Arquivo da categoria: Vagner Mancini

Opinião: discurso de Mancini mostra como SPFC se atrasa por Cuca

Leia o post original por Perrone

Ao explicar a ida de Diego Souza para o Botafogo, Vagner Mancini disse que “dentro do planejamento, daquilo que vai ser feito no São Paulo, optou-se por isso”. A declaração dada depois do empate deste sábado com a Ferroviária em um gol, no Pacaembu, mostra, na opinião deste blogueiro, o quanto o clube do Morumbi se atrasa ao esperar por Cuca.

A afirmação poderia ser completada com “depois que o novo treinador chegar”. O sinal de compasso de espera é claro. A explicação também dá a entender que a saída de Diego Souza foi um pedido de Cuca e que ele se livrou do desgaste de trombar com o veterano, pois chegará com a “casa arrumada” para iniciar seu trabalho. O plano parece ser o mesmo em relação a Nenê.

Ou seja, o São Paulo está se preparando para receber seu treinador quando deveria aproveitar o tempo de sobra sem a Libertadores para chegar no Brasileirão na ponta dos cascos. A equipe evolui devagar com Mancini. E corre alto risco de passar por mais mudanças com Cuca, retardando mais ainda sua evolução. A chance de chegar no Nacional mais afinado do que os rivais desgastados pela Libertadores vai diminuindo.

Prova desse atraso é a dependência que a equipe mostrou contra a Ferroviária em relação a Hernanes, autor do gol de empate. Apagado no primeiro tempo, ele foi o jogador tricolor mais importante na etapa final, atuando como segundo volante. Uma sequência executando a mesma função já poderia ter feito seu futebol crescer, mas o problema não é esse. Depender de veteranos é algo dramaticamente arriscado no Brasileiro.

O próprio São Paulo sentiu isso na pele no Nacional de 2018. Diego Souza e Nenê foram muito bem no primeiro turno e fizeram o torcedor sonhar com o título. No segundo, porém, caíram de rendimento e deu no que deu. É muito difícil para todo jogador se manter em alto nível durante o Brasileirão inteiro. Ainda mais para veteranos por causa de questões físicas. Com Hernanes não vai ser diferente. Nesse estágio do ano já era para a equipe do Morumbi ter mais gente dividindo a responsabilidade de decidir com ele.

Antony desponta como o futuro do São Paulo. Sua habilidade é acima da média do futebol brasileiro. A maturidade do destaque da última Copa São Paulo também. Mas ele precisa de um time com projeto e estilo de jogo definido para evoluir. Esse ritmo de “vamos tocando enquanto o professor não chega” é péssimo pra ele. Cuca tem muito a contribuir para a carreira da joia são-paulina.

Taticamente, o São Paulo evolui lentamente com Mancini. A questão não é se estaria melhor com Cuca. O ponto é que a partir da chegada do novo técnico, em tese, o São Paulo tem um rumo definido, não fica sujeito a subir dois degraus e descer um. A diretoria, mais uma vez, pode perceber o tamanho do risco de sua aposta quando for tarde demais.

Cuca é a melhor solução para tempos de instabilidade

Leia o post original por Craque Neto

Após o vexame da eliminação na Libertadores o São Paulo agiu rápido e já anunciou seu novo treinador. Trata-se do Cuca, que volta ao clube após 15 anos. Isso mesmo! Em 2004 foi ele que montou a base da equipe que no ano seguinte conquistaria a Libertadores e o Mundial de Clubes. Ele é um profissional sério, que trabalha muito forte os conceitos táticos e que não gosta de jogador migué e encrenqueiro. Tenho a convicção que para esse período de instabilidade ele será a melhor solução para acertar o vestiário do Tricolor. Agora não pense o Leco – e […]

O post Cuca é a melhor solução para tempos de instabilidade apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Derrotas do São Paulo no Paulista aumentam pressão sobre Raí e seu estafe

Leia o post original por Perrone

As derrotas para Santos e Guarani no Paulista serviram como senha para conselheiros do São Paulo aumentarem a pressão sobre Raí e os demais dirigentes remunerados do futebol tricolor. A principal cobrança acontece pela avaliação de que o ex-meia montou uma estrutura grande, com funcionários de qualidade e bem remunerados. Para eles, isso gera a obrigação de melhores resultados.

