Arquivo da categoria: Vagner Love

Cláusula de saída: a exigência de parceiros que desmanchou o Corinthians

Leia o post original por Perrone

O desmanche enfrentado pelo Corinthians neste início de 2016 começou a ser facilitado no momento da chegada dos jogadores que acabaram de deixar o clube. Com pouco dinheiro para trazer reforços, a diretoria alvinegra, em muitos casos, se curvou diante de exigências de empresários e times vendedores.

A principal delas é o que agentes chamam de cláusula de saída. Funcionou assim: o clube parceiro nos direitos econômicos, o empresário ou o jogador, obrigaram o Corinthians a se comprometer a vender o atleta por uma determinada quantia, caso aparecesse uma oferta oficial.

Assim, os corintianos tiveram que estipular a multa rescisória no valor da cláusula de saída exigida pelos parceiros. A lei permite que em transferências para o exterior, o time estipule a multa no valor que quiser. As equipes, então, jogam essa quantia na lua, a fim de se proteger. Mas, não foi o que o Corinthians fez por causa dos compromissos que assumiu na hora de contratar. Era aceitar a regra do jogo ou não trazer jogadores como Renato Augusto e Jadson, já que o clube não tinha dinheiro para pagar mais pelos reforços.

Um caso emblemático é o de Renato. O Bayer Leverkusen queria vender 100% dos direitos econômicos do meia. O alvinegro paulista disse que só poderia adquirir 50%. Os alemães, então, exigiram a cláusula de saída no valor de 8 milhões de euros. A quantia pode ser considerada baixa para o melhor jogador do Brasileirão de 2015 e foi paga sem que o Beijing Guoan derramasse uma gota de suor. Um valor mais alto poderia inviabilizar a venda e fazer a porcentagem dos alemães virar pó ao final do contrato do meia.

Situação semelhante aconteceu com Jadson, envolvido na troca com Pato, só emprestado ao São Paulo. Os agentes do jogador, alegando que o Corinthians não precisou colocar a mão no bolso para fazer a contratação, além de participação nos direitos econômicos do meia, exigiram uma multa rescisória de 5 milhões de euros, valor irrisório para um atleta do nível dele. Negócio da China para o Tianjin Quanjian.

Outro exemplo é o de Vagner Love, que topou vestir a camisa corintiana, mas que já tinha como meta voltar brevemente para Europa. Por isso, exigiu uma cláusula de saída de apenas 1 milhão de euros.

A direção corintiana alega que se não tivesse aceitado as exigências dos parceiros não teria contratado jogadores fundamentais para a conquista do hexacampeonato brasileiro.

Corinthians, hexa

Leia o post original por Antero Greco

Corinthians campeão. Hexacampeão. Até as pedras novas do Itaquerão sabiam disso, há muito tempo.  Era questão de rodada mais, rodada menos.  O time sobrava, nadava de braçada no Brasileiro. Não havia como ser superado, mesmo que, por cautela e matemática, os números ainda não fechavam até a noite desta quinta-feira.

A espera acabou com o empate por 1 a 1 com o Vasco, em São Januário, e com os a 4 a 2 do São Paulo sobre o Atlético-MG, no Morumbi. A combinação de resultados fez com que o novo campeão abrisse 12 pontos de vantagem sobre o vice-líder. Diferença expressiva, que mostra a distância, na prática, entre o Corinthians e os outros.

O Corinthians receberá a taça, no domingo, porque foi o melhor. Simplesmente o melhor, o mais eficiente, o mais regular, o mais harmonioso dos concorrentes da Série A de 2015. Tem o maior número de vitórias, o menor número de derrotas, o melhor ataque e a defesa menos vazada. O menor número de advertências.  Foi extraordinário como mandante (90% de aproveitamento) e incômodo como visitante.

Contestar o quê? Reclamar de quê? Que teoria de conspiração resiste a retrospecto irretocável? O Corinthians não é espetacular, maravilhoso, coisa de outro mundo. É time bom, com bons jogadores e que vivem boa fase. E tem, acima de tudo, um técnico sereno, que não inventa, não complica, não atrapalha. Tite soube dar o amálgama necessário para um grupo que passou por reformulação durante a temporada.

