82% de aproveitamento em casa,  no ano. Com 25 vitórias, 7 empates e apenas 1 derrota (para o campeão da Copa do Brasil e um dos 3 únicos aspirantes ao título nacional da primeira divisão: o Vasco) em 33 jogos em 2011.

O “Caldeirão” foi fundamental para o acesso alvirrubro.

Com essa campanha impecável, o Náutico somou 45 dos 63 pontos, no Eládio de Barros Carvalho. 71,42% dos pontos conquistados foram em nossa casa.

35 dos 51 gols do time de Waldemar Lemos foram marcados diante de sua torcida. E só vimos o Náutico sofrer 16 gols (dos 41) em nosso campo (menos de 1 por jogo) sob os nossos olhos.

Fui dormir nesta madrugada  ainda ouvindo o som de  ”Caldeirão!” entoado por milhares de vozes…. e não achei ruim.

19.795 (contra a Ponte Preta), 19.764 (contra o Barueri), 17.164 (contra o Sport), 16.548 (contra a Portuguesa), 16.321 (contra o Criciuma), 16.051 (contra o ASA), 15.800 (contra o Boa Esporte), 15.005 (contra o Salgueiro), 14.582 (contra  o Duque de Caxias), 14.101 (contra o ABC), 14.049 (contra o Icasa), 13.554 (contra o Vila Nova), 13.395 (contra o Vitória), 13.125 (contra o São Caetano) foram os públicos do timbu na serie B, nos 14 jogos com o programa do governo do Estado. Um público sempre superior a 13 mil pessoas por jogo.  Que foi crescendo e nos últimos 3 jogos, sempre esteve superior a 17 mil pessoas.

Vimos, diante de nossos olhos, no nosso “caldeirão”, 16 dos 21 gols do artilheiro do campeonato brasileiro da serie B 2011: Kieza.

Só não deu para despedir com vitória e nem com um gol de Kieza, mas foi por pouco e….quer saber? Pouco importou!

O que importou de verdade foi o acesso. O vice-campeonato. A artilharia de Kieza. E a invencibilidade nos Aflitos.

Não importou se o árbitro não marcou 2 penaltis (para mim e para a torcida presente ao estádio – claríssimos) que poderiam aumentar o número de gols de Kieza. Nem mesmo importou saber que não teríamos gol do artilheiro, quando este foi expulso justamente por empurrar a bola para o gol da Ponte, depois de ter soado o apito do árbitro, marcando o seu impedimento (e como já tinha amarelo…).

Também não importou saber depois de uma hora após o encerramento da partida, que não tínhamos vencido o jogo! Só então, fiquei sabendo do gol de empate da Ponte.

Acho que 99,99% dos torcedores presentes também não se importaram.

“Caldeirão”!!!

Invencível, “caldeirão”!!!

Trunfo de outras ocasiões, como no acesso de 2006, quando vencemos 15 vezes nos Aflitos, empatamos 2 e perdemos apenas 1 vez. Ou mesmo na serie A, quando vencemos Flamengo, Corinthians, São Paulo, Atlético-MG, Palmeiras, Botafogo, Atlético-PR, Cruzeiro em várias ocasiões.

2012 tem mais caldeirão! Que venham os visitantes, pois o mandante está INVICTO!

Um por todos e todos pelo GUARANI!

Leia o post original por lucasaraujo

Todos ao Brinco logo mais, cada um fazendo sua parte! (Foto: Bugremidia)

Acabo de chegar do Brinco de Ouro.

Impressionante a paixão pelo GUARANI que o torcedor bugrino tem. Gente por todos os lados, procurando alguma forma de contribuir financeiramente com esta centenária instituição.

Muita gente na loja, esgotando os produtos. Muita gente na secretaria, seja aderindo ao sócio torcedor, seja adiantando mensalidades do sócio torcedor, do sócio do clube ou, ainda, pagando as cadeiras vitalícias para 2012. A rifa para a moto a ser sorteada no intervalo também estava sendo bem vendida. E a procura por ingressos também estava boa!

Não sei os números, mas, para uma situação emergencial, a torcida deve levantar uma boa quantia para pagar parte dos salários dos jogadores, comissão técnica e funcionários.

Pessoal, como é bonito ver isso.

Todo mundo mobilizado em prol do GUARANI, instituição que tanto amamos. É claro que não será isso que vai salvar todos os problemas do GUARANI, mas como a antiga administração pôde desperdiçar tudo isso?

União dentro e fora de campo: esse sempre foi o GUARANI (Foto: Bugremídia)

A resposta é simples: fecharam-se em seus grupos, desacreditaram na torcida, acharam que eram todos uns bandidos e queriam muito mais do que podemos dar.

O trabalho do GUARANI, daqui para frente, será o do “um por todos e todos por um”. Não será a torcida que vai resolver os problemas, nem a futura administração. Serão todos, cada um contribuindo com sua parte.