Procurado, Raí afirmou por meio da assessoria de imprensa do clube que não se incomoda com as críticas.

Nas palavras de um dos insatisfeitos, o ex-atleta, com contratações feitas desde a sua chegada, armou uma superestrutura, então precisa apresentar super-resultados. Há críticos em grupos de situação e de oposição. Pelo menos dois integrantes do Conselho de Administração são-paulino também avaliam que os resultados precisam ser melhores para justificarem os investimentos. Porém, o órgão não debateu o tema oficialmente.

Um dos questionamentos recai sobre a contratação de Vagner Mancini como coordenador técnico após a saída de Ricardo Rocha. A análise desses conselheiros é de que poderiam dar conta do recado Raí, diretor executivo de futebol, Alexandre Pássaro, gerente executivo, Lugano, diretor institucional, mas próximo ao futebol, e Fernando Bracali Chapecó, conselheiro e diretor-adjunto que atua no departamento sem ser remunerado.

Outra contratação questionada pelo mesmo grupo de conselheiros foi a do preparador físico Carlinhos Neves. Não por sua capacidade profissional mas porque o clube tem três outros preparadores. Em termos comparativos, o Corinthians conta com dois profissionais na preparação física, só que eles comandam quatro auxiliares. Já o Palmeiras possui um coordenador de preparação física e dois preparadores.

Apesar das queixas, o blog apurou que a comissão técnica atual custa menos da metade do que a do ano passado com Diego Aguirre e seu estafe e antes da saída de Rocha. A principal diferença está entre os salários do ex-técnico e do atual, André Jardine.

O argumento de que a temporada está só começando e é preciso dar tempo para a equipe mostrar resultado não amolece os críticos. Nos bastidores, eles sustentam que pelo tamanho do estafe e pelos gastos do clube um retorno melhor deveria ter sido apresentado até aqui. Outro argumento é de que Raí já tinha montado uma grande estrutura no ano passado sem proporcionar os resultados esperados por eles. Ou seja, não são apenas as duas derrotas no Estadual que pesam na balança.

Tava indo tão bem, hein Raí?!

Leia o post original por Craque Neto

Eu, José Ferreira Neto, posso me declarar um grande admirador do Raí. Éramos rivais enquanto jogadores, mas não nego que ele me inspirava pra jogar bola. As boas atuações dele me forçavam a melhorar. Ainda assim, fora das quatro linhas, a gente sempre se encontrava. Formamos uma amizade legal. Tanto é que sempre o defendi onde estivesse. Só que não posso deixar de fazer minhas críticas ao profissional diretor de futebol do São Paulo. Na montagem do elenco para 2019 ele vinha fazendo um trabalho bem interessante. Contratou jogadores para posições pontuais e verdadeiramente fortaleceu o time. Já citei no […]

O post Tava indo tão bem, hein Raí?! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Mancini se desculpa

Leia o post original por Antero Greco

O episódio de final de semana mexeu com Vagner Mancini e teve repercussão ainda nesta terça-feira. Aliás, episódios. Lembra quais foram? Não?! Faço um resumo.

O Vitória ganhou do Corinthians, em Itaquera, e botou fim na invencibilidade do líder no Brasileiro. Após o jogo, Mancini não gostou da forma como Felipe Garraffa, repórter da Rádio Bandeirantes, abordou o desempenho da equipe. Na opinião dele, o jornalista se errou ao dizer que o time baiano “jogou por uma bola”. De fato, o Vitória jogou bem.

Só que, para reforçar o argumento e rebater a crítica, o treinador sugeriu que o rapaz era corintiano. Um falou, outro respondeu, e a entrevista acabou. Na sequência, justiceiros de internet foram procurar posts de sete anos para provar que Garraffa de fato era corintiano. Detalhe: em 2010, não passava de um adolescente de 13 anos, ainda no ensino médio…

No domingo, vazou áudio no qual Mancini conversava com um amigo, comemorava a proeza e dizia que tinha sabor especial ganhar do Corinthians. E, além disso, estava eufórico por ter dado “uma patada num jornalista corintiano babaca”.

