Arquivo da categoria: Transferências

Times sempre em formação

Leia o post original por Flavio Prado

FOTO: YASUYOSHI CHIBA/AFP
FOTO: YASUYOSHI CHIBA/AFP

Mais uma janela de transferências no futebol brasileiro. Estamos chegando na metade do campeonato nacional e os times seguem montando elenco, como se estivéssemos no início da temporada.

O calendário do futebol brasileiro é todo dividido. Desta forma, o Campeonato Brasileiro que deveria ser o principal produto do nosso futebol, é atingido de forma violenta.

As mudanças são constantes. Vamos aos fatos. Em janeiro começa a temporada, na teoria é o momento de montar o elenco para todo o ano. Acontecem chegadas e saídas. Como a temporada européia está no meio, as principais saídas no início do ano tem sido para a China ou mudanças no mercado interno.

Os estaduais terminam no início de maio, os grandes se reforçam com alguns dos destaques dos pequenos para a disputa do Brasileiro. Em junho ou julho, quando termina a Libertadores, abre uma nova janela de transferencias e neste momento, a Europa chega mais forte e leva jogadores importantes, alguns sem espaço no futebol europeu retornam ao Brasil.

A inscrição para o Campeonato Brasileiro fica aberta até quase o mês de outubro, alguns destaques da série B, chegam para reforçar os times da elite.

Claro que não podemos esquecer das constantes trocas de técnicos. Desta forma, fica muito difícil montar um time forte coletivamente, quando começa uma evolução, logo peças importantes vão embora.

Outro problema são as convocações para a Seleção. Alguns clubes ficam desfigurados como o Campeonato em andamento.

A CBF precisa cuidar melhor do seu produto. Os clubes prejudicados também não parecem estar interessados em mudanças. Um campeonato bem organizado e com times mais fortes seria bom para todos os envolvidos no futebol, mas parece que algumas pessoas não tem interesse nesta evolução.

Quem compra e vende melhor no Brasil?

Leia o post original por Rica Perrone

Este levantamento foi feito de forma simples e objetiva.  Considerando os valores em euros das negociações entre clubes para compra e venda de jogadores de 2010 até 2016. Ou seja, se um clube contratar um jogador sem contrato ou em fim de contrato, não considera-se compra.  Apenas os valores que foram trocados entre clubes para …

O supervalorizado Teo Gutiérrez que o Corinthians tenta contratar

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Pés no chão

Teo Gutiérrez nas partes técnica, física e tática é inferior ao Guerrero.

Agregaria virtudes ao elenco do Corinthians, pois sabe jogar tanto pelos lados do ataque quanto como centroavante, e poderia, entrosado e em forma, tornar o setor mais versátil.

Aos 30 anos,  tende a não dar retorno econômico ao clube.

Por isso a direção corintiana não deve cogitar ultrapassar seus limites de gastos para tê-lo no elenco.

É um atleta de qualidade razoável para boa, do tipo que marcar gols em cerca de 50% dos jogos *(dependendo da fase a média aumenta ou diminui) e que se valorizou por ser titular da seleção da Colômbia – discordo de  Jose Pekerman nesta opção -,  vencer com o River Plate a Copa Sul-Americana e ter sido eleito pela Conmebol o melhor jogador do continente.

Antes

Iniciou no pequeno Barranquilla FC (Los Rojos de Currambra) da segunda divisão colombiana e o Junior, maior time da cidade,  o contratou.

O Trabzonspor o levou à Turquia e não conseguiu se firmar. Foi de lá para o Racing, onde ficou um ano. O clube hermano o emprestou ao Lanús, depois ao Junior de Barranquilla, e o negociou com o Cruz Azul.

A passagem pela agremiação grande do México durou um semestre até a cartolagem ‘millonaria’ levá-lo à Nuñez.

River Plate quer negociá-lo

Após dois anos, às vésperas da semifinal da Libertadores, o River Plate que lida com o enorme peso de ser campeão porque depois de seu último título no torneio o Boca Juniors comemorou quatro vezes tal conquista, quer negociá-lo.

Contratou Lucas ‘Pipo’ Alario (centroavante que pode jogar pelos lados) do Colón, o uruguaio Tabaré Viudez (joga pelos lados) e o veterano Saviola, todos atacantes.

Não tenho ideia se Marcelo Gallardo realmente aproveitará o Federico Andrada, que atuou no Metz por empréstimo.

De qualquer forma, as contratações para o ataque foram a prioridade da cartolagem do clube.

Os experientes Nicolás Bertolo e Lucho Gonzáles, ambos atuam no meio de campo e o primeiro é mais ofensivo, foram os outros reforços.

