Arquivo da categoria: Uncategorized

Anisimova a nova estrela americana

Amanda Anisimova é a norte-americana mais jovem a conquistar um título desde que Serena Williams venceu seu primeiro WTA, também aos 17 anos, na edição de 1999 em Indian Wells. Ela também é a mais jovem jogadora dos Estados Unidos a vencer um torneio no saibro desde 1993, quando Lindsay Davenport triunfou em Lucerna com apenas 16 anos. Considerada uma das maiores promessas do tênis feminino…

Fonte

Mal o barquinho do Tricolor e do Timão! Né, Boechat?

Mas que semana, hein?

Começou com a morte terrível de Ricardo Eugênio Boechat que acabei por “batizar” de Ricardo “El Gênio” Boechat.

Incrível, nunca antes na história deste país, “lulamente” falando, jamais a morte de um jornalista provocou tanta comoção, tanta consternação.

Senti algo parecido com os ocorridos quando das mortes, tão tristes também, de Tancredo Neves e Ayrton Senna.

E como à época não havia internet, suponho que a repercussão da tragédia que nos tirou Boechat foi ainda maior.

Claro que sabia de sua condição de funcionário número 1 do Grupo Band, mas não imaginava tamanha comoção de toda a sociedade brasileira.

E louve-se as emissoras co-irmãs.

No velório, falei com quase todas, grandes, médias e pequenas e me impressionou o espaço nobre dado pela Rede Globo à morte de Boechat, homem de rádio – ele não era do ramo e ficou muito bom -, revista e TV.

Eu, Milton PITONISA Neves, “enfrentei” o Boechat por 13 anos às 9h da manhã na BandNews FM com muito bom humor e nos socos também. Tanto que, um dia, entre nós virou pugilato (rs)!

Mas como ele falava, a vida não pode parar e vamos tocar aqui os nossos barquinhos.

O do São Paulo furou e afundou na quarta-feira por falta de piloteiro à altura dos marinheiros macacos velhos acomodados.

Lá no píer, na diretoria lá na ponta da praia, os donos dos barcos não se entendem e só dão cabeçadas para todo lado.

E agora inventaram no Morumbi a figura do técnico do “carnê do Mappin”: Mancini, que é bom, veio à prestação para esquentar o lugar para o Cuca.

Aliás, né, Jardine, Vagner Mancini já era solução mais palatável do que você por já ser um treinador rodado, experiente, como bem poderia ter sido Fernando Diniz, agora no Fluminense.

A propósito, parabéns ao Fernando Diniz, que conheci bem na região em que moro, e ele está fazendo o Flu flutuar acima do dinheirão do Flamengo.

E até o Oeste, que passou por suas mãos, bateu o Fast Clube dentro de Manaus por 6 a 1.

E o Corinthians, ainda “titubeante”, hein?

O tradicional termo é de Fiori Gigliotti e define bem o atual momento do Timão do bom Carille, ótimo até em coletiva.

A do Jardine, quarta à noite, já rebaixado e substituído – ele tinha ciência – jogou para galera perante os repórteres dissertando sobre o nada e até disse que não perdeu do Talleres de Córdoba, “apenas empatou”.

Ora, foi uma das mais vergonhosas derrotas da vida do São Paulo em casa com o anestesiado Jardine não tendo mexido no time no intervalo mesmo com o São Paulo jogando “pedrinhas”.

Ali, no intervalo, ele deveria ter sido demitido.

E jogando perante mais de 50 mil torcedores em pleno Morumbi contra um São Caetano da Argentina, conseguiu ainda ficar 100 minutos sem criar uma mísera chance real de gol.

E não é que, ainda por cima, quase perdeu o jogo?

Agora, chega de experiência e de cursos de madureza e Mobral para treinador, viu, São Paulo?

Já não bastaram os quatro ou cinco anos em que vocês, reféns do mito Rogério Ceni, não contrataram reservas à altura para ele?

Afinal, ele não deixava, vocês ficavam com medo e não contratavam reservas bons.

Resultado: o Rogério foi parando, foi até o osso, e aí, sem reservas bons, os cartolas tricolores foram atrás de um monte de goleiros ruins.

Lá atrás, ainda com Rogério, o nome era Martín Silva, o uruguaio do Vasco que voltou para o Paraguai.

Esse atual que descobriram por aí é grande, pancudo, vistoso, pula bem e bonito, mas a bola entra, à la chinês de circo pulando do trapézio.

O Palmeiras deita e rola, o São Paulo e o Corinthians patinam, o Santos tem bela Porsche Cayenne by Stuttgart no banco, mas não tem gasolina para o carro alemão.

Só que não anda decepcionando, o que é pouco, porque na hora de a porca torcer o rabo a coisa pode complicar.