Ficou chato. Sem contar que ali houve, aparentemente, comportamento de amigo urso. Injusto, desonesto e reprovável tornar público um áudio pessoal, privado, particular. Fosse comigo, eu cortava papo com o sujeito. Com amigos desses, nem precisa de inimigo.

Pois Mancini comunicou nesta terça-feira que telefonou para Roberto Andrade, presidente do Corinthians, e para Felipe Garraffa, para desculpar-se. Afirmou, em nota, que nunca desrespeitaria o clube e desejou sorte ao jornalista. Desce o pano.

Entendo o gesto de Mancini como preocupação com a imagem – e é um direito que tem. Ele sabe o quanto prejudica ser malvisto por uma torcida, seja ela qual for.

Poderia também enxergar gesto de boa vontade com Corinthians e Garraffa. Atitude de maturidade e humildade. Tomara seja isso mesmo. Com um detalhe: teria agido ainda no domingo mesmo, para sufocar na raiz episódios que não levam a nada.

Treinador x Repórter: quem está com a razão???

Leia o post original por Craque Neto

No último sábado o atrito entre o técnico Vágner Mancini e o repórter Felipe Garraffa, da Rádio Bandeirantes, ganhou mais repercussão que a quebra da invencibilidade do líder Corinthians para o Vitória em plena Arena de Itaquera com mais de 42 mil torcedores presentes. Muita gente me perguntou quem eu acho que teria razão em toda essa polêmica. Olha só, conheço os dois personagens. O primeiro, o treinador, é meu amigo há mais de 35 anos. Jogamos juntos nas categorias de base do Guarani nos anos 1980. O segundo é um menino gente boa e repórter do programa ’90 minutos’ […]

O post Treinador x Repórter: quem está com a razão??? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Furacão à beira de um desmanche catastrófico

Leia o post original por Neto

Apesar do aproveitamento de campeão, Vágner Mancini não teve contrato renovado

Apesar do aproveitamento de campeão, Vágner Mancini não teve contrato renovado

Apesar de ter sido vice-campeão estadual, vice também da Copa do Brasil e terceiro colocado do Campeonato Brasileiro, continuo com a mesma opinião de algumas semanas. Acho que o Atlético Paranaense é a equipe mais regular do País. Conseguiu formar um elenco de jogadores desconhecidos mas de muita qualidade. Caras de boa técnica que encaixaram perfeitamente em um esquema tático bem definido. Só penso que a partir de agora a diretoria tem que correr atrás para evitar um rápido desmanche.

A tendência é que boa parte do time deixe o Furacão. Afinal os direitos federativos deles ficaram muito inflacionados. O primeiro a zarpar da capital paranaense foi o meia Everton, que já foi aprovado nos exames e é o novo reforço do Flamengo para 2014. Os atacantes Éderson, artilheiro do Brasileirão com 21 gols, e Marcelo Cirino, eleito pela CBF a revelação do Nacional também podem seguir um novo rumo em suas carreiras. O Corinthians, por exemplo, se interessou por Marcelo, mas a direção do Atlético fixou os valores em 12 milhões de euros. Aí o acordo emperrou!

O zagueiro Manoel foi durante muito tempo pretendido pelo Palmeiras. O ala direito Léo também foi assediado pelo Flamengo. Já o técnico Vágner Mancini, responsável por um incrível aproveitamento de 62,3% dos pontos disputados, foi comunicado que não teria seu contrato renovado. Brincadeira, né? Fico pensando se a cartolagem do Furacão está consciente dos seus atos. Porque se perder mais três ou quatro peças importantes vai brigar na próxima temporada para não ser rebaixado. Depois não digam que não avisei.

Minha Seleção do Brasileirão

Leia o post original por Neto

Ederson foi artilheiro do Brasileirão com 21 gols

Ederson foi artilheiro do Brasileirão com 21 gols

Toda essa polêmica envolvendo brigas nas arquibancadas verdadeiramente marcou esse Campeonato Brasileiro. Mas como meu negócio é falar de bola, vou eleger aqui os 11 jogadores e o treinador que na minha concepção foram os melhores nesse Nacional.