A minha impressão é que o River Plate quer a saída de Teo Gutiérrez, inclusive para tentar ganhar alguma grana antes do vencimento do vínculo profissional dele com o clube.

O mercado é quem manda

Lógico que o empresário do jogador faz contatos para arrumar um time para o cliente.

O Corinthians não tem como concorrer com algumas nações árabes, europeus, mexicanos, norte-americanos, chineses e indianos.

O melhor seria tentar outro centroavante ou esperar para saber se quem tem mais grana realmente irá investi-la no jogador.

Os dirigentes argentinos creem, com razão, que aparecerá alguma proposta.

Mas se isso não acontecer, a de US$ 2 milhões parcelados, que falaram ser ruim, ficará interessante aos olhos deles.

Pato pode entrar na Justiça para se desligar do Corinthians; Alvinegro continua tentando negociá-lo

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Os sete meses que Pato não recebe salários, direito de imagem e o gordo auxílio moradia do Corinthians, permitem ao jogador entrar na justiça trabalhista para cancelar o contrato com o Alvinegro.

A possibilidade de o atleta, se tomasse tal iniciativa, conseguir encerrar o vínculo empregatício com o time de Parque São Jorge é muito considerável.

Se fizesse isso agora, ele ficaria impedido inclusive de jogar pelo São Paulo, a não ser que assinasse novo acordo com o clube do Morumbi.

Hoje ele é jogador do Corinthians e foi emprestado ao São Paulo. Ninguém pode emprestar aquilo que não possui (direitos econômicos e federativos).

O fim do vínculo anularia ambos os contratos em vigência.

A preferência do atleta, apesar de não citar, é retornar à Europa, em um grande clube de alguma cidade com a qual simpatize.

Os dirigentes do Alvinegro, por esse e outros motivos, tentam, desde o ano passado, encontrar algum interessado.

Antes da eleição de Roberto Andrade, queriam recuperar o investimento.

Depois, a ideia passou a ser a de minimizar o prejuízo da cara negociação.

Sabem que ele pode procurar outro caminho para se desligar da instituição.

Se houver alguém no exterior disposto a contar com o atacante, e que for do agrado do jogador, o Alvinegro se dispõe a negociá-lo por valor inferior ao que pagou.

A novela tem outro ponto.

O empresário do jogador pode orientar o cliente a ingressar na Justiça Trabalhista para negociar diretamente com outro clube e elevar os ganhos.

O motivo principal para não seguir tal rumo é manter a relação amigável com a equipe brasileira ao permitir que ela ganhe parte do dinheiro da transação.

Outra opção é esperar o final da temporada para ver se a dívida será quitada, pois continua com a carta na manga, supostamente segura, que é o próprio São Paulo.

Ao cabo do empréstimo, se não for paga, a Justiça será o caminho mais barato e viável para a permanência dele no Morumbi.

Mas, até lá, Ataíde, Muricy e Gustavo Vieira de Oliveira podem não ocupar mais os cargos de vice-presidente de futebol, treinador e gerente executivo, e se isso acontecer não há certeza que os planos para a manutenção do Pato serão mantidos.

‘Hermano’ que o São Paulo tenta contratar marcou poucos gols e deu uma assistência no campeonato argentino

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

O São Paulo ofereceu ao Racing 4 milhões de euros por 70% dos direitos econômicos de Centurión. O jogador tem mais três anos de vínculo empregatício com o clube de Avellaneda, mas o valor proposto supera o determinado para a rescisão contratual e o atleta, convencido pela oferta salarial do time do Morumbi, quer trocar de ares.

Essa informação é do repórter Nicolás Montalá, que trabalha no Diario Olé e cobre o clube faz mais de 18 anos.

Os dirigentes ‘racingistas’, apesar de saberem que não têm como competir na parte econômica com os brasileiros, queriam manter o boleiro.

Mas já contactaram os cartolas do Banfield e falaram que se negociação acontecer, tal qual creem e não queriam, irão investir em Nicolás Tagliafico, jogador dos Taladros com características muito mais defensivas que as do campeão do ‘Torneo Transición’.

Na última temporada, Centurión jogou mais na esquerda para cooperar na criação, trocou de lado quando necessário, ajudou o meio de campo e na marcação como se fosse um ala em frente ao lateral e se transformou em atacante, de acordo com as necessidades táticas, pelas beiras do campo.

Completou 22 anos no último dia 19, teve uma breve passagem pelo Genoa, é destro, gosta de apostar nos dribles e carregar a bola, já vestiu a camisa da seleção nacional em categorias de base e é tratado como uma promessa do futebol do país.