Jadson, Elias, Renato Augusto foram nomes de destaque. Como destaque tiveram Cássio, Gil, Fágner, Edilson, Vágner Love, Malcom. O veterano Danilo, o recém-chegado Rodriguinho. O Corinthians foi conjunto, grupo, união em torno de um ideal. Preparou-se para ser campeão, soube como perseguir o objetivo.

Não foi apresentação inesquecível, no empate com o Vasco. Ao contrário, limitou-se a atuação corriqueira, em alguns casos até abaixo do costumeiro. Por pouco não perdeu para um rival desesperado com a ameaça de rebaixamento. Mesmo assim, não se descontrolou, não desviou a atenção. Empatou e ficou à espera de tropeço do Galo no Morumbi. Que veio, e como!, com os 4 a 2.

O Corinthians fecha o ano com festa e projeta 2016 muito interessante. Sobretudo se mantiver o elenco atual. E se o treinador não for para a seleção.

 

 

Torcida do Atlético cuspiu em Tite e Tite cuspiu o Galo para longe do título

Leia o post original por Quartarollo

Corinthians é o lídimo campeão brasileiro. Matematicamente ainda pode ser alcançado pelo Atlético Mineiro, mas não acontecerá.

Depois da goleada de hoje à tarde, no Independência, o Galo está morto mesmo jogando no Horto.

Era jogo para o Mineirão, mas os supersticiosos de plantão incluindo aí técnico, dirigentes e jogadores, acharam que o Horto era o alçapão certo para pegar o Corinthians.

Afinal, dizem por lá, caiu no horto está morto. E morreu mesmo.

Perderam o jogo e uma grande arrecadação que poderiam ter no Mineirão. Cá entre nós, não foi muito inteligente.

Aliás, no ano passado, o Atlético eliminou Corinthians, Flamengo e ganhou a Copa do Brasil contra o Cruzeiro, no Mineirão sempre com grandes rendas. Será que ninguém mais lúcido na diretoria do Galo se lembrou disso?

Mas no campo só deu Corinthians. O placar de 3 x 0 espelha bem o momento das duas equipes.

O Corinthians está muito na frente do Galo mineiro e dos demais do Brasileiro.

Graças ao trabalho de Tite que conseguiu montar um time sem grande estrelas e usa o elenco com muita justiça e sabedoria.

Malcon, Vagner Love e Lucca, que visitaram as redes mineiras hoje, foram se ajustando durante o Campeonato. Principalmente os dois primeiros que são considerados titulares.

Lucca veio do Criciúma e tem entrado bem nos jogos a exemplo de Rodriguinho que hoje começou no lugar do suspenso Elias e não destoou.

É o melhor time do Brasileiro, lidera em todos os quesitos e tem o melhor técnico do país no momento.

O Atlético fez grande trabalho. Desde o ano passado, Levir Culpi tem conseguido impor um jogo ofensivo ao time mineiro, mas não foi o suficiente para ganhar do campeão.

Perdeu duas vezes. 1 x 0, na Arena, e hoje, 3 x 0. Foi melhor no primeiro jogo quando deu mais trabalho e estava mais próximo na classificação.

A nota destoante de hoje em Belo Horizonte foi a atitude de alguns porcos infiltrados na torcida atleticana que cuspiram no técnico Tite como forma de provocar o rival. Como se vê deu muito certo.

Foi um ato de falta de educação e covardia também. Cuspir nem no chão, quanto mais em outro ser humano. É deplorável.

Mas Tite aproveitou e cuspiu de vez o Galo Mineiro para longe do título brasileiro da temporada. Só que foi com mais elegância, a elegância dos campeões.

 

Torcedor corintiano, festeje à vontade

Leia o post original por Antero Greco

Torcedor do Corinthians, não se reprima e comece a festejar desde já, pois o título de 2015 é seu. Depois dos 3 a 0 da tarde deste domingo, em BH, não há como o Atlético-MG tirar a diferença. Faltam cinco rodadas e são 11 pontos de vantagem. Impossível supor reviravolta. O carimbo oficial é mera formalidade, virá dia mais, dia menos. Provavelmente já no sábado, contra o Coritiba.

