Arquivo da categoria: Volta Redonda

Marra

Leia o post original por Rica Perrone

Era 8 da manhã quando o Flamengo começou a ganhar o jogo de hoje, mais precisamente na padaria do seu Carlos no Méier. Ali, enquanto cada rubro-negro chegava pra comprar o pão falando em goleada, botafoguenses falavam em evitar vexame.

E aí você me diz que “é apenas noção de realidade diante do cenário”, mas você sabe tanto quanto eu que fosse o cenário absolutamente contrário o flamenguista entraria lá dizendo que ia passar o trator hoje e o botafoguense pensaria “só falta perder mesmo com essa fase boa”.

Marra ganha jogo. Marra conquista pessoas. Marra é um adjetivo dado como “ruim”, mas que nem sempre é assim.

O que sobra ao Flamengo falta ao Botafogo.   É um time bonzinho. Minha filha se casaria com o Botafogo. Eu levaria ela pro altar. Com o Flamengo eu ficaria bolado.

Óbvio que numa disputa entre Flamengo e Botafogo, ela vai querer o Flamengo.

Ela pode ser minha filha. Ou a bola. Tanto faz. A tendência é bem parecida de ser igual.

O Flamengo debocha, peita e jura ser bem maior do que de fato pode. O Botafogo se apequena e não aceita nem mesmo seu real tamanho. Anda de ombros altos, cabeça baixa. Como quem se protege de algo que ele não pode enfrentar.

Pois aí está a diferença.

Até pra morrer tem que ser grande.  Tem gente que morre atirando, gente que morre de costas. Você sabe como cada um morreu sem ter que perguntar nada.

O Botafogo hoje sangra pelas costas. O Flamengo faz piada, porque pode.

abs,
RicaPerrone

Marra

Leia o post original por Rica Perrone

Era 8 da manhã quando o Flamengo começou a ganhar o jogo de hoje, mais precisamente na padaria do seu Carlos no Méier. Ali, enquanto cada rubro-negro chegava pra comprar o pão falando em goleada, botafoguenses falavam em evitar vexame.

E aí você me diz que “é apenas noção de realidade diante do cenário”, mas você sabe tanto quanto eu que fosse o cenário absolutamente contrário o flamenguista entraria lá dizendo que ia passar o trator hoje e o botafoguense pensaria “só falta perder mesmo com essa fase boa”.

Marra ganha jogo. Marra conquista pessoas. Marra é um adjetivo dado como “ruim”, mas que nem sempre é assim.

O que sobra ao Flamengo falta ao Botafogo.   É um time bonzinho. Minha filha se casaria com o Botafogo. Eu levaria ela pro altar. Com o Flamengo eu ficaria bolado.

Óbvio que numa disputa entre Flamengo e Botafogo, ela vai querer o Flamengo.

Ela pode ser minha filha. Ou a bola. Tanto faz. A tendência é bem parecida de ser igual.

O Flamengo debocha, peita e jura ser bem maior do que de fato pode. O Botafogo se apequena e não aceita nem mesmo seu real tamanho. Anda de ombros altos, cabeça baixa. Como quem se protege de algo que ele não pode enfrentar.

Pois aí está a diferença.

Até pra morrer tem que ser grande.  Tem gente que morre atirando, gente que morre de costas. Você sabe como cada um morreu sem ter que perguntar nada.