Na campanha do título do Racing disputou 17 dos 19 jogos e foi substituído em dois. Tentou 36 chutes em gol, 14 foram entre as traves, e superou os goleiros apenas em 3 oportunidades.

Deu uma assistência, pouco para quem atua na função dele, foi punido três vezes com o cartão amarelo e outra com o vermelho.

Marcou o gol do título (por pontos corridos em turno único )na vitória por 1×0 diante do Godoy Cruz vestindo a camisa 10, e por isso tem o carinho da fanática e sofrida ‘hinchada’ de uma das grandes agremiações portenhas.

Lembrete

O post não tem a minha opinião, seja certa ou equivocada, sobre o futebol do personagem do texto.

Contei como se posicionou no gramado, além das características e números dele no último torneio que disputou

Quando eu retornar das férias, comentarei, gradativamente, as contratações e montagem de todos os elencos dos principais times do Brasil.

Para fazer isso, preciso ver quem os treinadores terão à disposição.

No futebol com pouca gente capaz de desequilibrar rotineiramente por ser  muito acima da média no trato da bola, a junção de características dos atletas é fundamental para a compreensão do papel que cada um pode exercer e qual tipo de auxílio os jogadores terão dentro de campo para suas virtudes prevalecerem.

Mercado de contratações desanima; chapelaria fatura muito e não garante qualidade na entrega

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Muita fumaça e pouco fogo

Vinte times disputaram o campeonato brasileiro e apenas um, por razões óbvias, conseguiu comemorar o título.

Mas nem os cruzeirenses terminaram a temporada totalmente satisfeitos, pois a campanha na Libertadores foi aquém da capacidade técnica do elenco e a participação na final da Copa do Brasil ruim.

Aos olhos dos torcedores felizes com ressalvas, assim como na visão dos insatisfeitos – no caso do futebol brasileiro eles são a absoluta maioria entre os adeptos dos grandes times – a contratação de jogadores é a solução para quase todos os problemas em campo.

A paixão pelo clube costuma fazer muita gente acreditar naquilo que poucas vezes viu.

Aumenta a esperança de conquistas e cria a enorme expectativa que, se levarmos em conta a regra dos últimos anos, tende a terminar após os supostos reforços atuarem algumas vezes e frustrarem o sonho de quem espera deles algo especial no trato da bola.

Basta ver o nível técnico do último Brasileirão e observar onde seu time buscou o boleiro para saber que poucos realmente irão agradar.

O rebaixado Botafogo, por exemplo, se transformou em ‘oásis’ para a busca de novos atletas, pois vive enorme crise financeira.

Se a equipe não tivesse caído e houvesse equilíbrio nas contas, os jogadores que saíram de lá receberiam as mesmas ofertas?

O “não” que veio à mente do amigo leitor, para quem desejo excelente ano novo, mostra como é a logística de um futebol pessimamente administrado.

Enquanto os times de ponta nos principais torneios do mundo buscam o profissional capaz de suprir as carências, aqui os dirigentes aproveitam negócios de ocasião e liquidações e seja o que Deus quiser.

A contradição proporcionada pela goleada da emoção contra a razão é positiva no mundo dos torcedores e inadmissível no da cartolagem.

Depois os gestores reclamam da falta de grana e mendigam ajuda do governo.

Lembrete

São eles que tomam como pessoais questões dos clubes, inflacionam o mercado, fazem o jogo dos empresários, várias vezes sequer pagam os salários em dia e reelegem presidentes de federações e da CBF.

Mantêm tudo do mesmo jeito e falam em “modernização” quando explicam como têm administrado os times.

Algum chapéu rasgado????

O São Paulo ‘deu chapéu’ no Palmeiras ao contratar Wesley.

Resta saber qual jogador irá ao Morumbi.

O esforçado e que se multiplicava em campo dos tempos de Santos, ou o acomodado que vestiu o manto sagrado palestrino com aparente desdém?

O São Paulo se dispôs a pagar altos salários a ele apenas por causa da solicitação feita por Muricy Ramalho ou a briga pessoal de Carlos Miguel Aidar com Paulo Nobre garantiu ao volante a remuneração que pretendia?

O tempo dirá, pois eu e ninguém possui a resposta conclusiva, quem tomou o chapéu.

O mesmo vale para Dudu, que o time do Morumbi e o Corinthians queriam e foi atuar no Alviverde.

O preço da transferência do meia-atacante foi grande para o padrão nacional.

Ainda mais sabendo que nenhuma agremiação grande ou média da Europa concorreu.

O grupo de jogadores que o Palmeiras monta necessita de velocistas, o ex-gremista dentre os que têm tal característica é o mais capaz do elenco neste momento (outro pode chegar), mas Dudu, aos 23 anos, ainda é uma promessa.