No chiqueirão verde, por exemplo, os porquinhos do Santos não terão chances contra os cachaços do Felipão.

E só, e vamos agora tocar o nosso barquinho, como dizia o ex-Ricardo Eugênio Boechat, que agora o Pitonisa aqui batizou de Ricardo “El Gênio” Boechat.

E aquela nossa Páscoa combinada, Boechat, com as nossas famílias no Four Seasons de Tribeca, Nova York, nas alturas de suas Private Residences, fica suspensa até que eu possa te reencontrar.

E obrigado por tudo, Jacaré de Niterói-RJ!

Boechat e o Debate Póstumo! Um trabalho de gênios que assinam esta obra no final do vídeo. Parabéns!

Opine!

Carta ao presidente do Brasil(eirão)

Presidente eleito, quem está falando é um palmeirense como vossa excelência – mas que não votou em você. Ou seja, já pode apontar a arminha pra mim (brincadeirinha, que eu sei que o então candidato adorava falar que tudo era brincadeira quando falava em palanque em metralhar a oposição). Mas este papo seria o mesmo se fosse outro o eleito: o candidato que tive de votar, o cabo que subia no monte, os que já esqueci. Se fosse Dalai Lama, Gandhi, o Papa Francisco, meu pai ou o seu Tinhoso, falaria o mesmo: vossa excelência tinha todo o direito de estar na tribuna como o nosso clube tinha motivos para o convidar pro deca. Mas vossa excelência tinha o dever de não entregar a taça ao campeão brasileiro. O nosso time. 

A não ser que em outros anos o presidente já empossado faça o mesmo com outros clubes (o que sabemos que não será problema para quem nisso é tão tolerante em vestir outras camisas). Mas se vossa excelência fizer algo que nenhum presidente fez antes, ao menos não repita a volta olímpica. Nem Mussolini fez isso. 

(Nosso clube, como sabemos e muitos de seus eleitores, teve fascistas. Mas não era fascista e nem racista como aquele desperdício de carbono da jornalista argentina Eleonora Gosman publicou outro dia no texto que é zero jornalismo, zero história e 171 jogada ensaiada ideológica contaminada por estoriadores de quinta-coluna e categoria… Aliás, nobre coleguita, espero que você me desbloqueie no Twitter e faça a retificação que seu CLARÍN teve de fazer pela sua corneta burra). 

Insisto, presidente. Este papo que murchou quem o acha mico e não acrescentou a quem o vê como mito é de um eleitor de Haddad que votaria até no Daciolo, mas não no 17. Mas eu também falaria o mesmo para o meu candidato de urna. Como critiquei Andres Sanchez quando levantou junto com Willian a flamejante taça do Corinthians no SP-09. Como critiquei Paulo Nobre quando fez o mesmo com Zé Roberto, na Copa do Brasil-15. Nem os presidentes dos clubes podem levantar junto o troféu com os capitães. Só depois. 

Político, qualquer um, não pode dar bandeira dando troféu e volta olímpica. Você não ergueu junto o BR-18. Mas não tinha que estar naquele palanque. Vossa excelência agora não tem mais palanque. Tem Planalto pra cuidar do país. 

Seleção é outro papo. Chefe de Estado está lá pra isso. Pra troféu de clube, jamais. O Figueiredo que era biônico não deu pro Fluminense dele em 1984. O Medici que é inominável não deu para Grêmio e Flamengo – que também não ganharam nacionais entre 1969 e 1974. O corintiano Lula não deu em 2005 (e recebeu em Brasília apenas 5 atletas campeões da Copa do Brasil-09, no dia seguinte ao titulo). 

No gabinete, pode. No gramado, não. 

O troféu que Vagner Bacharel, Jorginho Putinatti e Mazola, nossos ídolos, não conseguiram levantar pelo nosso time, você ergueu e com isso levantou polêmica desnecessária. Em vez de discutirmos quem jogou mais no BR-18 (Dudu ou o nosso capitão Bruno Henrique), agora brigamos para saber se mais oportunista e maluco é o Deyverson ou o presidente eleito. Em vez de gritos de Palmeiras ou qualquer outro nome campeão na festa, ouvimos de mito a mico, de monstro a milico, de aplausos a xingamentos a você e a Lula. 

Pra quê? Por quem? 

Fizesse a festa na tribuna, presidente. Faz parte. É da democracia que desejo e defendo, a que o elegeu (e espero que também seu sucessor) e que você nem sempre defende com teses brilhantes de QIs de ustra. É do Palestra da Itália de nossa raiz. Dos imigrantes de todos os pontos e portos que não são “escória”, são escolhas que fazemos quando não temos outra. E quando temos escola, precisamos respeitar. Como você não soube a competição, os adversários, os atletas, o próprio clube campeão. 