E esse trabalho, se Deus quiser, começará a ser premiado logo mais, contra o Goiás, no Brinco de Ouro. Será a hora em que cada um de nós vai ajudar a chutar a Série C para bem longe daqui.

Vamos ajudar esses guerreiros e empurrar a bola para a rede. Vamos ajudar os guerreiros a não deixar a bola entrar no nosso gol. Para premiar todo esse esforço sabemos que um empate basta, mas não pode ser 0 a 0, afinal, falta apenas um gol para chegarmos aos 100 gols na temporada! Alguma coisa boa o ano do nosso centenário tem que ter, né?

Então, pessoal, o trabalho de arregaçar as mangas começou na 3ª feira e vai até a hora em que o GUARANI voltar a se estabilizar. Sabe-se lá quanto tempo vai levar, mas o importante é que cada um faça sua parte!

Aquecimento para o jogo: Paraná x Bragantino

Leia o post original por rodrigo wieler

E finalmente chegamos à rodada final desta maldita Série B. Claro que de um jeito muito diferente do que estávamos esperando. Da briga pelo acesso que imaginávamos ser possível estarmos lutando nesse fim de ano, brigamos contra a queda para a medonha Série C.

É claro que neste momento não cabem análises do tipo “Se tivéssemos ganhado de X e de Y” ou “Se tivéssemos trocado de técnico antes”. Vamos deixar isso para a semana que vem, quando o campeonato já tiver terminado e soubermos de vez qual será nosso destino em 2012.

Neste momento, certo é que precisamos, para nos garantirmos matematicamente na Série B, ao menos um ponto contra o 5º colocado Bragantino, que ainda luta pelo acesso e para quem apenas a vitória interessa. É uma parada duríssima na qual tudo pode acontecer. Por isso, precisamos torcer desesperadamente por vitória ou empate nosso. Ou, para que pelo menos um time entre Icasa, São Caetano ou ASA não vençam seus jogos, todos em seus domínios.

Vamos ver no que vai dar, certos de que, no minuto imediatamente posterior ao término da partida, precisamos iniciar o planejamento para 2012, que tem tudo para ser o ano mais deficitário da nossa história. Por isso, muitas soluções criativas e diferenciadas precisarão ser encontradas.

Enfim, papo para sábado à noite, depois de vermos se conseguimos (ou não) escapar do segundo rebaixamento do ano.

Que Deus tenha piedade de nós. E nos ajude.

“O ‘fantástico’ time que só não vai cair para a Terceirona pelo resultado de outros times”

Leia o post original por rodrigo wieler

O que será que vai acontecer no sábado que vem? Será que PELO MENOS UM entre Icasa, São Caetano e ASA não vencerá seu jogo em casa, para escaparmos?

Porque, sinceramente, da maneira que estamos jogando, não acredito sequer no empate aqui em Curitiba contra o Bragantino, que nos livraria matematicamente da degola.

Será o segundo vexame do ano?

A conferir.

Como a gente sofre, tá louco!

Leia o post original por lucasaraujo

Esqueça aquele rótulo idiota que a grande mídia, regional ou nacional, dá para determinado time ou torcida.

Quantas vezes você já não viu ou ouviu por aí frases do tipo “essa é uma torcida muito sofrida” ou então “tudo o que acontece na vida desse time é com muito sofrimento”.

Não existe, em todo este planeta Terra, torcedor mais sofrido que o nosso, especialmente nos últimos anos. E esta temporada, justamente a do nosso Centenário, está sendo especial no quesito sofrimento.

Mais uma página de muito sofrimento foi escrita neste final de semana e, lamentavelmente, vou transportá-la para cá.

O GUARANI enfrentou o Salgueiro, já rebaixado para a Série C, para se afastar, de uma vez por todas, de maneira matemática, da mesma Série C. Para que isso se confirmasse, bastava vencer e torcer para alguns resultados.

Bom, a vitória veio, e de maneira convincente (4 a 1, com Fabinho fazendo 3 gols e com o GUARANI chegando a 99 gols na temporada).

Só que foram os outros resultados que materializaram esse sofrimento.

No jogo Bragantino X Asa, era interessante que os visitantes não ganhassem. Parecia natural que isso acontecesse, afinal, os donos da casa estavam na luta pela Série A. Pois bem… deu Asa, o único que não poderia acontecer.

Tudo bem, em Goiânia, o Goiás, já eliminado, enfrentou o Icasa. Também ajudaria o GUARANI o fato de o Goiás vencer. Mas não foi isso que aconteceu. Placar final: 0 a 0.

Fabinho fez 3 e chegou a 11 na Série B (Foto: RAC)

Restava, então, um jogo. Vitória e São Caetano, em Salvador. Aqui, pareciam favas contadas: ao GUARANI interessava apenas que o São Caetano não ganhasse. Pois bem. O Vitória, lutando pelo acesso, fez 1 a 0. E, nos 5 minutos finais, a casa caiu: o São Caetano virou o jogo.

