Arquivo da categoria: temporada

Tenho muitas dúvidas se o Corinthians irá seguir na Sul-Americana.

Leia o post original por Nilson Cesar

O Corinthians empatou diante do Racing 1 x 1 jogando em casa e agora vai para a Argentina buscar a classificação. Tarefa muito difícil, eu diria praticamente impossível. O Racing está melhor. O Corinthians ainda está se formando para a temporada e apresenta muitos defeitos. Ficarei muito surpreso se o Corinthians retornar da Argentina com a classificação. A lógica é perder o jogo.

Fonte

A paz de quem sabe o que faz

Leia o post original por Rica Perrone

Enquanto alguns turbulentamente correm os riscos de uma revolução no futebol do clube, outros arriscam treinadores novos, reforços diversos e até  aposta na base.  Todos parecem saber o que estão fazendo até a primeira sequência sem vitórias. Os estaduais não servem pra nada a não ser que você saiba o que está fazendo há algum…

Palmeiras é o favorito para o clássico de quarta feira.

Leia o post original por Nilson Cesar

O Palmeiras têm uma equipe melhor e é favorito para vencer o Corinthians na quarta feira. O jogo sera na arena do timão, mas mesmo assim entendo que existe sim o favoritismo do verdão. O Corinthians vem jogando mal e o Palmeiras está achando um time para a temporada. A história é boa também para o Palmeiras jogando em Itaquera . Como não gosto de ficar em cima do muro acho que o Palmeiras sairá vencedor. Se ocorrer uma derrota de um ou de outro, não é motivo para nenhuma mudança. Estamos no início da temporada e os caras que assumiram precisam de tempo para trabalhar. Vamos aguardar. O bicho vai pegar.

Palmeiras é forte, mas não tem obrigação de ganhar tudo

Leia o post original por Flavio Prado

(Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

O Palmeiras é o time que mais se destaca no mercado de transferências. Felipe Melo, Guerra e Michel Bastos são nomes consagrados e que podem acrescentar ao time campeão brasileiro.

Os principais adversários estão mais tímidos no mercado. O Palmeiras tem um poder de compra maior do que os rivais e até por isso surge como o time a ser batido em 2017.

Concordo que o Palmeiras tem o melhor elenco no papel e mostrou isso no campo durante o Campeonato Brasileiro, mas não tem obrigação de ganhar tudo.

Esse peso pode atrapalhar o time na temporada. A derrota é normal, principalmente no mata-mata. O Palmeiras leva grande vantagem no elenco, nos pontos corridos é fundamental, mas em relação ao time titular a diferença para os principais times do continente não é absurda.

Um duelo na Libertadores contra Santos, Flamengo, Atlético-MG, Grêmio, River Plate, Atlético Nacional e outros é equilibrado. Não é nenhum absurdo ser eliminado por um deles e isso não pode afetar o trabalho.

A análise deve ser em cima do trabalho e não apenas do resultado e algumas mudanças aconteceram. O Palmeiras perdeu Cuca e Gabriel Jesus, duas peças importantes, dos reforços só vejo Felipe Melo como titular absoluto, os outros podem vir a ser ótimas opções e destaques nas temporada, mas não vejo uma mudança tão grande de patamar em relação ao ano passado.

O Palmeiras é forte. Entra como candidato ao título em todas as competições, mas colocar uma obrigação parece ser um peso desproporcional a realidade.

 

Parece ritual: falta de ritmo, “desconforto” e desgaste físico

Leia o post original por Mion

Craque, atleta, trabalhador sério. Com 37 anos, Seedorf jogou 81 jogos pelo Bota.

Craque, atleta, trabalhador sério. Com 37 anos, Seedorf jogou 81 jogos pelo Bota.

Parece ritual nos últimos cinco anos no futebol brasileiro. Além de reclamar da falta de uma pré-temporada mais elaborada, o que é justo, em seguida vem a tal falta de ritmo. Os campeonatos regionais começaram há mais de um mês e ainda tem jogador falando nisso. A partir de março surgem os tais desconfortos musculares e para fechar com “chave de ouro” em outubro o assunto é desgaste físico, final de temporada etc e tal.

Seedorf chegou ao Brasil na manhã do dia 30 de junho de 2012 e à tarde estava treinando. Após 1 ano e meio de Botafogo atuou em 81 jogos, 25 em seis meses de 2012 e 56 no ano passado. Aos 37 anos não entrou em campo poucas vezes. Chegou a reclamar de cansaço, mas nem por isso deixou de atuar.

Escolho alguns casos interessantes: Deivid deixou o Flamengo e assinou com o Coritiba em agosto de 2012. Após o mesmo tempo de contrato de Seedorf, jogou apenas 47 partidas ( pouco mais de 50% do holandês). Deixou o Coxa na semana que antecedeu o Carnaval reclamando de direitos de imagem. Tudo bem, o clube está errado porque não cumpriu o compromisso, mas qual imagem? A de Deivid no departamento médico?

Outro caso, o de Valdivia no Palmeiras. Levou 3 anos e meio para jogar 117 jogos, dá poucos mais de 30 jogos por ano. Menos da metade de Seedorf. Mesmo com problemas físicos permanentes, o Palmeiras renovou seu contrato. Inexplicável para um clube que anda em crise financeira.

Poderia citar muitos outros exemplos. Peguei Valdivia e Deivid por serem jogadores consagrados e bem conhecidos do torcedor brasileiro. Se observarmos a Europa, Messi na temporada 2011/2012 quando o Barcelona ganhou tudo atuou em 61 jogos e Cristiano Ronaldo nas últimas três temporadas atuou em 166 jogos. Somando as 31 partidas defendendo a seleção poirtuguesa de 2011 a 2013, dá 197 jogos, uma média de 65 partidas/ano.