Respeito o seu cargo, presidente. O brasileiro (o eleitor, não o Campeonato) o escolheu. Avante como Palestra, não como exército. Verde como Palestra, não como oliva. Seja o presidente de todos. Não do Palmeiras. 

Sou um palmeirense como você. Também alguns jogadores me pediram pra subir no trio elétrico no domingo passado como fizeram também em 2016. Também fui aplaudido e carregado por gente de verde na rua. Mas eu, você e ninguém é mais palmeirense do que ninguém. Nem o presidente. Seja mais previdente. Mais político na melhor acepção. 

Já que estamos falando de egos inflados, sou curador do Museu da Seleção. E fiz questão de não tocar em nenhum dos cinco canecos. Como nunca toquei em nenhum dos que erguemos. Eles são da torcida. Mas são conquistados pelos nossos enviados. Nossos soldados em missão, capitão. 

As medalhas são deles. Não de quem as coloca no pescoço. Não de quem aparece na foto só na festa. Nas quedas não o vi nas arquibancadas. Nas derrotas não o vejo nas redes, presidente. 

Sei que você não é o meu candidato. Mas agora é nosso presidente. E precisa ser cobrado. E colocado no seu lugar. Hierarquia se aprende no quartel. Respeito também parece provável que seja. 

A CBF manda. Mas obedece quem tem juízo. Era só acenar da tribuna de honra. De honra, presidente. Não entregar medalha e troféu. Vossa excelência terá 4 anos pra isso. 

Mas sempre em Brasília. 

Diferente do nosso Palmeiras, que parece que tudo pode, presidente não pode. E precisa parecer.

Não aparecer como Marin só no pódio que não pode. Ainda bem que pelo menos as medalhas foram todas entregues a quem de direito. Mesmo que por quem não tinha direito. Só o dever de ser o presidente do país.  Não do Palmeiras que espero que ainda não seja seu e nem do candidato derrotado. 

O Palmeiras é de todos nós que recebemos o presidente no nosso estádio. Mas não precisamos recebê-lo no nosso gramado. 

Mais um clube adere ao BOM SENSO FC. O Internacional também apoia

O Internacional está ao lado do movimento, me confirmou uma fonte do colorado gaúcho. O presidente Giovanni Luigi apoia os atletas que comandam o movimento.

Agora já são doze clubes da Série A que reforçam os ideais do BOM SENSO FC.

Leia o post anterior:

Onze clubes da Série A apoiam o ‘BOM SENSO FC’

Atlético-PR, Atlético-MG, Cruzeiro, Corinthians, Criciúma, Goiás, Grêmio, Vasco, Bahia, Santos e São Paulo apoiam o movimento de jogadores que exigem melhorias no futebol brasileiro.

O levantamento foi feito pelo jornalista Vinicius Mendes, da Rádio Bandeirantes que ouviu dirigentes e executivos destes clubes.

Não se manifestaram os cariocas Flamengo, Botafogo e Fluminense.

Já Internacional, Náutico, Portuguesa, Vitória, Coritiba e Ponte Preta discordam de vários pontos do movimento.

O fato é que mais da metade dos clubes da primeira divisão são favoráveis ao BOM SENSO FC. Uma vitória deste movimento inédito de futebolistas no país.

“Nós vamos nestes clubes contrários apresentar a proposta. Nem precisa convencer. Na hora em que lerem o documento vão entender e ficar à favor”, acredita Paulo André, zagueiro e capitão do Corinthians, um dos líderes do movimento.

Em entrevista ao Esporte em Debate, da Radio Bandeirantes, Paulo André explicou os pensamentos dos jogadores que fazem parte do BOM SENSO FC.

Ouça no link:

Serra Talhada vence e fica a um ponto do G4

Leia o post original por Blog do Torcedor - Notícias

O Serra Talhada entrou na briga por uma vaga no G4 do Campeonato Pernambucano Coca-Cola com a vitória por 2×0 diante do Salgueiro, neste domingo (24), no Pereirão, em Serra Talhada. Com os três pontos, o Cangaceiro tomou o quinto lugar do Carcará, com 11 pontos e está a apenas um do quarto colocado, o Ypiranga.

Apesar da derrota, o Salgueiro também está embolado na porta do grupo dos futuros semifinalistas, com dez. A superioridade do Serra Talhada materializou-se no segundo tempo. Logo aos quatro minutos, Negretti abriu o placar. Aos 21, Alison consolidou a vitória.

Os demais jogos envolvendo equipes do interior terminaram empatados. Em Belo Jardim, o Pesqueira esteve duas vezes à frente do time da casa, mas não conseguiu segurar a vitória. Deisinho marcou o primeiro aos 16 do primeiro tempo, mas Muller empatou dez minutos depois.