Um tempo atrás, quando se falava demais em arranjos e maracutaias, ficou alguma dúvida no ar a respeito da legitimidade da liderança corintiana. O Atlético se sentia prejudicado (e foi, em alguns episódios) e pairava incerteza. O tira-teima no Independência esclareceu pontos obscuros, se ainda houvesse algum. Os alvinegros paulistas estão em fase superior aos mineiros.

A superioridade do Corinthians se viu na forma como se comportou, do início ao fim. Não adianta o papo de que o placar foi rigoroso e que houve equilíbrio. Não houve, não. O Galo deveria propor o jogo, porque era dele a necessidade da vitória – e só a vitória lhe servia.

O Corinthians esperou, para ver o que ia acontecer. E não aconteceu nada. O Atlético passou o primeiro tempo a meio caminho entre atacar e o temor de levar gol no contragolpe. Com isso, mal incomodou Cássio, assim como Victor ficou só assistindo ao jogo. O 0 a 0 era ótimo para o líder.

Tudo mudou no segundo tempo, quando o Corinthians deu a entender que iria para o tudo ou nada, já que o Atlético não se decidia. A prova veio com descida de Malcom com 15 segundos. E se consolidou com os gols, do próprio Malcom, de Vágner Love e de Lucca.

Gols que surgiram naturalmente e à medida que o Atlético acusava o golpe da missão impossível. Não houve nada a fazer, a não ser aceitar a realidade, dura realidade, de que o Corinthians é hoje um bloco compacto, harmonioso, difícil de ser rompido.

O Galo é valente, sem dúvida. O Corinthians é o melhor time do Brasil na atualidade. Por isso, vai colocar no peito a faixa de campeão nacional. Pela sexta vez na história.

Love conquista o coração da torcida corintiana

Leia o post original por Quartarollo

Vagner Love é o vice-artilheiro do Corinthians no Campeonato Brasileiro com 11 gols.

Um a menos que Jadson que tem 12. Há três meses se eu dissesse que Love conquistaria o torcedor corintiano me chamariam de louco.

Todos o criticavam e muitos com razão. Ele ficou quietinho na sua e foi buscando a melhor forma.

Vagner Love nunca foi mal jogador, muito pelo contrário. Não é genial, mas é bom para o grupo, ajuda os mais jovens, não reclama nunca e luta o tempo todo.

É um cara que financeiramente já tem a vida feita e quer mais. Mesmo quando ficou na reserva de Luciano continuou treinando igual.

A sua dedicação sempre foi destacada por todos. Era um dos que mais apoiavam o jovem Luciano mesmo sabendo que o garoto estava tomando justamente o seu lugar.

Em alguns gols do bom Luciano um dos primeiros abraços que o menino recebeu foi justamente de Love que saia do banco para comemorar com o companheiro.

Coisa de gente boa, gente que joga junto independente da escalação. Isso é cada vez mais raro hoje em dia em todos os segmentos.

Sempre tive boa impressão de Vagner, que virou Love apelidado por Flávio Prado depois de um caso de amor em concentração do Palmeiras quando ainda era um jovem promissor.

Márcio Araújo, a época no Palmeiras, pediu seu afastamento pela indisciplina, mas felizmente foi convencido pelos seus pares que era apenas coisa de um garoto cheio de testosterona.

Love foi bem no Palmeiras, jogava em um time que conquistou pouco na história, que não o ajudava muito, foi negociado a peso de ouro, chegou a Seleção Brasileira e sumiu na China.

Está de volta cheio de amor para dar e muito mais experiente. O grande Zé Duarte, revelador de craques para Ponte Preta e Guarani na década de 70, dizia que bom jogador é aquele que suporta as pressões, dá volta por cima e vira exemplo para os outros.

Não é à toa que foi muito aplaudido ontem quando foi substituído por Danilo na vitória sobre o Flamengo, 1 x 0, gol dele, o décimo primeiro no Campeonato.