O Botafogo hoje sangra pelas costas. O Flamengo faz piada, porque pode.

abs,
RicaPerrone

Sem climão, Flamengo é melhor

Leia o post original por Rica Perrone

O que faria de um Flamengo e Vasco um jogo igual, hoje, é apenas o fato de ser um Flamengo e Vasco.  É evidente que o rubro-negro está melhor, tem mais time e joga mais futebol há algum tempo. Mas por ser clássico, por ser quem é, o Vasco iguala as condições pré jogo rapidamente. …

Prioridades

Leia o post original por Rica Perrone

Ao Botafogo o estadual representa desde janeiro a “grande possibilidade” do ano.  No mesmo período o Fluminense fez de tudo para “não jogar” o estadual e promover a Primeira Liga. Naturalmente o empenho dos dois, tendo ainda o Flu conquistado a Liga no meio de semana, era diferente. De ressaca, claramente achando que empataria e …

A dura missão de avaliar estaduais

Leia o post original por Rica Perrone

Analisar futebol não é uma das profissões mais difíceis do mundo. Pelo contrário, é uma das mais simples e que não exatamente cobram qualidade por parte do analista, desde que dê audiência. Eu gosto, mas de janeiro a maio, é difícil. Os jogos são toscos, a motivação dos times grandes beira a má vontade, os …

As idéias e os fatos

Leia o post original por Rica Perrone

Suas idéias não correspondem aos fatos.  Embora seja “meia verdade” que estejam jogando demais, é menos verdade ainda que o time não tenha condições de se manter num estadual mediocre e numa Copa do Brasil em fase inicial enquanto vive a “maratona” de jogos. Nos últimos 6 jogos o Flamengo fez 1 gol, e de …

O jogãozinho de Volta Redonda

Leia o post original por Rica Perrone

  A diferença brutal entre o Fluminense e o Botafogo, hoje, é que apenas um deles sabe o que tem em campo. Enquanto o Fluminense toca a bola esperando que um de seus talentos resolva o jogo, o Botafogo assume o papel de um time tecnicamente mediocre e faz o básico do básico, compensando com …

Um péssimo resultado

Leia o post original por Rica Perrone

Pouco importa a atuação quando nela faltam tantos titulares e o melhor do time surta e vai expulso. Fica difícil avaliar qualquer coisa relevante nesse cenário. O que importava, então, era o jogo e o campeonato. Em “casa”, num grupo onde deu o azar de enfrentar o grande fora (Cruzeiro)  o Fluminense tinha esse jogo …

É tudo “ilusão”?

Leia o post original por Rica Perrone

Liderar um estadual há muito tempo não quer dizer muita coisa. E não, não acho o fato desprezível muito menos determinante pra qualquer avaliação. Mas será que é tudo ilusão? O Botafogo, que tem um time de mediano pra ruim, não vai dar espetáculo. Nem no estadual, nem na Série B. Estamos falando de um […]

Exército sem armas

Leia o post original por RicaPerrone

O roteiro é de cinema, mas nem sempre a vida ignora o óbvio para nos dar uma linda história de superação.  A maioria das pessoas que estão perto da morte, morrem.  Os raros casos que a evitam viram histórias incríveis.

O Botafogo tenta escrever uma história incrível.  Seus homens lutam com toda a dignidade do primeiro ao último minuto tentando evitar a queda. Mas é um exército sem suporte algum.

Não tem armas, apoio, condições, sequer o mínimo combinado para o cumprimento de suas tarefas.

Estes sim, hoje, podem dizer que fazem “por amor à pátria”.

A guerra tende a ser perdida. E com todos os motivos que justifiquem a derrota, fico realmente comovido de ver o tamanho da luta dos comandados, pagando sozinhos pelos erros dos comandantes.

Se com todos os soldados é quase impossível, com um a menos é batalha perdida.

Não, eu não acredito que o Botafogo consiga escapar esse ano. Mas o meu senso de justiça é conflitante e ao mesmo tempo que entende ser merecido o rebaixamento pelas enormes “cagadas” administrativas na temporada, também pondera o esforço desse time que nem é “pago pra isso”.

Ainda dá. Cada vez menos, mas ainda dá.  E honestamente, se fosse Botafoguense, seja qual for o final dessa história, faria questão de agradecê-los indo ao Maracanã mostrar que não é “por ninguém”  essa luta.

Mas sim por um monte de gente que, tal qual o próprio clube, as vezes desiste antes do fim.

Ainda não acabou.

abs,
RicaPerrone