Rogério Ceni (São Paulo) – Sei que vai ter muito cruzeirense revoltado comigo dizendo que o Fábio foi o melhor. E de fato o camisa 1 celeste arrebentou nessa temporada. Mas é bom lembrar que ele teve defesa pra garantir lá atrás, né? Por isso continuo apostando no goleiro do São Paulo. Apesar dos 40 anos ele fechou o gol muitas vezes. Nesse campeonato bateu o recorde histórico de atuações por um mesmo clube. E mesmo tendo uma defesa morta na frente dele. O que esse cara faz com a idade que tem deixa muito menininho no chinelo.

Pará (Grêmio) – Lateral voluntarioso e extremamente regular. Fez uma temporada muito boa. Encaixou no esquema do Renato Gaúcho e soube apoiar o ataque quando necessário. Mesmo reconhecendo que seu forte é a marcação. Gosto muito do estilo dele batalhador.

Gil (Corinthians) – É verdade que o Corinthians fez papelão nesse Brasileirão. Mas ainda assim conseguiu se destacar defensivamente. Teve a melhor defesa disparada do torneio com apenas 22 gols sofridos em 38 jogos. Um número fantástico! E muito disso se deve a segurança desse zagueiro, que despontou como fora-de-série. Tem uma força física diferenciada, além senso de colocação e visão de jogo além do normal.

Dedé (Cruzeiro) – Continua atuando em alto nível. É sem dúvida um dos responsáveis por esse título do Cruzeiro. Encaixou como uma luva na zaga mineira. É rápido no posicionamento, na recuperação e ainda sabe fazer gols como artilheiro. Deve estar na Seleção do Felipão para a próxima Copa do Mundo.

Alex Telles (Grêmio) – Ala moderno que consegue unir com eficiência os sentidos de apoio e marcação. Fechou com qualidade o setor no time gaúcho. Obediente taticamente foi por muitas vezes a válvula de escape do Tricolor dos Pampas ofensivamente.

Ralf (Corinthians) – Pra mim o melhor primeiro volante do Brasil disparado. Aliás, o segredo do sucesso do Corinthians nos últimos anos passa pela força de marcação desse jogador. Compõe um terceiro zagueiro com qualidade e junto com o Gil foi responsável pela melhor defesa disparada do País.

Souza (Grêmio) – Se os vice-campeões tiveram equilíbrio nesse campeonato no setor de meio-campo muito disso passou pelos pés do Souza. Volante moderno que une boa marcação com qualidade na distribuição das bolas.

Everton Ribeiro (Cruzeiro) – Sem dúvidas o principal craque do campeonato. O ‘Bola de Ouro’! Armou o campeão com eficiência e ainda marcou uns golaços de placa. Fez a diretoria do Corinthians se arrepender amargamente de tê-lo negociado.

Diego Tardelli (Atlético/MG) – Poderia escalar minha Seleção no tal 4-4-2, que os letrados adoram ficar falando. Mas prefiro colocar no meu time três homens mais ofensivos. O Tardelli pode tter sido coadjuvante do Ronaldinho na conquista da Libertadores, mas nas partidas que ele fez no Brasileiro foi protagonista. Fez cada golaço de encher os olhos! Será fundamental para o Galo na busca do título mundial. Joga muito.

Ederson (Atlético/PR) – O artilheiro da competição não poderia ficar de fora, né? Com 21 gols ele levou o Furacão a surpreendente terceira colocação no Nacional. E o melhor de tudo é que se mostrou um goleador completo. Fez gol de tudo quanto é jeito. O sucesso foi tão grande que o Furacão deverá negociá-lo na próxima temporada.

Marcelo (Atlético/PR) – Pra mim a grande revelação desse campeonato. Jogador rápido e oportunista, ele não pipocou para nenhuma das melhores defesas da competição. Formou com o Éderson pra mim a principal dupla de ataque do torneio. Outro que não deve permanecer no Furacão em 2014.