Love segue firme na briga com Jadson pela artilharia do time no Campeonato e conta com a ajuda do próprio amigo para receber bolas açucaradas e fazer mais gols.

Caminha também firme para ser campeão brasileiro-2015. Com a vitória sobre o Flamengo, o Corinthians manteve 8 pontos de distância para o Atlético Mineiro, segundo colocado que venceu a Ponte Preta, em Belo Horizonte, 2 x 1.

Domingo Corinthians e Atlético se encontram na capital mineira. Essa é outra situação que também se esvaziou e mudou de manchete nas últimas semanas.

Antes se dizia que esse seria o jogo decisivo para o título. Agora com essa distância do Corinthians é apenas mais um jogo para atleticano ainda sonhar um pouquinho se o Galo vencer o jogo.

Mesmo se vencer, a distância será de 5 pontos e como disse ontem Renato Augusto quando deixava o gramado, em Itaquera, agora o Corinthians tem gordura para queimar.

O Corinthians é o melhor do Campeonato e por isso nas próximas rodadas confirmará seu título com todas as honras.

Para aqueles que dizem que o time é muito ajudado pela arbitragem, ontem Elias sofreu pênalti e o árbitro não deu, reclamou e levou o terceiro amarelo e por isso não joga, em Belo Horizonte.

Tudo isso aconteceu quando o jogo ainda estava 0 x 0. No sábado, em Florianópolis, o árbitro não deu um pênalti claro de Gustavo Henrique a favor do Figueirense e o jogo acabou 0 x 0.

Os árbitros estão errando para todos os lados. Não dá para deslustrar a grande campanha corintiana só com essa conversinha.

Quando Palmeiras montou a equipe com a Parmalat também se falava no esquema Parmalat. O São Paulo de Telê também era citado como beneficiado pela arbitragem.

Idem para o Flamengo de Zico e outros grandes times das história. Parece que os perdedores não sabem reconhecer seus próprios erros.

Isso só acontece depois de muitos anos. Hoje quando se fala desses times que eu citei, todos só elogiam, não se lembram mais da arbitragem.

Até porque eles eram fortes mesmo e mereciam ganhar. Hoje o Corinthians está na mesma situação e merece o título brasileiro.

Corinthians: está na hora de planejar a festa

Leia o post original por Antero Greco

Os dirigentes e os jogadores do Corinthians podem manter discurso politicamente correto. O técnico Tite, idem. É papel deles viram com a conversa de que “não ganhamos nada ainda”, “o futebol tem surpresas”, “os adversários podem surpreender” e etc e tal.

Os torcedores têm o direito de começar a zoeira pra cima dos rivais, pois o título brasileiro de 2015 está muito perto. O Corinthians mantém vantagem de oito pontos sobre o Galo e faltam seis rodadas para o encerramento do campeonato. A taça só escapa se o Cantareira encher até dezembro. Que sejam tocados adiante os preparativos para a farra.

O Corinthians superou outro desafio no caminho do sexto título com o 1 a 0 sobre o Flamengo, na tarde deste domingo, no Itaquerão. O placar foi magrinho; o significado dele, no entanto, imenso. Porque mostrou uma equipe que continua determinada, eficiente, equilibrada e tranquila. Sabe o que deseja e como alcançar os objetivos.

Até a presença de Guerrero do lado rubro-negro passou batida. O peruano foi notado ao entrar em campo e, algumas vezes, ao pegar na bola. Por causa das vaias e provocações de praxe. Na prática, não incomodou Cássio, como de resto todo o time do Fla. O Corinthians não permitiu, com seu sistema defensivo sólido, com o melhor meio-campo da competição. O Fla não existiu.

A vitória veio com gol de Vágner Love, justamente o jogador mais contestado logo após a saída de Guerrero. Como não conseguia acertar, atiçava na torcida saudade do outro goleador. Com o tempo, Love acompanhou a evolução do restante da equipe, desandou a fazer gols e mostrou que a vaga de ídolo agora é dele. Com méritos.