Ainda na etapa inicial, o mesmo Deisinho voltou a colocar seu time na frente. O Calango só arrancou a igualdade no segundo tempo. Aos 28, Muller empatou novamente em cobrança de pênalti. O Belo Jardim está em sétimo lugar, com nove pontos e o Pesqueira vem em décimo, com oito.

Por fim, o Porto perdeu uma grande chance de manter-se mais vivo por uma vaga nas semifinais. Joelson fez 1×0 aos 34 do segundo tempo. A vitória estava encaminhada mas Edmilson, aos 42 conseguiu o empate para o Chã Grande. O Gavião é o oitavo colocado, com nove pontos. O Chã Grande vem logo abaixo com a mesma pontuação.

Felipão inclui Fred em rodízio de capitães na seleção

Leia o post original por Blog do Torcedor - Notícias

Da Agência Estado

O atacante Fred está mesmo com moral alta na seleção brasileira. Ele foi comunicado pelo técnico Luiz Felipe Scolari de que será um dos capitães da seleção brasileira, dividindo o posto com os zagueiros Thiago Silva e David Luiz. Eles serão os líderes do grupo também fora de campo e terão a responsabilidade de representá-lo no gramado. Felipão quer contar com jogadores que saibam comandar para ajudá-lo a unir a seleção.

Fred ficou feliz com a sua escolha. Ele foi informado de maneira oficial numa conversa de cerca de 30 minutos de Felipão com o grupo na manhã deste sábado, em Nyon, nos vestiários do centro esportivo onde a seleção treinou durante sua estada na Suíça. A delegação tem embarque previsto para Londres para o meio da tarde (12 horas, pelo horário brasileiro), mas o voo, fretado, corria o risco de atrasar em função das condições climáticas da capital inglesa.

Como toda equipe, a seleção tem vários jogadores para passar experiência, motivação, para orientar também, disse Fred. Para mim é uma honra grande ter esse tipo de confiança do Felipão. Me deixa mais motivado e feliz. Vou fazer de tudo para representar bem a função.

O artilheiro lembrou que já foi capitão no Cruzeiro, quando tinha 21 anos, e também no Fluminense. Na seleção é o nível máximo uma oportunidade dessas. Aumenta a responsabilidade, mas é muito gratificante.

No entanto, ele não considera que o fato de estar com moral com o chefe seja garantia de que já está no grupo que disputará a Copa das Confederações. No futebol, a gente sabe que as coisas têm de se conquistar no dia a dia e com trabalho sério nos jogos. Não é porque o Felipão me deu essa oportunidade que estou garantido, entende Fred.

Autor de gols nos dois jogos da seleção sob o comando de Scolari – o que marcou contra a Itália foi o de número 250 de sua carreira -, Fred não nega a boa fase. Está boa, mas vamos procurar vencer um jogo, disse, esperançoso de que isso ocorra na segunda, contra a Rússia. Para um atacante é importante fazer gols, mas isso não mascara nada. Tem de manter a seriedade e procurar fazer mais no próximo jogo.

Como Felipão optou por não dar coletivo na sexta, também não definiu de forma oficial o time que pegará a Rússia. Mas Thiago Silva volta à zaga e Marcelo entra na lateral esquerda. Saem Dante e Filipe Luís. Jean pode ser observado na lateral direita, ainda que apenas em parte do jogo. Kaká ainda tem esperança de começar o jogo, mas Oscar deve ser o titular.

Central e Belo Jardim fazem valer o mando de campo e vencem

Leia o post original por Blog do Torcedor - Notícias

Jogando em casa, O Central venceu o Serra Talhada por 2×1 na noite desta quinta-feira, no Lacerdão, em Caruaru, pela sexta rodada do segundo turno do Pernambucano Coca-Cola. André Nunes abriu o placar para os caruaruenses de pênalti. Alisson empatou para o Cangaceiro, mas Jorge Luis voltou a colocar a Patativa na frente.

Com a vitória, o Central foi a sete pontos e segue na parte intermediária da tabela – nona posição. O Serra também tem os mesmos sete pontos, porém fica uma posição acima do rival devido ao desempate.

Belo Jardim x Ypiranga

Também atuando em casa, o Belo Jardim venceu o Ypiranga, no Sesc Mendonção, em Belo Jardim. O placar também foi 2×1. Danilo abriu o placar para a Máquina de Costura, mas Júnior Maranhão e Alenílson viraram para o Calango do Agreste, que chegou aos cinco pontos e deixou a lanterna, é o 11 agora. O Ypiranga é o quinto com oito.