Cito os dois maiores craques do mundo, jogaram mais de que Valdivia e Deivid. Ambos poderiam usufruir de algumas regalias e serem poupados. Não são porque ganham altos salários e precisam trabalhar forte para dar retorno aos seus clubes. Como qualquer atleta de alta performance sofrem com muitas dores, principalmente porque apanham demais em campo. Superam tudo por serem conscientes da necessidade de dar retorno para que os clubes paguem seus compromissos.

No Brasil não há este comprometimento. A responsabilidade com o clube não consta no contrato assinado. No fundo todos querem prolongar as suas carreiras, jogam pouco e vivem da fama construída num início brilhante de carreira. Boa parte vive curtindo noitadas, festas, pouco se importam se isto irá enfraquecer o organismo e ocasionar lesões ou baixo rendimento.

Outro dia estava num restaurante quando cumprimentei empresário de jogadores indignado. Ao acertar novo compromisso de um dos seus principais atletas, esse fez um pedido no mínimo incomum: ” Cara, o meu irmão quer vir do Nordeste. Vê se arranja contrato pra ele. Não precisa garantia de ser titular, qualquer 15 mil tá bom”. Não precisa ser titular? Qualquer 15 mil? Como se fosse um favorzinho qualquer. Este é o mundo da fantasia que vem afundando os nossos clubes e por consequência o futebol brasileiro.

 

Até o futebol só começa de verdade após o Carnaval

Leia o post original por Mion

A  realidade com ou sem dor

A realidade com ou sem dor

       Assistir aos jogos dos campeonatos estaduais é uma verdadeira tortura. Todas as partidas. A porcentagem de erros de passes, gente tropeçando na bola e chutando longe do gol é impressionante. Até os goleiros se batem, soltam cada bola, isso sem contar quando saem mal ou espalmam para o meio da área, fato inaceitável para qualquer goleiro de médio nível.

Talvez seja até o fator psicológico. Nos programas esportivos, jornais e sites o assunto início de temporada é martelado diariamente. Toda má atuação é justificada por falta ritmo e começo de temporada. Realmente os primeiros 30 dias são difíceis, mas estamos chegando a março. A partir da semana que vem encerra este assunto.

Os jogadores ficaram 30 dias de férias (continuaram batendo bola nas férias, em peladas etc e tal). Voltaram entre o dia 5 e 10 de janeiro. A pré-temporada e o início dos campeonatos somam 45 dias. Acredito que este assunto de faltar ritmo começa a ficar fora de qualquer argumentação, e não serve de justificativa.

No fundo até o futebol começa de verdade após o Carnaval. Ou seja, mais 20 a 30 dias para os jogadores entrarem em forma porque as extravagâncias em janeiro e início de fevereiro foram grandes. Baseado nisso até acho que a temporada deveria começar no final de janeiro, a pré-temporada em fevereiro e os campeonatos em março. Não entendo porque o campeonato brasileiro acaba nos primeiros dias de dezembro. O início das férias após o dia 20 de dezembro estará mais bem colocado. Talvez assim não haverá tanta justifica repetitiva nos três primeiros meses do ano. Basta diminuir em duas semanas o Estadual e esticar o Brasileirão em mais 15. Simples assim.

Aberta temporada de caça e perda de talentos

Leia o post original por Mion

Abriu a temporada de contratações: Figueira perdeu Aloísio e o tricolor ganhou o goleador.

Termina o Brasileirão e o ano. Para os europeus os campeonatos chegam à metade e abre a janela intermediária de transferências. Quem está mal corre atrás de reforços. Lógico o futebol brasileiro é um dos mercados mais visados. Os clubes brasileiros intermediários são os que mais sofrem. Perdem alguns jogadores revelados e importantes. Como exemplo o Figueirense, além de cair para a Série B, já perdeu o centroavante Aloísio para o São Paulo. A partir desta segunda-feira, dirigentes e principalmente empresários não largam do telefone, fazendo e ouvindo propostas. A corrida é contra o tempo, uma bobeada e outro jogador ganha o contrato

E neste ponto mora o grande desafio até mesmo dos grandes clubes, necessitam de reforços de qualidade e não podem perder os principais. Nos próximos 30 dias impera o noticiário farto de fatos reais e notas plantadas com o objetivo de despertar interesse do mercado, até a valorização em caso de renovação de contrato.

Para 2013 poucos clubes têm preocupação básica em segurar o elenco e trazer dois ou três jogadores, alguns para opção de banco. Fluminense, Grêmio, São Paulo, Botafogo, Corinthians e Atlético-MG são os clubes mais tranqüilos. Não têm pressa em contratar, apenas manter o atual elenco.

Dos grandes o desespero fica por conta de Santos, Flamengo, Vasco, Internacional e Cruzeiro necessitam de reformulações completas, sem contar o Palmeiras, apesar da Série B precisa de uma base forte visando o retorno à primeira divisão em 2014. Esses clubes buscam no mínimo seis jogadores para serem titulares. Náutico e Coritiba partem de uma boa base dentro das condições financeiras que possuem. O Coxa promete pelo menos mais duas contratações de alto nível. Já possui Alex e Deivid. Pode ter um ano de 2013, mais próximo das maiores forças do futebol brasileiro.

Enfim a temporada de caça a talentos está começando. Para intensificar o mercado os novos integrantes da Série A, Atlético-PR, Criciúma, Goiás e Vitória-BA também estão fortes na busca de jogadores. São quatro forças tradicionais no futebol brasileiro, caíram por circunstâncias passageiras como aconteceu com o Palmeiras. Mercado quente e o noticiário fumegando.