O Fla deu reagida espetacular na virada de turno e parecia que, com Oswaldo de Oliveira, brigaria para ficar entre os quatro – quem sabe na segunda ou terceira colocações. A queda de produção voltou a atrapalhar os planos, e agora até o quarto lugar está comprometido. Tarefa difícil.

Um campeão “ignorante”

Leia o post original por Rica Perrone

Tá pintando. Ainda não é, mas deve ser. Aliás, torço pra que seja.  Não porque eu seja corintiano, muito pelo contrário, mas porque acredito no que meus olhos vêem e quero ver cada vez mais. Vejo neste Corinthians algumas características do nosso futebol que tanto tentamos buscar de volta. Vejo muito mais do que um […]

Love é melhor do que Guerrero? Compare os desempenhos.

Leia o post original por Perrone

Não resisti à tentação de  comparar Vagner Love com Paulo Guerrero neste domingo de Corinthians x Flamengo. E as estatísticas do site especializado Footstats ajudam a explicar por que o alvinegro superou a ausência do peruano.

Love não bate Guerrero só no quesito mais visível, a quantidade de gols (10 a 3). Vence também na importante ajuda defensiva com desarmes (28 a 2).

Em termos de frequência, Vagner  goleia Paolo, sempre chamado pela seleção peruana com 25 jogos no Brasileirão contra 13 (dois pelo Corinthians) de seu antecessor. O corintiano tem média de 0,4 gol marcado por partida contra 0,23 do agora flamenguista.

Na hora de ajudar o time a marcar, Love arranca elogios de Tite e registra média de 1,12 desarme por jogo. A marca de Guerrero em suas partidas pelo Flamengo é de 0,18.

E quem tem melhor pontaria? Love na frente de novo. Ele acerta 56,1% de suas finalizações. O peruano erra pouco mais da metade de seus arremates. Tem índice de acerto de 46,2%.

E no que Guerrero vence Love? Nos dribles e nas assistências. Ele tem média de 0,2 fintas por jogo diante de 0,08 do corintiano. Na média de assistências, dá 0,2 a 0,08 para o peruano.

 

Rodada corintiana

Leia o post original por Quartarollo

Corinthians se impôs com categoria ao Atlético Paranaense, na Arena da Baixada.

Fez 4 x 1 com autoridade de um time mais equilibrado e o melhor do país no momento.

Renato Augusto foi brilhante. Fez dois gols e mandou no jogo.

Os outros dois foram de Vagner Love que já tinha feito boa partida contra o Goiás no meio de semana, mas não fez gols naquela ocasião.

Hoje deixou sua marca e é mais um que cresce na hora certa para confirmar o título brasileiro da temporada.

Além disso, o Corinthians foi beneficiado por resultados dos seus principais concorrentes na rodada deste domingo.

Viu sua imensa vantagem aumentar sobre o Atlético Mineiro que não se fez de rogado e tomou de 4 x 1 do Sport, no Recife.

Time de Levir Culpi não viu a bola. Foi igual o seu xará do Paraná que ficou devendo em todos os sentidos.

Com esses resultados, o Corinthians abre 8 pontos de vantagem sobre o Galo mineiro e esvazia um pouco mais aquela pretensão de jogo decisivo que se aflorava para o encontro de 1 de novembro, em Belo Horizonte, entre os dois ponteiros do Campeonato.

Com essa distância, não existe nada de jogo decisivo nessa data. É mais um jogo importante com a presença do líder do Campeonato, que antes enfrentará o Flamengo, no Itaquerão, no próximo domingo, enquanto que o Atlético receberá a boa Ponte Preta, em Belo Horizonte.

O Corinthians é favorito contra o Flamengo, já o Atlético terá pela frente um adversário que cresceu muito nessa reta final de Campeonato, mas ainda assim tem leve favoritismo.

Não será fácil tirar 8 pontos de vantagem do Corinthians. O time de Tite vive um momento de muita confiança e caminha a passos largos para ser campeão brasileiro-2015

Corinthians também se livrou de vez do Grêmio, que mesmo jogando em casa perdeu para a Chapecoense, 3 x 2.