Tanto pode crescer e subir de nível, o que será necessário para atender às expectativas dos palmeirenses, quanto ficar estagnado.

O desempenho dele dirá quem de fato ‘tomou o chapéu’.

Sinais da decadência

Atletas em fim de carreira, jovens que não vingaram no exterior, boleiros de clubes incapazes de pagarem salários mais ou menos em dia e que já faziam parte do pacote do futebol mediano daqui…

Eis os principais alvos dos times brasileiros de ponta na formação de seus elencos.

Nem os mercados vizinhos de nações com economias menores que a nossa e clubes com orçamentos muito abaixo dos daqui, os dirigentes conseguem explorar direito.

Espero que haja alguma exceção até o fim da janela de transferências.

Materialismo conveniente 

Os ingressos devem continuar caros.

O preço deles e as arenas luxuosas (futebol precisa de segurança e conforto, não de glamour padrão Fifa) são o legado esportivo da Copa do Mundo do dinheiro público?

Um a menos

Nada disso impediu Ricardo Goulart, o melhor jogador do Cruzeiro e em atividade no Brasil na conquistas dos campeonatos brasileiros, de ir para a China.

Na potência asiática, o desempenho dele em campo não melhorará, a chance de ser esquecido pela seleção aumentará gradativamente e por consequência diminuirá a de ir para um time competitivo em torneios importantes da Europa.

Não é craque, gênio, mas foi o melhor atleta da Raposa que teve o time mais consistente nos últimos tempos.

Qual jogador contratado aqui o internauta garante que repetirá o mesmo que ele?

No futebol pode surgir alguém para fazer isso, pois o próprio Ricardo Goulart quando saiu do Goiás era inferior ao dos tempos com a camisa celeste.

Mas, em tese, até aparecer a surpresa, se é que surgirá, houve declínio de qualidade individual nos jogos dentro do país.

Os mais promissores

Dudu, Marcelo Cirino (22 anos), que trocou o Atlético PR pelo Flamengo, e Thiago Mendes (23), do Goiás para o São Paulo, foram as principais promessas contratadas.

Mas, repito, se tratam de apostas, não de jogadores prontos.

Isso é muito pouco se olharmos o tamanho dos times e de suas torcidas. Não basta para animar quem gosta mais de jogo de futebol que de consumismo irresponsável com dinheiro das associações esportivas.

Não há nenhuma razão, até alguém no gramado fazer algo que não conseguiu até hoje, para qualquer tipo de empolgação.

Feliz ano novo!!!!

OBS: O texto ‘Muita fumaça e pouco fogo’ é a reprodução de minha coluna de 3 de janeiro no Lance.

Estou em férias e por isso tenho aparecido pouco no blog.

Passarei aqui algumas vezes antes do fim delas.

 

São Paulo pretende negociar Rodrigo Caio

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

O São Paulo aprovou no começo da semana o orçamento da próxima temporada.

Dos 153 conselheiros que compareceram ao salão nobre do Morumbi, 148 concordaram com a previsão do déficit de R$53 milhões.

Os dirigentes colocaram na conta a entrada R$ 34 milhões pela negociação de jogadores. Este número pode variar de acordo com as propostas por boleiros do clube. O valor foi definido com base na possível transferência, ano que vem, do Rodrigo Caio.

O nome e a monta não foram resolvidos aleatoriamente.

Sondagens tratadas como confiáveis ou propostas oficiais permitiram a inclusão do volante/zagueiro na previsão orçamentária.

Opinião

Acho que a tendência é de o negócio acontecer durante o ano.

Ele passou por uma cirurgia depois da ruptura do ligamento cruzado do joelho e voltar a correr no campo da Barra Funda faz uma semana. Deve retornar ao time durante o paulistinha, onde poderá recuperar a confiança e o ritmo de jogo.

Lista de reforços pedidos por Muricy tem jogadores de Santos e Grêmio

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Muricy Ramalho pediu à diretoria para priorizar as contratações de um lateral-direito e um zagueiro capaz de jogar na esquerda.

Hudson e Edson Silva são os titulares ali.

Edu Dracena, do Santos, que anos atrás quase acertou com o clube, e Geromel, do Grêmio, são dois nomes da lista,  que deve ter outros, de opções para a zaga indicadas pelo treinador.

O nome do santista agrada menos os cartolas.

O vice de futebol Ataíde Gil Guerrero e o presidente Carlos Miguel Aidar não aprovam e o técnico tem que convencê-los a mudarem de ideia caso o veterano, que fará 34 anos em maio, for quem ele mais quer como titular na dupla com Rafael Toloi.