Técnico: Vágner Mancini (Atético/PR) – Enquanto um monte de comandante medalhão naufragou em 2013, o Mancini provou sua competência e conduziu o Furacão nas maravilhosas campanhas no Brasileirão, onde foi terceiro colocado, e também no vice-campeonato da Copa do Brasil. Tem conceitos estratégicos diferenciados. Merece tudo o que vem alcançando na carreira. Trabalhou uma equipe sem grande medalhões e teve sucesso.

Santos deveria estar jogando por 2014, não por mala branca

Leia o post original por Odir Cunha

Dossiê e Agenda Permanente, só hoje, por R$ 20,00 aqui no blog

Um amigo, torcedor do Cruzeiro, teve a coragem de reclamar do preço do Dossiê, que ele pretendia dar de presente a outros amigos cruzeirenses neste Natal. Falei com o Vítor Queiroz e lançamos essa promoção, que só vale para hoje, do livro que permitiu aos cruzeirenses gritarem “Tricampeão Brasileiro!”. Agora não haverá desculpa para alguém não ter o Dossiê! A Agenda Permanente do Santos para 2014 também será vendida por apenas 20 reais. Mas só nesta Cyber Monday!

Vitória de virada confirma Santos como o melhor paulista

Com dois gols de Cícero, um em cada tempo, o Santos derrotou o Atlético Paranaense, de virada, por 2 a 1, e se consolidou como o oitavo colocado no Campeonato Brasileiro, quatro pontos à frente de Corinthians e São Paulo. Ainda há uma pequena possibilidade de terminar como o sétimo, desde que na última rodada vença o Goiás, em Goiânia, e o Atlético Mineiro seja derrotado.

Um público de cerca de 15 mil pessoas compareceu ao estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, para ver um jogo que valia muito pouco para o Santos, provando mais uma vez que o Interior de São Paulo é um filão que deveria ser mais explorado pelo Alvinegro Praiano.

Claudinei Oliveira escalou o time com Aranha, Cicinho (Bruno Peres), Edu Dracena (Durval), Gustavo Henrique e Mena; Alan Santos, Marcos Assunção (Renato Abreu), Cícero e Montillo; Thiago Ribeiro e Geuvânio. Sabe-se que, destes, Durval, Marcos Assunção e Renato Abreu não devem permanecer no time em 2014.

O Atlético Paranaense, que precisava da vitória para assegurar uma vaga na Copa Libertadores de 2014, jogou com Weverton, Léo, Manoel, Luiz Alberto e Juninho; Deivid, Bruno Silva (Roger), João Paulo (Zezinho) e Everton; Marcelo e Ederson (Dellatorre).

Os gols foram de Marcelo, de cabeça, aos 27 minutos, e Cícero, também de cabeça, aos 33 minutos do primeiro tempo; e de Cícero, tocando na saída do goleiro, aos 31 da segunda etapa.

Apesar dos altos e baixos durante toda a competição, o Santos termina 2013 como o melhor (ou seria o menos ruim?) clube paulista neste Brasileiro. A ordem agora é usar o campeonato estadual para iniciar a renovação na equipe. Também há a possibilidade de se utilizar jogadores como moeda de troca na busca de reforços. Sabe-se que o São Paulo demonstrou interesse por Edu Dracena e o Corinthians por Arouca. Cícero também já insinuou que tem propostas. Outro com bom valor de mercado é Montillo. Dos reforços, sabe-se que o gerente de futebol, Zinho, tem mantido contato com Vargas, do Grêmio.

Veja o gol da vitória, segundo Durval treinado nos rachões do CT Rei Pelé:

Você consegue explicar por que o time começou a ganhar agora?

mala-brancaclaudinei O.
É esta a motivação do Santos neste final de Brasileiro? (Foto de Ricardo Saibun/ Divulgação Santos FC).

Há torcedores indignados, e com razão, com a notícia de que talvez o técnico Claudinei Oliveira, que está de saída, escale no meio-campo do Santos os jogadores Marcos Assunção e Renato Abreu, que também estão de saída, no jogo deste domingo, às 19h30, em São José do Rio Preto, contra o Atlético Paranaense.