Resumindo: o GUARANI, se vencesse, precisava que 1 entre 5 resultados (de um total de 9) acontecesse, para, matematicamente, livrar da Série C.

Mas nenhum aconteceu.

Com isso, o GUARANI chegou aos 49 pontos e, agora, precisa de um mísero empate contra o Goiás, em casa, para livrar-se da Série C.

Agora eu me pergunto: por que tão sofrido assim?

Os jogadores estão sem receber há 4 meses, nós estamos com a saúde alterada por conta desta administração horrível, que nos faz passar mais tristeza que alegria e, ainda por cima, não se tem nenhuma orientação para a próxima temporada.

Dá licença, viu!

Acesso mais que merecido

Leia o post original por milton neto

A classificação já estava assegurada quando vencemos o Barueri, naquela 35ª rodada. Ali mesmo, quando fizemos a festa por termos alcançado os 62 pontos. Os  62 que garantiram a classificação da Ponte Preta, matematicamente, 2 rodadas depois de termos alcançado tal número.

Aliás, eu já tinha adiantado neste blog que, com 62 pontos estaríamos classificados.  E, de fato estávamos. Só quem não acreditava no Náutico, duvidou disto.

Não era meu caso, que, acompanhei de perto o trabalho deste grupo e sabia da seriedade e da vontade dele de alcançar o objetivo.

Infelizmente, não pude acompanhar os treinamentos como gostaria e nem fui aos jogos fora dos Aflitos. Mas, sempre que pude, fui aos treinos no nosso campo, para ver o trabalho que era desenvolvido e dar apoio, em alguns momentos difíceis.

Estive em todos os jogos disputados no Eládio de Barros Carvalho. Vi a vontade de subir nos olhos de cada atleta. Vi a garra e determinação de cada um. E, mesmo não perdendo um único jogo nos Aflitos, vi os rostos tristes e chateados destes mesmos jogadores, mesmo quando não perdemos o jogo e sim pontos em casa, para Bragantino, Paraná e, principalmente, Duque de Caxias e Icasa.

Mas vi uma vibração positiva neste grupo e o comprometimento com o acesso. A união e a alegria de estarem juntos. Uma alegria e descontração tão grande que chegavam a chamar o comandante em chefe do time, de “velhinho maluco”. O “Paizão” Waldemar Lemos fazia questão de abraçar cada um de seus comandados, ao final de cada partida.

Assim como eu também sempre fiz questão de saudar o Waldemar (que era a última pessoa com que eu falava antes do time entrar no gramado): “boa sorte professor”, como se fosse um ritual. Um talismã da sorte.  E, superstição à parte, sempre deu certo, pois, nunca vi uma derrota desta equipe, ao vivo.

A verdade é que, o segredo desse time não é um só. São vários.

A começar com o comprometimento e união do grupo.

A manuteção de uma base, com a espinha dorsal no meio de campo, com Everton, Elicarlos, Derley e Eduardo Ramos. A contratação de dois excelentes zagueiros (Marlon e Ronaldo Alves) e um terceiro que substituiu sempre à altura, como Diego Bispo. A perserverança na manuteção da base com os laterais Peter e Airton (ou Jeff Silva), mesmo sendo muito criticado. A grata revelação no gol, com Gideão. E, principamente, ter acreditado em Kieza e Rogério. Principalmente no atacante que se tornou o artilheiro do time e, possivelmente, da serie B 2011.

O trabalho da comissão técnica. De pessoas como Kuki, Levi, Paraíba. Do preparador físico Bona – que deu condicionamento excepcional ao time (diferencial na competição). De Tiago, Ricardo e Cleber. Do departamento médico, com os Drs. Jorge, Mucio, entre outros.  Do eterno Araponga, Batata, Alexandre, Pirata, Bidu e Paulo Leme. Do supervisor Sid. De Hamilton, Bruno, e tantos outros.

Da diretoria alvirrubra que conquistou credibilidade perante os atletas. E que teve uma enorme participação do gerente de futebol Carlos Kila.

E da torcida – fundamental….

Sem ela, empatamos com o Bragantino e Paraná, no começo da competição. Com ela, após a volta de um programa do Governo, contra o Vitória, foram 9 vitórias e 3 empates. A torcida alvirrubra soube o momento de incentivar e cresceu com o time. O caldeirão dos Aflitos, onde vencemos 13 das 17 vitórias foi, sem dúvida alguma, o maior segredo deste time.

Parabéns a Waldemar Lemos! Que soube unir este time. Que soube fazer o time jogar – especialmente em casa.

Obrigado a cada um dos atletas que vestiram e honraram esta camisa vermelha e branca. Vocês são de PRIMEIRA!!!