Arquivo da categoria: sinalizador

Após tragédias no Sul e na Bolívia, deputada e vereador tentam dificultar venda de sinalizadores em SP

Leia o post original por Perrone

A morte do boliviano Kevin Douglas Beltran e a tragédia na boate Kiss, em Santa Maria-RS, despertaram o interesse de políticos paulistas em relação aos sinalizadores navais. Pelo menos dois projetos de lei em São Paulo criam restrições à venda deles.

A deputada Vanessa Damo (PMDB) propõe que no Estado os sinalizadores só possam ser vendidos para maiores de 18 que apresentem documentos referentes às embarcações. Além disso, será necessária apresentação de RG, CPF e endereço do comprador. Os dados devem ficar cadastrados nas lojas.

Já o vereador Nelo Rodolfo (PMDB) elaborou projeto semelhante válido para a capital paulista. Ele quer que só pessoas cadastradas possam comprar fogos de artifício ou estampido (menos os inofensivos). Elas terão que comprovar habilidade para manuseá-los. Rodolfo também quer proibir o uso e o porte de fogos em eventos ao ar livre.

Tanto o vereador como a deputada citam nas justificativas de seus projetos, que precisam ser votados, a morte do torcedor boliviano em jogo contra o Corinthians e o incêndio na Kiss.

A Conmebol exagerou

Leia o post original por Wanderley Nogueira

Kevin BeltranVamos falar aqui sobre punição na esfera esportiva.

Sobre aquilo que deve acontecer com o autor do disparo que matou o jovem boliviano, acho que todo mundo concorda. Rigor total.

O Corinthians está impedido de jogar diante do seu público, aqui em São Paulo, durante a Libertadores.

E, também, não receberá carga de ingressos em jogos marcados para o exterior. Sou totalmente favorável à decisão que impossibilita a venda de ingressos para jogos fora do Brasil.

Essa parte da pena, nesta edição da competição, é correta. E deve ser mantida.

Agora, determinar que os jogos do Corinthians sejam sem torcida, é exagero.

O clube deve obrigatoriamente ser vinculado ao comportamento dos seus seguidores, mas é preciso receber punição de acordo com a intensidade da sua participação no episódio.

Na morte do garoto, o Corinthians não pode ser chamado de assassino, como tem sido por alguns irresponsáveis nas redes sociais.

Nas últimas horas ouvimos e lemos todos os tipos de opiniões.

Quem acha que a punição ao Corinthians foi excessiva, é ofendido e acusado de estar a serviço do atual campeão da Libertadores.

Aqueles que concordam com a pena ou pregam a eliminação imediata do time, são apontados como inimigos e torcedores de equipes adversárias.

Respeitar uma opinião divergente, nem pensar.

Mas, felizmente, ainda é possível dizer aquilo que pensamos.

A Conmebol exagerou na dose e entendo que vai reverter parcialmente a sua decisão.

Determinar que o Corinthians jogue sem publico em São Paulo, é desproporcional.

O que deveria fazer a Conmebol?

Multa elevadíssima já seria suficiente para arder no bolso do clube e esfriar a relação com a parcela bandida dos seus seguidores.

Ah! E processar por perdas e danos a torcida organizada envolvida , para reverter os prejuízos gerados pela punição recebida.

Santos diz que câmera prova culpa de conselheiro por material proibido na Vila

Leia o post original por Perrone

A diretoria do Santos afirma ter identificado o responsável por introduzir na Vila Belmiro sinalizadores proibidos pelo policiamento nas semifinias da Libertadores, contra o Corinthians.

Os cartolas não revelam oficialmente o nome do acusado. Declaram, porém, que uma câmera flagrou um conselheiro da Resgate Santista entrando com a caixa, depois encontrada pela PM com sinalizadores numa sala da Vila.

A Resgate Santista foi o principal grupo de apoio de Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, mas está sendo abandonada por aliados do presidente santista.

Dirigentes do Santos afirmam terem incentivado o Ministério Público a punir o culpado pela entrada dos sinalizadores. As imagens foram colocadas à disposição da polícia.

O caso incomoda a diretoria porque deu motivo para a Polícia Militar contestar a Vila Belmiro e responsabilizar a cúpula do clube. Isso porque os sinalizadores teriam sido liberados por um funcionário santista depois do conselheiro dizer que só havia apitos e bexigas na caixa.

“Todo mundo sabe que eu distribuí balões e apitos para os torcedores naquela noite. O que aconteceu além disso, a polícia vai investigar”, disse Vagner Lombardi, conselheiro santista.