Geromel tem 1m90 e completará 30 anos na próxima temporada e é experiente.

Passou três em Portugal no Chaves e no Vitoria de Guimarães, três na Alemanha com o Colônia e um no Mallorca da Espanha.

No Grêmio, joga na direita (é destro), antigamente chamada de zaga-central.

O time gaúcho quer diminuir a folha de pagamento do elenco caso não consiga se classificar à Libertadores, o que pode facilitar a missão dos interessados, pois o do Morumbi não é o único.

Lembro que recentemente trocaram Souza por Rhodolfo e têm abertura para negociar.

Até onde consegui apurar, não há nada fechado ou próximo disso com nenhuma das opções.

Geromel tem vínculo com o Colônia, foi emprestado à agremiação gaúcha onde tem o contrato até dezembro da próxima temporada com cláusula de renovação por mais um semestre.

Mas o clube alemão pode negociá-lo, em janeiro, na janela de transferências, caso receba proposta e os gremistas não cubram. Como Carlos Miguel Aidar afirmou que o São Paulo tem problemas de caixa, tal equação, em princípio, parece difícil.

O jornal português ‘Correio da Manhã’, em outubro, publicou a informação dando conta que o Sporting quer o atleta.

Sucesso de Douglas no Barça será uma prova de incompetência do São Paulo; lateral precisa evoluir para conseguir isso

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Douglas é um profissional sério e dedicado.

Quando chegou ao São Paulo, após ser reprovado nos exames médicos de acordo com versão do Internacional – os cartolas do Morumbi dizem que não houve acerto financeiro e o Colorado usou isso como desculpa – sequer entendia a posição que um lateral deve ocupar.

Estava pronto para entender e executar a função de de ala ou de jogador que atua do lado direito da linha de três do 4-2-3-1, tal qual Dunga escalou Daniel Alves na seleção brasileira durante a Copa do Mundo em 2010.

Na verdade, Douglas e Daniel Alves têm características parecidas.

O veterano caiu de rendimento nos últimos dois anos, tanto é que o Barça pensa ou pensou em negociá-lo, mas tecnicamente era muito superior ao novo reforço dos catalães.

Douglas tem dificuldade no passe, fundamento imprescindível para o estilo de jogo barcelonista preparado por Guardiola para atender a sua obsessão por posse de bola.

Como você sabe, torcedores, em regra, acreditam e apoiam aquilo que fez a agremiação amada ser campeã.

A marca das conquistas foi a capacidade de manter a bola e recuperá-la na saída de jogo dos adversários.

Não vi o Barça de Luis Henrique atuando, mas diante do Elche, na estreia do ‘espanholão’, a equipe ficou com a bola durante 72% do tempo em que ela correu e acertou 93% dos passes (741).

Parece que o novo treinador pretende seguir no rumo parecido ao de Guardiola.

Na vitória por 3×0, Mascherano foi expulso ao fazer falta para encerrar um contragolpe.

Erros de passes simples, como os que Douglas comete várias vezes, geram contra-ataques e atrapalham o desenvolvimento da proposta de jogo barcelonista.

Em suma, o lateral precisa aprimorar muito este fundamento para ser titular do Barcelona vencedor e forte.

Terá de continuar trabalhando com afinco para atingir o nível necessário.

Se obtiver sucesso escreverá de maneira indireta o atestado de incompetência de quem o treinou e foi incapaz de ajudá-lo a desenvolver esta habilidade básica no futebol.

O valor pago pelo barcelona por Douglas é considerado muito pequeno para os padrões do time.

Em suma, acredito que os dirigentes do clube enxergam a contratação como uma aposta de pequeno valor econômico.

São Paulo não ficará com Pabón

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

O São Paulo comunicou o Valencia que não ficará com o jogador Pabón.

Com a saída do meia-atacante, o clube economizará R$350 mil, mais os encargos trabalhistas, por mês.

Deve gastar essa grana em reforços, pois não é novidade para ninguém que Muricy pediu a contratação ao menos um volante e de um zagueiro.

O próprio treinador já falou disso em público.

Pabón foi indicado pelo ex-centroavante Luizão, campeão da Libertadores em 2005 pelo time do Morumbi, para Muricy Ramalho ( já tinha visto o boleiro atuar) e Milton Cruz.

A comissão técnica pediu a contratação do colombiano ao então presidente Juvenal Juvêncio, e o ex-jogador intermediou a negociação.

A torcida não pode reclamar de falta de esforço de Pabón, mas tem todas razões para questionar desempenho dele.

Não justificou o investimento.