A diferença para o time gaúcho agora é de 12 pontos.

O quarto colocado do Campeonato neste momento na zona da Libertadores, é o Santos, mas só tem 49 pontos, está a 18 pontos do primeiro colocado.

Hoje o time de Vila Belmiro, jogando em casa onde é quase imbatível, venceu com categoria o Goiás, 3 x 1, com mais dois gols do artilheiro Ricardo Oliveira, que já tem 19 no Campeonato.

São Paulo e Palmeiras que ainda buscam o G-4 tiveram atuações distintas no fim de semana.

O Palmeiras recheado de argentinos bateu o Avaí, em Santa Catarina, 3 x 1, e chegou a dormir no G-4. Caiu fora no domingo depois do resultado do Santos contra o Goiás.

O São Paulo tomou um vareio do Vasco da Gama, no Morumbi, por pouco não perdeu o jogo e conseguiu o empate já no finalzinho com Rodrigo Caio.

Luís Fabiano abriu a contagem aproveitando-se de erro do zagueiro Rodrigo no início da partida.

O Vasco empatou no fim do primeiro tempo com um pênalti mal marcado do garoto Matheus Reis que o fraco Dewson de Freitas anotou e ainda expulsou o lateral do São Paulo por causa do segundo amarelo.

Não foi pênalti, mas no Brasil hoje é assim. É o pênalti à Brasileira, aqui vale e os árbitros inventaram a regra 18 para o futebol. Bola na mão virou mão na bola mesmo com o jogador caindo tentando se apoiar no gramado.

O próximo passo é jogador jogar com camisa de força para não mexer os braços em hipótese nenhuma.

São Paulo reclamou muito da marcação e voltou jogando pior ainda no segundo tempo.

Tomou o segundo gol feito pelo mesmo Rodrigo que falhou no primeiro gol sãopaulino e só foi empatar quando tudo já estava quase perdido.

O Tricolor tem razão na reclamação do pênalti marcado, mas não jogou nada.

O Vasco merecia a vitória pelo que jogou desde os 10 minutos do primeiro tempo. Foi uma injustiça para o time da cruz de malta.

O São Paulo precisa melhorar muito para ainda sonhar com G-4 ou finais de Copa do Brasil.

 

Corinthians não liga nem pro Furacão

Leia o post original por Antero Greco

O Corinthians anda com aoutoestima tão no alto que ignora até a fama dos adversários que visita. Foi o que fez, na tarde deste domingo, ao bater o Atlético-PR por 4 a 1, na Arena da Baixada. O líder do Brasileiro liquidou o jogo no primeiro tempo, ao abrir vantagem por 3 a 0, e controlou o Furacão, encaixotou o vento, como diria aquela personagem da política…

Com a força máxima de volta, a equipe de Tite mandou na partida do início ao fim. Em nenhum momento, se sentiu ameaçada pelo Atlético. Ao contrário, para evitar qualquer possibilidade de susto, já se impôs de cara, com Renato Augusto aos 17 minutos.

Dessa forma, desmontou esquema rubro-negro e pôde fazer o que gosta: tocar a bola, distribuir-se bem em campo e atacar. Com esse roteiro repetido à perfeição, dobrou o placar, com Vágner Love, aos 30 minutos. Para botar o Atlético de vez nas cordas, Renato Augusto marcou o terceiro aos 47.

Pronto. Desafio liquidado e segundo tempo apenas para cumprir formalidade. O Corinthians dosou energia, permitiu o crescimento do Furacão, levou um gol (Bruno Mota aos 11) e não se abalou. Também para esfriar eventual entusiasmo do lado de lá, fechou a conta aos 17, com Vágner Love, de novo, e impedido.

Por prudência e respeito aos demais, é bom lembrar que faltam sete rodadas (e este comentário é postado enquanto jogam Sport x Atlético-MG). Mas, pelo andar do metrô (carruagem é antigo demais), o Corinthians já pode encomendar a festa do título. Só escapa a taça se houver uma sequência incrível de trapalhadas.