O ideal seria dar uma oportunidade a Lucas Otávio, ou outro jogador vindo da base, que estarão no clube em 2014, mas o que ocorre, infelizmente, não só no Santos, mas nos clubes brasileiros, é que por falta de planejamento do departamento de futebol, quem acaba mandando e desmandando é o técnico.

Ora, estes dois últimos jogos do Santos neste Brasileiro podem ser preciosos para observações visando a próxima temporada. Rechear o time principal de veteranos nessas partidas é, no mínimo, estranho. Como o próprio Claudinei Oliveira admitiu que não é contra a “mala branca”, o Santos, com um pistoleiro de aluguel, pode estar jogando para defender interesses de terceiros.

Soube que o Vasco ofereceu um bom cachê para o time vencer o Fluminense. Agora, quem estaria interessado na derrota do Atlético Paranaense? Seria o Grêmio? Ou o Goiás? Ou ainda o Botafogo? Sabe-se que o segundo colocado no Brasileiro não passa por jogos eliminatórios na Copa Libertadores, e esta segunda posição ainda é disputada por quatro times.

O ideal seria que o futebol do Santos seguisse um planejamento sério, que envolvesse filosofia e métodos de trabalho. Porém, como “em casa que não tem pão, irmão briga com irmão”, a ansiedade por dinheiro, somada à ausência de ética e organização, provoca situações contraditórias como esta, em que um time pode se esforçar mais em jogos que nada valem, e parecer desinteressado em confrontos vitais para sua classificação, como na partida contra o Vitória, em Salvador.

Se o clube permanece, e as comissões técnicas e os jogadores passam – às vezes bem rapidamente –, é óbvio que a filosofia e o planejamento para o futebol têm de ficar a cargo de um departamento de futebol competente, formado por pessoas do ramo, éticas e aliadas com a história do clube.

Há nove anos…

No final de 2004, lá estávamos eu e o amigo Flávio Bacellar, o Peixe, no meu Kazinho vermelho, a caminho da tórrida São José do Rio Preto, para assistir a Santos e Vasco, última partida do Alvinegro Praiano naquele Campeonato Brasileiro. Colega da Revista TÊNIS, o Peixe era tão ou mais mais fanático e confiante do que eu. Para ele, assim como para mim, íamos apenas curtir e comemorar o título.

Chegamos alguns dias antes da decisão e pude ver o treino em que Basílio entregou a camisa a Robinho, que desembarcara de helicóptero, depois que sua mãe foi libertada do seqüestro. Emocionante! Teve gente que chorou nas arquibancadas do Benedito Teixeira.

No dia do jogo, o calor era tanto que muitos compravam garrafinhas de água apenas para derramar na cabeça. Por fim, 2 a 1 e o título, com os santistas saindo do estádio para tomar as ruas da cidade, que a partir daí passou a ser chamada de São José do Rio Preto e Branco.

Nosso grande adversário naquela reta final foi justamente o Atlético Paranaense, oponente do Santos no jogo deste domingo, às 19h30, no mesmo Teixeirão. Não sei o que esperar deste jogo. Apenas torço para que os jogadores do Santos e seu técnico sejam profissionais e joguem, acima de tudo, pelo clube que lhes paga os salários.

O Santos deve atuar com Aranha, Cicinho, Edu Dracena, Gustavo Henrique e Mena; Alison (Marcos Assunção ou Renato Abreu), Alan Santos, Cícero e Montillo; Geuvânio e Thiago Ribeiro. O Atlético Paranaemse, do técnico Vagner Mancini, não terá Paulo Baier e Pedro Botelho e provavelmente entrará em campo com Weverton, Léo, Manoel, Luiz Alberto e Juninho; Deivid, João Paulo (Zezinho), Everton e Zezinho (Felipe); Marcelo e Éderson.

A imprensa do Paraná tem dito que o Atlético entrará para vencer, pois isso poderá lhe garantir o segundo lugar no Brasileiro, um resultado fantástico para um time que até a oitava rodada era o penúltimo colocado. Espero que realmente jogue pela vitória e que o Santos também se empenhe para vencer, com ou sem mala branca. A carreira de cada jogador deve ser seu maior incentivo para buscar a vitória.

Você não acha que o Santos já deveria estar se preparando para 2014?